Instagram

29 de agosto de 2011

Festival Pequenas Sessões: música experimental em Belo Horizonte

O projeto Pequenas Sessões, que promove o encontro entre artistas que realizam experimentações sonoras e pesquisam linguagens audiovisuais para apresentações musicais, promove sua 5ª edição entre os dias 29 de agosto e 3 de setembro. A programação integra o Conexão Vivo, programa de fomento à produção musical patrocinado pela Vivo, e contará com shows de bandas brasileiras e internacionais, workshops, performances audiovisuais e paineis de debates. Três espaços em Belo Horizonte receberam as atividades desta edição, a 2ª em formato de festival: o CentoeQuatro (palco dos shows e painéis do festival), o Espaço Fluxo, sede do coletivo artístico Fluxo, baseado no boêmio bairro de Santa Teresa; e a sede da ONG Favela É Isso Aí, no bairro Serra.


Nos dias 29 e 30 de Agosto serão promovidos três workshops que abordam a relação entre tecnologia e produção musical de diferentes formas. Dois deles acontecerão no Espaço Fluxo, que sedia das 14h às 18h, os workshops “Aplicações musicais para dispositivos portáteis - iOS e Android” e “Cobertura audiovisual em tempo real”. Simultaneamente, a sede da ONG Favela É Isso Aí recebe o workshop “Produção de áudio em home studios”. No dia 31 de Agosto, às 20h40, os participantes do workshop “Aplicações musicais para dispositivos portáteis - iOS e Android” farão performance nas escadas do CentoeQuatro. Todos os workshops são gratuitos e as inscrições podem ser feitas pelo site do festival, http://pequenassessoes.net.

Para fomentar a reflexão e o debate de temas relacionados ao festival, de 31 de Agosto a 3 de Setembro, o Pequenas Sessões reúne profissionais atuantes no mercado musical e acadêmicos em uma série de painéis. Eles acontecem no CentoeQuatro, às 19h30, discutindo temas como “Desenho de som para filmes e produções multimídia”, “Documentário para bandas”, “Plataformas digitais e mídias sociais” e “A arte por trás das Pequenas Sessões”.


Os shows, destaque na programação do festival, acontecem entre os dias 1 e 3 de Setembro no CentoeQuatro e possuem um formato diferenciado. Compartilhando com o Conexão Vivo o intuito de fortalecer e propor o intercâmbio musical, serão montados dois palcos, paralelos, nos quais duas bandas se apresentarão em cada noite. A diferença é que as canções alternam-se entre os palcos: enquanto uma banda apresenta uma música em um palco, a outra pode interferir e “puxar” uma de suas músicas, mudando o foco para o outro palco. Paralelamente aos shows, artistas visuais farão projeções de obras desenvolvidas especialmente para a ocasião. Esse movimento constrói um fluxo criativo constante e inédito, gerando experiências audiovisuais singulares.


A programação musical do festival é formada pelos mineiros da Constantina e Lise, criadoras do projeto (cuja idealização é do músico Daniel Nunes, membro da Constantina e que em seu projeto solo assina como Lise), o grupo paulista de pós-rock Labirinto (recém-chegado de uma turnê norte-americana), o uruguaio Franny Glass, o argentino Federico Durand e o mineiro Barulhista. Projeções audiovisuais durante os shows ficarão à cargo dos artistas L_ar, Igor Amin e Carou Araújo. Os shows acontecem no CentoeQuatro, sempre às 20h40, e têm ingressos à venda na bilheteria do local por R$ 5. Aqueles que não quiserem perder nada da programação, mas não puderem comparecer presencialmente, poderão acompanhar os shows através da transmissão online em tempo real no portal Conexão Vivo, no endereço conexaovivo.com.br/aovivo.

29 e 30 de Agosto
Workshop :: cobertura audiovisual em tempo real
Local: espaço fluxo
Horário: 14h à 18h
Workshop :: produção de áudio em home studios
Local: favela é isso aí
Horário: 14h à 18h
31 de Agosto
Painel :: desenho de som para filmes e produções multimídia
Local: centoequatro
Horário: 19:30
Apresentação: Performance resultante do workshop ‘aplicações musicais para dispositivos portáteis - ios e android’ na escada CentoeQuatro
Local: centoequatro
Horário: 20:40
1 de Setembro
Painel :: documentário para bandas
Local: centoequatro
Horário: 19:30
Show: Constantina convida Franny Glass (Uruguai) + L_ar
Local: centoequatro
Horário: 20:40
2 de Setembro
Painel :: a arte por trás das pequenas sessões
Local: centoequatro
Horário: 19:30
Show: Lise + Barulhista convidam Federico Durand (Argentina) + Igor Amin
Local: centoequatro
Horário: 20:40
3 de Setembro
Painel :: plataformas digitais e mídias sociais
Local: centoequatro
Horário: 19:30
Show: Constantina convida Labirinto (SP) + Carou Araújo
Local: centoequatro
Horário: 20:40

28 de agosto de 2011

"Subirusdoistiozin", do Criolo

Saiu na última quinta-feira o primeiro clipe do hypado Criolo, para a faixa "Subirusdoistiozin". Foge da estética habitual dos vídeos de hip hop nacional (assim como o trabalho do rapper) e tem uma abordagem mais intimista.

Detalhe: repare na sutil inserção da Nike (patrocinadora da revista +Soma), no vídeo.


O público de Belo Horizonte pode se preparar para assistir ao show do Criolo pela primeira vez na cidade neste mês de Setembro, no encerramento da programação do festival Transborda, que acontece entros dias 10 e 18 com vários shows gratuitos (entre eles, Violins, Vanguart, 4instrumental, Mukeka di Rato e Cérebro Eletrônico).

27 de agosto de 2011

Festival LAB: música experimental em Maceió


Acontece neste sábado, 27 de Agosto, a 3ª edição do festival Lab em Maceió/AL. Sempre com programações enxutas e bem selecionadas, a programação do festival em 2011 conta com os meus amigos da Constantina, as paulistas Herod Layne e Hoping to Collide With e o grande Wado, que celebra os 10 anos desde o lançamento de seu primeiro CD, Manifesto da Arte Periférica. Interessante imaginar como a sonoridade pós-rock/progressiva das bandas se relacionará com o trabalho de Wado, artista que, apesar de não parecer tão óbvio, provavelmente é a atração mais experimental do festival (devido às suas pesquisas sonoras e misturas que resultam em trabalhos que contribuem para a renovação da música brasileira).

O festival acontece no Armazém Uzina a partir das 21h. Os ingressos custam R$ 15 (antecipado) e R$ 20 (na hora). Os pontos de venda são o Estúdio Poker e Botequim Paulista.

25 de agosto de 2011

Fusile lança primeiro clipe, "Blue blood"

Há cerca de dois anos, quando conheci pessoalmente os caras do Fusile, eles me mostraram alguns segundos do vídeoclipe que estavam fazendo. Naquele momento percebi que, definitivamente, tratava-se de uma banda diferenciada. Desde então na minha mente como "clipe do ano", o tal vídeo finalmente ficou pronto e foi lançado nesta semana. A música é "Blue blood", que integra o ótimo EP Coconut revolution, lançado no ano passado e que pode ser baixado de graça no site da banda.


Misturando animações e colagens (ao estilo de "Take me out" e "This fire") , o clipe é dirigido pelo vocalista da banda, Shairon Lacerda, em parceria com o diretor Hudson Vianna, e sintetiza espírito e sonoridade da banda: punk, ska e rock alternativo politizado, mas sem deixar de ser cool (ou hipster, dependendo do ponto de vista). Segundo a própria banda, é uma simulação de "uma espécie de tutorial anti-capitalista universal, armado de críticas ao sistema e de receitas para enfraquecê-lo". Aperte o play.

23 de agosto de 2011

"Felicidade" de Marcelo Jeneci

Pra alegria (ou felicidade) de sua crescente massa de fãs, Marcelo Jeneci lançou neste semana seu primeiro vídeoclipe, para a música "Felicidade". Gravado no mês passado na cidade pernambucana de Sairé, o vídeo reflete bem o clima do álbum de estreia do Jeneci. Gostoso de ver e ouvir.

22 de agosto de 2011

CSS – La Liberación


Após uma bem-sucedida (porém controversa) estreia e um segundo álbum incompreendido, o CSS – Cansei de Ser Sexy, outrora um dos maiores hypes da música indie mundial, lança nesta semana seu terceiro CD, La Liberación. Situado em um momento delicado na carreira de qualquer banda (principalmente ao se considerar as críticas negativas ao CD anterior, Donkey, que eu, particularmente, adoro), o novo trabalho não apresenta rupturas ou experimentações relevantes no histórico da banda. Comparado aos CDs anteriores, aproxima-se um pouco mais do indie/pop do primeiro álbum, longe das distorções dos singles de Donkey.


Algo que chama bastante atenção é que La Liberación é um álbum mais eletrônico, com mais espaço para os sintetizadores, e que em alguns momentos ecoa referências da dance music dos anos 90 e do electro safra 00’s, como na boa “City Grrrl”. Junto às influências mais óbvias de pop kitsch e indie, somam-se o punk rock da ótima faixa-título (algo como um Tóquio melhorado cantado em espanhol), ritmos regionais nordestinos na guitarra de “Echo of love” e um reggae desvirtuado em “Hits me like a rock”, primeira música de trabalho do CD. Destaque também para Friendly Fireana “Red alert”, com participação do Ratatat, potencial matéria-prima para remixes bombados.


O CSS de La Liberación flerta com o pop contemporâneo (“I love you”, música de abertura, poderia constar facilmente em um CD da Ke$ha) e tem potenciais hits (como “You could have it all”, que poderia ter sido gravada pela Kate Perry), mas parece ficar no meio do caminho entre o indie/pop saturado e o pop para as massas.

Família Takara

Sinônimo de música alternativa de qualidade em São Paulo (com pequenos deslizes), os irmãos Takara são um caso raro na cena musical brasileira. Daniel Ganjaman, Fernando Sanches e Maurício Takara são responsáveis por dezenas de importantes trabalhos realizados nos últimos 15 anos, envolvendo de Racionais MC's e Sabotage a Mallu Magalhães, Marcelo Camelo e Otto. 

Ganjaman é atualmente um dos produtores musicais mais requisitados do país e além de suas recorrentes apresentações com Otto, comanda o Instituto e produziu o elogiado álbum Nó na orelha, do Criolo. Maurício Takara é integrante do Hurtmold (também banda de apoio de Marcelo Camelo), tem o projeto solo M Takara, co-produziu o 2º CD de Mallu Magalhães e foi baterista de vários artistas. Fernando Sanches é engenheiro de som e baixista, tocou no CPM 22 (sic) e está mais ligado à cena hardcore.

Aproveitando a deixa do dia dos pais a revista Trip fez uma breve entrevista com o trio de músicos, também responsável pelo estúdio El Rocha, em SP.

21 de agosto de 2011

18 de agosto de 2011

The Baggios na Music Alliance Pact de Agosto (com atraso)

Em Agosto a coletânea mensal da Music Alliance Pact não foi publicada por aqui no dia 15 como sempre, mas, como dizem, "antes tarde do que nunca". Ainda não ouvi nenhuma das bandas (com exceção da minha escolha, é claro, a brasileira The Baggios), mas todos os meses descubro no mínimo umas 4 ou 5 bandas bastante interessantes na MAP. Desta vez uma novidade é o blog representante da ilha de Malta, chamado Stagedive Malta.

Ainda não sabe o que é Music Alliance Pact? É uma coletânea global que reúne artistas independentes de destaque em cerca de 40 países de diferentes continentes. O Meio Desligado é o representante oficial do Brasil desde que o país foi incluído na lista. No dia 15 de cada mês cada integrante da rede publica a lista com as bandas escolhidas pelos blogs de seus respectivos países disponibilizando todas as músicas para download grátis. Estão os representantes de outros países estão o jornal inglês The Guardian e o site chileno Super 45.


 BRAZILMeio Desligado
The Baggios - Oh Cigana
The Baggios poderia ser descrito como a versão nordestina do The White Stripes. É a mistura do blues/garage rock da dupla de Detroit transposta para o clima árido do nordeste brasileiro e influenciado por Raul Seixas e outros setentismos. O CD de estreia da banda está disponível pra download gratuito no site deles.


7 de agosto de 2011

Lise e Barulhista em 3ª edição do projeto "Lise em rotação"

O Lise, projeto do multiistrumentista mineiro Daniel Nunes (também integrante da banda instrumental Constantina), lança em 2011 o CD “Qualquer Frágil Fio de Fantasia”, no qual consolida seus experimentos sonoros que absorvem elementos da música contemporânea aliados ao pós-rock, eletrônica de vanguarda, música ambiente e até hip hop. Na terceira de uma série de cinco apresentações que o artista fará em centros culturais de Belo Horizonte através do projeto "Lise em Rotação", o Lise faz show no Centro Cultural Padre Eustáquio no dia 12 de agosto (sexta-feira), a partir das 20h. O show tem entrada franca e conta com a participação do Barulhista, músico e pesquisador que recentemente lançou o CD "Mute ou quando Cássia abre os livros".

No novo CD as composições do Lise absorvem a música contemporânea, eletrônica e ambiente, partindo de temas instrumentais e experimentação de novas sonoridades. Participam do álbum artistas da cena musical alternativa de BH como o multiinstrumentista Barulhista, Dedig e Matéria Prima (os dois últimos, integrantes da banda Zimun), cuja participação resulta em uma inusitada canção de rap experimental (na faixa "Cuando el tiempo es la poesia", também conhecida com o título alternativo de "Parece Constantina"). O CD "Qualquer Frágil Fio de Fantasia” está disponível para audição no site do artista e a partir do dia 12 de agosto estará liberado para download gratuito no mesmo espaço.






Através do projeto "Lise em Rotação" (viabilizado pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte), o Lise também promove workshops gratuitos sobre produção musical em estúdios caseiros (home studios), tendo como exemplo o próprio processo de produção de seu CD, gravado em casa. O objetivo é apresentar ferramentas e técnicas de produção de áudio para artistas independentes, profisionais do mercado audiovisual e interessados em música. No Centro Cultural Padre Eustáquio o workshop acontece também no dia 12 de agosto, das 14h às 18h. As inscrições podem ser feitas através de formulário no site www.projetolise.com

O projeto já se apresentou em capitais brasileiras como Rio de Janeiro e Maceió e integrou a programação dos festivais Conexão Vivo, Pequenas Sessões, Lab e Escambo. No exterior, realizou shows na Argentina. Daniel também é membro-fundador da banda Constantina, com a qual se apresentou no festival SXSW - South by Southwest (considerado o maior festival de música do mundo), no Texas/EUA, e em Nova York/EUA (na primeira edição norte-americana do festival Grito Rock), além de shows por diversas cidades brasileiras. Outro projeto do qual participa é o premiado Reações Visuais, experimentação audiovisual que trabalha atransformação de sons urbanos em imagens digitais através de software-arte ao lado do artista L_ar. Com este trabalho, venceu o Prêmio Interações Estéticas – Funarte 2008 e Rede Nacional Artes Visuais – Funarte 2009 e se apresentou em festivais e projetos como Circuito Sesc de Artes, Festival On_Off - Itaú Cultural (sendo os únicos artistas brasileiros na programação) e III Mostra Livre de Cinema (Rio de Janeiro).


Serviço
Show de lançamento do CD “Qualquer Frágil Fio de Fantasia”
Shows: Lise + Barulhista
Dia: 12 de agosto
Horário: 20h
Local: Centro Cultural Padre Eustáquio (CCPE) - Rua Jacutinga (antiga Feira Coberta), nº 821, Padre Eustáquio, Belo Horizonte/MG
Entrada Gratuita

Workshop de produção de áudio em home studios
Dia: 12 de agosto
Horário: 20h
Local: Centro Cultural Padre Eustáquio (CCPE) - Rua Jacutinga (antiga Feira Coberta), nº 821, Padre Eustáquio, Belo Horizonte/MG
Entrada Gratuita

3 de agosto de 2011

Emicida: Ascensão e Doozicabraba


Doozicabraba e a revolução silenciosa, primeiro e aguardado álbum do rapper paulistano Emicida, foi lançado há alguns dias e está disponível para download gratuito (em troca de uma "twitada" divulgando a obra). Nas primeiras audições o CD fica atrás das duas mixtapes anteriores, mas ainda preciso ouvir com mais atenção (e registrar por aqui minhas impressões). Para não perder o ritmo, fica (acima) o tocador para audição e o mini-documentário (abaixo) The rise of Emicida, que registra parte do processo de gravação em Nova Iorque ao lado dos produtores Beatnick e K-Salaam, além de acompanhar, como aponta o título do vídeo, o crescimento de Emicida na nova música brasileira.

2 de agosto de 2011

Planeta Terra 2011 e SWU 2011: "novidades"

Ainda recuperando o fôlego pós-festival Escambo e pré-viagem pra Bahia (trabalhar em outro "festival"), uma atualização em relação a dois dos mais esperados festivais musicais de 2011.

Faltando três meses para uma enxurrada de shows internacionais no Brasil, os festivais SWU e Planeta Terra aos poucos vão definindo suas programações para 2011. O SWU Music and Arts Festival 2011 (12 a 14 de novembro em Paulínia, interior de São Paulo) ainda está, sem dúvida, aquém do esperado após o time de artistas escalado em 2010 (Rage Against the Machine, Queens of the Stone Age, Pixies, The Mars Volta, Kings of Leon...), mas aos poucos vem melhorando. A estreia do Black Rebel Motorcycle Club em terras brasileiras é uma das poucas novidades realmente relevantes na escalação atual do festival. Além do BRMC, completam a lista de bandas interessantes no SWU o Down (projeto de Phil Anselmo, ex-vocalista do Pantera), Primus, Faith No More e Sonic Youth (as duas últimas com apresentações no Brasil há poucos anos). Para desapontamento de muitos, a especulada vinda do Soundgarden para o SWU não se concretizou, restando apenas a participação de seu vocalista Chris Cornell em trabalho solo.

Já o festival Planeta Terra 2011, que esgotou seus ingressos em poucas horas mesmo com pequeno número de atrações divulgadas, segue mantendo a qualidade em sua curadoria. No dia 5 de novembro (mais uma vez no Playcenter, em São Paulo) juntam-se ao Strokes, Beady Eye (nova banda de Liam Gallagher, ex-Oasis), Toro y Moi e Peter Bjorn & John as bandas Interpol, Broken Social Scene, White Lies e Goldfrapp. Destaque também para os representantes da cena alternatina brasileira no Planeta Terra, com as acertadas inclusões do rapper Criolo (escolha do Meio Desligado para a coletânea Music Alliance Pact de julho), The Name (que também já figurou em coletânea internacional através de escolha do Meio Desligado) e a paulistana Garotas Suecas (já citada por aqui algumas vezes). Sinal de que os curadores do milionário festival e o Meio Desligado têm ao menos alguns gostos em comum.


Além da boa programação que tem agradado ao público, o Planeta Terra também está bem junto aos patrocinadores: em 2011 o festival recebe R$ 19 milhões de patrocinadores e já anunciou sua expansão internacional através de uma primeira edição no Peru. Economia em crescimento, dólar em baixa, visão de mercado e bons curadores unidos no momento certo.