15 de dezembro de 2013

Castello Branco representa o Brasil na última Music Alliance Pact de 2013

27 faixas formam a última edição da coletânea Music Alliance Pact de 2013, que conta com Castello Branco representando o Brasil. Basta clicar no nome de cada música para ouví-la individualmente ou fazer o download da coletânea completa aqui

O Meio Desligado é o representante exclusivo do Brasil no Music Alliance Pact, projeto global que envolve cerca de 30 blogs especializados em música, de diferentes países, que mensalmente realiza uma coletânea com bandas independentes/alternativas desses países. Todo dia 15 é publicada a coletânea com uma música escolhida pelo representante de seu respectivo país de origem.

ARGENTINA: Zonaindie 
We came across Cam Beszkin's music when she was a member of Las Bailarinas Anarquistas, Mariana Bianchini's solo band. This song is from Cam's sophomore album Este Amor Ya No Es Para Tanto, in which her potent vocals adds up to a solid guitar and drum rock duet. 

Let's be real - if the industry was a caste system, psychedelic/prog music would sit on the lower rung. Thankfully, we don't fear throwback in this country. We embrace it with open arms and wild, flailing John the Baptist hair. Just Don't Move Me is the brand new track from Melbourne band House Of Laurence. If the image of Tame Impala's Kevin Parker in a white pressed suit, struttin' (barefoot) down the Fremantle boardwalk makes your insides feel like goo then this is dedicated to you. 

AUSTRIA: Walzerkönig 
The post-punk sound of four-piece Hella Comet calls for Sonic Youth comparisons, although their freshly-released second album Wild Honey, from which Tinker Boat is taken, is not afraid of pop either. Hella Comet were selected as one of 18 bands to represent this year's focus country Austria at Europe's most important music festival/conference Eurosonic.


"Necessidade" is taken from Castello Branco's first album, Serviço. It's typical of the easygoing feeling he generates to make songs that speak directly to our souls.


Rebekah Higgs' new release Sha La La is shot through with the spirit of 60s girl groups minus the innocence and politeness of those times. Higgs gets down and dirty climbing Phil Spector's Wall of Sound. She throws classic doo-wop pop down an echo chamber and what comes out the other end is a gauzy, hazy doo-wop/drone-rock hybrid that's utterly compelling. Loneliness has never sounded better.

CHILE: Super 45 
Ali B is the latest winner of Nuevos Sonidos, a demo contest Super 45 has hosted since 1997. She is a rapper who sings in three languages and mixes rhythms from all over the world. Her songs are homemade, built around an MPC and samples taken directly from vinyl. The jury of Super 45 was mesmerized by her infectious flow. Past winners of the Nuevos Sonidos contest include Gepe, Protistas and Fernando Milagros.

La Máquina De Escribir ("The Typewriter") is the project of Laura Torres, who has been involved in the world of music for more than two decades (since she was a little girl, obviously). From her piano, she recreates a world that reflects her feelings, which are evident in Laberinto, the track that gives its name to her 2013 album. 

DENMARK: All Scandinavian 
In October, Sylvester Larsen released his fifth album (his second in English) The End Of Dancing, and here's a MAP exclusive download of its great title track, which is reminiscent of soul and funk giants Stevie Wonder and Sly Stone. Also, check out the video for first single and album opener Stand Up. 

DOMINICAN REPUBLIC: La Casetera 
We've chosen the newest sensation of Santo Domingo, just to see how the rest of the world reacts to its message. That is, if you can handle it. Full of non sequiturs only true Dominicans understand (or so we think), Whitest Taino Alive emerges as a futuristic hip-hop act that combines trap, trill, minimal electronic and naughtiness. Their debut EP Chopería Fina is out now and available for free. 

ECUADOR: Plan Arteria 
Modern, hopeful and nostalgic bohemianism - that sums up the single Canción Para El Resto De Los Días by Ricardo Pita, a songwriter born in the heart of Guayaquil's independent music scene. A musician with a great album and a promising career, Ricardo Pita is a must-listen if you want a vision of contemporary Latin folk music. 

ENGLAND: Drowned In Sound 
From Sting and Prefab Sprout to Maxïmo Park and The Futureheads, the north-east of England has built a reputation for excellence, but it's rare to uncover an act there, or anywhere, that's as precious and heart-kickingly gorgeous as Lanterns On The Lake. They have elements of post-rock which make their tear-duct bothering sadness soar - not unlike the way Low construct epic melancholy. Their second album was recently released by Bella Union and it's gorgeous. Watch the video of this live session track here

FINLAND: Glue 
After relocating to Vienna via Seattle, Finnish songwriter Robin Pahlman has been working on a series of heartfelt acoustic folk home recordings that form his debut self-titled EP, recently released via Berlin-based label Monkey Records. Here is the inspiring single Ghosts. 

GREECE: Mouxlaloulouda 
Noisepop minimalism, raw garage melodies and kraut psychedelic elements meet to create the kaleidoscopic universe of The Callas' album Am I Vertical? The group mix their experimental art and film background with an addiction to pop tunes to present a witty, truly impressive record that balances darkness and light, innocence and sin, joy and lust. 

INDONESIA: Deathrockstar 
Putar Haluanmu is a retrospective song about memories and all the beautiful moments the singer had during his childhood with friends. Andrew Naratama is also a member of KarnaTra, a rock band from Jakarta. 

ITALY: Polaroid 
There's no easy way to describe electronic music, especially when the sound explores multiple paths and you are constantly finding yourself in new territory. Tempelhof is an electronic duo from the town of Mantova and I think they are true explorers more than simple musicians. IDM, shoegaze, house, ambient - everything comes to build the striking sound that you will find in their new album Frozen Dancers, out now on Hell Yeah Recordings. 

It is one of the most factually incorrect song titles of the month, but Tokyo producer Coffee And TV conjures up the warm vibes of the summer on this track. He does so simply. With little manipulation, he finds a snippet of Hey Manhattan! by Prefab Sprout, loops it and milks it for all it's worth. From this basic sonic material he manages to make an easy breezy song that's good for any time of the year. 

Los Angeles-based Mexican producer Chico Sonido has just released his debut album Nalga Bass, which is quite a gamechanger for electropical music. In a market overcrowded with underdeveloped SoundCloud tracks, Chico delivers a coherently mixed record that transmutes and pushes forward genres such as nu-cumbia, trap, tribal and reggaeton, with a twist of humour and naughtiness. They're good for headphones (and twerking too!). 

PERU: SoTB 
Daniel & The Dead End is the new project of Daniel Ruiz, the former Space Bee drummer. Having been abandoned by his band before recording, disillusioned and ready to rock, Daniel decided to do all the work himself, giving life to the first EP. 

Armando Suzette is a Kraków-based band led by Mateusz Tondera. Their music, which combines a variety of genres and influences, is something unique in Poland and it's impossible to describe it in one word. If you feel lost, Advent Mists is for you. As they sing: "Hope you have a real Christmas this time." 

Alexandre Monteiro's The Weatherman project has a new version of the single It Took Me So Long, taken from the latest album which will be released in Holland and Belgium in January. Emmy Curl, who was featured in the November 2010 edition of MAP, was invited to sing with Alexandre in the newer version of this track. Once again Alexandre confirms his high credentials as a composer, singer and creator of great pop songs. Mariana Lopes directed this great video

PUERTO RICO: Puerto Rico Indie 
Buscabulla is one of Puerto Rico's most promising emerging acts, a breath of fresh air in a musical climate that often struggles to bridge pop smarts with heartfelt and engaging music. Singer Raquel Berríos and her band conjure an intoxicating mix of classic cool with more forward-thinking flourishes on the group's first single Tu Loco Loco Y Yo Tranquilo, a cover of master composer Tite Curet Alonso's song made popular in 1969 by salsa legends Roberto Roena y Su Apollo Sound. Buscabulla's debut EP is due in 2014 - it's going to be a good year. 

ROMANIA: Babylon Noise 
After What is the side-project of the frontmen of two Romanian indie bands, The Amsterdams and The MOOod, both of whose influences are apparent - the music inherits the creativity of the former and the energy of the latter. 

SCOTLAND: The Pop Cop 
JP Reid is a familiar name in rock circles through his band Sucioperro as well as Marmaduke Duke, the side-project he shares with Biffy Clyro frontman Simon Neil. JP Reid's new venture Medals, however, is arguably his most appealing. Debut album Disguises is an honest, pop-focused body of work and its title track stands out as a refreshingly unapologetic crowd-pleaser that you'll likely play again and again.  
SOUTH KOREA: Korean Indie 
Glen Check have been around since 2011 and already made quite a name for themselves at home. With a fanbase growing abroad, the duo is taking their rock and electronica sound to SXSW in 2014. The infectious electro-pop tune Pacific is the lead track off the band's recently-released second album Youth! 

SPAIN: Musikorner 
Tiger Menja Zebra was born from the ashes of Camping, a Catalan post-rock band that achieved great success in the past decade. With this new project, while sticking to the post-rock genre, they haven't given up on pushing their boundaries. 

UNITED STATES: We Listen For You 
Está Vivo perfectly titled his newest offering, How Strange. It certainly is strange, yet extremely alluring due to a fascinating mixture of robot-esque male vocals and whimsical female vocals that take turns floating above churning electronics. Let the track simmer and it will certainly take hold as one of the more hypnotic listens of the year. 

VENEZUELA: Música y Más 
Aspen developed from the creative union between members of different bands. Influenced by the classic sound of British artists such as Badfinger and Oasis, their debut single boasts a slight psychedelic tinge. Aspen are one of the first bands on the roster of Macca Records, who also represent Los Paranoias.

(Do meu antigo quarto, em uma cidade de mais de 300 anos)

12 de dezembro de 2013

Sobre o fenômeno dos trabalhos de merda

Deu trabalho, mas segue abaixo a tradução que fiz do texto de David Graeber, professor de antropologia na London School of Economics, para a revista ativista Strike Mag sobre o mercado de trabalho. O título original refere-se aos "bullshit jobs". Apesar de ter traduzido "bullshit" ao longo do texto como "besteira" ou "bobagem", decidi traduzir o termo "bullshit jobs" como os "trabalhos de merda" acima, apesar de não ser o correspondente literal.

Em 1930, John Maynard Keynes previu que, ao fim do século, a tecnologia teria avançado o suficiente ao ponto de países como Grã-Bretanha e Estados Unidos terem alcançado jornadas de 15 horas semanais de trabalho. Temos toda a razão em acreditar que ele estava certo. Em termos tecnológicos, somos perfeitamente capazes disso. Mas ainda não aconteceu. Em vez disso, a tecnologia foi trabalhada, por assim dizer, para conseguir meios de nos fazer trabalhar mais. Em ordem para conseguir isso, foram criados empregos que são, efetivamente, inúteis.

Uma grande quantidade de pessoas, na Europa e na América do Norte principalmente, passam suas vidas ativas inteiras exercendo funções que secretamente acreditam não precisarem realmente serem feitas. O dano moral e espiritual que vem dessa situação é profundo. É uma cicatriz em nossa alma coletiva, apesar de ninguém conversar sobre isso.

Por que a utopia prometida por Keynes - ainda que avidamente esperada nos anos 60 - nunca se materializou? A constatação padrão atualmente é que ele não calculou o aumento massivo no consumismo. Dadas as opções de se trabalhar menos ou ter mais brinquedos e prazeres, escolhemos coletivamente a última opção. Isso apresenta uma boa estória de moralidade, mas até mesmo uma reflexão momentânea mostra que isso não pode ser verdade. Sim, nós assistimos à criação de uma infinita variedade de novos trabalhos e indústrias desde os anos 20, mas muitos poucos deles têm a ver com a produção e distribuição de sushi, iPhones ou tênis extravagantes.

ilustração de John Riordian


Então, quais são esses novos trabalhos, precisamente? Uma matéria recente sobre o emprego nos EUA entre 1910 e os anos 2000 nos dá uma imagem clara (e, noto, algo igual ecoou no Reino Unido). Durante o último século, o número de trabalhadores empregados com serviços domésticos, na indústria e nas fazendas entrou em colapso dramaticamente.  Ao mesmo tempo, trabalhos "gerenciais, de escritório, vendas e de serviços" triplicaram, passando "de um quarto a três quartos do emprego geral". Em outras palavras, os trabalhos de produção, exatamente como previsto, foram largamente automatizados (mesmo se você considerar os trabalhadores da indústria globalmente, incluindo as massas trabalhadoras na Índia e na China, essas pessoas não formam um percentual tão grande em relação à população mundial como era antigamente).

Mas em vez de permitir uma redução massiva das horas de trabalho para liberar a população mundial para buscar seus projetos pessoais, prazeres, visões e ideias, nós vimos o inchaço não necessariamente do setor de "serviços" mas do setor administrativo, incluindo a criação de novas indústrias como a de serviços financeiros e telemarketing, além da expansão sem precedentes de setores como o de leis corporativas, administração acadêmica e de saúde, recursos humanos e relações públicas. E esses números sequer refletem todos aqueles que prestam serviços administrativos, técnicos ou de segurança para essas indústrias, nem todo o tipo de serviços auxiliares (lavadores de cães, entregadores de pizza 24h) que só existem porque todas as outras pessoas estão passando tempo demais trabalhando.

Esses são os que proponho em chamar de "trabalhos de merda".

É como se alguém lá fora nos mantivesse fazendo trabalhos sem sentido apenas para que estejamos trabalhando. E aqui, precisamente, está o mistério. No capitalismo, isso é exatamente o que não deve acontecer. No velho estado socialista ineficiente, no qual o emprego era considerado tanto um direito como um dever sagrado, o sistema criava quantos empregos fossem necessários (por isso na União Soviética as lojas tinham três balconistas para se vender um pedaço de carne). Mas, é claro, esse é o tipo de problema que a competição de mercado supostamente corrigiria. De acordo com a teoria econômica, ao menos, a última coisa que uma firma em busca de lucro iria querer seria gastar dinheiro com empregados desnecessários. Apesar disso, de alguma forma, isso acontece.

Enquanto corporações estão empenhadas em reduções implacáveis, as demissões e cortes recaem naqueles que estão realmente produzindo, movendo, consertando e mantendo as coisas; através de uma estranha alquimia que ninguém sabe explicar exatamente o número de assalariados empurradores de papel parece crescer e mais e mais empregados encontram-se, não diferente dos antigos trabalhadores da União Soviética, em jornadas de 40 ou até mesmo 50 horas semanais sobre papeis, mas efetivamente trabalhando apenas 15 horas exatamente como Keynes previu, uma vez que o resto do tempo de trabalho é gasto organizando ou frequentando seminários motivacionais, atualizando perfis de Facebook ou fazendo downloads de box-sets de TV.

A resposta claramente não é econômica: é moral e política. A classe dominante percebeu que uma população feliz e produtiva com tempo livre disponível é um perigo mortal (pense no que começou a acontecer quando nos aproximamos disso nos anos 60). E, por outro lado, o sentimento de que o trabalho possui um valor moral em si mesmo e que qualquer um que não esteja disposto a se submeter a uma intensa disciplina de trabalho durante a maior parte de seu dia não merece nada é extremamente conveniente a eles.

Uma vez, enquanto contemplava o aparentemente infinito crescimento das responsabilidades administrativas nos departamentos acadêmicos ingleses, cheguei a uma possível visão do inferno. Inferno é uma reunião de indivíduos que estão passando a maior parte do tempo trabalhando em tarefas das quais não gostam e não são necessariamente bons as executando. Digamos que eles tenham sido contratados por serem ótimos marceneiros e então descobrem que se espera que eles passem boa parte do tempo fritando peixes. Essa função não precisa necessariamente ser feita - ou, ao menos, há apenas uma quantidade limitada de peixe que precisa ser frita. Mas, de alguma forma, todos eles passam a ficar ressentidos com o fato de que outros colegas podem estar passando mais tempo realmente trabalhando com marcenaria e não cumprindo as funções de fritar peixe, o que resulta em longas pilhas de peixes mal fritos ao longo da oficina e isso é tudo o que qualquer um faz.

Acredito que atualmente essa é uma descrição precisa da dinâmica moral da nossa própria economia.

Agora, percebo que qualquer argumento levará a objeções imediatas: "quem é você para dizer quais trabalhos são realmente 'necessários'? O que é necessário, afinal? Você é um professor de antropologia, qual a 'necessidade', disso?" (e de fato um monte de leitores de tabloides pode considerar a existência do meu trabalho como a exata definição de desperdício de despesas sociais). Em um nível, isso é obviamente verdade. Que não há uma medida objetiva de valor social.

Eu não me atreveria a dizer a alguém convicto de estar fazendo uma contribuição significativa para o mundo de que eles, na verdade, não o estão fazendo. Mas e em relação àqueles que estão convencidos de que seus trabalhos são sem sentido? Não muito tempo atrás voltei a ter contato com um amigo de escola com o qual não encontrava desde os 12 anos de idade. Estava assombrado por descobrir que nesse meio tempo ele se tornou primeiro um poeta, depois o líder de uma banda de indie rock. Havia escutado algumas de suas músicas no rádio sem saber que o vocalista era alguém que eu conhecia. Ele era, claramente, brilhante, inovador e seu trabalho inquestionavelmente melhorou as vidas de pessoas ao redor do mundo. Apesar disso, após alguns álbuns mal-sucedidos, ele perdeu seu contrato e atormentado pelas contas e uma filha recém-nascida, acabou, como ele disse, "escolhendo a opção padrão de muitas pessoas sem direção: a faculdade de direito". Agora ele é advogado corporativo de uma proeminente firma de Nova York. Ele foi o primeiro a admitir que seu trabalho era completamente sem sentido, contribuindo em nada para o mundo e, na sua própria opinião, sequer deveria existir.

Existem várias perguntas que alguém poderia fazer aqui, começando com o que isso diz sobre nossa sociedade além de que ela parece criar uma demanda limitada para talentosos poetas-músicos e uma demanda aparentemente infinita para especialistas em lei corporativa? (Resposta: se 1% da população controla a maior parte do dinheiro disponível, o que chamamos de "mercado" reflete o que eles consideram útil ou importante, não o que os outros pensam).

Porém, mais um vez, isso mostra que grande parte das pessoas nesses trabalhos estão conscientes disso. De fato, não tenho certeza se alguma vez encontrei algum advogado corporativo que não achasse que seu trabalho fosse uma besteira. O mesmo vale para quase todos os trabalhos que destaquei acima. Há toda uma classe de profissionais assalariados que, se você os encontrar em uma festa e o seu emprego for considerado interessante (um antropólogo, por exemplo), eles irão fugir completamente de qualquer conversa que envolva os trabalhos deles. Dê-lhes alguns drinks e eles estarão soltando tiradas sobre o quão estúpidos e sem sentido são seus trabalhos.

Há uma intensa violência psicológica aqui. Como alguém pode sequer começar a falar sobre dignidade no trabalho quando se pensa que o emprego do outro não deveria existir? Como isso pode não criar uma profunda sensação de raiva e ressentimento? No entanto, o gênio peculiar dos que comandam nossa sociedade descobriu uma maneira, como no caso dos fritadores de peixe, para garantir que a raiva seja dirigida precisamente contra aqueles que realmente fazem algum trabalho significativo. Por exemplo: em nossa sociedade parece haver uma regra geral que, quanto mais o trabalho de alguém traga benefícios aos outros, menos ele deve receber em troca. Mais uma vez, uma medida objetiva é difícil de encontrar, mas uma maneira fácil de chegar a um sentido é perguntar: o que aconteceria se toda esta classe de pessoas simplesmente desaparecesse? Diga o que quiser sobre enfermeiros, lixeiros ou mecânicos, mas é óbvio que se eles desaparecessem em uma nuvem de fumaça, os resultados seriam imediatos e catastróficos. Um mundo sem professores ou trabalhadores de docas logo estaria em apuros e até mesmo um mundo sem escritores de ficção científica ou músicos de ska seria claramente um lugar pior. Não é totalmente claro como a humanidade sofreria se todos os CEOs, lobistas, relações públicas, atendentes de telemarketing, oficiais de justiça ou consultores legais simplesmente desaparecessem da mesma forma (muitos suspeitam que o mundo poderia melhorar significativamente). No entanto, para além de um punhado de exceções entre os que ganham muito (como no caso dos médicos), a regra funciona surpreendentemente bem.

Ainda mais perverso, há um senso comum de que é assim que as coisas devam ser. Esse é um dos segredos do populismo de direita. Você pode ver isso quando os tabloides gritam contra os funcionários do metrô por entrarem em greve por melhores condições: o simples fato de os funcionários do metrô poderem paralisar Londres mostra o quanto o trabalho deles é necessário, mas isso parece ser exatamente o que incomoda as pessoas. Fica ainda mais claro nos EUA, onde os republicanos tiveram enorme sucesso em mobilizar rancor contra professores, funcionários das montadoras (e não contra os administradores das escolas ou gerentes das indústrias automotivas, que são quem realmente causa os problemas) por seus salários e benefícios inflados. É como se eles dissessem "vocês têm que ensinar as crianças! Ou fazer carros! Vocês têm que ter trabalhos de verdade! E acima de tudo vocês ainda têm a coragem de esperar ter pensões de classe média e planos de saúde?".

Se alguém tivesse desenhado um sistema de trabalho perfeitamente adequado à manutenção de poder do capital financeiro, é difícil ver como eles poderiam ter feito um trabalho melhor. Os verdadeiros trabalhadores produtivos são espremidos e explorados implacavelmente. O restante é dividido entre uma camada aterrorizada, insultada universalmente, desempregada, e uma parcela maior que basicamente é remunerada para fazer nada, em posições criadas para fazê-los se sentir identificados com as perspectivas e valores da classe dominante (gerentes, administradores etc) - e particularmente seus avatares financeiros - mas, ao mesmo tempo, fomentar um ressentimento latente contra qualquer um cujo trabalho tenha claro e inegável valor social. Claramente, o sistema nunca foi conscientemente construído. Ele emergiu ao longo de um século de tentativa e erro. Mas essa é a única explicação do porquê, apesar de nossas capacidades tecnológicas, não estamos trabalhando 3 ou 4 horas diárias.

11 de dezembro de 2013

O óbvio não nos tira do lugar

Faz sete anos desde que criei o Meio Desligado. Passaram-se 10 anos desde que criei meu primeiro blog. Ambos foram extremamente importantes na minha vida e registraram parte dos processos pelos quais passei desde meus 15, 16 anos de idade. Tudo sempre seguiu de uma forma natural e talvez por isso tenha obtido alguns resultados relevantes. 

Experimentar formatos na internet, escrever sobre música independente brasileira e pensar no que podia fazer no jornalismo cultural eram questões ativas na minha vida e que refletiam, entre outras coisas, na produção publicada aqui. Hoje, outros temas (alguns muito próximos daqueles iniciais, é verdade) me instigam mais. E, ao perceber o baixo volume de atualizações por aqui, percebo que o Meio Desligado não deveria se tornar uma obrigação, mas sim permanecer como uma extensão da minha vida, da minha visão do mundo.

Por mais que eu sempre estivesse ocupado fazendo duas faculdades e um estágio simultâneos, morando na periferia e sem grana, aprendendo programação, criando vídeos e músicas (e que nem eram ruins, afinal, até o Hermano Vianna chegou a falar em entrevista para a Carta Capital que eram uma das coisas mais interessantes no Brasil naquela época), mantinha o Meio Desligado com animação e ainda conseguia tempo para criar outros blogs e projetos online. Isso tudo, percebo, por serem ações sinceras, não obrigações. E para continuar com sinceridade é preciso mudar. E mudar, nesse caso, é ter maior liberdade, não saber qual será o próximo passo. O óbvio não nos tira do lugar. Não quero ficar parado.

(Da sala de um apartamento em Laranjeiras, Rio de Janeiro)

1 de dezembro de 2013

Cena Independente #23

Mais uma edição da coletânea mensal Cena Independente, desta vez sem colaboração do Meio Desligado. A Cena Independente é uma coletânea inspirada no Music Alliance Pact, que busca apresentar aquilo que há de mais novo e relevante na música nacional através da curadoria de blogs especializados, cada um responsável por um estado brasileiro. A mixtape é organizada pelo FUGA Underground e publicada sempre no último dia de cada mês pelos blogs parceiros.




1 Androide Sem Par – Com Um Buraco No Peito [RIO GRANDE DO NORTE: FUGA Underground]
2 Imof – Chuva [PARANÁ: Cena Low-Fi]
3 Capotes Pretos na Terra Marfim – Traços Simples [CEARÁ: Implosão Sonora]
4 CESRV – Times Like These [SÃO PAULO: Move That Jukebox]
5 Kalouv – Boa Sorte, Santiago [PERNAMBUCO: AltNewspaper]
6 Suinga – Sacolão [BAHIA: El Cabong]
7 Dof Lafá – Zero [ALAGOAS: Sirva-se]
8 Grimriot – Believe Me [RIO GRANDE DO SUL: Ignes Elevanium]

RIO GRANDE DO NORTE: FUGA Underground
Androide Sem Par – Com Um Buraco No Peito
indie pop
Pelo menos nos últimos dois anos, as melhores novidades da música alternativa potiguar têm vindo de músicos já com uma longa relação com a cena. O Androide Sem Par é mais uma que segue essa tendência. Projeto mais recente de Juão NIN, vocalista da banda de metal alternativo AK-47, o Androide Sem Par estreou em janeiro com o álbum “Grave”, disponível para download gratuito no DoSol NetLabel. Uma de suas faixas de destaque, “Com Um Buraco No Peito” traz um indie pop agridoce com as agruras do fim de um relacionamento, um tema que vai se repetindo ao longo de todo o disco embalado por outras referências musicais, que passam pela mpb nordestina e o pop rock nacional dos anos 80 e 90. 
Para quem gosta de: Feist, Arcade Fire, Beirut

PARANÁ: Cena Low-Fi
Imof – Chuva
folk rock
Banda nova (de 2012), contudo, formada por (autênticos) veteranos da cena Curitibana. Osmário Júnior (baterista, integrou as bandas CMU Down, UV Ray, Dive e Sofia), Fernando Lobo (baixista, tocou na ESS, Tod´s e Goticos 4 Fun,) e Martinuci guitarrista e tecladista (Stilnovisti), a IMOF é comandada por Ivan Santos (bandas Relespública, OAEOZ e Hotel Avenida). O single recém-lançado “Chuva” é uma prévia do próximo trabalho fonográfico. O quarteto que no ano passado lançou o EP “Um silêncio novo na casa”.
Para quem gosta de: Hotel Avenida, Bad Folks, Vanguart

Capotes Pretos na Terra Marfim – Traços Simples
rock alternativo 
Desde que que ouvi a Capotes Pretos pela primeira vez fiquei encantada. A vontade de enquadrar a sonoridade da banda em algum gênero musical nunca bateu e ficou. Por sorte, tive a chance de ver uma apresentação do grupo na Mostra de Bandas Universitárias da UFC. Redundante seria dizer que eles conquistaram a plateia, que não eram muita, mas era intensa. A banda é composta por Moisés Filipe, Freddy Costa, Eudenia Magalhães, Marcelo Freitas e Artur Guidugli. O grupo lançou seu primeiro EP nesse ano (2013), intitulado "A Casa", e é repleto de influências que vão de canções folclóricas as mais variadas vertentes do rock.
Para quem gosta de: tardes de domingo, xilofone, calmaria

SÃO PAULO: Move That Jukebox
CESRV – Times Like These
future beats/soul/synth
CESRV é Cesar Pierri, um dos cabeças à frente do ótimo selo paulistano Beatwise Records, fundado há pouco tempo com o intuito de divulgar novos sons da cena eletrônica. E um deles é One Thousand Sleepless Nights, disco curtinho, mas cheio de momentos brilhantes. Lançado recentemente, o álbum contempla recortes diversos e passeia por beats certeiros, influências de soul e R&B, grooves pra dançar e melodias que casam mais com um dia cinza e preguiçoso. Destaque pra incrível “Times Like These” e seus samples de black music.
Para quem gosta de: SANTS, Loxxo, Pazes

PERNAMBUCO: AltNewspaper
Kalouv – Boa Sorte, Santiago
instrumental/experimental/jazz
Fiquei um tempo pensando no que falar do single lançado pela banda pernambucana Kalouv neste mês. “Bem vindo, Santiago” é uma homenagem prévia ao filho de um dos integrantes da banda. A música é leve, quase uma canção de ninar, porém quando se dorme sempre existem as possibilidades de pesadelos, e até estes instantes podem ser percebidos. A novidade não vem apenas na vida, mas também na sonoridade do grupo. Ao longo dos 9 minutos da canção, vemos uma quebrada de jazz, o tal do post-rock clássico e ambiências que so ficaram mais bonitas com as participações especiais de Kevin Jock (Trompete) e Isadora Melo (voz).
Para quem gosta de: Explosions In The Sky, Mono e Toe

BAHIA: El Cabong
Suinga – Sacolão
música baiana
A Axé Music foi um monstro que deixou marcas na música baiana, para o bem e muito para o mal. Apesar disso, sua origem é autêntica, espontânea e distante do que a maioria conhece do gênero. Tudo isso para falar da Suinga, uma banda originária do cenário independente que pega as melhores referências da música baiana de Carnaval dos anos 80 e refaz tudo. Como se fosse 1999, tira todo o excesso dos anos seguintes, e dá continuidade a malemolência, bom humor, alto astral e a mistura de frevo, ritmos latinos e afro e pop daquela música. O grupo acaba de lançar o primeiro disco, “Recomeço”.
Para quem gosta de: Luiz Caldas, Armandinho, Dodô & Osmar, Carnaval

ALAGOAS: Sirva-se
Dof Lafá – Zero
rock/hardcore melódico/pop punk
A Dof Lafá faz aquele rock com cara da praia, surf e natureza, bem na pegada de suas maiores influências. Na ativa desde 2010 a banda conquista cada vez mais espaço no cenário local e marca espaço se apresentando em importantes festivais aqui na cidade. É nessa vibe pra frente que os caras lançaram há poucos dias o webclipe da música “Heroína” gravado ao vivo durante a apresentação da banda no festival Maionese desse ano, um dos principais palcos da música independente local. Aqui na mixtape você ouve “Zero” um dos sons gravados da banda.
Para quem gosta de: Forfun, Rancore, Sugar Kane

RIO GRANDE DO SUL: Ignes Elevanium
Grimriot – Believe Me
Lançado no dia 18 de Novembro, o single "Believe Me" da banda portoalegrense Grimriot, que se propõe a mesclar diferentes estilos de Metal, é um petardo de Prog Metal intenso e cativante. O single é uma das prévias para o primeiro disco dos caras, a ser lançado em breve, que já contou com outras duas prévias lançadas em single, estas já mais puxadas pro metal moderno, de bandas como Avenged Sevenfold. De qualquer maneira, a banda agrada a muitos gostos pois é competente em todas as esferas nas quais tenta se incluir.
Para quem gosta de: Avenged Sevenfold, Symphony X, Adrenaline Mob

22 de novembro de 2013

Music Alliance Pact de novembro: Marcelo Jeneci representa o Brasil

O Meio Desligado é o representante exclusivo do Brasil no Music Alliance Pact, projeto global que envolve cerca de 40 blogs especializados em música, de diferentes países, que mensalmente realiza uma coletânea com bandas independentes/alternativas desses países. Todo dia 15 é publicada a coletânea com uma música escolhida pelo representante de seu respectivo país de origem. Você pode clicar nos nomes das músicas para ouvi-las ou fazer o download da coletânea completa.
 
ARGENTINA: Zonaindie  
Since their inception in 2008, Onda Vaga have avoided the steps that independent artists usually take in order to be a part of the music industry. It was a wise call. Thanks to word of mouth from a public that follows them whenever they perform, this folk-rock band have become a huge success, both locally and internationally (they made quite an impression at last year's Fuji Rock Festival in Japan). Tataralí is the first single from their recently released third album, Magma Elemental.

It's easy to imagine that Belango Twist might have been found inside a dusty shoebox containing a mix of rhythm and blues cassettes somewhere in the Deep South. Surprisingly that's far from the case. Sydney swamp-rockers La Mancha Negra (which loosely translates from Spanish to "The Black Stain") recently delivered their second album. Packed with blues ooze and reverberated hollers, Belango Twist is a tune that's ideal for cruising... and smashing out a few letterboxes on the way.

AUSTRIA: Walzerkönig  
Robotra - Morninglight 2 Don't let the noisy, distorted lo-fi shell of Robotra songs trick you. This three-piece band from Graz and their pop melodies will catch your attention and make you want to sing along immediately. Morninglight 2 is taken from their full-length debut Tinker, which was mixed and mastered by Wolfgang Möstl (Mile Me Deaf, Sex Jams, Killed By 9V Batteries).


BRASIL: Meio Desligado  
In Marcelo Jeneci's new psychedelic/pop-influenced album, the single "De Graça" is one of the weirdest and greatest songs. Strong influences of the earliest works of Caetano Veloso and Arnaldo Antunes (with whom Jeneci still plays keyboard) can be easily heard, as well as Jeneci's talent for making catchy melodies that create the kind of feeling when everything is just fine and you don't worry about anything.

The Dirty Nil want to be your dealer, and Nicotine is their gateway drug of choice. Their brand of rock and roll knows no fear, takes no prisoners and shows no mercy. They're brash, they're crass and they're gonna make you love them or die trying.

CHILE: Super 45  
Among the new breed of bands helping to renew the Chilean music scene, Fármacos stand out just as much for the many nuances of their sound - in which nods to electronica and pop are present - as their innate ability to create dramatic melodies that are hard to get out of your head. Despegarte De Mí is taken from their 2013 debut album Los Días Más Largos, released through Beast Discos.

  DENMARK: All Scandinavian  
A lauded and prize-winning poet, Nicolaj Stochholm chose poetry over punk back in the 1980s. In 2002 he again acquired a guitar, in 2010 he formed The Liquid, and on November 27 the trio debuts with the great post-punk album Atlas Interplan. It opens with Hang On, To You. Stop!, coming to you here as a MAP exclusive download.

DOMINICAN REPUBLIC: La Casetera  
What happens when a folk singer makes a merengue song? The answer can be heard on The Endless Traveller Song, extracted from Charles Lavaigne's latest album The Birdfish. Amidst all the psychedelia and freak folk, this fun, melodious tune stands because it reaffirms Charles' Dominican roots, often lost in translation and his own peculiar identity. Dance off, then hear the rest of the album if you're into crazy musical rides.

ECUADOR: Plan Arteria  
The joining of two leading voices of two important local bands (Mamá Vudú and Can Can) gives life to this project that combines music and illustration. Mundos is the epicenter of talented musicians who bring their creativity and imagination into an album of 12 songs. Núcleos Activos Imaginarios is a good example of the evolution of Ecuadorian independent music, with Gorriones closing the album in a sublime way.

ESTONIA: Rada7.ee  
Kali Briis released new album Say Whaat? this month via the Eesti Pops label. From soul, funk and hip hop to blues, electro and pop, this 24-year-old producer feels comfortable in a wide range of genres and masters his instruments, all recorded in his own home. His 2012 album The Moon Ghost can be downloaded for free on Bandcamp.

  FINLAND: Glue  
Guided by blasting bass lines and rock-solid drumming, Helsinki-based band Ritual Smoker experiment with abrasive soundscapes of hypnotic effect. Wars is included in the band's debut album Not To Dominate, But To Serve, out this month.

FRANCE: Yet You're Fired  
Belle Arché Lou is one of those bands that surprises you while digging through vinyl crates in a record store. An unknown but pretty name, an almost poetic feel running through your body while staring at the artwork, and the assurance that this record can be nothing but great. A three-man band hailing from Paris and Geneva, Belle Arché Lou write almost orchestral pieces with unusual instruments: a vibraphone, chimes and a glockenspiel, paired most of the time with an acoustic guitar. Their songs are gorgeous, delicate, happiness-inducing instrumentals.

GREECE: Mouxlaloulouda  
Primarily concerned with contrast, Michalis Moschoutis creates works that lie on the fringes of several genres: heavy processing and live electronics; restrained, unadorned improvisation that brings out the inherent primitivism and ritualism of music; cathartic dark metal; the plainness and intimacy of 16th-17th century lute works; and the subtle fluctuations of minimal drone music. His latest single was recorded inside old churches. Listen to the repetitive yet haunting acoustic melody of ActI and sink away into a dreamy cloud of harmonic beauty.

INDONESIA: Deathrockstar  
Tamankota (which means "City Park") is a band from Bandung influenced by the British indie-pop scenes of the 80s and 90s. Cerita Pagi Hari Ini ("Story From This Morning") is filled with raw sunshine power.

IRELAND: Harmless Noise  
Chrysalis was released with a video ahead of Crayonsmith's new album Milk Teeth and the title was a hint at the changes in sound. Previously a solo artist working with synths, samples and guitar, Crayonsmith are now a three-piece band. Simple in construction, it's pinned to a driving, purposeful rhythm, as Ciaran Smith's vocal beseeches the listener with endearing fragility. The pattern of melody that colours the wings as this track pulls itself free and beats away is mesmerising; light yet pensive, its transformative powers hint at the unfolding darkness still to come.

ITALY: Polaroid  
A gigantic electric shock: this is the music of Tiger! Shit! Tiger! Tiger! on their second album Forever Young. Fast songs, loud noises, dramatic melodies. You could easily point out names like Sonic Youth or Wavves or Male Bonding or No Age. It doesn't matter. It's the sound of electricity that becomes art and poetry. Read the titles in the playlist: Forever Young, Golden Age, Whirlwind Weekend, Fearless Youth, Rage... this is all we need right now.

In a very short amount of time, Nagano-based Boe Oakner has been making great strides in her musical development. The 17-year-old started this year making lovely instrumentals and now she is working her voice into her songs as well. Cherenkov is an ennui-tinged waltz, featuring kitchen-sink percussion, pretty bell chimes and natural sounds like a rainstorm.

Aarón Bautista has enjoyed a long career as a musician in some important bands from Mexico City's underground scene. Now he's going his own way with a solo project. His album doesn't sound very similar to stuff we are used to hearing from Mexico City nowadays. Or maybe it does, but in a very twisted and personal way. The record has a precious, yet punk, attitude, filled with psychedelia, gloomy folk and beautiful production. It almost sounds like something to sing along to while feeling drunk and declining in the middle of whatever scene you might find sophisticated.

PERU: SoTB  
Arequipa is a small town in southern Peru, a place where fate strove to unite Gabriel Alvarez, Saul Piettro and Juan Arce, friends who then became Piettro. Their style is a coalescence of trova and crossover rock, and with each of their songs they want to convey a message of love, peace and respect. Piettro is preparing its first album to be released as soon as possible.

XXANAXX is a good example of how to bring together ambitious tunes and not-so-far-away-from-mainstream recognition. Although the band only formed in 2012, this year they have supported Austra and Hurts and played the Selector Festival, amassing a large number of fans in the process. No matter how you describe their music - nu beats or future chillout - one thing is certain, Got U Under is one of the greatest Polish tracks of 2013.

PORTUGAL: Posso Ouvir Um Disco?  
One of the coolest new Portuguese rock bands, The Glockenwise released their second album in May, which has the same name as this month's track (check out this fun video for it). They won't disappoint those looking for energy and lots of jumping around, and you can tell they have listened to the fathers of this sound, from The Stooges to the Ramones.

PUERTO RICO: Puerto Rico Indie  
Puerto Rico's best-known garage-rock export Dávila 666 called it quits last year after touring the world in support of their second full-length. Founding member AJ Dávila spent little time mourning the band, instead focusing on his solo debut. The project's guest list quickly ballooned to Supernatural-era Santana levels, and Terror Amor became a who's who of Latin American indie-pop. The album, out in January on Nacional Records, will include collaborations with Mexico's Juan Cirerol and Chile's Alex Anwandter among many others. Ohhh (No Te Encantes) features one of Puerto Rico's most beloved singers and fellow MAP alumni Fofé Abreu on backing vocals, as well as Mexico's Jinmy Vitte (of Los Negretes fame) on acoustic guitar.

ROMANIA: Babylon Noise  
Tony Baboon is a tropical one man pop band, with jazz and trip hop influences. The music is made up of a diverse spectrum of carefully thought-out sounds and word combinations that deal with themes such as nature, animals, plants, philosophy, surrealism and utopia.

SCOTLAND: The Pop Cop  
Call To Mind are based in Glasgow but originally from Ardersier, a former fishing village near Inverness with a population of barely 1,000. The influence of the group's upbringing is keenly felt in their music - song titles are sprinkled with Highland reference points, while their lush, smartly-crafted ambient pop paints truly idyllic imagery. At their majestic best, such as A Family Sketch, they give French darlings M83 a run for their money when it comes to atmospheric euphoria. Debut album The Winter Is White is due out in early 2014 through Olive Grove Records.

SOUTH KOREA: Korean Indie  
Vassline has been one of the finest acts in Korea's hardcore scene since it started. Six years after their third full-length, the band finally returned with Black Silence. It was well worth the wait, showing everyone that Vassline is still at the very top. The instrumental piece Overture To Recomposition features MAP alumni Jambinai with their unique use of traditional Korean instruments in part 1, before Vassline bring out the heavy guns in part 2.

SPAIN: Musikorner  
Astro One Deep is a young Galician, now resident in Barcelona. Taking in influences from hip hop and electronic music, he has spent a long time shut away in his bedroom preparing new offerings. Like the emotions he portrays, his style is dynamic and varied; it draws on multiple genres such as funk, jazz, urban and electronica.

UNITED STATES: We Listen For You  
KO is the brainchild of Indianapolis singer/guitarist Kristin Newborn. She made a splash in early 2011 as frontwoman on the lone, underappreciated LP from indie-pop outfit Slothpop. Golden Gal finds her working within KO's minimalist, two-piece framework, adding depth through layers of vocal loops. Newborn's vocal prowess has earned her opportunities alongside professional symphonies, but the singular intimacy of KO proves equally intoxicating.