Instagram

28 de fevereiro de 2011

Lançamentos (CDs) selecionados de janeiro

Com afrobeat psicodélico conceitual, merengue, carimbó e punk-comédia, três lançamentos bastante distintos marcaram o início de 2011. Da Paraíba, o Burro Morto lançou seu primeiro (e conceitual) álbum, Baptista virou máquina. Ainda do no nordeste, outro bom lançamento do mês foi o novo trabalho da Academia da Berlinda, que em referência à cidade natal da banda se chama Olindance. Para fechar, de Minas Gerais vem o punk descompromissado do Cães do Cerrado em seu primeiro CD, Feio, sujo e malvado.

Apesar das diferenças estéticas, geográficas e, acima de tudo, sonoras, todos estes lançamentos têm em comum o fato de serem liberados para download por seus próprios autores (ou, no mínimo, com o consentimento dos mesmos). Reflexo de uma nova geração de artistas integrada à internet e que enxerga a rede como parte crucial da estratégia de ação para a construção de carreiras sustentáveis no meio musical.

Faça o download dos CDs abaixo.



27 de fevereiro de 2011

Resultado da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de MG - 2011

Foi publicado no Diário Oficial de Minas Gerais, ontem, a lista de projetos culturais aprovados na Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais para serem executados ao longo de 2011. A Secretaria de Cultura de MG ainda não publicou em seu site oficial os dados sobre o edital, como número de projetos aprovados e valor total a ser captado, mas a julgar pelo número de páginas ocupadas pelo resultado no Diário Oficial são ao menos uns 200 projetos aprovados.

Você pode acessar o resultado no site da Imprensa Oficial de MG ou, mais indicado, conferir o material abaixo e fazer seu download.

26 de fevereiro de 2011

Tecnologia transformadora x Transformando a tecnologia

Pense: a tecnologia está presente em sua vida mais como instrumento de transformação social ou como item de consumo fetichizado?

"Nas últimas décadas, todos têm se animado com a “alta tecnologia/tecnologia de ponta”. Não é para menos. A tecnologia está se desenvolvendo muito rápido. Aparelhos de televisão, por exemplo, agora são muito mais leves, bonitos e eficientes em termos de espaço. Não obstante, as telas dos televisores ainda não fazem realmente diferença para os usos corriqueiros que atribuimos a elas (ou pelo menos, não em todo o mundo). Ao mesmo tempo, temos testemunhado uma suposta evolução das câmeras de vídeo, desde a primeira câmera Betamax, portátil e disponível em larga escala, até às atuais câmeras HD compactas baseada em memória flash. Todavia, os usos que nós conseguimos dar a essas máquinas, na realidade, não têm mudado muito. Eu gostaria de saber a porcentagem de famílias que conseguem manter e visitar suas memórias gravadas em vídeo à medida que o tempo passa e os formatos de armazenamento mudam tão rapidamente. Como um exemplo mais recente: alguns serviços de web, nos quais construímos nossa vida digital, não estão sempre em um certo perigo de desaparecer em algum ponto no futuro?

Na minha opinião, nós não precisamos continuar a inventar, produzir ou consumir os mais recentes aparelhos de alta tecnologia, que supervisionam a importância do patrimônio tecnológico. Por enquanto, a tecnologia disponível parece, a meu ver, sofisticada o suficiente para cessarmos a busca por novas descobertas e começar a explorar profundamente os usos de tecnologias já existentes e amplamente compreendidas, mas em contextos que não eram objetivo do desenvolvimento acelerado dos dispositivos de tecnologia de ponta. Nós já estamos saturados de “alta tecnologia”. Agora é tempo para que artistas, criadores e pensadores parem por um segundo e olhem para trás para as possibilidades maiores, inexploradas, da baixa tecnologia.

Nos contextos sul-americanos, especialmente, é certamente mais impactante repensar possíveis usos para “baixa tecnologia” disponível (tecnologias mais antigas e mais bem conhecidas) nos contextos locais, de acordo com as necessidades locais, ao invés de seguir o mais novo dispositivo “descontextualizado”. Este Interactivos?, no Brasil, será uma boa oportunidade para começar uma avaliação do que é realmente tecnologia de ponta (ou “realmente impactante”) a partir de tecnologias básicas repensadas através de “ outros” contextos, mais diversos, reais, sociais e culturais, e não tão influenciados por interesses comerciais das indústrias de tecnologia."

Leia: 
Marcos Bastos (de novo)

Visite:

23 de fevereiro de 2011

Meio Desligado é tema de pesquisa acadêmica

Está disponível na internet a pesquisa de graduação no curso de jornalismo realizada pelo Marcelo de Franceschi sobre o Meio Desligado. Marcelo se formou no fim de 2010 na Universidade Federal de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, e fez a monografia intitulada "Permissão para copiar: mapeamento da circulação de posts do blog jornalístico Meio Desligado".

Ainda não consegui ler todo o material com atenção, mas fico extremamente feliz em saber que, além de informar as pessoas, contribuo de alguma forma para a construção de conhecimentos mais aprofundados sobre comunicação e mídias digitais no Brasil.

Você pode ler uma entrevista que capta parte do processo de pesquisa que resultou na monografia ou ir direto ao material final, que disponibilizo abaixo.
 

Porto Musical 2011

Música e tecnologia sempre caminharam juntas, seja no desenvolvimento de instrumentos que permitissem a criação de sons como na elaboração de ferramentas de execução, registro e distribuição de músicas. Nas últimas duas décadas essa relação tornou-se mais forte do que nunca, gerando grandes benefícios mas também medos na indústria musical. Devido à intensidade e velocidade das transformações catapultadas pelos avanços tecnológicos é que um evento como o Porto Musical, auto-denominado como uma "convenção internacional de música e tecnologia", torna-se tão importante.

Realizado em Recife entre os dias 23 e 26 de fevereiro, o Porto promove uma série de palestras com profissionais brasileiros e estrangeiros que atuam em diferentes pontos da cadeia produtiva da música, como Charles Gavin (em palestra sobre a memória da música brasileira), Makoto Kubota ("Nordeste Atômico - A música Nordestina Brasileira e o Mercado Japonês") e Deborah Sztajnberg ("A extinção da OMB"). 

Para completar, shows de artistas que expressam a diversidade da música brasileira contemporânea serão realizados todos os dias. Na programação, destaque para as bandas locais Pouca Chinfra (que acaba de lançar CD) e a experimental Wassab. Outros artistas que se apresentam no Porto Musical 2011 são Lucas Santyana, Do Amor, Luisa Maita, Catarina Dee Jah, Fim de Feira, Orquestra Brasileira de Música Jamaicana, DJ Tudo e Sua Gente de Todo Lugar e Lindigo, além de vários DJs. A programação completa está disponível no site do Porto Musical.

22 de fevereiro de 2011

Redelab reúne projetos de arte e tecnologia em BH


Redelab é um evento que une seminários, oficinas, shows, exibições de filmes e exposições relacionadas aos projetos culturais patrocinados pela Vivo e que têm como foco o trabalho conjunto entre arte, tecnologia e educação de diferentes maneiras. O evento começa hoje em BH, no Espaço CentoeQuatro, e termina na sexta-feira, 25 de fevereiro.

Conforme apresentado no material de divulgação, "o programa Rede Lab tem como principal foco fomentar o trabalho em rede, por meio de uma iniciativa inédita de gestão colaborativa. Representantes dos setores cultural, governamental e iniciativa privada trabalham juntos para desenvolver projetos voltados para a gestão cultural, alternativas de comunicação e novas apropriações das mídias digitais".

Na sexta-feira participo do debate "Formas alternativas de comunicação", que terá entre os participantes Rodrigo Minelli (UFMG), João Alegria (Canal Futura), Luiz Algarra e Maria Regina Manetta Algarra (Papagallis). Entre e quarta e sexta também será exibido o documentário Eletronika.doc, sobre o festival musical realizado em BH, para o qual dei entrevista.

Vale muito a pena navegar pelos projetos que fazem parte do Vivolab e conhecê-los a fundo, são iniciativas interessantes e que exploram aspectos diferenciados das diversas possibilidades de integração entre arte, tecnologia e estratégias educacionais.

Reunião do Repia, um dos projetos do Vivolab e que apresentará seus trabalhos no Redelab

Programação
22/02 – terça-feira

15h - Espaço da Descoberta – Exposição

Local de convergência de saberes e compartilhamento de experiências dos 14 projetos que integram o Rede Lab.

15h - Lab  + Diálogos

Encontro ministrado por Luiz Algarra, mediador da Arena. A partir das técnicas de conversação como Open Space, Aquário, Desconferência, World Café e Círculo Reflexivo, Algarra vai propor um fluxo de diálogo que permeará todos os encontros da comunidade Rede Lab. Fechado para os participantes da rede.

19h – Arena – Debate: Organização Em Rede – Desafios e Perspectivas 

Como e por que promover uma experiência de cooperação e criação em rede? Quais as vantagens, os desafios e as possibilidades dessa perspectiva de trabalho colaborativo? O que faz propostas tão singulares se aliarem em uma rede criativa?
Mediadores: Luiz Algarra e Maria Regina Manetta Algarra (Papagallis) 
Provocadores: Aluizer Malab (Malab Produções), Juliana Pacheco Limonta (Vivo) + integrantes dos 14 projetos que compõem o Rede Lab.
23/02 – quarta-feira

15h - Espaço da Descoberta - Exposição

Local de convergência de saberes e compartilhamento de experiências dos 14 projetos que integram a Rede Lab.

15h - Lab + Oficina - Mobile Hacking com Bruno Viana

Utilização de hardware e software "mobile" customizados para trabalhos artísticos.
Técnicas de hackamento serão utilizadas em software e hardware de telefones móveis para construção de uma "mala cibernética" que rastreia seu percurso e registra sua trajetória com dados GPS e imagens.
Bruno Vianna trabalha com cinema, meios portáteis e suportes interativos. Dirigiu 4 curtas entre 1994 e 2003, e lançou o primeiro longa, Cafuné, em 2006. Em 2008 lançou o longa Ressaca, editado ao vivo. Tem trabalhos em suportes móveis como Palm Poetry e Invisíveis. É formado em cinema e tem mestrado pelo ITP-NYU.
*Acesse o Portal www.vivolab.com.br, clique no link Participe e faça a sua inscrição!

15h - Lab + Bancada - Laboratório de Circuit Bending com Lucas Mafra 

Uma bancada de eletrônica colaborativa será parte prática de um laboratório artístico diferente. Envolvendo os participantes  da Rede Vivo Lab e convidados, essa ação consistirá na construção de objetos e mecanismos eletro-eletrônicos assistida por um técnico especializado em tecnologias livres tais como Arduino, Pure-Data, Processing, dentre outras. A combinação e a re-combinação dessas ferramentas e a meta-reciclagem farão parte de um repertório de produção criativa em rede a ser descoberto e revelado durante o evento.
Lucas Mafra é designer de produto pela universidade FUMEC. É hobbysta e autodidata em eletrônica há mais de 15 anos. Projeta, desenha e constrói produtos eletrônicos e luminárias a partir de materiais reciclados, e possui ampla experiência na utilização de led's e em circuit bending. É colaborador do graffiti research lab brasil e co - realizador do projeto gambiologia.

18h – Lab + Cinema - Mostra de Vídeos

Vencedores do Festival Vivo arte.mov 2010 + Eletronika.doc. Clique aqui e veja as sinopses dos filmes.

19h – Arena – Debate: Formação Colaborativa

Como utilizar ambientes virtuais para o processo de aprendizagem? Aparatos tecnológicos e mídias móveis possibilitam novos fluxos de formação? Quais os desafios da escola para incorporar novas mídias no processo de conhecimento? Como desenvolver práticas pedagógicas apoiadas em novas tecnologias? Que processos permeiam a formação colaborativa?
Mediadores: Luiz Algarra e Maria Regina Manetta Algarra (Papagallis)
Provocadores: Lucas Bambozzi (Diphusa), Luis Fernando Guggenberger (Vivo), José Pacheco (Escola da Ponte) + integrantes dos 14 projetos que compõem a Rede Lab).
24/02 – quinta-feira

15h - Espaço da Descoberta - Exposição

Local de convergência de saberes e compartilhamento de experiências dos 14 projetos que integram a Rede Lab.

15h - Lab + Oficina - Mobile Hacking com Bruno Viana

Utilização de hardware e software "mobile" customizados para trabalhos artísticos.
Técnicas de hackamento serão utilizadas em software e hardware de telefones móveis para construção de uma "mala cibernética" que rastreia seu percurso e registra sua trajetória com dados GPS e imagens.
Bruno Vianna trabalha com cinema, meios portáteis e suportes interativos. Dirigiu 4 curtas entre 1994 e 2003, e lançou o primeiro longa, Cafuné, em 2006. Em 2008 lançou o longa Ressaca, editado ao vivo. Tem trabalhos em suportes móveis como Palm Poetry e Invisíveis. É formado em cinema e tem mestrado pelo ITP-NYU.
*Acesse o Portal www.vivolab.com.br, clique no link Participe e faça a sua inscrição!

15h - Lab + Bancada - Laboratório de Circuit Bending com Lucas Mafra 

Uma bancada de eletrônica colaborativa será parte prática de um laboratório artístico diferente. Envolvendo os participantes  da Rede Vivo Lab e convidados, essa ação consistirá na construção de objetos e mecanismos eletro-eletrônicos assistida por um técnico especializado em tecnologias livres tais como Arduino, Pure-Data, Processing, dentre outras. A combinação e a re-combinação dessas ferramentas e a meta-reciclagem farão parte de um repertório de produção criativa em rede a ser descoberto e revelado durante o evento.
Lucas Mafra é designer de produto pela universidade FUMEC. É hobbysta e autodidata em eletrônica há mais de 15 anos. Projeta, desenha e constrói produtos eletrônicos e luminárias a partir de materiais reciclados, e possui ampla experiência na utilização de led's e em circuit bending. É colaborador do graffiti research lab brasil e co - realizador do projeto gambiologia.

18h – Lab + Cinema - Mostra de Vídeos 

Vencedores do Festival Vivo arte.mov 2010 + Eletronika.doc. Clique aqui e veja as sinopses dos filmes.

19h – Arena – Debate: Gestão Na Cultura

Como estimular práticas de planejamento nos projetos culturais? Quais metodologias de gestão são aplicáveis no campo cultural? É possível compartilhar experiências de gestão? Qual a importância do Lead (o que, como, quando, onde, para que e para quem fazer) na produção cultural?
Mediadores: Luiz Algarra e Maria Regina Manetta Algarra (Papagallis) 
Provocadores: César Piva (Fábrica do Futuro) Kuru (Cria Cultura!), Professor Marconi Eugênio (Fundação Dom Cabral), Marcos Barreto (Vivo), + integrantes dos 14 projetos que compõem a Rede Lab.

21h30 – Palco - Os Amantes de Sherazade - Uma experimentação tecno fono vituo movie ciclolascada

A experimentação do Grupo Kabana envolve crônicas de diferentes épocas, climas que variam do suspense à sensualidade, do lirismo ao terror, do medo a paixões. Ao reunir diferentes autores, de diferentes épocas e estilos, o grupo formou um abrangente painel, aberto, como é característico da crônica, para ser completado pela imaginação do leitor/ouvinte. A crônica pode ser informativa, sentimental, narrativa, metafísica, histórica, lírica, mas sempre um testemunho de nosso tempo. Narrar essas histórias, sem perder o olhar lúdico do autor, é o desafio em "Os Amantes de Sherazade".

22h30 – Palco – oscilloID (Live PA Lucas Miranda)

oscilloID é o projeto solo do músico e desenhista de som Lucas Miranda. Pesquisador de tecnologias aplicadas à música e professor de criação e produção musical em ambiente digital, o projeto oscilloID é fruto de investigação sobre linguagens e técnicas diversas para a produção de música eletrônica.
25/02 – SEXTA-FEIRA

15h - Espaço da Descoberta - Exposição

Local de convergência de saberes e compartilhamento de experiências dos 14 projetos que integram a Rede Lab.

15h - Lab + Oficina - Mobile Hacking com Bruno Viana

Utilização de hardware e software "mobile" customizados para trabalhos artísticos.
Técnicas de hackamento serão utilizadas em software e hardware de telefones móveis para construção de uma "mala cibernética" que rastreia seu percurso e registra sua trajetória com dados GPS e imagens.
Bruno Vianna trabalha com cinema, meios portáteis e suportes interativos. Dirigiu 4 curtas entre 1994 e 2003, e lançou o primeiro longa, Cafuné, em 2006. Em 2008 lançou o longa Ressaca, editado ao vivo. Tem trabalhos em suportes móveis como Palm Poetry e Invisíveis. É formado em cinema e tem mestrado pelo ITP-NYU.
*Acesse o Portal www.vivolab.com.br, clique no link Participe e faça a sua inscrição!

15h - Lab + Bancada - Laboratório de Circuit Bending com Lucas Mafra 

Uma bancada de eletrônica colaborativa será parte prática de um laboratório artístico diferente. Envolvendo os participantes  da Rede Vivo Lab e convidados, essa ação consistirá na construção de objetos e mecanismos eletro-eletrônicos assistida por um técnico especializado em tecnologias livres tais como Arduino, Pure-Data, Processing, dentre outras. A combinação e a re-combinação dessas ferramentas e a meta-reciclagem farão parte de um repertório de produção criativa em rede a ser descoberto e revelado durante o evento.
Lucas Mafra é designer de produto pela universidade FUMEC. É hobbysta e autodidata em eletrônica há mais de 15 anos. Projeta, desenha e constrói produtos eletrônicos e luminárias a partir de materiais reciclados, e possui ampla experiência na utilização de led's e em circuit bending. É colaborador do graffiti research lab brasil e co - realizador do projeto gambiologia.

18h – Lab + Cinema - Mostra de Vídeos 

Vencedores do Festival Vivo arte.mov 2010 + Eletronika.doc. Clique aqui e veja as sinopses dos filmes.

19h – Arena – Debate: Formas Alternativas de Comunicação

Quais as possibilidades que o mundo mobile oferece para a comunicação? Interação e interconectividade são dois conceitos fundamentais para troca de informações? Qual o papel da comunicação comunitária no Brasil hoje? Quais as contribuições das mídias alternativas no processo de comunicação?
Mediadores: Luiz Algarra e Maria Regina Manetta Algarra (Papagallis)
Provocadores: Rodrigo Minelli (UFMG), João Alegria (Canal Futura), Marcelo Santiago (Fora do Eixo) + integrantes dos 14 projetos que compõem o Rede Lab.

21h – Arena – Lançamento do Livro: Mediações, Tecnologia e Espaço Público: panorama crítico da arte em mídias móveis.

Organização: Lucas Bambozzi, Marcus Bastos e Rodrigo Minelli.

21h30 – Palco - Os Amantes de Sherazade - Uma experimentação tecno fono vituo movie ciclolascada

A experimentação do Grupo Kabana envolve crônicas de diferentes épocas, climas que variam do suspense à sensualidade, do lirismo ao terror, do medo a paixões. Ao reunir diferentes autores, de diferentes épocas e estilos, o grupo formou um abrangente painel, aberto, como é característico da crônica, para ser completado pela imaginação do leitor/ouvinte. A crônica pode ser informativa, sentimental, narrativa, metafísica, histórica, lírica, mas sempre um testemunho de nosso tempo. Narrar essas histórias, sem perder o olhar lúdico do autor, é o desafio em "Os Amantes de Sherazade".

22h30 – Palco – F.A.Q.

FAQ é um coletivo audiovisual sintonizado com as poéticas contemporâneas composto por experientes e inquietos realizadores. Apoia e realiza trabalhos coletivamente e desenvolve uma série de performances em espaços alternativos, festivais de música eletrônica, mostras e festivais de vídeo no Brasil e no exterior. Atualmente, o grupo é formado por: Rodrigo Minelli, Marcelo Braga, Cláudio Santos, Lucas Bambozzi, André Amparo, Ronaldo Gino, André Melo, Lucas Miranda e Agnaldo Pinto.

20 de fevereiro de 2011

Meio Desligado indicado no Cultura e Mercado

O ótimo site Cultura e Mercado indicou o Meio Desligado e o classificou como "recomendadíssimo!". Veja o que escreveram sobre o blog:
"No ar desde 2006, o blog Meio Desligado trata da música independente brasileira, por meio da “experimentação de formatos e linguagens e uma cobertura aprofundada da cena, hipermidiática, conceitual, que busque a transmissão e construção de conhecimentos coletivos sobre toda uma cena e um mercado, além de sua relação com a tecnologia”, conforme diz o “quem somos” do site.Já foi eleito pelo Yahoo! como um dos 100 blogs mais relevantes em língua portuguesa, indicado ao Prêmio Conexões Tecnológicas do Instituto Sérgio Motta, é representante exclusivo do Brasil na rede mundial Music Alliance Pact – que reúne blogs de cerca de 40 países especializados em música alternativa -, entre outras coisas.Merece tudo isso e mais, por seus textos informativos e provocativos, sua ampla cobertura das notícias para o público que tem interesse em música e visual de bom gosto e funcional. O responsável por tudo isso é o jornalista mineiro Marcelo Santiago."

17 de fevereiro de 2011

Feira da Música 2011 recebe inscrições

Prevista para acontecer entre os dias 17 e 20 de agosto em Fortaleza/CE, a 10ª edição da Feira da Música está recebendo inscrições de artistas interessados em se apresentar na Mostra de Música Independente que integrará o evento. Podem participar artistas de qualquer cidade ou país, com exceção de artistas oriundos da própria cidade de Fortaleza, para os quais haverá um edital específico de seleção.

As inscrições podem ser feitas até o dia 18 de março, sendo necessário seguir o processo abaixo. Artistas do gênero hip hop possuem edital próprio e devem se inscrever através do Toque no Brasil, plataforma de aproximação entre bandas e produtores de shows e festivais.

Processo para inscrições (exceto artistas de hip hop):
- Imprimir a ficha de inscrição e preencher à mão.
- Incluir mapa de palco e uma ficha técnica com o nome dos integrantes e respectivas funções, incluindo produtor, se houver. No roteiro de apresentação, considerar que cada show selecionado deverá durar cerca de 40 minutos;
- CD de áudio – contendo mínimo de três faixas autorais;
- CD-R com breve release do grupo (ou artista solo) e fotos de divulgação (em alta resolução) ambos em formato digital;
- Reunir todos os itens e enviar para a Associação dos Produtores de Cultura do Ceará (ProDisc), no endereço Rua Engenheiro Plácido Coelho Júnior, 180A, Vicente Pinzón, Fortaleza (CE) – Cep 60181-055. Outras informações sobre o envio: (85) 3262.5011 ou secretaria@feiradamusica.com.br.
- Cada grupo ou artista solo inscrito(a) concorre a uma vaga na programação da Mostra de Música Independente e, caso seja selecionado(a), terá direito à ajuda de custo, hospedagem, alimentação e traslado local durante os quatro dias do evento no mês de agosto.
- Quaisquer dúvidas, sugestões e críticas ao processo de inscrições devem ser encaminhadas para ouvidoria@feiradamusica.com.br. A ouvidoria da Feira da Música de Fortaleza é um canal de atendimento online entre a Feira e seus diversos públicos (artistas, produtores, visitantes, entre outros) a respeito da organização do evento em si, com exclusividade para este fim. Outros assuntos devem ser tratados com secretaria@feiradamusica.com.br.

16 de fevereiro de 2011

A emergente música independente

Karina Francis, do site Rockazine, publicou um artigo interessante sobre música independente e seu histórico no Brasil. Sucinto e didático, pode servir como introdução ao tema ou como fonte adicional de informações sobre música independente.

Segue um trecho:


Underground x Mainstream
O ambiente onde circulam as bandas independentes é conhecido como underground, que segundo o dicionário Aurélio, significa “subterrâneo”, expressão usada para designar algo que foge dos padrões comerciais, dos modismos, que está fora da grande mídia.
A expressão “deixou o underground”, ou “saiu do underground”, refere-se a artistas ou movimentos que se tornaram populares e adquiriram notoriedade para conquistar o grande público, passando a fazer parte do mainstream. Este último termo é disseminado principalmente pelos meios de comunicação de massa e muitas vezes é usado de forma pejorativa para artistas que apelam para fórmulas tradicionais para conquistar público e dinheiro com sua arte.
Entende-se que o conjunto de práticas que as bandas independentes estão configurando no mercado alternativo está formando um conceito de cultura fora do eixo, termo utilizado para aqueles que divulgam seu trabalho atráves de mídias alternativas.

15 de fevereiro de 2011

Music Alliance Pact, Petrobras e Cabruêra pelo mundo

Na Music Alliance Pact deste mês o Meio Desligado enviou uma música daquela que é sem dúvida alguma uma das mais potentes e empolgantes bandas brasileiras dos últimos tempos, a paraibana Cabruêra. Fiz questão de citar a Petrobras no texto sobre a banda, já que a empresa possui um importante projeto de patrocínios culturais, responsável por ações extremamente relevantes no âmbito cultural brasileiro.

Ainda não sabe o que é Music Alliance Pact? É uma coletânea global que reúne artistas independentes de destaque em cerca de 40 países de diferentes continentes. O Meio Desligado é o representante oficial do Brasil desde que o país foi incluído na lista. No dia 15 de cada mês cada integrante da rede publica a lista com as bandas escolhidas pelos blogs de seus respectivos países disponibilizando todas as músicas para download grátis.

A coletânea de fevereiro pode ser baixada aqui. Aproveite.

ARGENTINA: Zonaindie 
The history of Iguana Lovers goes as far back as 1991 when they released Universo, their first album, which had a limited run in cassette format. Along with big acts such as Babasónicos and El Otro Yo, they managed to create a whole new movement within Argentine rock music, with a post-punk sound influenced by British bands like Happy Mondays, The Stone Roses and New Order. Bloqueada is from their new EP, International Mistery Man, which can be downloaded from their website.

It may not be summer where you are right now, but it's definitely summer in Australia - and despite the natural disasters there's still enough sun and surf to make a song like Soldiers really hit the spot. Sydney's aBillion has burst onto the blog scene riding the proverbial chillwave, engaging many of the micro-genre's tropes but managing to make them their own. Although, there's a lot of music like this floating around at the moment, Soldiers has enough of a hook and groove to it to make you tune in.
BRASIL: Meio Desligado 
Cabruêra é uma banda de Campina Grande, na Paraíba, que mescla música regional com estilos contemporâneos como rock e eletrônica. São famosos pela energia contagiante apresentada em seus shows, sempre marcados por stage dives e crowd-surfing feitos por seu vocalista, Arthur Pessoa (que também costuma bancar o macaco e se pendurar no alto das estruturas dos palcos). "Visagem" é um tema instrumental e música-título do mais recente CD da banda, lançado no ano passado e disponível para download gratuito graças à Petrobras (que patrocinou o projeto), maior patrocinadora da cultura no Brasil.

CANADA: I(Heart)Music 
Disco never died. It just went into hiding somewhere on the outskirts of Canada's capital, where it was then discovered by Fire And Neon. They, in turn, nursed it back to health and made a debut EP full of irresistibly dancey anthems.

CHILE: Super 45 
Namm - Stellar Pablo Flores is one of the most iconic Chilean musicians. Aside from founding the experimental music netlabel Jacobino Discos, he takes part in several projects. In Namm, Flores joins Loreto Molina, Pablo Fuentes and Anita Gallardo in exploring synth-pop from an experimental perspective, but elegant nonetheless. Stellar is taken from his latest EP, Saba, offered under a Creative Commons license.

CHINA: Wooozy 
Also known as Rebuilding The Rights Of Statues, this post-punk outfit formed in Beijing in 2003. Inspired by the likes of Bauhaus, Gang Of Four, Magazine and Joy Division, Re-TROS have become a mainstay in the Chinese underground scene. Hua Dong has one of the most piercing vocals and his distorted guitar lines add 'darkness' to the Re-TROS sound. The band have released two albums to date and have been very well received by fans and critics alike. They have been invited to support Gang Of Four for a one-week Australian tour at the end of February.

COLOMBIA: Colombia Urbana 
Under the influence of R&B, Cris Supra gives us Este Verano, his new single for 2011. Supra is a representative exponent of the electro hip-hop scene in Colombia, with the principal base of his music coming from influences such as LMFAO, Pitbull, Lil Jon, David Guetta and Kid Cudi.

DENMARK: All Scandinavian  
Banjos, dobros, pathos-filled lyrics, dark emotions and a dusty Southern rock feeling. Sounds like a good combo to you? Then you'll dig quartet Stupid White Men and their excellent debut album It's A Fine Day To Kill Someone Nice, which was released last month.

Darren Williams is a Manchester-based sample-mad musician who uses snippets of old songs, often classic soul and R&B, to create new tracks. Not for nothing has he been compared to the late, great J Dilla in terms of his ability to create amazing fresh sounds from ancient vinyl, while in terms of obsessive crate-digging for sonic gold he's like a one-man Avalanches. "He takes a fragment, a pop particle, and uses its DNA to construct a brilliant new piece of music," wrote our New Band Of The Day columnist recently, commenting that Williams' ethereal, crackly take on sexed-up R&B made him a sort of cerebral R Kelly for bedroom lo-fi nerds.

FINLAND: Glue  
From the far north of the Finnish Lapland, Moses Hazy deliver the first single from their third album. This is a pretty straightforward rock song with an in-your-face chorus and a bunch of acid notes to add some psychedelia to the mix. Danceable and fun.

GERMANY: Blogpartei  
Folk-techno, as Ludwig Plath calls his music produced under the name Touchy Mob, seems to be the natural connection of two currently popular genres that tend to be honest and plain. But as you listen to his songs and remixes you are drawn into hypnotic structures, great arrangements and Plath's soft, gentle voice. Atlantic Back is just one facet of his talent - check out more songs from this promising Berlin-based artist on Bandcamp and Soundcloud.

GREECE: Mouxlaloulouda  
Exposed By Observers frantically blend cheap samples, drum machine sounds, distinctive beats, clicks, bleeps and tightly-coiled guitars riffs with manic electro buzz and raw, squawking vocals. Yet they are less faithfully wed to punk and more interested in dance-derived rhythms. Doubt Is Dead is taken from their digital single, Fake Stories, the first in a series of monthly releases (there will be at least five parts). Visit Soundcloud to check out Fake Stories Never Get Old and their debut EP, Secondhand Youth. 

Rökkurró's music is built around Hildur Kristín Stefánsdóttir's voice and swooping strings. Their debut album Það Kólnar Í Kvöld… ("It's Getting Colder Tonight…") was released in 2007. Sólin Mun Skína is taken from their more mature second album, Í Annan Heim ("In Another World"), released last year by Icelandic label 12 Tónar and produced by Alex Somers, partner and music collaborator of Jónsi of Sigur Rós.

INDIA: Indiecision 
New Delhi hardcore act IAFWAY (short for "I Am Fake Who Are You") are unlikely contenders for Indian metal glory. Still in school, the sextet can't even legally buy drinks at the clubs where they hope to take their brand of screamo. Yet their videogame-inspired tunes bely a maturity well past their years. On Unsaturated, a track from their free debut EP, they bring together melodramatic hardcore trappings with an almost graphic novel-ish wielding of screamo à la Bring Me The Horizon.

INDONESIA: Deathrockstar  
Pee Wee Gaskins divide opinion - lots of people hate them but even more love the five-piece South Jakarta pop-punk boys. Since their music has grown in maturity and their lyrics have become deeper, we should agree about the progress they have made. Put aside the band promotion, public relations and social media consciousness, it's the music itself that continues to redefine the sound of PWG.

IRELAND: Nialler9 
The definition of 'one to watch' is an artist who is clearly adept at making music and impressing but maybe hasn't gone as far as the album-making cycle. MOTHS aka Jack Colleran has a good excuse. He's only 17 and still in school in County Kildare but he has already made a couple of standout electronic jams. Definitely keep an eye out for more of this goodness.

ISRAEL: Metal Israel  
Blank Divinity is a metal band from Ashkelon, a seaside city no stranger to rocket attacks. They rightfully boast transcendence over all metal genres into their own sometimes brutal, sometimes melodic and most of the time completely shredding brand just waiting to be picked up by the right record company. Their talent is undeniable (though their occasional female vocalist is not to my taste) and I can definitely see these guys playing the major European festivals one day. Check them out.

ITALY: Polaroid 
Green Like July's second album, Four-Legged Fortune, was recorded at the ARC Studios in Nebraska and produced by A.J. Mogis (Saddle Creek). In fact, it definitely has a Bright Eyes vibe but this song in particular, with its Dylan-esque mood (that organ, that bridge), is a pure folk-rock jewel, intense and fragile at the same time. I love the way it burns out when it reaches the last words, you can totally see the trembling light of the stars, and the night fades away.

Marlento is one of those bands with the outstanding ability to stir vivid scenes on their listeners' minds. This five-piece from Guadalajara sports a deviant mixture of influences within their songs, from Americana to New Wave, ebbing and flowing from furious post-punk to melancholic Mexican folk. As The World Turns is the quite catchy and tight first single from their sophomore album, Ludo, to be released this month.

NETHERLANDS: Unfold Amsterdam  
There's a real urgency to every sound this noise-pop outfit creates. Tribal drums clatter ferociously, while guitar fuzz emanates through the entire frequency spectrum, at times the mid-range riffs starting punch-ups with harmonic-fried highs. But drawing members from some of the Netherlands' most underrated alt-pop bands (Foam, The Sugarettes, amongst others), raw and enduring harmonies are rarely far from the surface of the noise. Imagine all the fun and chaos of Baltimore's Ponytail but with much less banshee.

NEW ZEALAND: Einstein Music Journal  
Noisy shoegaze collides with angry post-punk in Popstrangers' songs. They released their second EP, Happy Accidents, in November on Shoot The Freak, and its five distorted pop songs instantly stand out. There's a real menacing quality to the slacker vocals, drilling rhythm section and rusty guitars. Avenue sounds like a classic Flying Nun track in some regards, all pent-up aggression and hooky choruses dropping off to a sweetly serene bridge.

NORWAY: Birds Sometimes Dance Jonas Alaska - In The Backseat Jonas Alaska is a 22-year-old up-and-coming singer-songwriter from Åmli. He's currently living and studying in Liverpool and playing shows solo or with the band Homestead. He's no doubt walking in the footsteps of Bob Dylan, but don't be mistaken - he's not a pale copy, rather a brilliant musician in the same vein. He spent the fall of 2010 recording his debut album and we can all look forward to its release this summer.

PERU: SoTB 
Kanaku & El Tigre are a cool group who will revitalize our ears this summer. Bruno Bellatín and Nico Saba's compositions take in folk melodies and experimental sounds made by any unusual instrument. Their stories talk about vices and selfishness, but also about sweetness and a weird hope. Bicicleta is from their first LP, Caracoles, a real hidden treasure.

T(h)ree is the name of a collaborative compilation featuring 33 bands from Portugal, Macau and Hong Kong. Hipnótica, who recorded and produced this track with Hong Kong group Unixx, is one of the most interesting Portuguese alternative bands and have been releasing music since 1997. Twelve-Wired Bird Of Paradise is their critically-acclaimed latest album and came out last year.

ROMANIA: Babylon Noise  
This month we're presenting you something a bit different. Progressive metal that blends furious riffs with moments of calm, harsh vocals with melodic ones, alternating explosions with restraints. I'm talking about White Walls, from Constanta, four guys becoming ever more appreciated thanks to their live performances and debut album, Mad Man Circus, available for download via their label, Asiluum.

SCOTLAND: The Pop Cop  
Reverie is the stage name of Louise Connell, a striking 21-year-old singer with a tempting voice and pop songs with hints of Martha Wainwright. Get To Know Me is such a flawless acoustic strum, it surely can't be long before daytime radio is all over this. The track is taken from her surprisingly diverse debut album Melodies which you can download for less than the price of a glass of wine at Bandcamp.

SINGAPORE: I'm Waking Up To...  
Memories fade in and out of reality when it comes to Elektone's dreamy brand of electro-pop. Started by Zulfadly Amin, a graduate of our National Arts Council's Noise Singapore initiative, he and his merry band capture love and light waves as pangs of desire wash over Singapore's bullet-speed society. Taking a moment to enjoy Elektone's music is almost like allowing yourself to fall asleep in a mass rapid transit, dreaming of tomorrow as yesterday happens all around you.

SOUTH KOREA: Indieful ROK  
So far, Youn Sang Hoon is best known as the guitarist in the beyond lovely indie-pop act Donawhale, but with the band on hiatus that may well be about to change. In addition to occasionally supporting former MAP artist Apollo 18 on stage, he's been making some music under the moniker Auhm. Hide In The Fog is a glorious post-rock track that is far from as shy as the title implies. Hopefully an EP will be out before the summer, but for now we'll have to be satisfied with Auhm's wondrous demo recordings.

SPAIN: Musikorner 
12twelve were one of Spanish post-rock's top bands. Out of its cinders and spirit, many creative adventures rose, AtletA being one of them. Composed of two former members of the aforementioned Barcelona band, Jaume L. Pantaleón and José Rosselló redefine their sound with a bigger experimental expression. Krautrock, synth loops and free-jazz structures dissolve and pass the baton that Pantaleón already held in Ruizpantaleón, shading the compositions with hypnotic brightness, as Evasión y Victoria shows.

SWEDEN: Swedesplease  
I guess I should have asked for a couple of more songs from the straight edge hardcore band Stay Hungry since this one clocks in at only 1:27. Still, it's a perfect use of a minute and 27 seconds - nothing is wasted in this band's minimalistic aggro punk. I'm not a hardcore expert and am far removed from the scene, but to me these guys have it. Whatever 'it' is.

SWITZERLAND: 78s 
Death Of A Cheerleader is a four-piece from Winterthur. They recently released Flesh & Blood, a forerunner to their debut album, recorded and produced by Magnus Lindberg in Sweden. The track is gloomy and haunting, six-and-a-half minutes full of No Wave in its best manner. If their full-length lives up to the promise, Flesh & Blood shows it's going to get a cheerful release party.

UNITED STATES: I Guess I'm Floating 
Atlanta duo New Animal command a wide variety of genres and sounds on their self-titled debut LP (available free here), from electro-pop to avant indie-rock. The anthemic and meditative Last Winter is a great example of their songwriting chops, just one of 15 reasons to love this emerging band.

VENEZUELA: Música y Más  
Together since 2007, Rawayana fuse acoustic sounds with genres such as funk and folk to create something unique. Since mid-2009, they have been playing in the main bars of Caracas with bands such as Los Mesoneros, Wahala and Lebronch.

14 de fevereiro de 2011

Ainda há esperanças para a MTV Brasil

Segundo consta nos bastidores, a nova programação da MTV Brasil, que estreia em março, terá foco mais "adulto" (favor não confundir com o "adulto" tipo "filmes adultos") e voltará a dar mais destaque para a música. As mudanças são fruto da saída de André Mantovani da direção do canal, função que ocupou durante anos e que agora é de Helena Bagnoli, jornalista, historiadora e nova inimiga número 1 dos adolescentes coloridos que lamentam as mudanças no canal.

Entre as mudanças estão as saídas dos grandes intelectuais da música VJs Léo Madeira, Marina Person, Kika Martinez e Penélope Nova (esta, ainda não confirmada fora da emissora). Em seus lugares entram pessoas que podem não primar pela beleza padrão mas que sem dúvida alguma contribuirão muito mais para o enriquecimento cultural do público: Arnaldo Antunes (precisa explicar?), China (prestes a lançar seu segundo CD solo, parceiro da Mombojó, membro do Del Rei e ex-Sheik Tosado), Chuck Hipolitho (ex-Forgotten Boys, atual Vespas Mandarinas, já com passagem pela MTV em outras funções) e Gaía Passarelli (do site Rraurl).

Além de novos rostos, a programação da MTV apresentará mais conteúdos produzidos nas "filiais" internacionais da MTV e programas produzidos por produtoras independentes, o que abrirá espaço para maior diversidade de conteúdo, menos custos para o canal e maior visibilidade para novos produtores audiovisuais.

Boa sorte.

Ps.: não é só no Brasil que a MTV vai melhorar: a MTV americana anunciou que voltará a exibir Beavis and Butt-Head. Hora de tirar a camiseta do Metallica do armário...

6 de fevereiro de 2011

Google Art Project e o futuro das artes

Quando comecei a aprender sobre informática na escola (que tinha o singelo nome de Recanto Criança Feliz) um dos exemplos mais usados (e caretas) das "maravilhas dos computadores" era a possibilidade de se conhecer museus estrangeiros através de CD-rom (estávamos nos anos 90, né?). Agora, cerca de 15 anos depois, vejo uma iniciativa que realmente tem potencial para que isso ocorra de forma gratuita, acessível e com boa qualidade técnica: o Art Project do Google, que repete a experiência do Street View, só que desta vez dentro de alguns dos mais famosos museus do mundo.

Detalhe de pintura de Juan Gris acessível via Art Project
O ponto em que isso se relaciona com o Meio Desligado, além de seu caráter experimental e tecnológico direcionado ao meio artístico para alcançar mais pessoas e gerar diferentes formas de fruição dos mais diversos trabalhos artísticos, é o que isso pode nos dizer sobre o futuro do modo com que nos relacionamos com a arte.

Há tecnologia disponível para experiências incríveis em outras áreas artísticas e é inevitável que o próprio Google crie projetos nas áreas da música e do cinema (indo além do YouTube). O que tem impedido parte desse avanço são as complicadas questões envolvendo direitos autorais e as gigantes corporações surgidas na indústria do cinema e da música, que lutam para manter seus altos lucros baseados na escassez de material físico, de átomos, em uma era de conteúdo digital, cada vez mais aberta aos bits (reproduzíveis infinitamente sem perda de qualidade e gratuitamente, ou seja, o pesadelo da indústria tradicional).

O que me instiga é imaginar até quando isso irá durar, quais serão as próximas ações reacionárias e quais os próximos princípios de revoluções iniciados e que poderão alterar nosso cotidiano. Em um exercício futurológico, imagino transmissões em 3D e em alta definição de shows, não apenas de grandes espetáculos, mas sim de qualquer apresentação alternativa em pequenos clubes (uma vez que a tecnologia e a transmissão de dados será mais acessível e barata) para que as pessoas possam se reunir e viver a experiência em casa, projetadas em suas salas. Talvez uma simples simulação permeada de aparatos tecnológicos, talvez o surgimento de novos rituais. A única certeza parece ser a de que o futuro já não pertence mais aos mesmos deuses de outrora.

4 de fevereiro de 2011

Mistureba #12: Calote na Lei Rouanet, projetos culturais, relações entre patrocinadores e comunidades

"Os técnicos em análise financeira do ministério, responsáveis por avaliar a prestação de contas das produções beneficiadas com a lei de fomento à cultura, reprovaram a prestação de contas de 134 projetos nos dois últimos anos, que somavam R$ 88.038.636,33 – mas, na prática, captaram apenas os R$ 38.383.204,26, segundo informou o ministério a pedido de Poder Online - já que o site da pasta omite esta informação pública."

"Quando se fala em atitude de marca, a cultura surge como uma das mais tradicionais plataformas de investimento. Por meio de patrocínios, projetos, espaços ou programas na área, as empresas conseguem associar-se a um rico repertório de elementos simbólicos, sensoriais e afetivos, o que facilita o estabelecimento de conexões genuínas e marcantes junto aos seus públicos."
Edital de patrocínio cultural da Eletrobras abrange áreas de teatro, audiovisual e patrimônio cultural imaterial
As inscrições para o Edital de Cultura 2011 das empresas Eletrobras podem ser feitas até o dia 13 de abril através da internet. Ao todo, a empresa destinará R$ 13,8 milhões aos projetos patrocinados.

"Com o surgimento das leis de incentivo fiscal e o aumento do interesse não só do setor privado, mas também do poder público, em investir em projetos culturais, veio à tona uma grande carência de informações sobre como elaborar tais projetos e como colocá-los em prática. Para reverter essa situação, algumas instituições resolveram criar guias que mostram o passo a passo da construção de um projeto cultural."

2 de fevereiro de 2011

Referências em webradio e podcast

Fiz essa lista para apresentar pra equipe do Conector, acho que pode ser útil para quem se interessa por música e o que está acontecendo em termos de webrádio e podcasts relacionados à música alternativa no Brasil.


Radioca
"Radioca é um programa de rádio semanal focado na nova música brasileira, aquela fora da grande mídia, que vive a margem de rádios e tvs, que em sua grande parte é taxada e sobrevive como independente. A nova música brasileira de fato, sem fronteiras, preconceitos, movimentos e bastante criativa. O programa se propõe a mostrar essa nova geração da nossa música em suas várias vertentes, rock, jazz, samba, frevo, eletrônica etc, com foco em seus artistas e em toda sua cadeia produtiva, com discussão sobre o mercado e seus rumos. O programa, idealizado, produzido e apresentado por Luciano Matos, Beto Barreto e Ronei Jorge, traz lançamentos de CDs, quadros especiais, entrevistas, reportagens, informações e claro, muita música."
Coquetel Molotov
"Semanalmente uma dúzia de informações musicais com novidades do meio independente nacional e internacional com bandas dos mais diversos estilos. Novidades, raridades, notícias e lançamentos."
(todas as edições estão disponíveis online)
"Gente que tem o que dizer, num ambiente descontraído. Entrevistas e jornalismo misturando seriedade e bom humor.
Desde 1984 o TRIP FM leva o ambiente da revista Trip para o rádio brasileiro. Hoje são 480 cidades espalhadas pelo Brasil, incluindo as principais capitais.
Apresentado pelo editor das revistas Trip e Tpm, Paulo Lima, e com participação do repórter excepcional Arthur Veríssimo, o programa ganhou em 2005 o prêmio de Melhor Programa de Variedades do Rádio pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA). Além de músicas e notícias, o Trip FM sempre recebe convidados especiais, e que atuam em diversas áreas, para entrevistas: de Felipe Massa a Amyr Klink, passando por Walter Salles, Fernando Meirelles, Emerson Fittipaldi, Angélica, Luiz Melodia, Elza Soares, Maite Proença, Malu Mader, Rickson Gracie, Sócrates, Miéle, entre muitos outros."
Mixtapes feitas pelo jornalista Alexandre Matias, editor do caderno Link, do Estado de S.Paulo.
"Seleções que contemplam a diversidade e a qualidade da música independente nacional."
"O Natura Musical leva para o rádio a inspiração dos artistas na criação de suas canções. Apresentado por Patrícia Palumbo, conversas que revelam a essência e novas formas de ouvir cada música."
Rádio Levi´s
Podcasts feitos por blogs culturais brasileiros.
A rádio online da MTV.

Lupe de Lupe lança primeiro EP hoje, em BH

Uma das mais promissoras bandas de rock de Curral Del Rei Belo Horizonte, a Lupe de Lupe lança na noite de hoje, no Nelson Bordello, em BH, seu primeiro EP, Recreio (melhor capa de 2011 até o momento, ao lado). O lançamento também marca a estreia do selo musical do coletivo Fórceps, que já tem mais novidades previstas para os próximos meses.

Sou um dos DJs na festa de hoje, que começa às 20h e tem show de abertura do Ram. Ingresso a R$ 8.

Olha que fofura o flyer que fiz pros caras: