Instagram

20 de junho de 2012

Show do Marcelo Jeneci nesta sexta em BH

E serei o DJ da festa.

Sexta-feira, 22 de Junho, no Granfinos.

19 de junho de 2012

Revista MI - Música independente em Pernambuco

Existe um tipo de literatura que chamo de “literatura de banheiro”. É aquela que é uma merda, hahaha não demanda muita atenção e cuja leitura pode ser fragmentada em várias partes sem prejuízo algum do resultado final. É o tipo de material que se lê para passar o tempo e que geralmente não tem muito a acrescentar ao leitor. A primeira edição da revista MI – Música independente em Pernambuco é  o contrário de tudo isso.

São longas entrevistas com artistas contemporâneos pernambucanos, acompanhadas de um CD com músicas dos entrevistados, compondo um importante registro histórico da cena musical alternativa do Estado. Lá estão o elogiado Siba e nomes desconhecidos no cenário nacional, como Caçapa, Marditu Soundz, Pajé Limpeza e Ex-Exus.

Para os realizadores da publicação, a revista "valoriza o apelo atemporal e menos emergente do veículo impresso, se preocupando em trabalhar os temas com mais profundidade apostando em uma leitura mais prolongada, rica em referências e que diminui a descartabilidade da informação tão em voga atualmente com os conteúdos para web".

Visualmente, utiliza a estética dos fanzines. Uma mistura de colagens, manuscritos e fotocópias apresentada de forma moderna e que representa esteticamente certo ativismo necessário para se produzir uma revista de forma independente (ainda mais quando dedicada exclusivamente à música alternativa de uma região).

Iniciativa dos recifenses Diego Albuquerque (do blog Hominis Canidae), Raul Luna e Rodrigo Édipo em parceria com a Nuvem Produções e a SBP Editora, a MI - Música Independente em Pernambuco pretende ter publicação bimestral com circulação nacional, sempre com 10 artistas pernambucanos em cada nova edição. A revista pode ser comprada pela internet, por R$ 20, e seu segundo número acaba de ser lançado.

Além das entrevistas, várias coletâneas virtuais estão sendo publicadas pela equipe do projeto no Soundcloud. A primeira delas você escuta abaixo.

18 de junho de 2012

Baixaria visual

Um pouco de como foi a Baixaria com a Banda Uó na última sexta-feira, em BH, no Granfinos. Todas as fotos feitas pelo Igor Marotti, vídeo Meio Desligado.





Songpop e a gameficação

Mesmo que você não jogue, com certeza conhece alguém que já está viciado no Song Pop. No jogo, vence quem descobrir quais as músicas ou artistas são tocados em maior quantidade e em menor tempo. Uma espécie de "Qual é a música?" mais interativa. O jogo está disponível no Facebook e como aplicativo para celulares e já possui mais de 700 mil usuários que o utilizam diariamente.

O Song Pop é mais um exemplo de como a chamada "gameficação" funciona bem em um contexto cultural nas redes sociais. Caso fosse apenas uma aplicação para se tentar descobrir as músicas executas, dificilmente alcançaria tanto sucesso. O ponto-chave, no caso, é o estímulo à competição entre os usuários e a publicação nas redes dos resultados das "batalhas". Outro mérito do Song Pop é disponibilizar uma grande variedade de listas, com estilos musicais específicos, para cada competição. Caso o usuário queira competir dentro de um gênero musical que conheça melhor (punk rock, por exemplo), deve comprar essa lista.

Observar a fenomenal expansão do Song Pop pode contribuir para o surgimento de outras iniciativas interessantes que aliem produtos culturais à lógica dos games e das redes sociais. Para os interessados, em breve haverá até um curso online, gratuito, oferecido pela University of Pennsylvania que aborda a "gameficação" junto a elementos econômicos e financeiros.

- - - - -

E já que o assunto é Song Pop, aí vai uma dica de como trapacear no jogo.

17 de junho de 2012

Festival Natura Musical MG

Gilberto Gil, Seu Jorge com participação de Criolo, Tom Zé com Mallu Magalhães, Otto e Flávio Renegado com Emicida são algumas das atrações da segunda edição do festival Natura Musical em Belo Horizonte. O festival acontece em 24 de Junho, domingo, com shows em três pontos da cidade: Praça Duque de Caxias (em frente ao famoso bar do Bolão, em Santa Teresa), Praça JK (Mangabeiras) e estacionamento do Expominas (na Avenida Amazonas, bairro Gameleira). O palco do Expominas recebe os artistas de maior porte do festival e inicialmente estava previsto para a Praça da Estação.

Toda a programação tem entrada franca, mas para os shows na Praça JK e no estacionamento do Expominas é necessário a retirada antecipada de ingressos. A distribuição dos ingressos começa na segunda, dia 18, através do site Sympla. A partir do dia 20, a distribuição ocorre também em pontos físicos. Serão distribuídos 40 mil ingressos para os dois palcos, sendo que cada pessoa pode retirar duas unidades.


Retirada de ingressos
  • Estacionamento do Expominas e Praça JK
  • Posto da Belotur no Mercado das Flores – Parque Municipal – Av. Afonso Pena, 1.055, Centro, das 9 horas às 17h30
  • Posto da Belotur no Funcionários – R. Pernambuco 282 (esquina com Aymorés) , das 9 horas às 17h30
  • Class Club - Av. Bandeirantes 20 (Praça Alaska) – das 9 às 20 horas

Será necessária apresentação do ingresso com documento de identificação.

Praça Duque de Caxias
Acesso livre, sem necessidade de retirada antecipada de ingressos.

  • O ingresso do Expominas não é válido para a Praça JK e vice-versa. A saída dos eventos é sem retorno
  • O cercamento da Praça JK e adoção de retirada antecipada de ingressos para os shows do estacionamento do Expominas foram medidas tomadas em conjunto com a Comissão de Monitoramento de Eventos Esportivos e Culturais (Comoveec), ligada à Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) e Belotur, com as produtoras culturais responsáveis pela produção destas programações – Casulo e Cria! Cultura. O objetivo foi organizar o acesso do público às programações destas praças, oferecendo conforto e segurança
  • A Praça JK estará cercada durante o dia do evento, tendo acesso à área de plateia apenas o público que possuir os ingressos retirados antecipadamente. Serão instaladas catracas para conferência dos bilhetes e controle do público nestes dois locais do Festival Natura Musical


Programação do Natura Musical

Praça Duque de Caxias (Região Leste)

10h00: Catibiribão (MG)
11h30: Jazz Mineiro Orquestra (MG) convida Naná Vasconcelos (PE)
14h00: Graveola e o Lixo Polifônico (MG)
15h15: Otto (PE)
16h45: Tom Zé (BA) convida Mallu Magalhães (SP)


Praça JK (Mangabeiras - Região Centro-Sul)

11h00: Flautistas da Proarte (RJ)
14h00: Thiago Delegado (MG) convida Yamandu Costa (RS) e Hamilton de Holanda (RJ)
15h30: Marcia Castro (BA)
17h00: Vander Lee (MG)
18h30: Roberta Sá (RJ)


Estacionamento do Expominas

14h00: Nenêm (MG) convida Teresa Cristina (RJ)
15h30: Flávio Renegado (MG) convida Emicida (SP)
17h00: Seu Jorge (RJ) convida Criolo (SP)
19h: Gilberto Gil (BA) e convidados

16 de junho de 2012

Edital: Circuito Música da Cidade


Artistas mineiros ou residentes no Estado, atuantes há pelo menos dois anos, podem se inscrever no edital do Circuito Música da Cidade até o dia 29 de Junho. O projeto acontecerá em Juiz de Fora, localizada na Zona da Mata, e selecionará 20 artistas, sendo 10 deles residentes da cidade. Cada um dos  escolhidos fará um show e receberá R$ 2.800 (artistas de outras regiões de MG) ou R$ 2.000 (artistas de Juiz de Fora).

Cada proponente pode enviar uma única proposta que será avaliada por um curador de Belo Horizonte e um de Juiz de Fora. Os critérios de seleção se baseiam na qualidade e originalidade dos projetos, na qualificação dos profissionais envolvidos, na clareza dos objetivos e viabilidade de execução da proposta.

Leia o regulamento e acesse o site do projeto para mais informações.


Serviço

2º Circuito Música da Cidade
Período de inscrições: 5 a 29 de Junho de 2012
Edital e ficha de inscrição no site: www.circuitomusicadacidade.com.br
informações: (32) 9198-0440 (Juiz de Fora) e (31) 8863-9531 (Belo Horizonte)
Inscrições gratuitas

15 de junho de 2012

Coletânea de música alternativa: Music Alliance Pact de Junho

Escolher bons nomes não é o forte deles, mas Os Skrotes, de Florianópolis, é a banda que representa o Brasil na Music Alliance Pact deste mês, com a música "Estupro dos cisnes". Music Alliance Pact é um projeto global que envolve cerca de 40 blogs especializados em música, de diferentes países, que mensalmente realiza uma coletânea com bandas independentes/alternativas desses países. Todo dia 15 é publicada a coletânea com uma música escolhida pelo representante de seu respectivo país de origem. No Brasil, essa função é exercida pelo Meio Desligado. Na Inglaterra, por exemplo, o representante é o jornal The Guardian.

Leia sobre as bandas desta edição abaixo e faça o download da coletânea completa.



 BRASILMeio Desligado 
Eles parecem apenas três surfistas de Florianópolis, mas surpreendem ao serem ouvidos. O som d'Os Skrotes é resultado de influências muito diversificadas que incluem rock progressivo, dub, funk, jazz, música clássica e pop contemporâneo. A amplas referências não definem uma identidade própria para a banda, mas contribui para o surgimento de músicas como "Estupro dos cisnes", na qual se aproximam do rock progressivo e mostram virtuosidade técnica.
 

ARGENTINA: Zonaindie
Dos is our favorite track from Valle De Muñecas' third album, La Autopista Corre Del Océano Hasta El Amanecer. This is their best work to date, with 10 songs that leave behind the folk-rock vibe of their 2007 effort, Folk, and return to their original rock and ballad-driven sound. You can listen to and download the whole album for free from Bandcamp. 
 
  
This young Melbourne quartet have their obvious musical heroes done right up to the top polo button. Ern Champion takes the popular concept of four white guys making calypso and throws in some restless treble guitars, counter-beat drums and echoed vocals, all in the Surfer Blood/Vampire Weekend vein. Clean, twee surf pop at its best. If you're in the northern hemisphere, make sure you drop this on your summer playlist. 
 

AUSTRIA: Walzerkönig 
There must be something in the water in Upper Austria's Kremstal region. Part of a collective of remarkably talented young bands, five-piece Likewise released their full-length debut Prometheus Run earlier this month. Covering topics ranging from Greek mythology to wanderlust to romance (obviously), the 12 songs on the album oscillate between folk and Americana.  

PS I Love You - Sentimental Dishes The thing that sets PS I Love You apart from other guitar-and-drum-based duos is the combination of Paul Saulnier and Benjamin Nelson. There is an instinctive interchange between Saulnier's fretwork and Nelson's taut rhythms that doesn't come from drill and practice. Theirs is a natural partnership that works to serve the song. And they play with such fervency on Sentimental Dishes that I'm overcome with the desire to air-drum every time I hear it.  

CHILE: Super 45 
Ervalizer, Poli Jah and Dr Leinad make up the trio La Golden Acapulco. Through the use of machines and sound effects, the band have been experimenting with dub and Jamaican music, starting with the sonic expansion of reggae and its processed and remixed forms. Da La Beleza Dab is taken from their album Encuentra Las Joias Del Dub, available for free download here
 

When you hear the sound of Resina Lala there is little option but to move your feet and feel this contagious, addictive music. Their first release is called Influjos Plásticos, a six-track journey through experimentation in a genre they call post-nuclear visual punk. But better than their music is the live show, where lead singer Cristina is quite the performer. 
 

14 de junho de 2012

Leonardo Marques faz shows de lançamento de seu primeiro CD solo

Lançado inicialmente apenas na internet, as primeiras apresentações públicas de Dia e noite no mesmo céu, primeiro CD solo de Leonardo Marques, serão nos dias 15 e 16 de Junho. Os shows acontecem no Teatro de Bolso do Sesc Palladium (Avenida Augusto de Lima, nº 420, Centro, BH), a partir das 21h, tanto na sexta-feira (15), como no sábado (16). O ingresso é vendido por R$ 7,50 (valor da meia-entrada) e R$ 15 (inteira), na bilheteria do próprio Sesc Palladium. Na ocasião, o CD estará à venda por R$ 15 e permanece disponível para download no site oficial do artista, leonardomarques.com.


Conhecido na nova cena musical mineira, Leonardo Marques é integrante do Transmissor, com o qual já lançou dois discos, e também fez parte das bandas Udora e Diesel (estas, de projeção internacional). Mesmo com a liberdade criativa que o Transmissor lhe permite, involveu-se em um processo intimista de registro de seu primeiro trabalho solo, no qual assumiu desde a produção à execução de todos os instrumentos (com exceção da bateria e trombone em uma faixa).

O resultado é o CD Dia e noite no mesmo céu, um álbum que cria cenários bucólicos, românticos e solitários, cuja sonoridade caminha entre o indie folk, lo-fi, psicodelia sessentista e Clube da Esquina (do qual o CD se aproxima, segundo o artista, devido à certa "nostalgia melódica" presente em ambos). Ao todo, são nove músicas, sendo seis em português, duas em inglês e uma faixa instrumental que refletem influências e sintetizam o trabalho criativo do artista ao longo dos últimos anos no percurso entre Los Angeles, BH e o retiro em Casa Branca, onde atualmente reside.


Gravado em sua própria casa, o disco conta com as participações de Pedro Handam (companheiro de Transmissor) na bateria e João Machala no trombone. Henrique Matheus e Thiago Corrêa, também membros do Transmissor, colaboraram em funções técnicas.

O CD marca a estreia do selo belgo-brasileiro La Femme Qui Roule, parceria entre Leonardo Marques e o belga Yannick Falisse (responsável pela arte gráfica do álbum), através do qual pretendem "juntar pessoas com propostas musicas e estéticas interessantes", segundo definição de Marques.

Serviço
Lançamento do CD Dia e noite no mesmo céu, de Leonardo Marques
Dias 15 e 16 de Junho, sexta e sábado
Local: Teatro de Bolso Sesc Palladium (Avenida Augusto de Lima, nº 420, Centro, Belo Horizonte / MG)
Horário: 21h
Ingresso: R$ 15 (inteira) e R$ 7,50 (meia)
Classificação livre
Capacidade do local: 80 pessoas
Informações: 3273-6974 (Sesc Palladium)

13 de junho de 2012

Criolo e o rap japonês

Ih, rapaz. Note a semelhança entre essa "熱帯夜" ("Noite abafada", segundo o Google Translate), do grupo japonês Rip Slyme, e "Subirusdoistiozin", do Criolo.

 

O CD do Criolo foi lançado em Abril de 2011, o dos japoneses, em Março do mesmo ano (o single da música saiu um mês antes). Procurei no Who Sampled Who para tentar descobrir se trata-se de algum sample utilizado nas duas músicas, mas não apareceu nada.


Atualização:
O Lauro Lisboa indicou essas abaixo.

Criolo X Clara Nunes



12 de junho de 2012

Novidades do Dead Lover's Twisted Heart

A banda belo-horizontina Dead Lover's Twisted Heart acaba de lançar a nova versão de seu site, dlth.com.br, e o vídeo de "Pretenders", primeiro trabalho audiovisual oficial da banda. O lançamento duplo fecha o ciclo do CD de estreia da banda, DLTH, lançado em 2010. Em Julho, a banda deve lançar novo EP, agora em português, dando continuidade à nova sonoridade apresentada no single "Apocalipse do amor".

"Pretenders", o novo clipe, foi dirigido por André Baumecker, fotógrafo mineiro radicado na Inglaterra, e teve seu início no Instagram. "Sou amigo de longa data do André e sempre gostei de seu trabalho. Contudo, foi acompanhando as postagens dele no Instagram que me encantei com a possibilidade de produzirmos algo juntos. Era um trabalho mais volumoso, ágil, constante, que me permitia vê-lo em perspectiva. Senti uma proximidade muito grande", conta Guto Borges, guitarrista e um dos vocalistas da banda.

O resultado final você assiste abaixo.




André Baumecker, diretor do clipe, também faz um relato do processo criativo:
Das últimas duas vezes que voltei ao Brasil o Guto me convidou para fazer algo com a banda. Uma sessão de fotos, um clipe, sempre algo de última hora, poucos dias antes de voltar pra (atual) casa.

Todas idéias discutidas em algumas cervejas ou um café. Um brainstorming visual/musical cheio de vontades. Produzido do melhor jeito possível, na pressão.
De tudo isso sai uma colaboração dinâmica entre nós, a banda, a camera, eu, os objetos, as idéias, os movimentos, as composições. Uma inquietação que não precisa muito ser falada mas que é entendida por todos naquele momento da criação. Acho que isso é o melhor de trabalhar com gente amiga, pessoas que admiro, onde a conversa é solta, e o silêncio relaxado só uma pausa para outras idéias.
Dessa última vez que voltei comecei a fotografar a cidade e o meu dia a dia. Essa documentação virou rotina, uma documentação perambulante na cidade que nasci e morei a maior parte da minha vida. Um lugar que cada vez que volto parece ter mudado drasticamente e outras horas parece continuar exatamente a mesma coisa, familiar e confortável. Sem muito preocupar eu explorei a cidade procurando memórias, antigas e novas, e também detalhes, cores, texturas, pessoas, prédios, fios e os encontros com amigos. De uma maneira eu encontrei algo, ou várias coisas, em um lugar que parecia conhecer tão bem.

A seleção dessas fotos se transfomaram em uma descrição bem pessoal, e talvez nostálgica do que é Belo Horizonte pra mim e foram o que mais influenciaram nas imagens do clipe. O processo seguinte foi editar, e encontrar o melhor caminho (não o mais curto e talvez o que faça menos sentido), entre essas memórias e composições.

11 de junho de 2012

Programação de shows do FIT-BH 2012


No último sábado, 9 de Junho, começou mais uma edição do FIT BH - Festival Internacional de Teatro Palco e Rua de Belo Horizonte. Até o dia 24 de Junho, quando encerra esta edição (a 11ª do festival), serão 157 apresentações divididas por quase 60 espaços da capital. Entre peças, filmes, palestras, oficinas e atividades de pesquisa, vários shows acontecem no Parque Municipal, onde está montado o Ponto de Encontro do festival (ou "bar do FIT", como é popularmente conhecido).

Dos artistas que farão shows no Ponto de Encontro do FIT, um dos mais aguardados é o de Siba, que pela primeira vez tocará as canções de Avante em BH, dia 16. Além dele, algumas das melhores bandas locais se apresentam, como Constantina, Dibigode, Câmera e Zimun. Veja abaixo a programação completa dos shows do FIT (sendo que Dead Lover's Twisted Heart, Catarina Dee Jah, Capim Seco, Luiz Rocha, Odilara e Mariana de Moraes já se apresentaram no primeiro fim de semana do evento).

Dia 13, quarta-feira
Dj Jullio (MG)
Zimun (MG)
Nedú Lopes (MG)

Dia 14, quinta-feira
Dj Nest (MG)
Deco Lima e o Combinado (MG)
Cérebro Eletrônico (SP)

Dia 15, sexta-feira
Dj Alexandre de Sena (MG)
Carla Gomes (MG)
Laura Lopes (MG)



Dia 16, sábado
Dj Fael (MG)
Câmera (MG)
Angu Stereo Club (MG)
Siba (PE)

Dia 17, domingo
Dj Palomita (MG)
Falcatrua (MG)
Suvaca de Vó (MG)
Silvia Machete (RJ)

Dia 20, quarta-feira
Dj Palomita (MG)
Teresa Morales (Cuba)
Mamour Ba (Senegal)
Violentango (Argentina)

Dia 21, quinta-feira
Dj Paco Pigalle (MG)
Marcos Frederico (MG)
Vitor Santana (MG)
Ava (RJ)



Dia 22, sexta-feira
Dj Buddy Holly (MG)
Dibigode (MG)
Todos os Caetanos do Mundo (MG)
Do Amor (RJ)

Dia 23, sábado
Dj Bs Bain (MG)
Orquestra Mineira de Brega (MG)
Celso Sim e os Franciscos (SP)

Todos os shows acontecem entre 19:30 e 1:00. Os ingressos custam R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia) e estão à venda nas bilheterias do Parque Municipal a partir das 16h de cada dia.

10 de junho de 2012

Instagram Meio Desligado

Siga lá, só procurar por "meiodesligado" no Instagram.



Fusile em show na Flaming Night, em BH
A Banda de Joseph Tourton no Conexão Vivo





Cícero no Teatro Sesi Minas
Tulipa Ruiz no Grande Teatro do Palácio das Artes

9 de junho de 2012

Entrevista sobre EPs para o jornal O Tempo

O Magazine, caderno cultural do jornal mineiro O Tempo, publicou hoje uma matéria de capa intitulada "EPs ganham novo status", escrita pela Luiza de Sá, na qual fui um dos entrevistados. A matéria completa pode ser lida na versão digital do jornal e, seguindo a tradição, segue abaixo a íntegra do que conversei com a jornalista.

Você caracteriza um EP como uma espécie de novo cartão de visita para bandas independentes? Um EP pode ser comparado ao que já foram os singles para a divulgação de uma banda, por exemplo?
Pra mim, o EP não é algo tão prematuro como um primeiro single, mas também é um cartão de visita da banda. Vejo mais como um segundo passo ao single, uma forma de consolidar o trabalho inicial da banda e "empacotar" isso de forma a apresentar um recorte estético da proposta da banda, principalmente em seu início.

Você acha que bandas que optam por lançar um EP ao invés de um disco fazem isso por necessidade financeira - por ser mais barato - ou por escolha mesmo?
Mesmo que a banda tenha um grande repertório já composto, pode ser uma escolha de mercado investir em um EP. No início da carreira muitas bandas costumam não ter uma sonoridade muito bem definida e as limitações de tempo de um EP ajudam a criar uma unidade nesse momento.

Como a cadeia produtiva da música se alimenta dessa onda de lançamentos de EPs, principalmente tendo a internet como plataforma de divulgação?
Um álbum pode demorar demais a ser produzido, o EP tem a vantagem de ser mais ágil, tem mais a ver com o momento que vivemos. Um EP em mãos facilita na hora da banda entrar em contato com a imprensa e tentar fechar shows. Ele serve tanto para quem ainda não se sente pronto para um álbum como também pra quem está em um período de entressafra. Baixar o single de uma banda não te diz muito sobre a proposta dela, já um EP deixa mais claro os objetivos da banda e é direto, não tem muita firula. Geralmente são aquelas quatro ou cinco melhores músicas que a banda tem e que tentam conversar entre si. Sem contar que o EP é um formato bom para se arriscar mais. Se você erra em um EP, o peso não é tão grande quanto fazer um álbum ruim. O EP permite essa liberdade, é um formato de transição pra banda e acredito que o público percebe e assimila isso.

No Meio Desligado você tem uma parceria internacional com lançamentos indie, né? Dessas bandas novas tem alguma que lançou EP recentemente que merece destaque?
Ih, não lembro. Baixo coisa demais, nem lembro quais EPs tavam no meio...

Há alguma banda com um EP aguardado, com muita expectativa? Em quem você aposta?
O Fusile vai lançar seu segundo EP em breve, é uma banda na qual aposto muito. Os shows são excelentes e o primeiro EP da banda, The Coconut Revolution Vol. 1, é um ótimo trabalho. Vão lançar mais dois EPs que, ao todo, formam um álbum lançado ao longo de um período mais extenso.

Se pudesse fazer uma lista com os Top 5 EPs lançados recentemente, qual seria essa sua lista?
Tem um cara no interior de Minas chamado Bruno Fleming que faz um trabalho sensacional. Ele está lançando uma ópera rock em vários EPs, um projeto chamado Bigode de Leite. É uma das coisas mais legais que descobri ultimamente. Tem aqui: http://lambelodorecords.blogspot.com.br
Outros EPs que destacaria são o Not tourist, do Câmera, banda de BH que até o momento lançou apenas dois EPs; e o novo do Constantina, Pacífico, no qual pela primeira vez contam com vocalistas convidados. Os dois estão pra download gratuito na internet, só procurar pelos nomes.

6 de junho de 2012

Revista Noize

Um blog indie em versão impressa. Essa é a uma boa descrição da Noize, revista gaúcha distribuída gratuitamente por todo o país e atualmente em sua 53ª edição. Com tiragem de 30 mil exemplares, a Noize traz textos curtos e muitas fotos com novidades da música indie mundial e boas indicações de artistas da cena independente brasileira.

Sua versão online (noize.virgula.uol.com.br) acaba sendo mais relevante pela agilidade e maior abrangência do conteúdo, enquanto a versão impressa tem o diferencial de atingir também um público “não-iniciado” na música alternativa (através dos pontos de distribuição da revista).


Entre as seções fixas da Noize, como “Música para ouvir” (resenhas), “Discoteca básica” e “Direto ao ponto” (na qual convidados indicam obras artísticas favoritas no momento), destaca-se a “Bandas que você não conhece - mas deveria” (cujo nome é auto-explicativo).

Quem quiser receber a revista em casa tem a opção de assiná-la por R$ 45 (pelos custos de envio pelo correio).

4 de junho de 2012

Novo EP do Constantina, "Pacífico"

Em seu auge criativo, logo após o álbum Haveno, o Constantina acaba de lançar o EP Pacífico, disponível para download gratuito. Nele, pela primeira vez nos quase 10 anos da banda, três vocalistas convidados ampliam os horizontes musicais do Constantina: o catarinense Wado, o uruguaio Franny Glass e o mineiro Matéria-Prima, MC do Zimun. Das cinco músicas de Pacífico, quatro são releituras de Haveno e uma do EP iHola amigos!, de 2008.

Ao contrário do que se poderia imaginar, o resultado é ainda mais experimental. Os vocais não facilitam a assimilação do trabalho da banda, mas sim inserem uma nova camada, inusitada, nada óbvia.

As composições são resultado de parcerias estabelecidas entre a banda e os vocalistas convidados ao longo dos últimos anos, como o show que fizeram com Wado no Conexão Vivo em 2011 (cujo primeiro ensaio se deu em um casamento em BH!) e a apresentação com Franny Glass no festival Pequenas Sessões, produzido por Daniel Nunes, baterista do Constantina. O clima colaborativo também permeia o site do EP, pacifico.constantina.art.br, onde são apresentadas imagens enviadas pelo público para o Instagram usando a hashtag do EP, #constantinapacifico, ou as hashtags específicas de cada música: #constantinajuan, #constantinamonte, #constantinacubo e #constantinapequenas. Posteriormente, as imagens serão projetadas nos shows do Constantina, cuja próxima performance acontece no FIT - Festival Internacional de Teatro de Palco e Rua, 14 de Junho, no Parque Municipal, em BH.

Ouça, baixe, navegue.

2 de junho de 2012

Conexão Vivo BH 2012: um pouco sobre como foi

Acompanho o Conexão Vivo há anos. Inicialmente, como espectador. Depois, como produtor de artistas que se apresentaram e, nos últimos dois anos, como parte da equipe do projeto. Posso afirmar, tendo me relacionado com o Conexão de diferentes formas, que realmente se trata de um dos principais fomentadores da nova música brasileira. Muita gente não sabe, mas o Conexão Vivo não é apenas um festival, mas sim um grande programa de patrocínios no meio musical que abrange iniciativas diversas, desde projetos de circulação de artistas à manutenção de webtvs e estúdios.

Ano passado, fiz um relato um pouco mais afetivo sobre o Conexão Vivo. Portanto, vou me ater às questões musicais e destacar os shows mais interessantes que vi ao longo das últimas semanas. Ao fim, está o texto de balanço desta edição do Conexão Vivo BH. São informações que ajudam a compreender o  tamanho do programa e sua importância para a cena cultural de Belo Horizonte.

Essa foi uma edição marcada por surpresas. Poucas pessoas na plateia pareciam realmente conhecer o som do BaianaSystem, mas isso não impediu que a massa balançasse ao som dos graves do grupo, que já foi a escolha do Meio Desligado para a coletânea Music Alliance Pact. Funciona muito bem ao vivo, com o baixo e a percussão provocando uma experiência física através dos graves. Talvez o meu show favorito nesta edição do Conexão.


Thiago Pethit já havia feito um bom show no Conexão Vivo BH em 2011, mas este ano foi além do que qualquer um poderia esperar. Inclusive o próprio. Tocando no Grande Teatro do Palácio das Artes lotado, antes do show de Tulipa Ruiz, Thiago fez um show emocionante para um público que também se entregou e cantou durante quase toda a apresentação. Nitidamente nervoso em alguns momentos, sua fragilidade acabou por tornar o espetáculo ainda mais sincero e intenso. Após o show, o consenso geral foi de que Pethit literalmente tomou o público que havia enchido o teatro para ver Tulipa Ruiz (que fez um show bom, mas sem a espontaneidade e o calor de Thiago).

O paraense Felipe Cordeiro, ainda desconhecido do grande público, agradou pessoas dos mais distintos gostos. Dos paraenses que se apresentaram, foi o mais elogiado, mesmo com os conterrâneos da Metaleiras da Amazônia tendo feito um animado show (e que, inclusive, encerrou o Conexão deste ano). O baiano Magary Lord foi outra surpresa, no caso, nem tão positiva para parte dos presentes. Sua abordagem de axé com ritmos africanos espantou algumas pessoas que, aparentemente, esperavam uma continuidade da leseira ragga/dub do show anterior (BaianaSystem).


Bixiga70 e Criolo confirmaram o hype em torno de seus nomes. Incrível notar o crescimento do público do Criolo em BH em menos de um ano, desde que se apresentou pela primeira vez na cidade, no festival Transborda. O dia de seu show foi o mais cheio de todo o evento, chegando a 7 mil pessoas e deixando outras tantas do lado de fora do Parque Municipal. Já o Bixiga70 encerrou o dia mais indie do Conexão Vivo (Garotas Suecas, Apanhador Só e Aeromoças e Tenistas Russas também fizeram bons shows horas antes) apresentando de forma fiel as músicas de seu bom CD de estreia.


1 de junho de 2012

Resumo da TV Meio Desligado em Maio

Psicodelia, música independente e novo jornalismo. Acesse a tv.meiodesligado.com para assistir a programação completa e conhecer os curadores. Quer colaborar? Defina um tema e envie uma lista com vídeos no Youtube ou Vimeo (entre 7 e 14 vídeos) para equipe@meiodesligado.com.