Instagram

31 de março de 2010

Natura divulga lista de artistas patrocinados em 2010

Outra empresa que divulgou hoje o resultado de seu edital de patrocínio é a Natura, que selecionou 5 projetos de artistas mineiros para patrocinar em 2010. Entre os selecionados está a cantora Aline Calixto, da qual faço produção há 2 anos!

A curadoria deste ano foi feita por Chiquinho Assis (produtor cultural, músico, professor), Daniel Barbosa (jornalista do caderno de cultural do jornal mineiro O Tempo) e Wagner Merije (produtor cultural, músico, jornalista) junto ao Comitê Estratégico da Natura.


aline calixto

Aline Calixto: turnê de lançamento do CD da cantora e compositora e circulação de oficinas por 9 cidades mineiras e 3 capitais brasileiras

folias folioes

 Folias, Foliões e seus Instrumentos Musicais: resgate da tradição musical do norte  de Minas por meio de apresentações dos cantos e danças da Folia de Reis em 11  cidades mineiras, acompanhadas por exposição de rua, palestra literária e oficina  gratuita

juliana perdigao

 Céu Aberto – Juliana Perdigão: gravação e turnê de lançamento do novo CD da  cantora, compositora e instrumentista, que se apresenta gratuitamente em  Mariana, Diamantina, Ouro Preto, São João Del Rey e Nova Lima

nenem

 Neném - CD e DVD: produção e lançamento do primeiro trabalho solo do renomado  baterista, com shows em Belo Horizonte, São Paulo e Rio de Janeiro

viva viola

 Viva Viola – 60 Cordas em movimento: apresentações gratuitas dos violeiros e  cantadores mineiros Chico Lobo, Pereira da Viola, Bilora, Wilson Dias, Gustavo  Guimarães e Joaci Ornelas pelas cidades de Diamantina, Ouro Preto, Congonhas,  Paraty e São João Del Rey

Artistas selecionados no Conexão Vivo 2010

O Coquetel Molotov, que faz a assessoria do Conexão Vivo este ano, divulgou a lista de artistas selecionados no Conexão Vivo 2010, gigante projeto musical patrocinado pela Vivo e que acontece em várias cidades de Minas Gerais, Bahia e Pará.

Artistas selecionados:
Alessandra Leão - PE
Banda NaurÊa - SE
Banda Radiola - BA
Caldo de Piaba - AC
Cassim & Barbária - SC
Cérebro Eletrônico - SP
Chico Correa & Electronic Band - PB
Chico Pinheiro & Grupo - SP
DJ MAM & Sotaque Carregado - RJ
DJ Tudo e a "GARRAFADA" - SP
Duo Gisbranco - RJ
Eddie - PE
Emerson Taquari - BA
Fernando Sodré - MG
Graveola e o Lixo Polifônico - MG
Iva Rothe - PA
Jair Naves - SP
Joao Erbetta - SP
Johnny Hooker & Candeias Rock City - PE
Jr Black - PE
Kassin - RJ
Los Porongas - AC
Marcelo Jeneci - SP
Minibox Lunar - AP
Nana Rizinni - SP
Nego Moçambique - SP
Nevilton - PR
Nina Becker - RJ
O Jardim das Horas - CE
Ophelia and the tree - MG
Orkestra Rumpilezz - BA
Patricia Polayne - SE
Pio Lobato - PA
Quarteto Olinda - PE
Quixabeira - BA
Romulo Fróes - SP
Ronei Jorge e Os Ladrões de Bicicleta - BA
Sacassaia - DF
Sandalia de Prata - SP
Sweet Fanny Adams - PE
Tiganá - BA
Velha Guarda Tabajara - MG
Vitor Pirralho e Unidade - AL
Wado - AL
Warley Henrique - MG
Zé Maria - ES

ARTISTAS SUPLENTES SELECIONADOS PELA CURADORIA DO PROJETO
Burro Morto - PB
A Banda de Joseph Tourton - PE
Fusile - MG
Isaar - PE
Saracotia - PE

ARTISTAS SELECIONADOS POR VOTAÇÃO POPULAR
NOME / ESTADO / Nº DE VOTOS
Granvizir – MG - 2013
Donna Lee - RJ - 1548
Darandinos - MG - 1196
Orquestra Juvenil de Violoncelistas da Amazônia - PA - 1106

ARTISTAS SELECIONADOS POR VOTAÇÃO POPULAR (SUPLENTES)
Róger Ricco – PE - 999
Rocknova - MG - 942

25 de março de 2010

As melhores músicas brasileiras da década ´00

Desculpe, enganei você. O título acima é mentiroso. Essas não são as melhores músicas brasileiras dos anos 2000, mas sim o resultado de uma tentativa de construir uma coletânea representativa de parte do que de mais relevante foi produzido nos últimos 10 anos no Brasil.

Sem me ater a gêneros específicos e refém da memória, anotações, milhares de mp3 e CDs gravados, selecionei as canções abaixo por acreditar que juntas formam um panorama considerável da nossa produção musical nesta década e são capazes de apresentar a diversidade e qualidade do que foi feito nesse período.

Não são 10, 50 nem 300 músicas. Não importa a quantidade. Assim como a vida não deve ser levada de acordo com os números, o mesmo vale para o jornalismo musical. As coisas não terminam “porque tem que ser assim!”, mas quando achamos que deve ser dado um ponto final ou simplesmente porque não conseguimos seguir em frente. A lista é breve e termina rápido. A música (independente de julgamentos) continua.
 





  
U.D.R - “Bonde da orgia dos travecos”
Um hino niilista de uma geração. É a classe média fazendo piada de sua própria demência.

DeFalla - “Popozuda rock´n´roll”
O DeFalla foi autor de um dos maiores hits brasileiros da década e um dos principais responsáveis pela disseminação do funk carioca entre a classe média. Se o Bonde do Rolê mais tarde utilizaria o grunge como ferramenta para deturpar (ainda mais) o funk em seu primeiro hit, o DeFalla já misturava guitarras hard rock à la AC/DC com as batidas dos morros (ou de Miami) anos antes.

Blemish - “King Kong”
Poucas pessoas ouviram essa excelente música do Blemish, banda que não ficou conhecida nem mesmo no underground nacional, mas a maioria das que tiveram contato com a música normalmente se espantaram com a qualidade e força da mesma, com uma pegada remetendo a Foo Fighters e rock alternativo típico dos anos 90.

Bonde do Rolê - “Melô do tabaco”
O hedonismo característico do funk carioca e um dos maiores hits grunge reunidos de forma magistral na estreia do Bonde do Rolê só poderia resultar em um clássico da música contemporânea brasileira. E foi o que aconteceu, mesmo sem a permissão da lei (por causa dos samples de Alice in Chains usados na música sem autorização).

Diesel - “Burn my hand”
A maior banda alternativa mineira começou a década como aposta para dominar o mundo (ou ao menos os fãs de pós-grunge) e, depois de mudar seu nome para Udora, a termina como uma banda pop/rock/emo irrelevante. Felizmente, o nome Diesel continua intacto para os fãs e o único CD da banda (com esse nome) permanece como um dos grandes momentos do rock alternativo brasileiro do início dos anos 2000.

Violins - “Grupo de extermínio de aberrações”
Incontestavelmente um dos maiores hits do indie nacional recente. Mais do que merecido.

Cansei de Ser Sexy - “Let´s make love and listen Death From Above”
Além de tudo o que esta música representou na carreira do CSS e na divulgação da música brasileira no exterior, já valeria pelo título. Afinal, são poucas as coisas melhores do que fazer sexo ouvindo Death From Above.

Mukeka di rato - “Visual é tudo”
Mesmo em um de seus momentos mais pop o Mukeka permanece brutal e conciso, sem precisar de firulas para passar sua mensagem.

Matanza - “Todo ódio da vingança de Jack Buffalo Head”
Entre o metal, o hardcore e o country, o Matanza se tornou um XXX (aquela água no meio do deserto) para os batedores de cabeça (headbangers, sacou?) tupiniquins, que puderam se esgoelar ao máximo em sua língua nativa enquanto a testosterona emergia.
 
 
Outras músicas da lista, sem textinho descritivo:

Hurtmold – Miniotário
Gui Boratto - Beautiful life
Los Hermanos - Todo carnaval tem seu fim
Forgotten Boys - Napalm
Wado - Fortalece aí
Astromato - Dias melhoresSuperguidis – Malevolosidade
Nação Zumbi - Meu maracatu pesa uma tonelada
Walverders - Cancêr
Macaco Bong - Bananas for you all
Curumin – Vem menina
Constantina - Sobe ladeira
Black Drawing Chalks - My favourite way
Mombojó - A missa

23 de março de 2010

Móveis Coloniais de Acaju fazendo cover de Flaming Lips

Em uma onda meio Radiohead (no vídeo), o Móveis Coloniais de Acaju fez essa cover de "Do you realize?", linda música do Flaming Lips. O contraste entre as vozes de Wayne Coyne, na canção original, e a do André, vocalista do Móveis, é uma das principais diferenças na nova versão.


A banda promete uma nova cover a cada mês, sendo que cada integrante escolherá uma música. Ou seja, vem mais umas 8 por aí.

22 de março de 2010

Último dia para inscrições no Conexão Vivo 2010

Aos retardatários: termina hoje o período de inscrições para artistas interessados em fazer shows no projeto Conexão Vivo, que selecionará 50 bandas brasileiras para apresentações em Minas Gerais, Pará e Bahia, além de poderem fazer parte de coletâneas especiais em CD, DVD e vinil.

As inscrições são gratuitas e realizadas no site conexaovivo.com.br. Entre as bandas selecionadas em 2009 estavam Burro Morto, Transmissor e Lucas Santanna.

Este ano o Conexão Vivo acontece em Abril e Maio em Belo Horizonte, Juiz de Fora, Ouro Preto, Uberaba (todas em MG), Salvador, Juazeiro, Vitória da Conquista, Ilhéus (todas na Bahia) e Belém, Marabá e Castanhal (no Pará). Entre as bandas já confirmadas para o festival estão a norte-americana punk Agent Orange (show em BH), Constantina (com shows em BH e Ouro Preto) e Renegado, que fará show em Belo Horizonte, no Parque Municipal, ao lado de Fernando Catatau, do Cidadão Instigado (banda que se apresentou no festival em 2009).

Abaixo, algumas informações sobre o Conexão Vivo:

"Serão escolhidos 46 artistas por curadoria especializada formada por
representantes dos projetos que integram a rede Conexão Vivo e por
profissionais de reconhecimento nacional. A curadoria utilizará critérios como respeito à diversidade cultural brasileira, a singularidade e o frescor das obras apresentadas, aspectos técnicos de execução (performance) e produção, conteúdo poético, ritmo, melodia e harmonia, além da trajetória artística e cidadã do artista.

O público também participa da escolha: 4 artistas serão escolhidos diretamente por meio do voto popular no portal conexaovivo.com.br.
A votação pode ser feita entre os dias 23 e 30 de março de 2010. O resultado final com os 50 selecionados será publicado até o dia 5 de abril de 2010.

Em 2009, o programa Conexão Vivo abriu edital para artistas de todo o país e contabilizou 1.666 inscrições de músicos de 23 estados. Realizou ações próprias em Minas, São Paulo e em Recife, essa última em parceria com a Funarte/MinC para realização do Circuito Off da Feira Música Brasil. Para 2010, são estimadas 2 mil inscrições."

17 de março de 2010

Seminário celebra 5 anos da Sociedade Independente da Música

Tenho acompanhado, nos últimos anos, uma preocupação crescente por parte de instituições culturais, produtores e mesmo do poder público em se discutir e refletir sobre o mercado musical e suas transformações. Considero essas ações super importantes principalmente para ampliar o número de pessoas que pensem criticamente acerca do mercado musical, permitindo, assim, a evolução do mesmo.
Hoje, em Belo Horizonte, acontece mais uma oportunidade para se inteirar sobre o assunto,  no seminário que marca os 5 anos de existência da SIM - Sociedade Independente da Música, entidade formada por profissionais atuantes no mercado musical mineiro. Após os debates (que acontecem em uma das salas do Palácio das Artes), acontece o show instrumental do Thiago Delegado e sua banda, que agora assina como DelegasCia, na A Casa (endereço no fim do texto).

Programação
19h - Contextualização histórica da cena musical independente em Minas 
Com: Nestor Santana * Israel do Vale * Vitor Santana

20h - Novos rumos da música em Minas e no Brasil
Com: Talles Lopes * Kuru Lima * Reinaldo Dias 

22h - A Casa 
Show com: DelegasCia. + participações especiais

17 de março - quarta-feira - 19h 
Seminário: Sala João Ceschiatti (Palácio das Artes) - Avenida Afonso Pena 1.537, Centro, BH. Tel: (31) 3236-7400 
Show: A Casa - Rua Padre Marinho, 30 - Santa Efigênia, BH. Tel: (31) 9985-9486

15 de março de 2010

World music é isso aqui!

Mais um mês, mais um dia 15, mais uma edição da Music Alliance Pact, coletânea de música alternativa selecionada a partir das escolhas de blogueiros de cerca de 40 países - cada um deles escolhendo bandas de seus respectivos países. Eu, como representante brasileiro, este mês enviei uma música da Eddie, banda fundamental da cena musical de Recife dos anos 90 e que permanece na ativa. A faixa escolhida foi "Gafieira no avenida", do ótimo álbum Carnaval no inferno.

Ainda não tive tempo de escutar todas as bandas dos 36 países que atualmente são representados na MAP, mas posso comentar:
* a irlandesa The Cast Of Cheers é minha favorita até o momento. Puro Foals!
* o eletro-indie-pop da alemã Kissogram
* fãs de Gram e Coldplay podem ouvir sem receio os chilenos do Inverness (não é muito a minha praia, mas é um som bem feito)
* o inglês Stairs to Korea é para os fãs de Animal Collective (também não sou grande fã)

Você pode fazer o download da coletânea inteira ou clicar nos nomes das músicas e ouvi-las isoladamente.


ARGENTINA: Zonaindie 
Modular - Femme Fatale
Listening to Modular's music is like a journey back to a time when lounge and space-age pop were present on almost every soundtrack and TV show. This track is their own rendition of the great song Femme Fatale by The Velvet Underground, taken from a recent free EP called Yoga Para Extraterrestres (which you can download from here). Don't miss Requiem Para Robert Moog, another great track from this EP.

AUSTRÁLIA: Who The Bloody Hell Are They?
Otouto - Astronauts
Exciting new trio Otouto from Melbourne have released a new single called Astronauts on their own artist collective label Two Bright Lakes. You may recognise singer Hazel Brown's voice from Whitley's song Killer. So catchy.

BRASIL: Meio Desligado  
Uma das bandas fundadores do movimento manguebeat em Recife, a Eddie mistura frevo, rock, jazz e outros genêros, desfilando influências (ou referências) como Fela Kuti e Lee Perry. "Gafieira no Avenida" é parte do último CD da banda, Carnaval no Inferno, lançado em 2008.


CANADÁ: I(Heart)Music  
Yukon Blonde - Rather Be With You
There are all kinds of great power-pop bands from decades past that could be referenced when talking about Yukon Blonde. But you know what? As songs like Rather Be With You show, Yukon Blonde are a lot more than their influences, and it's not hard to imagine that it won't be long before future bands are referencing them as an influence.

CHILE: Super 45
Inverness - Nubes
Inverness has its heart divided between Santiago and England. The band flirts a lot with shoegaze revivalism but succeeds in avoiding a lame emulation of the sound, instead delivering a rich, lyrical world full of dreamy scenes. Their second album Illuminaciones was inspired by the far-away landscapes of southern Chile and received massive critical acceptance last year. The band faces the challenge of doing it again for the release of their next album this year.

CHINA: Wooozy
PB33 - Dance With Me
Formed in 2005, PB33 independently released their first album Disco Boys & Girls Night Out. It's about youth, happiness, love, life, friendship and party. They are a band with a punk attitude. Are you ready for them?

COLÔMBIA: Colombia Urbana  
ChocQuibTown - En Circulo (Sa Rissa)
ChocQuibTown is the most successful urban fusion group in Colombia with two Latin Grammy nominations. The band try to mix hip hop music with native sounds of the Pacific coast. Their new album Oro has just been released.

DINAMARCA: All Scandinavian  
The Bronson Brothers - Ancient Land
Pop, decadence, France and the 1960s are keywords when it comes to Clyde and Ted Bronson's musical universe. The excellent Ancient Land is taken from the duo's freshly-released debut album The Melody Bronson, the title a nod to the 1971 concept album Histoire De Melody Nelson by Serge Gainsbourg, who is also found among The Bronson Brothers' influences.

INGLATERRA: The Daily Growl  
Stairs To Korea - All Of Your Friends
The awesome one-man band and king of the offbeat tweets, Stairs To Korea is a battery of lo-fi electronic effects, good tunes, wry lyrics and ace guitar solos. And behind his bushy beard there's a reluctant rock god edging his way out. His new single All Of Your Friends, on the excellent Brainlove Records, is another in the gradual drip-feed of fine releases which should eventually see him with one of the best singles compilations of 2012.

ESTÔNIA: Popop  
Honey Power - Get Country
This light, fresh and melodic indie tune from four-piece Honey Power carries a real country vibe and, as an early taste of the Tartu-based band's long-anticipated second album, demonstrates good taste and an impeccable arrangement.

FINLÂNDIA: Glue
Flannelmouth - Sharp Paper
Sharp Paper gently opens Flannelmouth's second album and leads the Helsinki indie band into a collection of intense and diverse pop songs, with intelligent arrangements and a good sense of melody, underlined by the dominant voice of vocalist Tuomo Kuusi. Rather than limiting themselves to the classic four or five-piece band template, Flannelmouth draw their songs with a diverse palette including subtle sounds of ukulele, pedal steel and a variety of other instruments to build an addictive romanticism.


FRANÇA: ZikNation
Saycet - Easy
Saycet is a French electronic artist made famous by his album One Day At Home in 2006. Pierre Lefeuvre, the man behind Saycet, is a daydream music specialist. His songs carry the listener away in a cocoon universe where nothing can hurt you and every little noise is a delight.

ALEMANHA: Blogpartei  
Kissogram - Rubber And Meat
The death of German indie labels continues. This month Berlin-based Louisville closed its doors, leaving a bunch of the most influential and significant German bands on their own. One of these is Kissogram, whose last album Rubber And Meat got a lot of positive reviews. To bid a fond farewell to Louisville, we are able to present its title track exclusively. Thanks for all the music!

GRÉCIA: Mouxlaloulouda  
Electric Litany - February
Preferring patience and restraint over explosive blasts of atmospheric wailing, Electric Litany slowly build up tunes that glimmer with hauntingly melodic ideas and climax with rhythms that capture the traditional musical heritage of Eastern European countries. Their debut album, How To Be A Child & Win The War, offers a sonically cinematic experience that will leave you feeling both elated and emotionally drained. Gorgeous sounds are pulled from within the deepest recesses of the human soul, while vocals full of intuitive swells and fades rise over piano, synths and tremolo guitars. A work of mesmerising beauty, like a tender touch on a sad day.

ISLÂNDIA: I Love Icelandic Music  
Sometime - Heart Of Spades
Sometime, a band formed by Icelandic music veterans, puts catchy dance-infused songs on the menu. Ingredients are the strong voice of frontwoman Diva De La Rosa plus the inventive drums of TheDanni, flavoured by turntable whizzkid DJ Moonshine and manipulated by Oculus. You can taste it while listening to the single Heart Of Spades from the album Supercalifragilisticexpialidocious.

ÍNDIA: Indiecision  
The Circus - FOPS
The Circus are an alternative rock act from New Delhi. The band's music is Incubus-inspired, effects-driven fuzz that makes no bones about what it is and where it finds its roots. FOPS (an abbreviation of Full On Party Scene) comes from soon-to-be-released debut album From Space. It's wholesome, angular alternative music executed without much fuss. Turn it up, get your party started.

INDONÉSIA: Deathrockstar  
Sajama Cut - Paintings/Pantings
Sajama Cut are praised for their lyrics and unusual songs arrangements, with influences ranging from Echo & The Bunnymen, The Beach Boys, Guided By Voices, R.E.M. and tons of obscure singer-songwriters. Paintings/Pantings comes from their new album Manimals, a record which has a varied approach in songwriting, with most of the lyrics taken from Marcel Thee's journal.

IRLANDA: Nialler9  
The Cast Of Cheers - Derp
The Cast Of Cheers came from nowhere last month and quickly became Nialler9's favourite new band. Their downloadable album (get it for free here) is a fully-formed 33-minute blast of post-punk, looping post-rock, tightly-wound songs with echoes of Battles, Foals and Death From Above 1979.

ISRAEL: Metal Israel  
Orphaned Land - Sapari
Orphaned Land's latest album The Never Ending Way Of ORWarriOR is a sonic tapestry that flies a completely different path than the usual Western metal fare of Europe and the States, though there are common threads. The influence of acts such as Paradise Lost, Iron Maiden and The Beatles are evident, but Orphaned Land weave elements together that run the gamut from blacker-than-black demonic intensity to let-the-sunshine-in hippie flamboyance. The band categorizes itself as Middle Eastern progressive metal with dreams of instilling peace through their music.

ITÁLIA: Polaroid  
Heike Has The Giggles - Robot
Before you ask, the name comes from a character in an English grammar book the band used to read at high school. Heike Has The Giggles are three young kids who play sharp and dry rock 'n' roll in the vein of PJ Harvey and early Gossip. They just released Sh!, their forceful debut album, and you can't listen to it without starting to dance and play air guitar.

JAPÃO: JPOP Lover  
Omodaka - Kyoteizinc (Video Mix)
Known as an electro/techno artist, Soichi Terada teamed up with a few visual directors and has started the collaborative music project Omodaka. Omodaka's sound is characterized by the seamless mixture of Japanese traditional Geisha songs and electro music. Omodaka will appear live at the Japan Nite showcase at this month's SXSW and will also go on tour the US with Red Bacteria Vacuum and Okamoto's.

MÉXICO: Red Bull PanameriKa
Los Macuanos - Pueblo Muerto (feat. Scout Klas)
Is there such a thing as ethno-dubstep? London's urban soundscape has been well charted by dubstep - how about Tijuana's? Los Macuanos are a duo formed by Moises "Moih" Horta and Moises Lopez, and this is their nu-electronic post-nortec mix of blurry Mexican folkloric crumbs with cyclic dubstep. Pueblo Muerto was recorded by Moih and gloomy artist Scout Klas (from Sweden via Vietnam) in his recent visit to the Red Bull Music Academy in London. The song portraits the hypnotic fumes spreading from ghost town Tijuana to the whole stratosphere.

HOLANDA: Amsterdam Event Guide
 The Stutters - Starlight Love
Top musicians as well as first-class artists, this three-piece group have it all going for them in 2010: new songs, more gigs, screaming fans and some very fancy dancing. After the critically-acclaimed first EP back in 2008, their 2010 release Viva La Stutters has got a lot of people excited. First listens see the trio go for a slightly heavier feel than their previous singles but they still stay true to their indie-rock sensibilities, keeping it very rock 'n' roll and danceable. Make sure you catch them on their European tour scheduled for early June - we'll be at the front!

NOVA ZELÂNDIA: Counting The Beat
An Emerald City - Seizuretron
An Emerald City's first album Circa Scaria is the stuff of legend, being recorded in a cave on a storm-swept coast. Even without that back story their music is memorable for combining a traditional rock line-up with lute, violin, tablas, violin and sitar. Their songs start off quiet then build in scale and grandeur to create huge Eastern-influenced instrumental soundscapes. Surprisingly, Circa Scaria reached the New Zealand top 40. After a few months in Berlin, An Emerald City have released Seizuretron as a taster for their forthcoming second album.

NORUEGA: Eardrums
Solvor Vermeer - Final Hour
Three years ago, I stumbled upon Solvor Vermeer's music. I was amazed by the delicate and fragile beauty she managed to create with only her voice and the piano as her tools. Since then, Vermeer has developed her sound. She has a rare gift for composing and can make something really complex become catchy and accessible. On her upcoming four-track debut EP, her sound is richer and more orchestrated, with her musician friends having added strings, horns, layered vocals, glockenspiel, etc. The EP will be released this spring on her own Bloksberg Music label in partnership with UK-based Lazy Acre Records.


PERU: SoTB
Pipe Villaran - Sinnerman
When members of the band Los Fuckin Sombreros went their separate ways, Pipe Villaran began to compose new songs, preparing for what would be his new project, called Long Player. His style is still rock 'n' roll, to which he has devoted his whole life, influenced by classic rock and some blues touches. Sinnerman is a preview of the direction his new band will take when their debut record is launched in May.

PORTUGAL: Posso Ouvir Um Disco?  
Peltzer - A Story To Tell Me
Peltzer used to be Rui Gaio's one-man band. Today, there are more members but they continue with their electronic sound and cite the new wave movement, Mercury Rev and The Flaming Lips as their influences. They have released tracks digitally and on three Portuguese compilations. A Story To Tell Me, from their new Outdated EP, is an exclusive MAP download.

ROMÊNIA: Babylon Noise  
Hot Casandra - Chroma
Hot Casandra is a new project behind which we can find Paul Ballo (the drummer of last month's featured band, Kumm). It's a personal playground, where no compromises will be made and everything will sound as wanted. The first song, Chroma, is a dark electro track with beautiful, haunting vocals.

ESCÓCIA: The Pop Cop  
Admiral Fallow - Squealing Pigs
It's hard to say what Admiral Fallow's greatest strength is. It could be the luscious melodies which burst out of their songs, or the thick Scottish brogue that defines Louis Abbott's strikingly unhurried delivery, or perhaps it's the fact they have the sort of craft and invention their peers could only dream of. MAP exclusive download Squealing Pigs whisks through the speakers with a bundle of verve and is taken from the band's forthcoming debut album Boots Met My Face, which at times sounds a lot like Elbow.

CINGAPURA: I'm Waking Up To...  
Sidd & His Self-Esteem - Occupation
I've been informed that the frontman of Sidd & His Self-Esteem is a nervous individual, so much so that it inspired the naming of the band. Well, if Sidd finds his solace in the sheer gregariousness of his other band members, then this must surely be a case of strength in numbers. All inhibitions seemingly fall away as they deliver brilliantly on this stellar Led Zeppelin-esque track, with confidence swelling in each instrument and the vocals deliberate and full of conviction. Occupation pays homage to lo-fi garage rock, with the mix perfectly balanced for your ears to take in everything.

ÁFRICA DO SUL: Musical Mover & Shaker!  
Will Mono - Seks Vir Plesier
What Will Mono does when making music is slightly different to most - he collaborates with other artists by adding their vocals to his music. In this case Will Mono worked with Jan Joknie and Seks Vir Plesier was born. It is Afrikaans electro-pop at its best. Draw conclusions where you will with regards to the content but as for the song as a whole, it's catchy electro genius.


CORÉIA DO SUL: Indieful ROK  
3rd Line Butterfly - Nine Days
3rd Line Butterfly has been one of the most loved Korean indie-rock bands since 2002, when their music became known through drama series Ruler Of Your Own World. Following the release of their third album in 2004, the band went on a long hiatus, returning only late last year. Earlier this month, their out-of-print albums were re-released in remastered versions, but Nine Days is a beautiful, melancholic Americana-style folk track from new EP Nine Days Or A Million.


ESPANHA: Oscuro Magazine  
The Closers - Come Down
The Closers are an industrial rock band from Zaragoza similar to Nine Inch Nails or Filter. Their first work was called The End and is a preview of four songs from their forthcoming debut album. It is a very catchy and addictive work that could make a real impact beyond our borders. Come Down has touches of Primal Scream, but the powerful guitars and killer choruses are more like the best works of Trent Reznor.

SUÉCIA: Swedesplease  
Holy Family - Whatever There's To Know
Holy Family is an electronica trio from Goteborg. The fuzzy beats and glowering vocals on their song Meathooks remind me of some of the heavy industrial music from the late 80s and early 90s, while the lighter, more accessible sounds on Whatever There's To Know hint at a band that could expand their sound and possibly cross over.

ESTADOS UNIDOS: I Guess I'm Floating  
Javelin - Vibrationz
Javelin are an eclectic duo currently residing in Brooklyn by way of Providence, Rhode Island. Their electronic jams have been turning heads for quite some time, yet their upcoming LP, No Mas, and tour dates with Yeasayer will catapult this funky duo to the forefront of independent acclaim.

VENEZUELA: Barquisimento  
Los Paranoias - No Sueltes Al Murcielago
Los Paranoias have a sound that resembles the 80s post-punk and 60s Britpop scenes. No Sueltes Al Murcielago is the second single from their album Aqui Fue, which was inspired by the troubled times our country is going through. The song is a happy rock 'n' roll tune with a contagious rhythm - a symbol of Venezuelan optimism.

14 de março de 2010

Conector

Uma das frentes de ação dos coletivos de produção cultural independente (como aqueles que integram a rede Fora do Eixo) é a produção de conteúdo. São blogs, webtvs e podcasts que registram as mais variadas manifestações relacionadas à música independente brasileira na atualidade. Para que toda essa produção permaneça acessível e atinja o público, organização é crucial. Pensando nisso, o coletivo Fórceps (do qual faço parte) criou o Conector, sua divisão de produção de conteúdo sonoro.


Trata-se de uma sub-divisão interna no próprio coletivo, definindo funções entre os integrantes de forma a potencializar o rendimento do trabalho, e também uma estratégia de organização de conteúdo. Toda a produção jornalística em áudio produzida pelo Fórceps agora está sob essa chancela: entrevistas, programas com seleção de músicas, gravações de trechos de shows, transmissões de eventos e qualquer outra ação cujo resultado seja um material sonoro de cunho informativo (nessa categoria entram também vinhetas e spots que produzirmos).

O foco é a cena musical independente brasileira, mas, dessa vez, resolvemos ampliar: artistas independentes de outros países, contanto que não sejam britânicos ou da América do Norte, também têm espaço. Na realidade, o objetivo é dar mais espaço principalmente à música sulamericana, buscando maior integração no continente, e dar visibilidade à bandas alternativas de países com pouca tradição no gênero, como os países africanos, asiáticos e até mesmo de alguns países europeus. É uma tentativa de registrar essa produção e aproximar diferentes artistas.

Sobre o formato das produções do Conector, a primeira resolução interna foi de que ele deveria ser indefinido, transitório, mutante. A unidade é temática, as diferenças no formato não significam perda de identidade. Além de informar, o que justifica a produção do conteúdo é justamente a experimentação de formatos e de linguagem. Por isso, adotar um padrão seria ir contra nossa própria proposta.

Particularmente, acredito que nossa contribuição possa ser mais interessante se direcionada à exploração de linguagem, formatos e de discussão do processo de construção do material do que a produção de conteúdo (mesmo que relevante). Sendo assim, junto ao material sonoro estarão informações sobre o processo de produção, formatos escolhidos, entre outras coisas. Pode ser que nem sempre você encontre tudo isso, mas é uma tentativa.

Nesse primeiro momento do Conector escolhi utilizar o Virb como plataforma de publicação. O serviço é uma espécie de MySpace muito mais avançado e que permite diferentes funções de acordo com seu interesse - existem opções para bandas, cineastas, fotógrafos, blogueiros, selos, etc. Entre as funções mais úteis (e que se caracterizam como diferenciais do Virb) estão a utilização de códigos para incorporar os players de áudio com as músicas hospedadas no site e a possibilidade de utilizar domínios personalizados nos perfis criados no site (em vez de se restringir aos endereços virb.com/xxxx você pode dar seu próprio endereço para seu perfil no Virb, como o conector.forceps.com.br).

Aqueles que estiverem familiarizados com CSS podem personalizar ainda mais os perfis no Virb. Aos pobres mortais sem conhecimentos técnicos o Virb reserva uma interface bastante intuitiva para escolha de cores e definição de layout. Ao longo de pouco mais de dois meses de utilização ativa do serviço percebi vários pontos fracos, no entanto, trata-se da plataforma mais funcional e abrangente com a qual tive contato nos últimos tempos, representando para as redes sociais focadas na produção de conteúdo o mesmo que o Tumblr representa para as ferramentas de publicação de blogs.

13 de março de 2010

Doente Mentallica - O Filme


Tapa na Pantera é Sessão da Tarde se comparado às travessuras de PJtinha.

Atualização: o vídeo saiu do ar e no perfil no YouTube da 30contofilmes, produtora do "documentário", não há nenhuma explicação sobre o ocorrido.

9 de março de 2010

Ruído das Minas para download

O documentário Ruído das Minas, sobre a cena heavy metal de Belo Horizonte nos anos 80, está disponível para download gratuito, liberado pelos próprios realizadores. O documentário também está inteiro no YouTube. Ainda não assisti, mas deixo aqui os links de download. Depois publico minhas impressões sobre o vídeo.


Download
parte 1
http://www.megaupload.com/?d=R7IU3OVV
parte 2
http://www.megaupload.com/?d=8REVR6DN
parte 3
http://www.megaupload.com/?d=QS4JDAXP
parte 4
http://www.megaupload.com/?d=72HBR04I
parte 5
http://www.megaupload.com/?d=1I2PKZM2
parte 6
http://www.megaupload.com/?d=II6UR3LB
parte 7
http://www.megaupload.com/?d=NOA7OT3T
parte 8
http://www.megaupload.com/?d=OT0GQ1T0

capa do DVD (qualidade de impressão):
http://www.megaupload.com/?d=EZLCLGXU

Extras:
parte 1
http://www.4shared.com/file/163660939/3020611c/Rudo_das_Minas_Extraspart1.html
parte 2
http://www.4shared.com/file/163307518/3e5196c6/Rudo_das_Minas_Extraspart2.html

Pausa: Porra, Finatti!


"Porra, Finatti! Fez bico de borracheiro e não limpou debaixo da unha? Vai sujar o botão dos caras. Porra, Finatti!"

Na onda de blogs "Porra, _______!", na esteira do "sucesso" do Porra, Felipe! e do Porra, Maurício!, o tumblelog (tipo de blog publicado através do Tumblr, na minha opinião, o mais interessante serviço de publicação deste tipo na atualidade, com o qual fiz a agenda deste blog e minha página de DJ) mais engraçado é o dedicado ao famoso jornalista rocker gonzo Humberto Finatti. Rendeu umas boas risadas, além de ter um lado, digamos, informativo. É quase o que o EGO seria se fosse um blog de nicho e super tosco (quer dizer, isso ele já é).

8 de março de 2010

O reconhecimento do "novo rock brasileiro"

E eis que a Globo News descobre que existe uma "nova" cena no rock brasileiro. Palmas para eles!

A matéria é meio besta, mas o reconhecimento de um grande veículo, mesmo que tardio, é sempre benéfico para vários setores relacionados à música independente. Não há sequer opção para embed do vídeo (é claro que a galera da Globo também não leu esse texto aqui), então tem quiser assistir tem que ir ao site da Globo News.

O foco da matéria está nas bandas que se apresentaram no projeto Alto Verão no Auditório Ibirapuera: Cidadão Instigado, Móveis Coloniais de Acaju, Hurtmold e Macaco Bong, além de alguns convidados especiais como Siba e Vítor Araújo. Megalomaníaco para alguns, esse projeto acabou se mostrando uma ótima iniciativa que, de certa forma, consolidou-se em uma ação de reconhecimento da atual cena alternativa. Parte do processo de idealização e produção é explicado no vídeo abaixo, feito pelo pessoal do Fora do Eixo, ligados ao Macaco Bong (banda que soube explorar sua presença no evento de melhor forma).


Como é explicado no vídeo, o show no Ibirapuera será lançado em CD e marcou o fim da turnê do CD Artista Igual Pedreiro, marco da movimentação ativista na música independente brasileira. No entanto, como a banda se apresentará no Grande Teatro do Palácio das Artes (tradicional espaço para óperas e shows de artistas renomados da MPB), em Belo Horizonte, no mesmo formato do Ibirapuera, o fim dessa etapa na carreira da banda deve acontecer efetivamente na capital mineira, cidade com forma relação com a banda. Na mesma época, inclusive, o Macaco Bong realizará uma mini-turnê inédita pela região metropolitana de BH, circulando por Ribeirão das Neves, Itabirito, e Sabará (onde já tocaram no ano passado, no festival Escambo, e se hospedaram por alguns dias em 2008).

Ps.: Algumas músicas novas do Macaco já podem ser ouvidas por aí, como "Um G Bem Quente", "Broken Choco Bread" e "Morango Tango" (outras novas têm títulos como “Caso Você Estiver Sem Buzina Use Isso” e “Smashin Punk”).

4 de março de 2010

As três melhores bandas de BH tocam neste final de semana

Fusile, Transmissor e Graveola e o Lixo Polifônico, as mais promissoras e interessantes bandas de Belo Horizonte na atualidade, fazem shows nos próximos dois dias na cidade. Pegue seu amigo turista e siga as instruções para entretenimento abaixo:


Curral Del Rey Belo Horizonte tem excelentes opções de entretenimento no meio musical neste final de semana. A principal delas é o festival Flaming Night, que reúne Black Drawing Chalks (em show especial junto do Chuck Hipolitho, ex-guitarrista do Forgotten Boys), Copacabana Club, Firebug e Fusile no sábado, 6 de março, no Lapa Multshow. Além dos shows, rola discotecagem do Fabrício Nobre (Monstro Discos, MQN, Abrafin), Sexistalk (que abrirá o show do The Gossip em BH) e do próprio Chuck. No mesmo dia acontecem várias atividades no Eventão na Praça da Estação, ação decorrente das manifestações da Praia da Estação em busca da livre utilização dos espaços públicos da capital. A programação se estende por todo o dia e termina com show do Graveola e o Lixo Polifônico com participações especiais do Dead Lover´s Twisted Heart, Rafael Macedo e Urucum na Cara. Antes, na sexta, o movimento acontece no lançamento do Luxor Club, novo espaço para shows na cidade, com apresentações do mesmo Graveola, Transmissor e Los Otros, uma banda cover de Los Hermanos.

Abaixo, resuminho bacanudo e atualizado sobre as bandas que tocam nos eventos citados acima.

Black Drawing Chalks: acaba de lançar o EP do Love Bazucas, projeto da banda ao lado do Chuck Hipolitho. No próximo dia 10 grava CD ao vivo em Goiânia, sua cidade natal.

Fusile: metade da banda acaba de voltar da Europa e o show marca o início de seus shows em 2010. O primeiro EP da banda, The Coconut Revolution, será lançado em breve.

Copacabana Club: último show no Brasil antes de viajarem para os EUA, onde tocam no festival South by Southwest. Atualmente preparam um CD produzido por Dudu Marote.

Firebug: o fato de tocarem em BH deve ser a maior novidade da banda.

Transmissor: após a estreia com o ótimo CD Sociedade do Crivo Mútuo, lançado em 2008, preparam o novo álbum, cujas gravações são transmitidas ao vivo na internet.

Graveola e o Lixo Polifônico: acaba de lançar o álbum Um e Meio, " disco-não-disco de férias, com produções mambembes e experimentações em geral", segundo definição da própria banda, disponível para download gratuito.


Info sobre $$, horários e endereços

  • Lançamento do Luxor Club: Sexta, 5 de março, na Rua Aimorés 1840 Lourdes (entre Av. Álvares Cabral e Av. Bias Fortes). R$ 20 adiantado, R$ 25 na hora.
  • Eventão: sábado, 6 de março, de graça, o dia inteiro, na Praça da Estação (centro de Belo Horizonte).
  • Flaming Night: sábado, 6 de março, a partir das 20h no Lapa Multshow (Rua Álvares Maciel, 312, Santa Efigênia ). R$ 20 adiantado, R$ 25 no dia do evento.

Ps.: essas são as três melhores bandas da cidade porque o Constantina está parado.

3 de março de 2010

A cena musical independente, sete anos atrás

Um comentário polêmico e sincero? Baseado somente no material apresentado no documentário Música de trabalho, lançado em 2003 e que registrava a cena musical independente no Brasil naquele momento, posso afirmar que só a cena de Belo Horizonte atual já é melhor do que o cenário nacional por completo daquela época. Isso sem contar que cidades como Recife, Goiânia e São Paulo possuem cenas efervescentes e em melhores momentos que a capital mineira.

Não bastasse isso, outra grande mudança no cenário foi a desfragmentação dos pólos de produção musical independente, que deixaram de ser obrigatoriamente as principais capitais do país, resultando em um número crescente de bandas (cada vez melhores) oriundas de cidades interioranas (como o 4instrumental, de Sabará/MG e Nevilton, de Umuarama/PR), de médio porte (como Novo Hamburgo/RS, cidade de origem do L.A.B) ou de capitais fora do tradicional circuito cultural brasileiro (basta lembrar que o Macaco Bong, indiscutivelmente uma das 5 maiores bandas independentes brasileiras da atualidade é de Cuiabá/MS e de outros nomes em ascensão como Burro Morto, de João Pessoa/PB e Mini-Box Lunar, de Macapá/AM!). Não é coincidência que parte desse processo tenha se consolidado na rede de coletivos de produção cultural independente intitulada Fora do Eixo.

Lembro de ter assistido ao documentário na época de seu lançamento, no festival Indie, em BH, e ter sido importante para minha formação naquele momento. Hoje, boa parte me parece bastante ingênua.

Essa diferença na interpretação das imagens reforça a importância do registro de certos momentos históricos. Mesmo com todas as dificuldades, é relativamente satisfatório perceber que agora é muito maior o fluxo de informações sobre a música independente brasileira e que as próprias bandas estão muito mais engajdas e bem informadas em relação ao próprio underground nacional como também utilizam melhor as possibilidades da internet.

Por outro lado, chega a ser deprimente perceber que há tão pouco tempo a mentalidade dos envolvidos com o rock independente/alternativo brasileiro era tão limitada...

A transição do documentário para a internet foi infeliz, dividida em 25 capítulos de cerca de 2 minutos cada, de acordo com o tema. É extremamente chato assisti-lo dessa forma. Abaixo, selecionei alguns trechos mais interessantes e menos focados nas próprias bandas (entre as que aparecem no documentário estão Wry, Walverdes, MQN, Réu e Condenado, Nem, Valv, Ambervisions, Phonopop e Hang the superstars).