15 de outubro de 2014

Music Alliance Pact de outubro com Baleia representando o Brasil

O Meio Desligado é o representante exclusivo do Brasil no Music Alliance Pact, projeto global que envolve cerca de 30 blogs especializados em música, de diferentes países, que mensalmente realiza uma coletânea com bandas independentes/alternativas. Todo dia 15 é publicada a coletânea com uma música escolhida pelo representante de seu respectivo país de origem.

Faça o download da coletânea deste mês ou escute cada uma das faixas clicando nos nomes das músicas abaixo.

ARGENTINA: Zonaindie
Ubika - Fahrenheit
Hard rock guitars, solid bass and drums plus strong female vocals are the formula behind Ubika. Fahrenheit is the first single from their latest album, Amigos Del Bosque, and it's inspired by Ray Bradbury's novel. The song has a video directed by Diego Stickar, which you can watch here.

AUSTRALIA: Who The Bloody Hell Are They?
The Twoks - First Light
The Twoks are a Melbourne two-piece comprising Xani Kolac on violin and vocals, and Mark Leahy on drums. Initially the solo instrumental project of Kolac, who studied jazz and improvisation at Victorian College of the Arts, the duo is now renowned on the local live circuit for their unpredictable sets which feature Kolac on loop station and a smorgasbord of effects. On The Twoks' latest release, First Light EP - which boasts crisp production from Tony Buchen (The Preatures) - Kolac's improvisations have been whittled down to concise retro-pop tunes in the vein of Pat Benatar or Kate Bush.


BRASIL: Meio Desligado
Baleia - Breu
"Breu" is one of the strongest songs from Baleia's debut album, released last year. They first caught the attention of the indie press in Brazil with a jazzy cover of Justin Timberlake but in their album they show a handful of influences, resulting in experimental indie-rock that dabbles in baroque pop and folk.

CANADA: Ride The Tempo
Friends Forever - As Long As You Call Me
The duo of Jordan Pearson (New Zebra Kid/Halcyon) and Sam McDougall don't have many songs yet under the moniker Friends Forever, but As Long As You Call Me shows off vintage 80s synth-pop inspiration with sparking melodies.

CHILE: Super 45
Magaly Fields - Love Scene
Magaly Fields is a duo formed by Tomás Stewart (guitar) and Diego Cifuentes (drums) who rock fast and strongly. They released their debut album Chromatic Days in September through Algo Records. Their first single is Love Scene, a fictional tune about a rotten relationship that fantasies that the romance never really happened.

DENMARK: All Scandinavian
Hit The Hay - Long Way Home
One of my favorite Danish bands right now, Hit The Hay travel dusty American roads with bags packed with catchy Scandinavian melancholy. Here is my first meeting with them, Long Way Home, as a MAP exclusive download, but do also check out the great Never Wanted Out and Running.

DOMINICAN REPUBLIC: La Casetera
Doob - Put On Your Seat Belt (Brenda M Remix)
True island vibes can be felt all over the work of Doob, a young producer from La Vega who spends his time remixing, and ranging between soul and progressive house on tracks of his own. The original Put On Your Seat Belt song can be heard here, but the one featuring on this MAP edition is a Nu-disco remix by Brenda M, a DJ and collaborator from the neighboring Santiago province.

ECUADOR: Plan Arteria
Estereo Humanzee - Insaciable
In less than one year, Estereo Humanzee return to MAP with their new EP, 8min 20seg. This three-song EP, that came with their new live album Signaux Lumineux, is a real statement of the evolution of their electronic sound.

FRANCE: Your Own Radio
Singapour - Paris SA
Singapour is the new project from the duo Mondrian, who are composed of Roman Oswald and Lee Gordon. On their track Paris SA (Paris Société Anonyme) they present the Paris you don't really want to know: €10,000 per square meter, €3 coffee, stressful life. It's the storytelling of a complicated relationship between Parisians and their city, a kind of "I love you… me neither".

GREECE: Mouxlaloulouda
Dead Gum - Float
Panagiotis Spoulos, as Dead Gum, mainly uses guitar and vocals through minimal effects to create instant songs, psychedelic collages and direct, stripped-down bursts. The music itself - partially improvised but fully psychographic - has anthropocentric characteristics and lo-fi character and flirts with punk, bedroom pop and analog noise. Float is the gripping opening track off his upcoming album, GAINER.

INDONESIA: Deathrockstar
Megatruh - Annelies
Megatruh come from Malang, a small city in the eastern part of Java with plenty of music talent, and Megatruh is one of the latest breed. After a series of painful things happened to frontman Kidung, he started a project influenced by post-punk, psychedelia and noise-rock with 90s sensibilities.

IRELAND: Hendicott Writing
Conor Walsh - The Front
West coast modern-classical pianist Conor Walsh has one foot in Ireland's contemporary scene through his toned-down samples and nuanced electronics. In the most part, though, his music exudes a mellow timelessness, taking the gorgeous throwback farmland of rural Mayo and converting it into a sound that's part film score, part desolate romance. At first listen this sounds like simple piano music; let it sit and The Front's gentle flow whisks you away.

ITALY: Polaroid
Niagara - Vanillacola
Niagara are a Turin-based experimental pop duo. They say their sound incorporates elements of electronic, psychedelic, Eastern and dance music, but I think it's more surprising than this. The track Vanillacola, from their second album Don't Take It Personally (out now on the UK label Monotreme), is a wonderful example of Niagara's elusive idea of music: Boards Of Canada synths that destroy a catchy pop structure, while the vocals become more obsessive as the melody gets hypnotic.

JAPAN: Make Believe Melodies
The Somedays - Remember Me
There is no shortage of indie-pop music in Japan. There has never been a lack of twee-leaning, ennui-dunked groups in this country. Osaka group The Somedays have found a smart way to stand out from the pack. Remember Me is anchored by all the regular trappings of the style - guitar, drums, melancholy vocals - but is given a buzzy edge thanks to the presence of synthesizers, lending a futuristic vibe to their sound.

MEXICO: Red Bull Panamérika
Pájaro Sin Alas - Alfombra Mágica Mental
Rodolfo Ramos Castro aka Pájaro Sin Alas ("Bird With No Wings") not only penned one of the most heartbreaking songs of the first half of this decade, but also became a figure whose slow output is worth the wait. Alfombra Mágica Mental functions as bitter sips of shared realities that strangely link the mystery of the Arabian Nights with the barren landscapes of his home state of Chihuahua in northern Mexico.

PERU: SoTB
Las Amigas De Nadie - Should Not Let It Go
Human Dress is the new album of Las Amigas De Nadie, released two years after Sincronia, a record that created great interest in the Latin American music scene thanks to its originality. Human Dress gives us a much deeper insight into the experimental melodies that the band introduced in their previous album. Should Not Let It Go is their first single, an addictive and remarkable mix of electronic textures and distorted vocals.

PORTUGAL: Posso Ouvir Um Disco?
Pernas De Alicate - Pássaros (Casa Para Pássaros, Parte I)
Pernas De Alicate is not really a band but a project started by drummer Carlos BB, who is also a recording studio owner, and Sara Feio, an illustrator. They invited some of their friends and acquaintances to contribute their art, music, illustrations, photography and film for Pernas De Alicate. The music was recorded over Carlos BB's drums, with every musician invited on a one-by-one basis. The video for Pássaros (Casa Para Pássaros, Parte I) was directed by Sara.

PUERTO RICO: Puerto Rico Indie
Samalot - Valle De Luz
After two intense albums as part of experimental rock group Tachdé, Fernando Samalot has created his own niche in the prolific Puerto Rican music scene with his introspective and meditative songs. With the steady hand of engineer and producer Héctor "Stontape" Hernández, Fernando has created musical landscapes filled with desire, hope and wisdom that seem to travel like wind from our lush Caribbean mountains down to the intricate river channels of the island. Samalot's most recent EP - available through Bandcamp - features two "sister" songs, Rayo De Luz and Valle De Luz. Both are definitely faces of the same coin.

SCOTLAND: The Pop Cop
The Xcerts - Pop Song
The Xcerts have been my favourite Scottish rock band since their debut album In The Cold Wind We Smile was released in 2009, with its impassioned choruses and gripping moments of melancholy. It wasn't difficult to fall under its spell. While the follow-up record was deliberately rougher around the edges, their imminent third album, There Is Only You, out on November 3, is an exhibition of The Xcerts' songwriting strength. The melodic explosion of the aptly-named Pop Song, a MAP exclusive download, is a case in point. Check out the video for it here.

SPAIN: Musikorner
YDVST - 2044
YDVST breathes mysticism and irrealities. His first EP, DVST / CUTS was written during silent and uncertain nights. It was released by the Sweat Taste label and contains experimental essences of ambient, downtempo and vaporware. This mysterious yet captivating artist from Madrid will certainly develop his projects at his own pace.

UNITED STATES: We Listen For You
The Fervor - Moment Of Truth
Louisville, Kentucky's The Fervor mixes in lush orchestration with pounding vocals that conjure up thoughts of Neko Case. The music is filled with small moments of beauty that once heard as a complete piece results in a blissful listen.

14 de outubro de 2014

Gabriel Muzak _ Quero Ver Dançar Agora

Nome conhecido no underground nacional, Gabriel Muzak lançou em 2013 seu segundo disco, 11 anos após sua estreia solo com Bossa Nômade. Quero Ver Dançar Agora, o disco em questão, é ainda mais diversificado que o anterior. Se em 2002 as músicas se aproximavam da sonoridade do Seletores de Frequência e do Funk Fuckers (ambas ao lado de B Negão), em Quero Ver Dançar Agora ele abre espaço para o "carimbó das arábias" (conforme descrição do próprio Muzak) de "Belém não para", para o flerte com o flamenco em "Andaluzia" e alcança ótimos resultados ao explorar o samba em "Uma mulher" e "Ligação", pontos altos do disco. O rock, mesmo que discreto, é o eixo que dá unidade ao álbum em meio a tantas influências.

Os anos trabalhando em estúdios foram benéficos para que o próprio Muzak produzisse um disco conciso. Algumas participações especiais também dão peso: Júnior Tolstoi toca em "Andaluzia", Domenico Lancellotti e Alberto Continentino aparecem em "Belém não para", Kassin participou de parte das gravações e a ilustração da capa foi feita por André Dahmer, cuja ironia dialoga com a faixa-título e o nonsense da faixa de abertura.

(Ganhei esse CD da produtora do Moreno Veloso há algumas semanas e, em meio à correria, achei válido deixar algumas impressões sobre ele por aqui)


12 de outubro de 2014

Zemaria _ Great Escape

Conheci o Zemaria (ou Zémaria, como às vezes é grafado) em 2004, em uma matéria de TV na qual apareceram junto da Mombojó. Passaram-se 10 anos até que eu visse a banda ao vivo e, não por acaso, isso aconteceu na Europa, onde a banda tem construído sua carreira enquanto permanece relativamente desconhecida no Brasil.

Com o lançamento do álbum The Great Escape, em 2013, o grupo capixaba teve exposição mundial ao ter a faixa "Past 2" incluída na trilha do game Fifa 2013 (a música possui mais de 230 mil visualizações no YouTube e mais de 150 mil plays no Spotify). A repercussão não foi por acaso. The Great Escape apresenta um eletropop de alto nível, com pegada disco e um potencial para a pista como raramente se vê em artistas brasileiros.



Produzido pela própria banda em parceria com o francês Pegase, integrante do Minitel Rose, o disco dialoga com o Daft Punk da fase Random Access Memories (coincidência ou não, ambos os discos foram masterizados no mesmo estúdio) e, em alguns momentos, lembra as músicas mais dançantes do Cansei de Ser Sexy e Passion Pit.

A sequência "Broken telephone", "Like gold", "Sky dive" e "Instant lover" é ideal para apertar play e dançar sem preocupação.



 Para quem gosta de Daft Punk, Is Tropical, Copacabana Club, Empire of the Sun, Van She e afins.

8 de outubro de 2014

Guidable - Documentário sobre o Ratos de Porão

Independente de se gostar da banda ou não, Guidable - A verdadeira história do Ratos de Porão, é um documentário relevante para os envolvidos com a cena musical independente e com o rock brasileiro. O Ratos de Porão é um dos principais e mais antigos grupos de hardcore da América Latina, apesar de muitas pessoas ainda o relacionarem apenas à imagem de João Gordo (devido à grande exposição do vocalista a partir de seu trabalho como VJ da MTV).

A trajetória da banda é apresentada principalmente através de entrevistas com os integrantes (e ex-membros) e imagens de arquivo, que inclui momentos históricos como a participação do Sepultura em um show do Ratos em Belo Horizonte, em 1987, e do festival Começo do Fim do Mundo, realizado em 1982 em São Paulo e considerado o primeiro festival punk do Brasil.

Além de conhecer as histórias dos bastidores, os motivos de trocas de membros e o processo de funcionamento da banda (movida, por longos anos, à base de coqueteis de várias drogas), é interessante perceber a dinâmica de mercado da cena hardcore/metal ao longo da trajetória do Ratos, desde os anos 80 ao fim dos anos 2000. O Ratos de Porão é um dos poucos grupos que participou ativamente desse período de transformação: teve um papel crucial no surgimento e crescimento do punk/hardcore no Brasil; criou vínculos com o mercado internacional; chegou a ter contrato com grande gravadora no Brasil e assumiu (novamente) a independência como alternativa de sustentabilidade

Lançado em 2008, Guidable - A verdadeira história do Ratos de Porão não prima pela qualidade estética, mas é um registro histórico importante e serve como ferramenta para se conhecer um pouco mais da lógica de funcionamento de uma banda de rock alternativa no Brasil.

1 de outubro de 2014

Hurra Torpedo = Borat rock'n'roll

Entre 2006 e 2007, trabalhei como redator no Cinema em Cena. No meio de 2007, pouco antes de me desligar do site, escrevi o piloto de uma coluna que começaria por lá, sobre assuntos relacionados ao YouTube. Com o recente anúncio do fim do Cinema em Cena (que será tratado em outro texto por aqui), achei válido resgatar esse texto, sobre a banda norueguesa Hurra Torpedo e sua trajetória na internet. 

Hoje em dia eu escreveria o texto de outra forma, mas segue abaixo sua versão original, apenas com alguns links atualizados (os antigos deixaram de funcionar).

Imagine uma banda na qual os integrantes, em vez dos tradicionais guitarra e baixo, também usam freezers, fogões, panelas e demais utensílios de cozinha e se auto-denominam "a única banda de rock de cozinha do mundo". Agora faça um esforço e tente imaginar um documentário sobre uma turnê dessa mesma banda. Conseguiu? Não precisa queimar seus neurônios, pois tudo isso é realidade. A banda se chama Hurra Torpedo, é norueguesa, tem três integrantes e o documentário se chama The Crushing Blow – a rockumentary.

Em 1995, o Hurra Torpedo apresentou-se em um programa da TV norueguesa chamado Lille lørdag, no qual tocaram uma cover de "Total Eclipse Of The Heart", hit meloso de Bonnie Tyler, com um dos integrantes tocando guitarra e cantando, outro fazendo percussão na tampa de um freezer e esmurrando um fogão e um terceiro integrante destruindo outro fogão com um pesado pedaço de metal. Dez anos depois, essa apresentação na TV foi digitalizada e se tornou fenômeno na internet, tornando a banda famosa entre nerds de todo o mundo.



Tudo bem. Até aí a história é interessante, mas a partir do próximo parágrafo se tornará, digamos, absurda.

No fim de 2005, o Hurra Torpedo viajou para os Estados Unidos para fazer sua primeira turnê americana, cruzando o país de costa a costa. Uma fã, munida de sua câmera digital e acompanhada por um amigo, resolveu seguir a banda durante toda a turnê e fazer o documentário The Crushing Blow. Da chegada a América aos shows, bastidores, visitas a lojas de eletrodomésticos e passeios pelo país, tudo é registrado pela câmera, resultando em hilárias sequências. É como se Beavis e Butt-Head fossem considerados gênios da música contemporânea por quebrarem eletrodomésticos no palco.

Diversos trechos do documentário se espalharam pela internet em sites e blogs. Um trecho que mostra a banda se apresentando em uma festa de aniversário de uma criança foi visto mais de 500 mil vezes no site iFilm, chegando a ser o vídeo mais assistido do site. Atualização: o iFilm não existe mais. O vídeo citado pode ser assistido no Youtube.



Mas na realidade... era tudo falso! A banda realmente existe, mas todo o documentário era parte de uma campanha de marketing viral realizada pela Ford para divulgar o carro Fusion (utilizado pela banda para cruzar os Estados Unidos durante a turnê). A "fã" era na verdade uma atriz e a banda seguia um roteiro frente às câmeras.

Enquanto a campanha promocional do carro estava em atividade, um site chamado thecrushingblow.tv estava no ar disponibilizando todo o mockumentary (variação de "documentary", usada para designar documentários ficcionais) para download, acompanhado de uma mensagem pedindo para que os usuários clicassem nos links da Ford para ajudar o site a se manter no ar, pois a montadora era sua patrocinadora. O Ford Fusion utilizado pela banda durante a turnê também estava sendo sorteado no site.

Passado o período da campanha promocional o site saiu do ar.

Após divulgada a verdade em torno de The Crushing Blow, o Hurra Torpedo deixou de ser conhecido apenas por nerds e tornou-se conhecido mundialmente, apresentando-se em vários países. Inclusive, realizaram outra turnê nos Estados Unidos, desta vez, real.

Ao observarmos casos como o do Hurra Torpedo e outros recentes, como o da famosa Lonelygirl15, do YouTube, e o fenômeno Borat, fica claro que a indústria também já está se adaptando ao webvideo, utilizando a vontade do público em ver pessoas “normais” na tela como forma de lucrar. Um vídeo pode ser bom, mas ao ser vendido como “real”, ele se torna incrível.

O Brasil também não fica fora dessa. Recentemente, para divulgar o lançamento do CD da banda carioca Moptop, da gravadora Universal, foi feito um falso making of das gravações do álbum, no qual os integrantes fingiam não saber tocar seus instrumentos direito e simulavam discussões entre si e com o produtor.

Indiferentes aos questionamentos em relação à convivência entre ficção e realidade na internet e seu uso comercial, Egil Hegerberg, Kristopher Schau e Aslag Guttormsgaard, os integrantes do Hurra Torpedo, querem mais é aproveitar o sucesso obtido graças aos seus vídeos na internet e mandam um aviso através da sua página no MySpace: "Mothers, Hide Your Kitchens!" ("Mães, escondam suas cozinhas").


Confira abaixo a entrevista realizada com Egil Hegerberg, vocalista e guitarrista da banda.

Como vocês descreveriam a diferença na vida de vocês, antes e depois do vídeo de “Total Eclipse of the Heart” se tornar um fenômeno na internet?
Egil: Agora nós não somos conhecidos apenas na Noruega, mas no mundo todo. E como nós passamos a fazer muito mais shows, nós estamos tocando melhor e nosso show melhorou. Está muito melhor do que antes. Nós também tivemos a oportunidade de finalmente gravar o nosso álbum, o que é ótimo.

Vocês sabem quem colocou o vídeo da banda tocando “Total Eclipse of the Heart” pela primeira vez na internet?
Não fazemos idéia.

Como se deu a conexão entre a Ford e o Hurra Torpedo?
Alguém da agência de publicidade da Ford viu o vídeo de “Total Eclipse...” na internet e quis fazer alguma coisa com a gente. Foi meio esquisito. Quando eles entraram em contato com a gente nós tínhamos certeza de que era alguma brincadeira, mas aparentemente não era.

Há muita polêmica em torno de The Crushing Blow. A grande maioria das pessoas acreditou que se tratava de um documentário real e algumas ficaram enfurecidas ao descobrirem que era parte de uma campanha da Ford. O que vocês têm a dizer para as pessoas que dizem que The Crushing Blow não passa de um comercial extendido?
Eu diria que elas estão totalmente corretas.

Havia um roteiro a ser seguido? Quanto do que nós vemos é real?
Nós fizemos uma turnê de um mês pelos Estados Unidos. Haviam algumas idéias anotadas, alguns lugares que tínhamos que visitar e alguns shows marcados. Então nós pegamos a estrada e vimos o que poderia acontecer. Algumas coisas que você vê são roteirizadas, outras foram improvisadas e outras são reais.

Existe alguma chance deThe Crushing Blow ser lançado em DVD?
Ele estava em um DVD encartado na revista Paste Magazine, em abril, eu acho. Nós filmamos muita coisa que não foi utilizada nos episódios divulgados na internet. Alguma coisa foi falada sobre juntar tudo em um longa metragem ou em uma série de TV, mas ainda é muito cedo para falar disso. Pessoalmente, acho que nada disto nunca vai acontecer, mas espero estar errado.

Vocês foram pagos ou a Ford apenas os ajudou na turnê?
Nós fomos pagos. É por isto que a Ford está com problemas financeiros atualmente.

O que vocês conhecem sobre a música e cinema brasileiros? Alguma turnê sul-americana planejada?
Nós não temos planos de fazer nenhuma turnê mundo afora pelos próximos meses, mas veremos o que o próximo ano tem a nos oferecer. Adoraríamos tocar no Brasil. Eu estive em Natal por algumas semanas há 7 anos e amei. É um lugar muito bonito e eu adorei as pessoas de lá.
Nós não conhecemos muito sobre o cinema e a música do Brasil na Noruega. As únicas coisas nas quais consigo pensar são Sepultura, Seu Jorge e Cidade de Deus.


 Atualização bônus:
 Hurra Torpedo tocando "Where is my mind?", do Pixies