29 de fevereiro de 2016

Baleia, Câmera e outros vídeos ao vivo no Sonâncias 2015



Realizado entre 27 e 30 de outubro de 2015, o Sonâncias foi uma mistura de festival, seminário e rodada de negócios realizado pela Quente em BH. Todos os quatro debates realizados estão disponíveis na íntegra no YouTube e uma música de cada banda também foi registrada. Alguns desses vídeos você assiste abaixo (do Baleia, Câmera, Pequeno Céu, Reallejo e Douglas Din).



DEBATES 

Música e política:
– Pena Schmidt (SP): Diretor do Centro Cultural São Paulo; também foi superintendente do Auditório Ibirapuera/SP, presidente da Associação Brasileira de Música Independente e diretor da gravadora Warner.
– Murilo Pereira (BH): Chefe do Departamento de Fomento e Incentivo à Cultura da Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte.
– Felipe Amado (BH): Superintendente de Fomento e Incentivo à Cultura da Secretaria de Cultura de Minas Gerais.
– Carlos Paiva (BSB): Secretário de Fomento e Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura.
– Leonardo Beltrão (BH): Coordenador de projetos e programação do Sesc Palladium. Foi gerente de projetos do museu Inhotim e diretor de projetos do Instituto Cultural Sérgio Magnani.
– Mediador _ Gabriel Murilo (BH): Mestre em Música e Cultura pela UFMG e sócio da Embaixada Cultural. Foi um dos coordenadores do programa Música Minas e baixista do Macaco Bong.
  Música e palcos:
– Mancha (SP): Proprietário do espaço Casa do Mancha, principal palco da cena indie paulistana.
– Gutie (PE): Jornalista e produtor cultural, diretor do festival pernambucano Rec-Beat, realizado durante o carnaval do Recife.
– Bruno Golgher (BH): Idealizador e curador do Savassi Jazz Festival e proprietário do Café com Letras.
– Victor Diniz (BH): Sócio da produtora Híbrido, responsável pelo festival S.E.N.S.A.C.I.O.N.A.L., dentre outros. Também é sócio-proprietário do Baixo Centro Cultural.
– Mediador _ Leo Moraes: Músico e sócio-proprietário da casa de shows A Autêntica e do Estúdio Pato Multimídia.
  Música e mídia:
– Alexandre Matias (SP): Editor do Trabalho Sujo. Foi editor do caderno Link do jornal O Estado de S. Paulo, diretor de redação da revista Galileu, e editor-chefe do projeto Trama Universitário.
– Fabiana Batistela (SP): Fundadora da Inker Agência Cultural e diretora geral da Semana Internacional da Música de São Paulo. Jornalista, foi repórter da revista Bizz.
– Guilherme Guedes (RJ): Jornalista, apresentador do Multishow, Canal Bis e parte da equipe do site Tenho Mais Discos que Amigos.
– Paulo Proença (SP/BH): Jornalista, cofundador e o gestor de conteúdo do site de entrevistas Motif. Também é editor de conteúdo web na Rádio Inconfidência.
– Mediador _ Daniel Barbosa (BH): Jornalista do caderno de cultura do jornal O Tempo. Curador de projetos como Natura Musical, Música Minas, Vozes do Morro e Música Independente.
  Música e mercado:
– Coy Freitas (SP): Diretor artístico da plataforma Skol Music, que reúne artistas como Karol Conká e Boogarins.
– Fernanda Bas (RJ): Coordenadora de marketing digital na Som Livre / Slap.
– Fernando Dotta (SP): músico e sócio do selo Balaclava Records (SP)
– Yannick Falisse (Bélgica) e Leonardo Marques (BH): Músicos e proprietários do selo belga/belorizontino La Femme Qui Roule.
– Marcos Boffa (BH/SP): Curador dos festivais Planeta Terra e Sónar SP, diretor artístico da casa de shows Audio Club. Um dos criadores da Motor Music e do festival Eletronika.
– Mediador _ Rômulo Avelar: Administrador e gestor cultural. Consultor de grupos e entidades como o Grupo Galpão e a Casa do Beco. Autor do livro “O Avesso da Cena: Notas sobre Produção e Gestão Cultural”.

22 de fevereiro de 2016

Rio 2016: Baleia

Na primeira vez que ouvi Baleia me veio à mente o termo "pop rock barroco". Uma música rebuscada porém acessível, que chama atenção logo de cara mas carrega certo mistério a ser descoberto. As descrições afoitas podem classificá-los como filhos do Los Hermanos, mas os barbudos cariocas se encaixariam melhor se os pensarmos como aqueles companheiros de escola mais velhos com os quais convivemos mas pertecem, cada a um, a turmas distintas.

Vê-los ao vivo é como acompanhar a transformação de um mogwai: assim como as criaturas que se transformavam em gremlins se alimentadas após a meia-noite ou molhadas, no palco a fofura e a suavidade da Baleia se dissipam em meio ao peso e à presença encorpada da banda. Não por acaso, após o lançamento do álbum de estreia em 2013 (Quebra Azul), o segundo lançamento da banda foi o EP Ao Vivo na Maravilha8 (de 2015) que registra parte dessa potência do show. Naquela técnica preguiçosa, porém eficaz, de se buscar referências, seria algo como um encontro entre Blonde Redhead, Los Hermanos e Dirty Projectors.



A banda se destacou na internet em 2011 com um cover de Justin Timberlake e, depois, por ter entre seus integrantes Maria Luiza Jobim. Se, na época, corria o risco de ser marcada como "a banda da filha do Tom Jobim", após a saída de Maria Luiza o aspecto coletivo se difundiu como uma das marcas da banda: as composições são assinadas coletivamente, os integrantes se revezam nas entrevistas e, a julgar pelas falas e pela diversidade sonora esultante, parece ser algo sincero e orgânico. Os arranjos, parte de destaque na Baleia, se beneficiam dessa coletividade e da musicalidade dos integrantes - metade deles toca mais de um instrumento na banda (o vocalista/violonista GabrielVaz, por exemplo, era o baterista da banda no vídeo com o cover do Timberlake).

A experimental "Volta", lançada no segundo semestre de 2015, sugere os caminhos do novo disco (já descrito pela banda como "mais 'Breu' e menos 'Casa'"). Ou seja, mais enérgico e intenso, menos pop. Gravado durante um retiro na Serra das Araras, no Rio de Janeiro, e produzido novamente por Bruno Giorgi em parceria com a banda, o disco será lançado ainda no primeiro semestre de 2016 e até o momento tem dois singles lançados (os vídeos que acompanham este texto, das faixas "Volta" e "Estrangeiro").

15 de fevereiro de 2016

Rodrigo Ogi na Music Alliance Pact de fevereiro

Parece que meus companheiros gringos da Music Alliance Pact perderam o prazo e somente 16 blogs enviaram as músicas escolhidas para representar seus respectivos países. No caso do Brasil, o artista escolhido para este mês é o Rodrigo Ogi, autor de um dos discos mais elogiados no país em 2015 (Rá!). Você pode fazer o download gratuito da coletânea completa ou ouvir cada música individualmente, clicando no nome da faixa.

ARGENTINA: Zonaindie
Rosal - John
Rosal are one of our all-time favorite bands from Buenos Aires. Led by singer Maria Ezquiaga, they have been around since 2002 delivering indie-pop gems with fine arrangements and catchy lyrics, such as John, a track from their first album. Rosal just released La Musica Es Mi Eje, which features live versions from their five albums and some great covers.

AUSTRALIA: Who The Bloody Hell Are They?
The Delicates - Chimera
Exactly the type of song you'd expect to hear come out of Australia in the middle of our long, hot southern summer. The Delicates are five wallflowers from the Gold Coast who play soothing, understated jangle surf-pop with a hint of the type of melancholy that you only get from bands born outside the hustle and bustle of a major metropolis. Chimera will drift in and out of your headphones without much of a fuss but not without leaving you feeling a little lighter in the process.


BRASIL: Meio Desligado
Rodrigo Ogi - Aventureiro
Aventureiro is the opening track from RÁ!, one of the most acclaimed Brazilian albums of 2015. Rodrigo Ogi raps about life in São Paulo, its challenges and experiences. For those who do not speak Portuguese this track speaks for itself with its strong beats and flow.

CANADA: Ride The Tempo
P'ARIS - Focus
The identity of P'ARIS is currently unknown but one thing is for sure, they know how to write a pop jam. This totally channels the essence of fellow Canadians Tegan and Sara.

CHILE: Super 45
Los Valentina - Danza De La Lluvia
From Piloto, the record label that brought guitars back to Chilean indie-pop, we introduce Los Valentina with their debut EP Señoras. Simple songs about simple things, delicately executed and perfect for the summer, with the unmistakable voice of Valentina Martinez inviting us to listen over and over again until we learn the lyrics to sing along like nothing else matters.

ECUADOR: Plan Arteria
El Bloque - Sazón
Hip hop group El Bloque are part of this year's Rap De Colección Vol.2 compilation that serves as a platform to show off Ecuadorian talent. The album features El Bloque's tasteful single Sazón, which comes with this video

INDONESIA: Deathrockstar
Pygmy Marmoset - Cerita Senja
Pygmy Marmoset are a duo from Bali who sing pop songs with strong lyrics about the environment. Their latest release Cerita Senja (roughly translated as "The Afternoon Story") is about someone who craves a hug after working long hours and commuting through traffic and pollution.

IRELAND: Hendicott Writing
Tuath - Casting Shadows Over Sun (Shammen Delly remix)
Typically an Irish language post-punk act, what makes this locally-leaning remix from Tuath interesting is in part that it's so atypical of them. A remix of fellow Donegal act Shammen Delly, this is an atmospheric bit of slow-building, fuzzy electronica that is decidedly not post-punk. Fortunately, it offers great evidence that Robert Mulhern is not a man to be pigeonholed, once again exploring rhythm and texture, simply through an entirely different medium.

ITALY: Polaroid
Paisley Reich - Fade
Paisley Reich were on the MAP playlist in January 2013, but they have grown up a lot since those early songs. They just released a vinyl EP on Lady Sometimes Records and it shows a new maturity in songwriting and a great awareness in the definition of their sound. Taking inspiration from the likes of Interpol and The National, these guys from Rome are able to create a music landscape full of shadows, noise and mystery, but which also shines with melodies and a psychedelic sweetness.

JAPAN: Make Believe Melodies
Foodman x Meuko Meuko - Wan Wan Wan Wan
This MAP entry sees wonky Japanese producer Foodman team up with equally left-of-center Taiwanese artist Meuko Meuko for a woozy electronic number. Wan Wan Wan Wan jitters ahead, eventually settling into a nice thump, albeit one that takes place in a sonic jungle courtesy of nature-centric samples. Despite all of the disparate parts clanging together, Wan Wan Wan Wan ends up a danceable tune.

MALTA: Stagedive Malta
Divine Sinners - Busy Bee
Divine Sinners is a four-piece band from Gozo (Malta's sister island). Originally founded by Charles J. Attard & Frank Buhagiar, they have been playing live for the past six years and have recorded four albums. Divine Sinners are currently working on their fifth album.

MEXICO: RBMA Radio Panamérika
Memo Guerra - Que Es Lo Que Siento
Continuing the impressive growth of his netlabel Abstrakt Muzak, the Monterrey-born, Austin-based virtuoso Memo Guerra has recently released his new album Moon Phase. The aesthetic choices on swooning first single Que Es Lo Que Siento - drum machines, programming, synths, an unforeseen guitar outro and more - are enveloping by themselves. Yet, underneath all these layers and sonic textures, the song comes into full in effect with its hooky central melody.

PERU: SoTB
Los Tuertos - Faith In God
Los Tuertos features Humberto Campodonico, formerly of the band Turbopotamos, alongside Francisco Chirinos and Claudio Pando. Having made their debut in 2014 with the single Tuerta Navidad, their music has a predilection for folk and nostalgic melodies in a style they call Peruvian gospel. PORTUGAL: Posso Ouvir Um Disco? Bed Legs - Vicious The sound of Bed Legs, a quartet from Braga, is pure blues and rock 'n' roll. Vicious was the first single taken from their debut album, Black Bottle, released in January.

SCOTLAND: The Pop Cop
Mt. Doubt - Soft Wrists
Leo Bargery is the guiding force of Edinburgh's Mt. Doubt, whose 2015 debut album My Past Is A Quiet Beast (available on iTunes) broods with impressive variety, from driving indie-rock to melancholic introspection and everything in between. Vocally reminiscent of Neil Halstead, the incremental crescendo-building of Soft Wrists deserves to be played loud and often. 

SOUTH KOREA: Indieful ROK
Earip - 1984
Earip started her musical career as the vocalist of 90s indie-pop band Sweater and has continued on her own as a singer-songwriter for the past decade. Her fifth solo album Exile has just been released and is full of lovely tunes. Inspired by George Orwell's novel, 1984 showcases Earip's characteristic, warm voice over a calm piano arrangement.