30 de abril de 2013

Utilidade pública: um site para fazer mapas de palco

ATUALIZAÇÃO: site fora do ar! Farei um novo post com dicas e exemplos de mapas de palco, ok?

Agora não tem desculpa pra qualquer banda usar mapas de palco feitos à mão ou nem ter o seu: é só usar o Free Stage Plots, site super simples que permite a criação de mapas de palco online e os salva em arquivos de imagem, como o abaixo.


Ainda em versão alfa, o site possui interface intuitiva e é ótimo para preparar mapas de palco funcionais rapidamente.

16 de abril de 2013

Conexão Brasil / Portugal: as apostas dos nossos amigos portugueses para 2013

Os portugueses André Gomes de Abreu e Emanuel Graça fizeram suas listas de bandas que prometem movimentar a cena independente de Portugal em 2013 e o resultado apresenta surpresas interessantes, principalmente para quem não conheço muito da música alternativa portuguesa. Abaixo, eles falam sobre os artistas que escolheram. Antes, no entanto, abro este texto com a minha seleção pessoal das músicas que mais gostei entre as indicadas pelos dois.



15 de abril de 2013

Music Alliance Pact de Abril: Bambas Dois representa o Brasil

O Meio Desligado é o representante exclusivo do Brasil no Music Alliance Pact, projeto global que envolve cerca de 40 blogs especializados em música, de diferentes países, que mensalmente realiza uma coletânea com bandas independentes/alternativas desses países. Todo dia 15 é publicada a coletânea com uma música escolhida pelo representante de seu respectivo país de origem. No Brasil, essa função é exercida pelo Meio Desligado. Na Inglaterra, por exemplo, o representante é o jornal The Guardian.

Faça o download da coletânea completa ou escute as músicas abaixo.

ARGENTINA: Zonaindie 
For those of you living in the southern hemisphere like us, autumn is already here. So we figured it's the perfect season for playing Superposición, the third album by Fotos Del Otoño, a band with a pop acoustic vibe and introspective lyrics. Diario de Hoy is our selected track from this record, but you can download the whole thing from Bandcamp. 

Electronic music in Australia has never burned brighter. Melbourne's Willow Beats are Narayana Johnson and Kalyani Ellis, an uncle-niece duo who are leading the fort of this country's best electronic producers right now. Fans of Mount Kimbie and Flume will gravitate to Alchemy fast. Willow Beats definitely have something beyond a magic touch. This is complex, spectral electronica at its best. 

AUSTRIA: Walzerkönig 
It is no overstatement to say that Francis International Airport are Austria's most relevant band with an international appeal. With their 2010 album In The Woods, they took the local indie community by storm and made quite an impression at festivals such as Eurosonic and Primavera. Three years later, additional e-drums and synths contribute to the more electronic sound of its equally great successor Cache. 

BRASIL: Meio Desligado 
Bambas Dois, the project created by musical producer BiD (who has worked with artists such as Nação Zumbi and Seu Jorge), reunites a great ensemble to experiment with a mix of Brazilian and Jamaican sounds.

If their first EP, 2011's Echo, was "music to make breakfast to" then Lake Names' latest release is the soundtrack to a picnic lunch on the beach. The Nova Scotia band's Folly EP tastes like salt water spray and sunshine, and makes me long for a fix of vitamin D. My favourite so far is The Ostrich, but you can't go wrong with any of these four songs of sparkling reverby pop, available as a free download from Bandcamp

CHILE: Super 45 
Filipe Cadenasso, frontman of established independent band Matorral, started his parallel solo career a few years ago. He moves away from Matorral's rock sound to show a quieter and intimate side. Un Ejercicio is Cadenasso's second studio album, and it sounds like we were with him in the same studio. First single La Puetra, with vocals from Bernadita Martinez, manages to give a sense of closure at times. 

12 de abril de 2013

Cena Independente de Março (com atraso)

A Cena Independente é uma coletânea mensal, inspirada no Music Alliance Pact, que busca apresentar aquilo que há de mais novo e relevante na música nacional através da curadoria de blogs especializados, cada um responsável por um Estado brasileiro. O Meio Desligado é o representante de Minas Gerais e selecionou o Monge, integrante do coletivo Família de Rua (responsável pelo Duelo de MCs, uma das iniciativas mais interessantes da cena underground de BH), para a coletânea deste mês.

Esta edição está interessante e começa com uma sequência muito boa, com os novos projetos eletrônicos Anchuvas, Secchin, o já citado MC Monge e o ragga King Tunes & Original Guerrero de Fé. Pra fazer o download de todas as músicas, só seguir este link. Se preferir, pode ouvir também no player abaixo. 



Faixas
01 Anchuvas – Slowly [SÃO PAULO: Move That Jukebox
02 Secchin – Night Lights [RIO DE JANEIRO: RockInPress
03 Monge MC – Namasté [MINAS GERAIS: Meio Desligado
04 King Tunes & Original Guerrero de Fé – Jah Queira [ALAGOAS: Sirva-se
05 Os Jonsóns –Batedora de Vinis [BAHIA: El Cabong
06 VATZ – Paradise [CEARÁ: Implosão Sonora
07 Anibal – Something [PARAÍBA: Atividade FM
08 Mabombe – Barazuto [PERNAMBUCO: AltNewspapper
09 Fábio Allex – Quebra-Largado [MARANHÃO: Shock Review
10 Novos Xavantes – Pobre Desejo [MATO GROSSO: Factóide
11 The Automatics – Liquid Love Letter [RIO GRANDE DO NORTE: FUGA Underground
12 Baltimore – Deixa Eu Acordar Doente [RIO GRANDE DO SUL: Ignes Elevanium
13 Grieve – Let The Pain Flow Through My Soul [GOIÁS: Alice Ilícita


MINAS GERAIS: Meio Desligado
Monge MC – Namasté 
hip hop 
Representante ativo da cena hip hop mineira, Monge integra o coletivo Família de Rua, principal expoente da cena local e responsável pela realização do Duelo de MCs. Na ativa desde 2000, quando começou a grafitar, participou de diversos grupos em BH e em 2012 lançou o álbum solo #CaminhoDeZion Vol.1. 
Para quem gosta de: Emicida, Jay Z 


SÃO PAULO: Move That Jukebox
Anchuvas – Slowly 
ambient/trip hop/alt. r&b 
O som hipnótico e viajado do Anchuvas vem do interior paulista para penetrar nos ouvidos de quem se interessar por sonoridades mais, digamos, modernas, minimalistas e baseadas em batidas secas, com arranjos de teclados e vários barulhinhos preenchendo o background sonoro. Completam o passeio lúdico vozes masculinas, ecoadas, calmas e suaves, que não demonstram pressa ao passar seu recado. Ainda bem, porque já basta a correria do dia a dia para nos encher. 
Para quem gosta de: James Blake, Desampa, Flying Lotus 

RIO DE JANEIRO: RockInPress
Secchin – Night Lights 
Julio Sccechin é um homem acostumado a se posicionar atrás das câmeras, mas também gosta de criar sua própria música fazendo uma mistura agridoce entre o minimal com dubstep, do doce com o amargo, causando uma inesperada surpresa. A primeira música lançada do que será seu EP de estréia - previsto para maio e com quatro músicas - é “Night Lights”, com participação de Maria Luiza Jobim. A faixa ganhará clipe em breve e coloca mais um nome na cena synth que SILVA e Mahmundi tem traçado. 
Para quem gosta de: 

ALAGOAS: Sirva-se
King Tunes & Original Guerrero de Fé - Jah Queira 
reggae/ragga/rap 
King Tunes é um projeto sound system alagoano capitaneado pelo selecta André Farias em parceria com os MC´s Diego Verdino (A Queda) e Tribo (Favela Soul). Essa galera já vem a certo tempo intervindo com suas músicas nos mais diversos eventos culturais aqui na cidade e se firmando como uma boa opção para os amantes dos sons jamaicanos. “Jah Queria” é fruto de uma gravação feita no início do mês em parceria com o músico chileno Original Guerrero de Fé, que tocou recentemente em Maceió e aproveitou sua passagem pela cidade para registrar em forma de canção o elo criado entre eles pela bass culture. 
Para quem gosta de: Digital Dubs, Sacal, Stereo Dubs 

11 de abril de 2013

O fim do Studio SP

Nota oficial sobre o fim do Studio SP, publicada por Alê Youssef hoje no seu perfil no Facebook:



Após 8 anos de vida intensa e cerca de 2500 shows, casa plataforma de lançamentos da nova cena musical brasileira, encerra seu ciclo no final de abril de 2013.

A história do Studio SP foi totalmente vinculada com a trajetória de uma nova cena musical, que se consolidou em São Paulo na última década. A casa lançou, formou público ou manteve residências fixas de nomes como Criolo, Céu, Daniel Ganjaman e Instituto, Tatá Aeroplano, Hurtmold, Eddie, CSS (Cansei de ser Sexy), Tulipa Ruiz, Bonde do Rolê, Cidadão Instigado, Otto, Mombojó, Del Rey, Cérebro Eletrônico, Karina Buhr, M.Takara, Junio Barreto, Davi Moraes, B. Negão, Macaco Bong, Miranda Kassin, André Frateschi, Diz Maia, Seu Chico, Lucas Santtana, Jumbo Elektro, Thalma de Freitas, Turbo Trio, Vanguart, Maquinado, Mallu Magalhães, Curumin, Guizado, Nina Becker, Thiago Pethit, 3 na Massa, China entre outros.

Importantes atrações da música altenativa internacional também passaram pelo Studio SP: Peter Bjorn and John, Brigth Eyes, John Spencer, Bill Callahan /Smog, Erlend Oye, Camera Obscura, Bonnie Prince Billy, Adrian Sherwood, Diplo, Wax Poetics, Jens Lekman, Four Tet, Kode 9, Gilles Peterson, Daedalus, Love Trio, Hell on Whells, Tortured Soul, Eigth Legs, Daevid Allen e Gong Global Family, Gruff Rhyms, The Gift, Faraquet etc.

Através do seu projeto gratuito Cedo e Sentado de formação de público para novas bandas e democratização do acesso à música, o Studio SP criou uma plataforma de lançamento de novos artistas e a base de uma micro economia que por muito tempo se mostrou auto sustentável para as bandas residentes da casa.

Desde 2005, foram em média 300 shows por ano, totalizando cerca de 2.500 apresentações. A casa também foi palco de apresentações de teatro, literatura, projetos de audio visual do Coletivo Bijari e de noites que misturavam música e circo, como o Show de Talentos e o Cabaré Volátil.
Diversos artistas hoje ícones da arte urbana e contemporânea da cidade decoraram ao longo dos anos o ambiente do STUDIO SP , através de exposições fixas e eventuais. Destaques para OsGemeos, Speto, Titi Freak, Pinky Wainer, Guto Lacaz, Jay, Carlos Dias, Juneca, MZK, Zezão, Rodrigo Chã, Paulo Ito, Paulo Arms, Rita Wainer , Iwald Granato, Chã, Guid, Crespo, Mathiza.

O STUDIO SP se transformou em um dos pontos de referência da revitalização da área que ficou conhecida como Baixo Augusta. A casa foi a primeira sede do Bloco Carnavalesco Acadêmicos do Baixo Augusta.

A notória e agressiva especulação imobiliária que atingiu o Baixo Augusta e trouxe incerteza e ocilações ao projeto é um dos motivos do fechamento da casa. Entretanto, a principal razão é de ordem pessoal e tem relacão com novos rumos das vidas dos sócios fundadores do Studio SP, que em comum acordo tomaram a decisão para poderem se dedicar a novos projetos. Alê Youssef, Maurizio Longobardi e Guga Stroeter, manterão militância cultural, através de suas outras e novas atividades.

O Studio RJ no Rio de Janeiro continuará funcionando normalmente, pois trata-se de uma empresa distinta e com vida própria. O mesmo acontece com o Bloco Acadêmicos do Baixo Augusta, que agora passa a ser formalmente constituído como associacão sem fins lucrativos.

O Studio SP encerra suas atividades com muito orgulho de sua trajetória absolutamente independente, sem nenhum centavo de dinheito público direto ou incentivos fiscais recebidos e termina seu trabalho com um enorme sentimento de gratidão a todos os frequentadores e amigos, aos artístas e bandas que por aqui passaram e aos funcionários que ajudaram no percurso. MUITO OBRIGADO!

Sabemos que a noite é feita de ciclos e só alguns projetos marcam seu tempo. O Studio SP completa a sua trajetória consciente da sua importância e orgulhoso por suas realizações e sua bela história.

“Acompanhei de perto a criação do Studio SP, projeto (muito mais que uma casa noturna) que poderia virar exemplo para política pública em muitos estados, dando visibilidade a novas cenas e indústrias criativas locais.” Hermano Vianna, antropólogo

ALGUNS PROJETOS MARCANTES DO STUDIO SP:

A Noite INSTITUTO e a SELETA COLETIVA pilotada por DANIEL GANJAMAN durou 7 anos e apresentou muitos artistas como EMICIDA, HURTMOLD, CURUMIN, THALMA DE FREITAS. O projeto culminou com o shows preparatórios do repertório de CRIOLO, artista que se apresentou diversas vezes na casa.

O STUDO SP APRESENTA lançou artistas e discos importantes, com destaques para os lançamentos da cantora CÉU, CIDADÃO INSTIGADO, TATÁ AEROLANO, VANGUART, B.NEGÃO e TURBO TRIO e CIBELLE.

O CEDO E SENTADO projeto de formação de público para novas bandas e democratização do acesso à música foi plataforma de lançamento de novos artistas ao longo dos 8 anos da casa. Foram lançados pelo projeto nomes como TULIPA RUIZ, TIÊ, MALLU MAGALHÃES, THIAGO PETHIT, KARINA BUHR, RÔMULO FROES e BÁRBARA EUGÊNIA.

A NOITE FORA DO EIXO hospedou e apresentou para São Paulo, o notabilizado coletivo cultural. A noite lançou na cidade nomes como MACACO BONG e MÓVEIS COLONIAIS DE ACAJÚ.

A casa articulou também vários de seus residentes para prestar tributos às bandas e artístas que os influenciaram. Desse processo nasceram alguns clássicos da noite como HEROES de ANDRÉ FRATESCHI, I LOVE AMY de MIRANDA KASSIN, DEL REY de MOMOBOJÓ e CHINA, SEU CHICO de VITOR ARAÚJO E TIBÉRIO AZUL e VANGBEATS do VANGUART.

Com curadoria de Lucio Ribeiro, o projeto ROCKLOAD, nos primeiros anos da casa, apresentou e lançou nomes como CANSEI DE SER SEXY (CSS), BONDE DO ROLÊ, JUMBO ELEKTRO e CÉREBRO ELETRÔNICO.

A INVASÃO SUECA, em parceria com o Coquetel Molotov foi um Festival desbravador de uma nova fase de shows internacionais em clubes e casas noturnas. Ao longo de 3 edições o projeto trouxe pela primeira vez ao Brasil nomes como PETER BJORN AND JOHN, ERLEND OYE e JENS LEKMAN.
Juntamente com o produtor Marcos Boffa, o projeto FOLK-SE focou na cena do então novo folk americano trouxe pela primeira vez ao Brasil nomes como BONNIE PRINCE BILLY, BRIGTH EYES e SMOG.

O STUDIO SP INCENTIVA, cordenado pelas atrizes Carolina Mânica e Luciana Caruso, destinou rendas de shows e festas para fomento da produção de cinema e teatro. Destaque para produções de MÁRIO BORTOLOTTO e BETO BRANT.

Projetos criados para valorização da música e arte de rua, atividades circences e performances, o CABARÉ VOLÁTIL e o INCRÍVEL SHOW de TALENTOS tiveram apresentações dos atores Julinho Andrade, Tainá e Titi Muller, o acrobata Lú Mineiro e as bandas Vaudeville e Mustaches e os Apaches.

SHAPEART, LAS TABLAS foram exposições de artistas plásticos em skates e pranchas de surf que reuniram nomes como GUTO LACAZ, IVALD GRANATO, PINK WAINER. Elas se juntaram ao ambiente do Studio que foi decorado ao longo dos anos por artístas como OSGEMEOS, SPETO, TITI FREAK, RODRIGO CHÃ, JAY e coletivos artísticos das galerias CHOQUE CULTURAL, GRAFITERIA E EMMA THOMAS.

TRIOLOGIA SUJA DE SAMPA projeto de fomento à literatura marginal com XICO SÁ, CLARAH AVERBUCK, ALEX ANTUNES e convidados fazendo leituras e escolhendo a trilha sonora da noite