Instagram

30 de novembro de 2011

MediaOn: debate sobre "revolução digital" no mercado da música

Entre os dias 22 e 24 de Novembro aconteceu, na sede do Itaú Cultural, em São Paulo, a 5ª edição do MediaOn - Seminário Internacional de Jornalismo Online. Entre debates sobre o consumo de mídia no Brasil, a relação do jornalismo com as redes sociais e a criação de conteúdo como forma de publicidade, um dos temas discutidos foi "A música além da mídia: Músicos, produtores e jornalistas debatem a revolução digital na indústria cultural e os efeitos na criação, produção e distribuição, além dos reflexos no diálogo com a mídia e público". Esse debate aconteceu no dia 23 e contou com a participação de Sérgio Martins (crítico de música da revista Veja), Marcos Maynard (executivo e produtor, responsável pela carreira do ilustre Restart), Cláudio Prado (produtor cultural e ex-coordenador de Cultura Digital da Secretaria de Programas e Projetos do Ministério da Cultura) e Tatá Aeroplano (músico e agitador cultural, membro do Cérebro Eletrônico, Jumbo Eletro e outros), mediados por Andre Jung (músico e produtor).

Como era de se imaginar, o jornalista da Veja e Cláudio Prado parecem ter tido as opiniões mais divergentes. “As críticas cada vez mais não são levadas em consideração. Antes, saía um disco da Marisa Monte e as pessoas iam comprar jornal no dia seguinte pra ver o que estava escrito, hoje não é mais assim”, disse Martins, para o qual os blogs pioraram a crítica musical. Prado teria refutado, dizendo que “Todo mundo sabe o que está falando” e defendendo o potencial da internet.


Sou obrigado a escrever "teria", "parecem" e outras indicações de minha incerteza porque não consegui assistir ao debate completo. A gravação em vídeo está no site do MediaOn, mas a forma através da qual o conteúdo é apresentado é ridícula: você tem que assistir ao debate por partes, cada uma com cerca de 10 minutos, e não é possível adiantar para a próxima parte. Ou seja: abrem mão da não-linearidade possibilitada pela internet, justamente em um evento realizado pelo portal de internet Terra. Tsc tsc.

Pelo pedaço da discussão que acompanhei, parece ser uma boa introdução para quem não é muito envolvido com o mercado musical (ou não o acompanha há muito tempo). Para quem consome/trabalha  com música nos últimos 10 anos, não há muitas novidades: lá está o produtor (Maynard) de uma banda pop (Restart) que continua usando as técnicas do mainstream para criar hits; o crítico saudosista (Martins); e os entusiastas da internet na produção e circulação da produção musical (Prado e Aeroplano). Talvez valha a pena ver para perceber como algumas coisas custam a mudar. Ou não.

29 de novembro de 2011

Meio Desligado entre os melhores blogs do mundo?

=D

O portal Blogs Box pretende reunir em sua plataforma blogs de destaque nas áreas da música, moda, design, gastronomia e turismo, entre outros temas. Os principais posts dos blogs selecionados são filtrados e publicados diariamente no portal, funcionando como um guia para se acessar conteúdo de qualidade. O Meio Desligado foi um dos blogs selecionados para fazer parte do projeto em seu início, assim como o blog de música do jornal inglês The Guardian (este, parceiro do Meio Desligado há meses na Music Alliance Pact), o americano All Things Go e o francês Fubiz.

Pra completar a boa notícia, o cantor Thiago Pethit fez uma lista com os cinco blogs de música que ele mais acessa e adivinhe quem está lá no meio?


O reconhecimento está vindo, agora só falta chegar o dinheiro.

28 de novembro de 2011

Compacto Petrobras e o Meio Desligado na Confraria!

Um dos projetos musicais mais interessantes da internet brasileira, o Compacto Petrobras se destacou em 2011 pelos encontros que promoveu, unindo artistas da nova geração da música  nacional em programas de vídeo produzidos para web. Neste ano, fico extremamente feliz em contar que fui um dos curadores ao lado do Pedro Alexandre SanchesCharles GavinFabrício NobrePatrícia Palumbo, Ana Morena, Marcelo CostaJuliano Polimeno, Plínio Profeta, Marcelo Damaso e Fernando Rosa, no que eles chamam de "confraria".


O formato mudou um pouco e agora conta com a participação do público na definição dos artistas que participarão dos encontros. Na primeira fase, artistas da nova geração disputaram para tocar com o lendário Luiz Caldas. O processo está na fase final, na qual Eddie, Diego de Moraes e Banda Uó contam com o voto popular para definir o vencedor.

O próximo encontro divulgado é o da cantora Elza Soares com o rapper Emicida. Antes dele, no entanto, foi lançado o vídeo da parceria entre o também rapper Slim Rimografia e a Banda Black Rio, que você vê abaixo.



Para quem ainda não conhecia o Compacto, assista alguns dos encontros promovidos na edição anterior do projeto.

Gaby Amarantos + Catarina Dee Jah


Pinduca + Do Amor

27 de novembro de 2011

Dicas de aplicativos: Viber / Voxer

Usuários de iPhone, iPad e iPod Touch com o sistema iOS 5 já podem enviar mensagens entre si gratuitamente através do iMessage, mas quem não atualizou o sistema ou utiliza a plataforma Android pode enviar mensagens e fazer ligações gratuitas para outros usuários através do Viber. O aplicativo é gratuito e simples de usar. Ao instalá-lo, ele passa a utilizar seu número de telefone como se fosse seu login e identifica entre os nomes em sua lista de contatos quais pessoas já usam o aplicativo, permitindo a troca de mensagens e ligações gratuitas entre os mesmos.

O funcionamento é bastante parecido com o Skype e outros serviços de mensagens instantâneas, mas seu diferencial é não exigir a criação de login, utilizando os telefones já salvos na agenda do celular. Outro ponto interessante é que além de texto podem ser enviados arquivos de imagens e dados de localização geográfica de onde se encontra o emissor da mensagem. No caso das ligações, a qualidade do áudio é relativamente boa e o ideal é estar conectado à rede via wi-fi, no caso de quem não possui plano de dados ilimitado.


Extremamente prático para se usar no cotidiano (seja no lazer ou no trabalho), facilita bastante a comunicação entre usuários de plataformas distintas (por enquanto, iOS e Android, disponível em breve para Blackberry). Ideal para resolver pequenas questões de trabalho que não necessitam de ligações ou emails.

Entre os aplicativos gratuitos semelhantes, um dos mais usados é o Voxer, que simula um sistema de walkie talkie para as conversas e identifica os usuários do aplicativo através de sua conta no Facebook. O Voxer também permite o envio de mensagens gratuitas com texto e fotos, com a vantagem de se poder criar grupos para envio coletivo de mensagens. No entanto, o esquema de "apertar para falar", como nos rádios, é mais trabalhoso no caso das conversas via áudio, tendo como vantagem apenas o fato de que os destinatários podem ouvir a mensagem posteriormente, não sendo necessária a interação em tempo real. Assim como o Viber, o Voxer está disponível para as plataformas iOS (iPhone, iPad e iPod Touch) e Android.

26 de novembro de 2011

Mistureba: Lollapalooza, volta do Los Hermanos, novos vídeos, nova banda

Los Hermanos anuncia datas de nova turnê
Desde que anunciaram o recesso da banda em 2007 o Los Hermanos fez poucos shows (sendo que os principais deles foram na abertura dos shows do Radiohead no Brasil e no festival SWU do ano passado), mas em 2012 mais fãs poderão ver a banda nos palcos novamente. Recentemente, a banda anunciou uma série de shows durante os meses de Abril e Maio, começando na edição de comemoração de 20 anos do festival Abril Pro Rock, no Recife, dia 20 de Abril de 2012. Na sequência, a banda fará shows em Fortaleza (dia 21), Brasília (dia 5 de maio), Salvador (dia 6), São Paulo (dia 11), Porto Alegre (dia 12), Belo Horizonte (dia 19) e no Rio (dia 26). 

Rodrigo Amarante fez o comunicado oficial:
“Tocar com os Hermanos é lavar a alma e viajar com eles é o mais próximo que se pode chegar da hora-do-recreio na vida adulta. Dessa vez eu vou para o Rio com bastante antecendência para encontrar todo mundo e a gente combinar o ensejo, o que vai fazer de novo dessa vez. Da última vez a gente tocou ‘Cher Antoine’, uma música do ‘Bloco’ que nunca tinha sido tocada ao vivo, se não me engano. Dessa vez a gente vai ter que inventar outra coisa, quem sabe uma cover do Morris Albert? Ali não tem adivinhação, é tudo feito em casa então só quando a banda se reunir pra saber. Não vejo a hora!”

Lollapalooza divulga vídeo sobre edição brasileira

Indie Festival no Rio de Janeiro

Dias 9 e 10 de Dezembro, no Studio RJ. Bajofondo Remixed e China em um dia, Bomba Estéreo e Otto no outro. Ingressos antecipados por R$ 30. Na hora dos shows, R$ 60.

Novos vídeos da Granada Filmes
Organizando minhas pastas de emails achei alguns sobre esses vídeos abaixo, da produtora Granada Filmes. Não possuem nada de excepcional, mas são bem gravados e as músicas são boas.

Database, "New disco"

Gloom, "Parafina"

Cérebro Eletrônico, "Decência"

Duyi
Demorei a ouvir essa Duyi porque estava muito atarefado quando me enviaram as músicas, mas fiquei muito surpreso com o som agora que consegui escutá-los. Trata-se do novo projeto de dois integrantes do L.A.B (banda da qual tenho até hoje um rascunho de texto sobre um show deles que vi em Porto Alegre em 2009 e ficou marcado como um dos melhores que vi naquele ano), mantendo as influências oitentistas de rock alternativo dançante e synthpop, porém adicionando sonoridades pré-britpop e shoegaze.

25 de novembro de 2011

Vencedores do Rock in Vinil do Spoleto

A banda paulista Jennifer Lo-Fi foi a vencedora da escolha dos jurados (entre os quais me incluo) na promoção Rock in Vinil, promovida pelo Spoleto. No voto popular a vencedora foi a Zebra Zebra. Particularmente, acreditava que a vencedora do voto popular seria a Hidrocor, devido ao bom clipe e a grudenta "Ma Cherie", e que a escolha final dos jurados ficaria entre os mineiros do Fusile e a Jennifer Lo-Fi.

Abaixo, os clipes dos vencedores.

23 de novembro de 2011

Cobertura do Eletronika 2011

Dez anos após meu primeiro Eletronika, é incrível o modo como o festival continua a surpreender. Se, em 2001, Jon Spencer Blues Explosion e Asian Dub Foundation eram novidades para o público de BH, uma década depois o festival parece ter ampliado sua capacidade de apresentar “novas tendências” (como sugere seu slogan) ao público mineiro. Para isso, muitas vezes sequer recorre a artistas de longínquos países, concentrando seus esforços em filtrar e posicionar em sua grade de programação nomes inusitados da cena brasileira.

Assim se deu a abertura da programação musical do Eletronika neste ano, no dia 16 de Novembro, na pequena Sala Juvenal Dias (que, como o Teatro João Ceschiatti e o Grande Teatro do Palácio das Artes, foi palco do festival), com o show do Objeto Amarelo. Som extremamente ruidoso, espécie de música ambiente produzida por máquinas autônomas, escolha que poderia parecer óbvia em um evento cujo tema é o enigmático “ruído de fronteira”.

No entanto, logo na sequência do experimentalismo do Objeto Amarelo, qualquer traço de obviedade seria catapultado ferozmente pelo show de grindcore da banda paulista Test. Também ruidoso e fronteiriço, mas com uma abordagem totalmente distinta.


Test

Essa série de abertura resume bem a edição deste ano do Eletronika, cheia de surpresas e boas apresentações. Os mashups do DJ e produtor Psilosamples, do interior de MG, começaram a animar a segunda noite de shows e se relacionaram de forma coerente ao rap do grupo paulista Elo da Corrente, responsável por diversificar ainda mais o festival com o público do hip hop. No Grande Teatro do Palácio das Artes, o SP Underground lançou seu novo álbum, Três cabeças loucuras, para uma boquiaberta plateia que minutos depois conferiu o desempenho correto, porém frio, da cantora norte-americana Glasser (ou “Goldfrapp querendo ser Björk”, como disse a alguém pelos corredores).

SP Underground

Já no início da madrugada, mesmo com manifestações da plateia à favor de um bis de Glasser, a festa tinha que continuar do lado de fora do teatro para o show dos mexicanos do Nortec Collective, que minutos após o início da apresentação já tinham ganhado o público com sua mistura de eletrônica dançante tocada em iPads e música típica mexicana com sanfona, tuba, trombone e direito à vestuário característico de mariachis nos músicos.

Durante todo o festival o público pôde conferir a exposição “ruído de fronteira”, com trabalhos que aproximam a arte da tecnologia; participar de debates; assistir a filmes ou, simplesmente, beber e comer alguma coisa no aconchegante Café do Palácio das Artes. Apesar de tantas opções, foi difícil encontrar alguém que não pretendesse ver o show do performático Rubinho Troll na sexta-feira. Há tempos vivendo no exterior, o ex-vocalista do Sexo Explícito (banda dos anos 80 que contava com John Ulhôa como guitarrista e que originou alguns dos primeiros sucessos de sua atual banda, o Pato Fu) mostrou músicas de sua carreira solo e “hits” como “Mamãe ama meu revólver” e “Menti pra você”, para delírio da plateia (majoritariamente trintona) presente. O calor humano e a emoção de tocar em casa foram tão grandes que, entre uma música e outra, uma assistente subia ao palco com um secador de cabelos para consertar a juba de Rubinho.

 
Trecho do show do Rubinho Troll

O êxito de público não se repetiu, infelizmente, no show seguinte, do elogiado Gui Amabis. Boa parte dos presentes para ver Rubinho Troll (notadamente, as pessoas mais velhas) deixou o espaço e perdeu a estreia de Amabis em BH. Acompanhado por uma banda formada por músicos renomados no meio musical alternativo (Régis Damasceno na guitarra, Marcelo Cabral no baixo, Richard Ribeiro na bateria, Dustan Gallas nos teclados e guitarra, Lucas Santanna na flauta e vocais, Tulipa Ruiz como cantora convidada), Amabis apresentou boas versões das músicas de seu primeiro CD solo, tendo a apresentação prejudicada pela sua falta de desenvoltura no palco e pelo fato dos californianos do Kisses terem começado a tocar, no Grande Teatro, antes do término de seu show (o que reduziu o número de pessoas presentes).


Quem, como eu, privilegiou o show de Gui Amabis, pôde conferir somente os instantes finais do Kisses, com mais de 20 pessoas no palco, ao lado da banda, cantando e pulando. Mais tarde foi possível saber que o vocalista da banda teria dito algo como “nós vamos demorar muito para voltar para o Brasil, então sintam-se à vontade para subir ao palco e aproveitar o momento”.

Atração mais aguardada do festival, a banda inglesa Ladytron não justificou a expectativa. Apesar de bem executadas, as canções da banda foram friamente interpretadas e soaram datadas (ou, no linguajar hipster, “meio last season”). Parte das pessoas preferiu sair do teatro para beber no foyer ou lotar o fumódromo, cuja bela vista para o Parque Municipal estimulava a continuidade no local, em contraponto à apresentação dos alemães.

Ladytron

E se a frieza marcou o Ladytron, o mesmo nunca poderia ser dito do show de Rich Aucoin. O canadense, acompanhado de mais duas pessoas em sua banda, gritou, pulou, fez mímicas e chuva de confetes, cantou em português, sampleou “Sou foda”, se jogou na plateia e até surfou (literalmente, em uma prancha), sobre o público. Indie rock com batidas eletrônicas farofeiras, extremamente divertido e dançante.



Para encerrar, a dupla The Hood Internet ainda tocaria durante a madrugada, mas, mesmo para quem decidiu ir embora antes, a sensação de satisfação parecia ser um consenso. Entre experimentalismos, estranhamentos e descobertas, o Eletronika justificou mais uma vez o respeito obtido ao longo de mais de uma década e, também novamente, pecou apenas pelo baixo público, que se concentrou apenas na última noite. Além de uma curadoria exemplar, talvez seja o momento de trabalhar também novas formas de expandir o público do festival.

22 de novembro de 2011

Mixtape do Soulwax homenageia Brasil

A banda belga Soulwax, centrada nas figuras dos irmãos Dave e Steph Dewaele (também responsáveis pelo projeto 2manydjs), tem um dos trabalhos mais relevantes na mistura entre rock alternativo e música eletrônica no cenário mundial. Neste mês, se apresentam novamente no Brasil no festival UMF (onde também toca uma das minhas bandas favoritas, o Death From Above 1979), e aproveitando a ocasião lançaram a mixtape Batuta Discos, focada na música brasileira. Ouça abaixo.

21 de novembro de 2011

Programação do Lollapalooza Brasil 2012

Atualização: Programação oficial divulgada hoje


Texto publicado no dia 18.11.10

O famoso festival Lollapalooza terá sua primeira edição realizada no Brasil nos dias 7 e 8 de Abril de 2012, na Chácara do Jockey Club de São Paulo (onde supostamente cabem 35.000 pessoas). O anúncio oficial da programação é previsto para as 11 horas da manhã do dia 21 de Novembro (segunda-feira), na coletiva de imprensa com Perry Farrell, vocalista do Jane's Addiction e criador do festival, mas uma suposta grade de programação foi divulgada na internet (imagem abaixo).


Foo Fighters e Arctic Monkeys já estão confirmados na edição chilena do festival e bandas como TV On The Radio, MGMT, Cage The Elephant e Foster The People já estão rodando nos boatos há tempos. As bandas nacionais incluídas na suposta programação do Lollapalooza reforçam a possibilidade de esta ser a real escalação do evento. Até mesmo as atrações picaretas de festivais deste porte estão lá (fica a seu critério identificá-los). A programação do Lollapalooza Chile será anunciada amanhã, dia 20, e os principais artistas de lá se repetirão no Brasil.

A venda de ingressos no Brasil começará em breve, primeiramente para as pessoas que se cadastraram no site do festival (o período de inscrições já se encerrou).

19 de novembro de 2011

Eletronika 2011: cobertura via celulares

(Use as setas para se sentir no palco principal do Eletronika)

Quer saber como está sendo a edição deste ano do festival Eletronika em Belo Horizonte? Abaixo segue parte do material que estou produzindo (junto ao Vítor e a Juliana) pela revrbr para o festival. Esse conteúdo é focado na experiência do público no evento e é publicado na internet assim que é produzido, sendo divulgado no perfil do Eletronika no Twitter (@eletronika) e na página do festival no Facebook. Nem todo o material vai para as duas redes, então o ideal é acompanhar as duas, além de seguir a @revrbr também, onde vão alguns materiais exclusivos.


SP Underground
Glasser
Nortec Collective
4propri8
Psilosamples

 Entrevistas
 










Nortec Collective at Eletronika by meio desligado
Psilosamples at Eletronika - Festival de Novas Tendências by meio desligado

18 de novembro de 2011

Lovefoxxx & Borat Hipster VS Tiê & As Vacas

Tipo UFC Meio Desligado, saca?

Admito: achei a Lovefuckxxx gata nesse novo (e talvez último clipe) do CSS e curti bastante o vídeo, transmite bem o clima do mais recente CD da banda. E ainda tem a participação dessa versão hipster do Borat (o tal de Ssion) que resume em 5 segundos o que é hipster.

 

A Tiê não precisa de comentários sobre beleza. Se ela é bonita até quando você a encontra bêbada no Planeta Terra, debaixo da roda gigante, o que dizer dela de vestidinho na roça dando sorvete pras vaquinhas? Rs. Falando sério, essa "Pra alegrar o meu dia" é basicamente o que a Mallu Magalhães faria se não fosse tão insípida. Para quem gostar, fica a dica: vá atrás do segundo CD da Tiê, A Coruja e o Coração, que é muito bom.


Ps.: Pra mim é empate técnico, sou à favor da diversidade. =D

17 de novembro de 2011

Festival Eletronika 2011: Ruídos de fronteira

Os shows do Eletronika começaram hoje em BH e, logo de cara, deixaram um pouco mais claro o conceito do festival em 2011, "ruído de fronteira". A primeira apresentação foi do Objeto Amarelo, projeto de um homem só. Paisagens sonoras de um ambiente de máquinas. Após uma interessante transição em que a montagem de palco para a atração seguinte fez parte do espetáculo, transformando o processo em performance, a dupla paulista Test tomou a pequena Sala Juvenal Dias com seu surpreendente grindcore de ótimos riffs e bateria descomunal (para ficar nos clichês descritivos típicos do rock'n'roll).

Dos ruídos eletrônicos etéreos do Objeto Amarelo ao ensurdecedor show do Test, a abertura do Eletronika uniu artistas cuja unidade se encontra à margem do convencional. Puro ruído ou música. Enquanto alguns tampavam os ouvidos ou saíam da sala (pessoas diferentes tomaram a mesma atitude em ambos os shows), outros se deliciavam com o momento.

Fornecer novas experiências e questionar conceitos são ações inerentes à arte de vanguarda e, ao que tudo indica, é exatamente isso que o Eletronika 2011 proporcionará, mais uma vez, ao público de Belo Horizonte.

Eu, através da revrbr, farei a cobertura de todo o festival através do celular (usando uma série de aplicativos gratuitos que, após o término do Eletronika, terão análises publicadas) e o resultado pode ser acompanhado no Twitter da revrbr e na Revista Eletronika, aplicativo gratuito desenvolvido para tablets. Uma prévia desse material está abaixo, com trechos em diferentes mídias dos shows do Test e do Objeto Amarelo.



PROGRAMAÇÃO COMPLETA DE SHOWS DO ELETRONIKA 2011 EM BH
Sala Juvenal Dias

16/11
Objeto Amarelo (20h)
Test (21h)

17/11
Psilosamples (20h)
Elo da Corrente (21h)

18/11
Ligalingha (20h)
Novi_sad (21h)

19/11
Rubinho Troll (20h)
Gui Amabis (21h)


Grande Teatro

18/11
São Paulo Underground (22h)
Glasser (23h30)

19/11
Kisses (22h)
Ladytron (23h30)


Foyer

18/11
Nortec Collective (00h30)
Surtek (2h)

19/11
Rich Aucoin (00h30)
The Hood Internet (2h)


Sala João Ceschiatti

17/11
4propri8 (19h)

18/11
Dr. Min e os controladores de Voltagem (19h)

19/11
Brian Mckern (19h)

16 de novembro de 2011

Naná Rizinni: I Said

"Multiplicidade" é uma palavra recorrente quando se pensa na música moderna. São tantas as influências, técnicas e caminhos a seguir que é natural em alguns artistas que seja impossível se restringir a somente um estilo pré-determinado. Ao contrario do que possa soar como falta de identidade em alguns, no caso de Naná Rizinni essa variedade de gêneros explorados amplia a qualidade de seu trabalho e reflete o sentimento de uma geração guiada pela velocidade da internet, das tendências fugazes e de certo cosmopolitismo involuntário.

Na maior parte de seus 36 minutos, I Said, álbum de estreia da cantora e multiinstrumentista paulista, soa como o CD que o Cansei de Ser Sexy poderia ter feito após seu primeiro álbum homônimo, tanto pela semelhança no timbre de voz entre Naná e Lovefuckoxxx quanto pela sonoridade disco-punk/indie/rock/pop. Mas seria injusto limitar-se a essa comparação.


Mesmo sem saber de seu histórico como baterista, fica claro desde o início um talento especial para as batidas em I Said. E ao saber de seu histórico como baterista (integrante da banda da cantora Tiê) é surpreendente perceber seu talento como compositora. Quando se espera batidas eletrônicas lineares surgem detalhes percussivos que fogem do lugar-comum; quando se espera mais um electro-rock ela entrega um rockinho ao estilo Jovem Guarda; quando um riff no melhor estilo Nirvana abre uma faixa, é logo seguido por uma techneira para completar o remix de "Ciranda do incentivo", de Karina Buhr, que participa do CD, assim como Tiê e Edgard Scandurra.

Ouça "Nice figure, dangerous heart"

NICE FIGURE DANGEROUS HEART

Os pontos altos ficam com a ótima "Nice figure, dangerous heart" (música que dá a sensação de se ouvir um hit grunge-pop do início dos anos 90) e a arrastada "Homenagem", parceria com Tiê, que também conta com versos eróticos-irônicos do grande Xico Sá, que entra em contraponto à tristeza da romântica letra. Enquanto ela canta "Não me negue a paz de seu corpo em movimento / Deixa entrar / Pra acalmar o meu pensamento", ele diz "Não diga: 'acabo de gozar como uma louca' / Diga: 'sinto-me um pouco fatigada' / Não diga: 'ninguém me chupa como você' / Diga: 'eis a língua universal'" / Não diga: 'vamos fuder' / Diga: 'oremos ao Senhor'".

Oremos por mais bons e divertidos trabalhos como esse. E que mais pessoas botem pra fuder na música brasileira.

Download gratuito do CD no site da Naná Rizinni.

15 de novembro de 2011

Music Alliance Pact de novembro: Kassin usando calça de ginástica

Como de costume, hoje, dia 15, mais uma edição da Music Alliance Pact é publicada em blogs especializados em música alternativa/independente de mais de 30 países, entre eles o Meio Desligado (representante do Brasil), o inglês The Guardian e a mexicana Redbull Panamerika. A coletânea completa está disponível para download, assim como todas as edições anteriores da MAP.

A escolha brasileira deste mês é "Calça de ginástica", viciante música do CD Sonhando Devagar, do Kassin. 


 BRAZILMeio Desligado
Kassin - Calça De Ginástica
Produtor renomado, Kassin é responsável por trabalhos de destaque na nova música brasileira junto a artistas como Los Hermanos, Marcelo Jeneci, Vanessa da Mata e Mallu Magalhães. Depois de seu projeto solo Artificial (no qual criava músicas no GameBoy) e do projeto +2 (ao lado de Moreno Veloso e Domenico Lancelotti), Sonhando Devagar é o primeiro álbum assinado simplesmente como "Kassin". Mais dançante e potencial hit do CD, "Calça de ginástica" é um tecnopop safado (em todos os sentidos) com toques de bizarrice na letra, cujo refrão explicita a vontade de transar em um banheiro de paraplégicos usando a tal calça de ginástica do título.




ARGENTINA: Zonaindie
El Eternauta is an amazing science fiction comic created by Argentine comic strip writer Héctor Germán Oesterheld with artwork by Francisco Solano López. It was first published from 1957 to 1959. Los Ellos is a tribute compilation to this work and its author, one of 30,000 people who disappeared during the dictatorship that ruled the country between 1976 and 1983. The album contains 18 original tracks written by independent bands from La Plata and Buenos Aires. El Asedio De River is one of them, an instrumental track from alternative rock trio Fútbol.

Cat Burgler is a sweet new jam from Brisbane's Feathers, taken from their forthcoming 12" Hunter's Moon, out through Bon Voyage. The song showcases this all-female four-piece's ability to intertwine whimsy and hooks into irresistible tunes suited for both Saturday nights and Sunday mornings.

CANADA: I(Heart)Music
Someone Else Can Make A Work Of Art is a dance song, but only in the way that, say, All My Friends is a dance song. It's got incredibly catchy beats and a wonderful vocal performance, but it's held together by a genuine emotional core. It, and the album it comes from, are currently free for download from Bandcamp, so there's really no reason not to go get it right now.

San Sebastián, the third album from singer-songwriter Fernando Milagros, is, in simple terms, a masterpiece. Although in his early days as a musician Milagros pointed towards a more contemplative kind of folk (a big reference here would be Nick Drake or the calmer moments of Devendra Banhart), in his newest album he explores South American music, creating denser pieces, darker yet more powerful. Carnaval, the first single from the album, features guest Spanish musician Christina Rosenvinge.

CHINA: Wooozy
Tong Dang formed in 2001 in Chengdu. Their name is derived from the Chinese word meaning "Young Gang". They started off as a melodic nu-metal band and gradually added elements of pop-punk and emo. Tong Dang are known for their explosive performances which features catchy hooks and melodies. Don't Let Me Cry is taken from their album Far Away, released in 2007.

It's alternative pop-rock with a folksy touch. It's Echo Me aka Jesper Madsen. It's an eponymous debut album. And it's great.

WooWoos are Nicky, Tasie and Jess, three London girls shaping up to be the new Sugababes - only the Sugababes when they were good, when Keisha, Mutya and Siobhan were in the group, not the three ciphers they've got in now. They're funny, they're sassy, and their debut single, Fizzy Lettuce, is 90s trip-hop revisited with a solid chorus that suggests there in a substantial musical base below the fizz and pop. We still don't know what is a Woo Woo, or indeed what is fizzy lettuce, but at least they're getting us thinking, these sugar-babes with subversive intent.

ESTONIA: Popop
Ewert And The Two Dragons, consisting of Evert Sundja, Erki Pärnoja, Ivo Etti and Kristjan Kallas, sky-rocketed into the Estonian music scene in autumn 2009 with their debut album The Hills Behind The Hills. 2010 was a busy year for the Dragons: they performed in Estonia, Latvia and Lithuania, including noted festivals such as Tallinn Music Week and Positivus. Their smooth sounds and melodies have been praised both at home and abroad. Their second album, Good Man Down, came out in April and has enjoyed tremendous success.

FINLAND: Glue
The Saturnettes, from Tampere, blend in a refreshing way the 70s glam rock sounds of David Bowie and T. Rex with a touch of new wave and synth-pop. Girl Named Sue is the very catchy first single off their debut album.

Ask someone from France if they like French rap and they will most likely answer 'no', but ask if they likes old-school rap and the answer is most likely to be 'yes'. And that's what this month's band is all about: old-school rap, with modern lyrics. 1995 (or "un-double-neuf-cinq"/"un-neuf-neuf-cinq") is a young rap collective (five MCs, one DJ) hailing from Paris who released an extraordinary, well-received EP, La Source, last June. The EP is a work of art for people disappointed and bored by gangsta-like music, and is almost a miracle for the purists as well, thanks to the return to basics, the flow and the instrumentals. You can buy La Source on Amazon or iTunes.

GERMANY: Blogpartei
When you listen to Jolly Goods' second album Walrus, released recently on Staatsakt, you should be prepared for some serious disarray. Their songs, especially their lyrics, bear testament to a deep doubt in the world as it appears to these two sisters; they capture emotions like anger, trepidation and a little bit of hope in an extraordinary way.


8 de novembro de 2011

Rock in Vinil Spoleto: bandas finalistas

Já está valendo a etapa final do concurso Rock in Vinil, promovido pelo Spoleto e cuja curadoria conta com o Meio Desligado. Agora, o público tem até 17 de Novembro para votar na sua banda/vídeo favorito e ajudar a definir qual banda será a vencedora do voto popular e irá gravar 250 vinis bancados pelo Spoleto. A outra vencedora será escolhida pela produção do concurso, com ajuda dos curadores, e receberá o mesmo prêmio.

Felizmente, todas as quatro bandas que receberam minhas maiores notas estão na final (só não vale contar quais são, =D). De qualquer forma, o nível desta última fase está muito bom e até bastante abrangente (levando-se em consideração de que se trata de um concurso temático).

Assista ao vídeos abaixo e vote no seu favorito no perfil do Spoleto no Facebook.

Jennifer Lo-Fi | Música: Troffea



Quarto Negro | Música: Desconocidos


Fusile | Música: Blue Blood


Hidrocor | Música: Ma Cherie

Zebra Zebra | Música: Dois Copos D'Água

Califaza | Música: Só o Começo

Fellaz | Música: La Strada

Inky | Música: Headphones On

1 de novembro de 2011

Festival Planeta Terra 2011: programação, ingressos, dicas

Um dos festivais mais concorridos do Brasil, o Planeta Terra 2011 acontece em São Paulo no próximo dia 5, no parque de diversões Playcenter, e reunirá milhares de pessoas para ver shows de bandas como Strokes, Beady Eye e White Lies. Os ingressos esgotaram em apenas 14 horas e atualmente uma das poucas formas de conseguir ir ao festival é comprando ingressos no site TicketBis ou tentando a sorte em algumas das promoções realizadas por parceiros do festival.

A cena indie brasileira é representada nos palcos pelos novatos Selvagens à Procura de Lei (vencedora de concurso promovido pelo evento), The Name, os hypados Criolo e Garotas Suecas e a veterana Nação Zumbi. Quem não for ao Playcenter não precisa se preocupar, já que toda a programação será transmitida ao vivo no portal Terra.

Abaixo, a programação completa e, mais ao fim, uma curta seleção de vídeos para se esquentar para o Planeta Terra 2011.

PALCO SONORA MAIN STAGE
16h - Criolo
17h30 - Nação Zumbi
19h - White Lies
20h30 - Broken Social Scene
22h - Interpol
23h45 - Beady Eye
1h30 - The Strokes

PALCO CLARO INDIE STAGE
16h - Banda Concurso Hit BB
17h - The Name
18h30 - Garotas Suecas
20h - Toro y Moi
21h30 - Bombay Bicycle Club
23h - Gang Gang Dance
0h30 - Goldfrapp
2h15 - Groove Armada