Instagram

31 de janeiro de 2010

Aquele escrito na semana passada e que você quase esqueceu de publicar

Não acredito em destino. É apenas uma forma através da qual as pessoas fogem da culpa pelas escolhas que fazem ou de se sentirem melhor frente a impotência em relação às ações dos outros.

Coincidências existem e, não, elas não são parte de um plano superior para a sua vida. O que você pode fazer é interpretar os acontecimentos, sejam eles fruto direto de suas ações ou não, e tentar tirar proveito disso.

Nos últimos dois dias assisti a Up in the air (ridiculamente lançado no Brasil com o título Amor sem escalas) e terminei de ler Nirvana nunca mais (depois de ficar uns  cinco meses com o livro empoeirando sobre a mesa do meu quarto). Obras de finais semelhantes e que, coincidentemente, apareceram juntas em minha vida. Some-se a isso um pedido (na verdade, mais uma indicação de que eu deveria fazer um pedido e que, se eu o fizesse, ele seria aceito) e chego a um momento que talvez possa ser descrito como entre a reflexão, a nostalgia e a incerteza (sendo que esta última se sobressai com louvor, como quase sempre).

Cá estou eu, nos meus quase 23 anos, pensando em como é ridículo tudo o que fiz e vivi até o momento, apesar do peso disso sobre mim.

(pausa para pensar)

Tento não me arrepender de nada. Arrependimento só é válido quando aplicado a algo que deva ser evitado de ser feito novamente e/ou que você deva tentar consertar. Lamentar é perda de tempo.

Qualquer conselho que eu dê ou qualquer texto que faça que se refira a experiência de vida me faz pensar em idade, em como os mais velhos são tidos como exemplo e cujas palavras possuem mais autoridade. Como se o simples fato de terem sobrevivido por mais tempo os qualificasse automaticamente. Em termos de tarefas específicas, tudo bem, faz sentido e é totalmente aceitável. Mas a vida não é uma profissão, não significa que necessariamente você se tornou uma pessoa melhor com o tempo. Pelo que percebo, na maior parte do tempo as pessoas se tornam piores com o tempo. Não apenas fisicamente, mas também ideologicamente.

Essa é só uma justificativa para levar em consideração o que pessoas mais jovens do que você dizem.

E quem vem a ser “você”? Às vezes me pergunto isso e os momentos seqüentes nunca são fáceis ou calmos.

(pausa)

A relação entre o que faço e o que permanecerá como possibilidade somente em minha mente talvez seja o que torne tudo interessante. Ou ao menos estimulante.

(aqui não há uma pausa, mas uma troca de assunto)

{quer dizer, como a explicação da frase anterior interfere na construção de sentido deste texto, acabou se tratando de uma pausa, no final das contas}

Tudo que escrevi se refere especificamente à minha vida, mas escrevo tendo em mente a minha relação com livros. Porque os livros que mais gosto (ou talvez nem sejam os que mais gosto realmente, mas talvez alguns dos mais marcantes) são aqueles que me fazem sentir como se tivesse acabado de conhecer alguém e o tempo parasse enquanto essa pessoa se abrisse para mim, um completo estranho, enquanto tento tirar algo de útil de suas palavras.
 
...

A falta é muito mais estimulante do que o excesso. Por isso paro aqui, restando apenas contar que isto representa o início de um novo período no blog. 
 
Nos últimos dias experimentei um formato diferente, com atualizações quase diárias, alguns textos mais noticiosos, uma tentativa de presença mais constante e ágil, sem, no entanto, reproduzir uma “síndrome de Twitter”.

Não sei o que vem pela frente, exatamente, mas isso é o melhor que poderia acontecer.

27 de janeiro de 2010

Conector


Mais aqui.

Depois atualizo e explico direito.

25 de janeiro de 2010

Uma festinha mucho loca


 Fanfarra dos Funcionários da Embaixada Colombiana + FadaChurrasCães.
Quer saber o que é isso? Tá aqui ó.

24 de janeiro de 2010

DJ Meio Desligado


Só pra avisar que aproveitei minhas férias pra organizar tudo que faço como DJ em uma página específica, acessível no dj.meiodesligado.com. Informações sobre as festas e festivais em que toco, fotos do que rolou, músicas dos sets e algumas mixtapes. Colá lá, eu, particurlamente, agradei do visual.

20 de janeiro de 2010

Dicas de como usar o Twitter para divulgação de bandas

(vale para outras pessoas também)


Fazer um texto sobre o Twitter já é algo quase batido, uma vez que em 2009 houve uma profusão de matérias sobre o serviço de microblogging, mas o que percebo é que muita gente (tanto perfis pessoais como institucionais) usam equivocadamente o Twitter ou não sabem explorar seu potencial. O uso do Twitter por parte das bandas é exemplo disso. Em vez de utilizar o Twitter como mais um canal de publicação direta de material produzido pela banda as pessoas têm que entender que cada serviço de publicação de conteúdo possui suas singularidades e que as mesmas têm que ser levadas em consideração para se alcançar melhores resultados.

Não adianta tratar o Twitter da mesma forma que um blog de banda, um perfil em um site como a TramaVirtual ou como um agregador de RSS com tudo o que a banda faz. No caso da utilização do Twitter para divulgação de conteúdo artístico (e que vale para outras áreas, com pequenas adaptações) o serviço deve ser, sim, um canal que reúna e redirecione todo o material produzido pela banda, mas é necessário ir além disso.

Pode parecer triste (sniff), mas a verdade é que a menos que sua banda já seja consolidada e tenha realmente um grande número de fanáticos seguidores, as pessoas não estão nem um pouco interessadas em receber atualizações constantes sobre o que vocês estão fazendo. Eu sei, é triste. Pode chorar, liberar o aperto no coração. Chorar faz bem. Liberta.


Terminou a frescura? Continuemos.

Nem pense "Ah, mas isso só vale pras bandas ruins, a minha é boa". Nada disso, filhote. Se você (ou sua banda) sempre publica as mesmas coisas se autodivulgando qual o interesse em seguir o seu perfil? Você quer que alguém visite seu MySpace? Tudo bem, mas não precisa escrever isso todo dia.


Ampliar os assuntos abordados no Twitter da banda é uma das ações mais valiosas, torná-lo interessante ao ponto de que mesmo quem não seja um verdadeiro fã da banda tenha interesse em acompanhá-lo porque sabe que ali são publicadas coisas relevantes. Dessa forma você mantém um grande número de seguidores e fortalece sua "marca" junto a mais pessoas. Outro ponto super importante é o da conversação. Acaba sendo muito mais prático o contato direto com o público através do Twitter.

No entanto, uma das principais falhas vem logo no início. Ao criar um perfil no Twitter, muita gente já parte para adicionar milhares de pessoas antes mesmo de escrever algo. Pense bem: se eu não te conheço e você não publicou nada em seu perfil ainda, por que eu iria te seguir? Hein, hein, hein? (Eu escreveria que o único motivo seria se a foto fosse de uma gatinha bem queirosa, mas aí provavelmente seria vírus ou spam) Ter pelo menos uns 10 tweets antes de sair à caça de perfis para seguir (e ser seguido) é fundamental.

Para que tudo isso funcione usar alguma ferramenta como o Tweetdeck ou Twhirl pode ajudar bastante. Outras ferramentas estão listadas neste texto do Link e, para quem quiser pensar um pouco mais sobre o uso do Twitter, fica a sugestão de leitura do livro digital Tudo o que você precisa saber sobre Twitter (você já aprendeu em uma mesa de bar).

Curtiu? Quer sugestões de quem copiar onde se inspirar? Dê uma sacada nos perfis da Maria Rita (não é zoação), L.A.B e Black Drawing Chalks.

E para os preguiçosos (ou burros), uma lista com algumas das principais ideias deste texto, resumidas.

  • As outras pessoas não são tão empolgadas com a sua banda quanto você é, lembre-se disso
  • Atualize seu perfil no Twitter algumas vezes antes de começar a adicionar as pessoas
  • Copiar o que outras pessoas escreveram e republicar sem identificar a fonte devidamente (@nomedosujeito) é feio e bobo, não faça isso
  • Dar RT (republicar) o que outras pessoas escrevem não é preguiça, é um jeito prático de disseminar informações que você considera relevante e de mostrar para o autor da mensagem original que você tem um lugar especial para ele (ao menos durante uns  segundos) no seu coração
  • Aproveite o que outras pessoas escreverem de positivo sobre sua banda e republique no Twitter
  • Falar exclusivamente sobre a banda pode ser chato e reduz o número de possíveis seguidores. Amplie os temas abordados (desde que tenham a ver com você, sua banda e os outros integrantes)
  • Converse com as pessoas no Twitter. O contato com o público ocorre de forma prática e toda vez que alguém enviar uma mensagem para você, todos os seguidores dela terão contato com seu nome (a lógica é semelhante ao escrever coisas interessantes que poderão receber RTs)
  • Siga meu perfil no Twitter, leia o blog, vá às minhas festas, fale bem de mim e me dê um beijo dinheiro da próxima vez que encontrar comigo
Ilustração: Ph7labs

19 de janeiro de 2010

Praia da Estação, o hit do verão

O Leo, meu irmão, fez esse texto pro blog do Fórceps, que reproduzo abaixo.
 

Manhã ensolarada de sábado em Belo Horizonte. Na Praça da Estação, no centro da cidade, um pequeno grupo protesta contra a Prefeitura reunido sob a sombra da única árvore do local. “Protesto?”, se surpreendem alguns transeuntes com a calmaria da manifestação. Sob o olhar atento e curioso da Polícia e da Guarda Municipal, que ficam de longe, aos poucos mais gente vai chegando, carregando suas cadeiras e sombrinhas de praia. Estendem suas toalhas no chão da praça, tiram os shorts, as camisas e se cobrem de protetor solar. Um grupo começa a jogar peteca, outro, frescobol. Alguém passa avisando que as fontes da praça serão ligadas às 11 horas. Ninguém sabe o que vai acontecer. A manifestação não tem líder. Nasceu na internet, fruto da indignação da população com a recente lei municipal que proíbe qualquer tipo de evento na praça e que, como um tiro no pé, acabou juntando os realizadores e frequentadores dos eventos na praça em torno de uma causa. As pessoas conversam, sugestões surgem e a “Praia da Estação” vai ganhando forma espontaneamente a cada minuto. A imprensa (Hoje em Dia, R7, Jornal Estado de Minas) fica sabendo e comparece. Instrumentos de percussão começam a surgir e por volta da hora do almoço a calmaria se perde em meio ao batuque e gritos de guerra como "Hey polícia, a praia é uma delícia" ou "Lacerda (prefeito da cidade), sua vida é uma merda".

Dá 11 horas e as fontes não são ligadas. A Prefeitura diz que elas “estão em manutenção”. O forte calor e a falta de água preocupam. Surge a idéia: vamos chamar um caminhão pipa! Uma garota passa arrecadando o dinheiro da vaquinha e cerca de 2 horas e R$ 150 reais depois, para delírio geral, um caminhão pipa realmente estaciona na caótica avenida Andradas, bem em frente à praça. Os automóveis na avenida diminuem a velocidade ao passar e as pessoas observam pela janela não acreditando no que estão vendo. Cerca de 300 pessoas de sunga e biquini estão sob a ducha de água pulando, tocando e gritando “Praia da Estação, o novo hit do verão! Toda semana!”. A cena é inacreditável. Um manequim apelidado de Lacerda é hostilizado enquanto uma faixa onde se pode ler a frase "A praça é do povo" é pregada no caminhão pipa. Gente voltando do trabalho adere à festa e para completar o cenário surreal um sujeito vestido de surfista em pleno centro da capital mineira chega carregando uma prancha e surfa sobre o público. Certamente uma das ações mais legais, honestas e criativas que Belo Horizonte já presenciou.

Sobre o decreto
O mais interessante é que quando a praça foi reformada no começo da década a prefeitura, que hoje afirma que a proibição foi adotada para preservar a praça, gastou uma fortuna reformando o local alegando que a obra iria promover "a revitalização do espaço público, dotando-o de infra-estrutura adequada para manifestações culturais com grande aglomeração de pessoas" (DOM de 2001).

Lista de festivais de música independente em MG em 2010

Festivais ligados ao Circuito Fora do Eixo.

JANEIRO: Grito Rock
FEVEREIRO: Grito Rock
MARÇO: ----
ABRIL: ----
MAIO: ----
AGOSTO: Marreco / Pequi Rock
OUTUBRO: Jambolada + Congresso Fora do Eixo 2010
DEZEMBRO: ----

18 de janeiro de 2010

Seu evento (show, festa, festival, casamento) no Meio Desligado


Quem costuma ler este blog sabe que há alguns meses parei de publicar textos de "agenda cultural" e criei um espaço específico para isso (agenda.meiodesligado.com), carinhosamente intitulado Ctrl C + Ctrl V, em homenagem aos grandes "jornalistas" responsáveis pelos cadernos de cultura, sites e blogs copiadores de release.

A novidade é que agora todos os interessados em ter informações sobre os eventos que produz nessa página (como os que aparecem ao lado, com pedaços de flyers públicados no blog) podem publicar diretamente no blog.

Funciona assim:
- Lê meu parágrafo de instrução
- Escolhe o tipo de material que vai publicar (texto, foto, link ou vídeo, como na imagem de exemplo, abaixo)
- Escolhe a tag que melhor se encaixa para o tipo de evento
- Coloca seu nome e email para contato e envia.
Depois disso eu vejo tudo o que receber e libero a publicação.


"Ah, mas não tem um jeito de publicar direto? Sem sua mediação?". Não. É por isso que o blog é meu e não "da galera". É o meu filtro, a minha mediação, que justifica a credibilidade que eu venha a ter. Para todos que produzem algum tipo de evento cultural, minha sugestão é nunca esquecer de publicar o material de divulgação na agenda do Overmundo.

Uma dica para ter certeza que seu material será publicado: menos é mais. Em relação a adjetivos ("a mais renomada", "a revelação", coisas do tipo), quanto menor a presença deles, melhor ainda.

17 de janeiro de 2010

Converse "Hands On" no Goiânia Noise: como foi

(Ao som de Black Drawing Chalks)



A marca de calçados explica a ação que aconteceu na última edição do festival Goiânia Noise:
"Converse Hands On foi um espaço criado no interior do Goiânia Noise Festival totalmente dedicado aos apreciadores de um Converse.

Quem passou por lá durante os três dias do festival ganhou brindes e acessórios especiais feitos à mão, e pôde conferir a customização de lonas de tênis ao vivo pelos vencedores de uma promoção que rolou no hotsite do Converse Hands On (www.conversation.com.br/handson)."

Em 2010 a previsão é que a empresa promova ações semelhantes em ao menos dois festivais dedicados à música independente no Brasil.

15 de janeiro de 2010

Conheça 34 bandas de diferentes países: Music Alliance Pact 2010!

Aqui está, primeira edição do Music Alliance Pact de 2010, reunindo músicas escolhidas pelos autores dos blogs dos 34 países que fazem parte da rede. Em dezembro um problema impediu que eu participasse, mas em breve publico as músicas que entraram naquela última coletânea de 2009.

Até o momento ouvi somente a banda sul-coreana de pós-rock Apollo 18, que é bem legal, e, claro, minha escolha brasileira, Curumin, com a ótima "Vem menina".

ÁFRICA DO SUL: Musical Mover & Shaker!
Ashtray Electric - Lia
"A quaint mixture consisting of three parts suburb and two parts platteland" make up the phenomenon that is Ashtray Electric. They combine delicate beats, heartfelt lyrics and catchy melodies that lead to a rather fresh, unconventional sound, albeit one that gets your feet tapping. Lia has been compared to Editors and Interpol but Ashtray Electric bring a fresh new sound that has them at the forefront of the indie scene, and rightly so."

ALEMANHA: Blogpartei
Get Well Soon - 5 Steps / 7 Swords
"Get Well Soon é o projeto solo de Konstantin Gropper, compositor, músico e cantor com conhecimentos de música clássica oriundo de Berlim. Suas sofisticadas e emotivas músicas caminham pelos mesmos percursos que Sufjan Stevens e Zach Condon (Beirut). '5 Steps / 7 Swords'  é a primeira música de trabalho de seu segundo álbum, Vexations."

ARGENTINA: Zonaindie
Catalina Vin - Caleidoscope
"Catalina Vin é uma cantora e compositora argentino-americana que começou a estudar música aos 7 anos de idade. Genuine é seu primeiro álbum, no qual suas raízes refletem em canções indie-pop oitentistas, tanto em inglês como em espanhol, com singelos arranjos de piano e cordas. "Caleidoscope" é uma das nossas canções favoritas no álbum."

AUSTRÁLIA: Who The Bloody Hell Are They?
Seekae - Void
"Desde que a FBi Radio começou suas transmissões há cinco anos a cena musical independente de Sydney floresceu com a energia e apoio fornecido pela rádio. Um grande número de jovens músicos agora têm uma alternativa à rádio Triple J e isso encorajou compositores mais experimentais a investir em sons distintos, sabendo que serão tocados na rádio e ouvidos pelo público. Seekae é um claro exemplo de banda da nova cena de eletrônica experimental de Sydney. Com seus vocais abstratos e atmosfera remetendo a sonhos conquistaram seu espaço como líder do som da cidade em 2010." 


BRASIL: Meio Desligado
Curumin - Vem Menina
Curumin é um dos nomes mais conhecidos da cena independente do país  e tem se apresentado por vários festivais focados na música alternativa e independente. Além de seu trabalho solo, toca com artistas como Otto, Céu e Guizado. "Vem Menina" é um samba extraído de seu primeiro álbum, Achados e Perdidos, de 2003. Seu segundo e mais recente CD, Japan Pop Show, foi lançado em 2008 e comprova seu talento na mistura de soul, funk, samba, rock e eletrônica.

CANADÁ: I(Heart)Music
Leif Vollebekk - Quebec
"Some people hear Patrick Watson in Leif Vollebekk's vocals. Others have compared his music to that of Owen Pallett/Final Fantasy. I'm not sure about the comparisons, but I know this: Vollebekk is an incredibly gifted performer and artist, and when his debut album, Inland, gets re-released in a few weeks on hot new Toronto label Nevado Records, all of Canada is going to find out just how talented he is."

CHILE: Super 45
De Janeiros - Montreal
"Milton Mahan e Pablo Munoz são De Janeiros, um dos mais interessantes projetos da cena experimental chilena. Na mesma linha de bandas como Health or Fuck Buttons - that kind of plastic and colorful noise - their sound goes beyond by adding a more playful and "tropical" feeling to it. Chilean net-label Michita Rex have made their sophomore album Plateado available to downloaded for free here."

CHINA: Wooozy
PK14 - Cuo Guo Le
"PK14 é a melhor banda pós-punk da China. Formada em 1997, já lançaram cinco álbuns. Atualmente preparam um novo CD, para ser lançado este ano, e  tocarão no festival SXSW em março."

CINGAPURA: I'm Waking Up To...
Sherene's Closet - Stereo Loud
"Have we got a classic for you this month! Though now defunct, Sherene's Closet is still very much celebrated in the Singaporean music scene. You might say it all started with this demo recorded during the now legendary Green Room Sessions, and I hear it's a bit rarer than the LP version. This should be considered one of the best local songs ever recorded, owing to Gerald Stahlman's stellar vocal delivery and the raw energy of the rest of the band."

CORÉIA DO SUL: Indieful ROK
Apollo 18 - Warm
"Last year Apollo 18 established themselves as one of the very best rock acts of Korea. Starting with a marvellous post-rock-oriented EP, an amazing album followed in which they experimented with hardcore, shoegaze and psychedelic elements. An international version of the first EP has just been released and before the end of the month it'll be followed by instrumental rock pieces of a more playful kind. Re-recorded to magically sound even better than before, Warm is a stunningly beautiful post-rock piece of epic proportions best played as loud as possible."

DINAMARCA: All Scandinavian
Cours Lapin - Cache Cache
"Cours Lapin is what happens when four movie score composers (Louise Alenius, Asger Baden, Peder and Jonas Struck) get together to do pop. Their name is French (translated as "bunny run"), their lyrics are in French (of course) and the French chanson is at the root of their mellow, melancholic pop that makes me think of black and white movies (and yes, they're French)."

ESCÓCIA: The Pop Cop
Galleries - Underground Overground
"Galleries have only been in existence for a matter of months, yet the quality of the songs on their MySpace page can't help but mark them out as a band whose reach is sure to extend much wider than the blogosphere. The Glasgow group is made up of three students and, interestingly, BBC political reporter Andrew Black on drums. The lush sounds of Underground Overground beautifully hints at their The National and Jimmy Eat World influences and is taken from Galleries' forthcoming debut EP. It's a MAP exclusive download so feel privileged that you're getting to own it first."

ESPANHA: Oscuro Magazine
2 Minuts d'Odi - Cuidad De Dios
"2 Minuts d'Odi ("2 Minutes Of Hate") are part of the "Brave Coast Punk-Rockers" movement which extends throughout the Costa Brava. Cuidad De Dios ("City Of God") is a song against religion which speaks of the Palestinian problem and the bad influences that hatred and violence can have on a kid growing thirst for revenge."

ESTADOS UNIDOS: I Guess I'm Floating
Vikesh Kapoor - Mack The Knife
"Vikesh Kapoor is an up-and-coming acoustic artist, currently based near Boston, who writes ballads which draw their strength from storytelling-type lyricism. After making appearances in Billboard and The Boston Globe, Kapoor is releasing his Newspress Scare 7" featuring this great rendition of the Kurt Weill-composed Mack The Knife."

ESTÔNIA: Popop
UNCANDY - Lovecool
"UNCANDY (and yes, it's important to write it in capital letters) is multi-talented Maria Juur from Tallinn. Her home recordings have already created quite a buzz in the Estonian indie scene and rumour has it we won't have to wait long for a debut album. She also records under the name Maria Minerva. Lovecool is featured on new Estonian indie compilation album, Kohalik Ja Kohatu 3."

FINLÂNDIA: Glue
Vishnudata - Silver Falls feat. Suho Superstar (radio edit)
"Established in 2003, Vishnudata is a project by electronic dance music guru Ville Lankinen which explores the artist's techno and house influences. Silver Falls is the closing track of his self-titled sophomore album and progressively it introduces the listener into a shiny ethereal atmosphere and psychedelic soundscape. This radio edit version, which features Suho Superstar on vocals, is included in a recently released EP along with three more remixes."

FRANÇA: ZikNation
Ibrahim Maalouf - Souma Hia
"Born in Lebanon, Ibrahim Maalouf grew up in Paris and began studying the trumped at the age of seven. Ten years later he met Maurice André, who advised him to give up his mathematics studies to dedicate himself to music. Maalouf also had the opportunity to record a song with French singer Matthieu Chedid and this collaboration can be found in the very good Diachronism album. The track Souma Hia carries a great deal of energy."

GRÉCIA: Mouxlaloulouda
Exposed By Observers - In My Skin
"Exposed By Observers aim to rape the listeners' ears, yet are less faithfully wed to punk and more interested in dance-derived rhythms, deploying more tightly coiled riffs and distinctive beats than most screamo bands. Secondhand Youth EP, which was given away for free on their website, sounds like everything they'd ever heard, spewed out and rewired for a different type of moshpit etiquette, a brand new teenage riot. They frantically blend cheap samples, beatbox rhythms, clicks, bleeps, fringes, beeps and guitars with manic electro buzz and raw, squawking vocals. Unsurprisingly, there's also a noticeable undercurrent of emo here too, but actually feels charged and compelling in the momentary tantrums of In My Skin. Listen loud!"

HOLANDA: Amsterdam Event Guide
The Wooden Constructions - No No (Hip Hop)
"Happy New Year from the Netherlands crew. We'll kickstart 2010 with one of the most talked-about Amsterdam acts, The Wooden Constructions. Their tribal disco with punk-infused lyrics (which harness the confidence of Mark E. Smith) sit alongside their own blend of twangy guitars and driving rhythms. Their unique musical stylings and great live shows have got the city rather excited about what 2010 might offer for this band and the Amsterdam scene itself. Watch this space."

ÍNDIA: Indiecision
Seven Degrees - Shadows In The Dark
"Seven Degrees is a boy-girl punk duo from New Delhi. This irreverent twosome produce angular, infectious punk that's largely bare-boned yet crashy enough to cause a decent racket. Shadows In The Dark is part of a free compilation album called Stupid Stupid Stupid available on Indiecision. The song is a spiralling, old-school punk tribute that leaves you with the distinct feeling of wanting to get up and not be lazy anymore."

INDONÉSIA: Deathrockstar
Seringai - Mengadili Persepsi (Bermain Tuhan)
"Seringai are one of the finest Indonesian metal bands, often described as a blend of Motorhead and Black Sabbath. Their brilliant lyrics are a social critique of religious extremism, policies, domestic violence and sometimes just about stupid people."

INGLATERRA: The Daily Growl
Thomas Western - Your Front Door
"Last month I picked an Italian musician based in England for MAP - this time it's the turn of an Englishman currently living in Scotland. Thomas Western's bluesy/folky approach to songwriting is reminiscent of Elliott Smith or Bob Dylan, while his exquisite vocal range is pitched halfway between Tim and Jeff Buckley. Western moved from Derbyshire to Edinburgh last year to complete his university studies and Your Front Door is his masterpiece."

IRLANDA: Nialler9
I Am The Cosmos - Remembering You
"Remembering You is a beautiful slice of broody 80s-inspired electronica buttressed on creaking synth stabs and high-pitched melodies. Its creator, Ross Turner, is known for his work behind the drum kit with various Irish bands but stepping out on his own here as I Am The Cosmos, he shows us what he can do in sole producer mode."

ISLÂNDIA: I Love Icelandic Music
Bloodgroup - My Arms
"Bloodgroup was formed in 2006 by Halez, Lilja, Raggi and Janus during some boring winter days on the east coast of Iceland and they make catchy electronic dance-pop. Debut album Sticky Situation was released on the band's own label, Sild Ehf, and got excellent reviews. Its follow-up, Dry Land, was released on the Record Records label last month. My Arms is their latest single."

ITÁLIA: Polaroid
Port-Royal - The Photoshopped Prince
"There was a blizzard here last week and I found myself listening again to this third album by Port-Royal. It was the perfect soundtrack. Shoegaze, IDM, electro and ambient influences blend together to build an epic soundscape. The Genoa-based quartet used to be on the renowned Resonant label and have worked with Ulrich Schnauss and made remixes for Ladytron and Felix Da Housecat. Now they're back with a throbbing, intense, unpredictable, brimful of life new record."

JAPÃO: JPOP Lover
Green Blossoms - Hana Akari
"Green Blossoms are folky duo Aiko Koga and Anthony Guerra. Aiko sings and plays ukulele, Anthony plays the other instruments. They released their second album, Whiskey Leaves, on US-based Digitalis Recordings last summer. Hana Akari is beautiful, softly-intoned songwriting and its ghostly incantations will stick in the back of your mind."

MÉXICO: Red Bull PanameriKa
The Hong Kong Blood Opera - Cansei De Ser Gangsta
"The Mexican alternative scene recently witnessed the rise of a synthetic yet raw punk generation raiding the underground. A frenetic quintet from desertic Hermosillo stood out - The Hong Kong Blood Opera. A bloody opera? More like straight hardcore screaming evil and rough beats. The HKBO got sweaty teenagers shaking their guts and also blew the critics away when they won a nationwide competition sponsored by a monopolic corporation a few years ago. Instead of vanishing like every band from those schemes usually does, they reappeared with a remarkable album titled Not For The Faint Of Heart. The record breaks the rock-band-contest cliché and at the same time mocks the whole mediatic circus and abusive music industry models with killer singles like Cansei De Ser Gangsta."

NORUEGA: Eardrums
Sacred Harp - Next Time Too
"Sacred Harp are a trio from Oslo who recently released their beautiful self-titled debut EP on the small Norwegian label The Perfect Hoax. Their music is quite difficult to describe because it's so in the middle of everything. It's dark, but there's also a lot of light and colour in there. It's experimental, but it's also full of pop structures and lovely melodies. It's sacral and calm, other times almost brutal. It's music you just have to listen to. The members are from Norway, Finland and Holland, so they really fit the spirit of the Music Alliance Pact."

NOVA ZELÂNDIA: Counting The Beat
The Mint Chicks - Crush
"For three decades, Chris Knox has made some of New Zealand's most exciting music - from the punk of The Enemy, Toy Love, virtually inventing the country's indie music scene with four-track recordings of his band Tall Dwarfs and writing one of the nation's most popular songs. Knox suffered a debilitating stroke last year and to aid his recovery many who have been influenced by him have contributed to an album of covers called Stroke. The roll call includes Jay Reatard, Stephen Merrit, Will Oldham, Lou Barlow and more. Crush, from The Tall Dwarfs' 1984 EP Slug Bucket Hairy Breath Monster, is performed by The Mint Chicks, one of New Zealand's most exciting bands."

PERU: SoTB
La Mente - La Problema
"In its wonderful fusion of tropical rhythms, reggae and psychedelic electronic models, La Mente has uncovered an inexhaustible source of energy and dynamism which beckons you onto the dancefloor. La Problema is a feast of total madness and one of the strongest songs from La Mente's new album, Para Los Muertos Y Los Vivientes."

PORTUGAL: Posso Ouvir Um Disco?
Malcontent - Aggressive
"Malcontent are a quartet from Oporto led by Sérgio Costa. When you listen to them you know their influences (The Jesus And Mary Chain, Black Rebel Motorcycle Club, Sonic Youth, Joy Division, Nine Inch Nails) and they don't deny them. They started playing in 2007 and released several promo singles. Finally, they have their first full LP out, called Love The Gun, which the band self-released."

ROMÊNIA: Babylon Noise
Aievea - Joy Of Life
"Vlaicu Golcea and Electric Brother are two incredibly talented multi-instrument players. They combine conventional music with electronic beats and the creative rhythms of Tavi Scurtu, the drummer who juggles with sound. To an already great recipe, we add Marta Hristea's incredible voice for the perfect nu-jazz experience. After a six-year pause, they've just released their second album, Cinema, which can be fully downloaded here."

SUÉCIA: Swedesplease
Jenny Björkqvist - To Heal Your Wounds
"To Heal Your Wounds by Jenny Björkqvist is a song that successfully straddles the worlds of indie and folk - it would be as comfortable hanging out with Nick Drake or Jose Gonzalez as it would be spending time with Dylan or Guthrie. Friend and fellow neo-folkie Tim Schmidt contributes vocals on this track."

VENEZUELA: Barquisimento
El Pacto - Hyperdance En La Curva De San Pablo
"El Pacto are music legends in the city of Barquisimeto. Since 1992, they have been devoted to merging rock, pop, jazz, ska and folk music in a sound so original and vanguardist, they have even influenced famous national bands like Amigos Invisibles. Their shows ususally include circus-like performances with actors and acrobats. Hyperdance En La Curva De San Pablo is taken from the album of the same name."

Faça o download de todas as 34 músicas.

MP3 da semana: Romulo Fróes - "Para fazer sucesso"

Da primeira vez que ouvi essa música do Romulo Fróes fiquei bastante surpreso, não era nada do que esperava de um cantor/compositor cuja imagem que eu tinha estava mais ligada ao samba. Ok, desinformação minha.

   

O cara ainda é autor de um dos álbuns mais comentados de 2009, No Chão Sem o Chão, que ainda não ouvi mas já estou correndo pra baixar...

Artista: Romulo Fróes
Música: Para fazer sucesso
Ano: 2009
Cidade: São Paulo (SP)
Pra quem gosta de: Bruno Morais, Caetano Veloso 00´s, MPB repaginada

12 de janeiro de 2010

A relação entre pichação e heavy metal (+ Pixo, Ttsss, João Wainer)

Aproveitando que falei sobre graffiti no post anterior, fica a do documentário Pixo, do cineasta e fotógrafo João Wainer, bastante comentado no ano passado (inclusive no exterior).



Mais conhecido por seu trabalho como fotógrafo da Folha de S. Paulo, Wainer também tem um blog fodão e editava outro no site da Trip. Seu livro Ttsss, também é sobre pichação e está disponível para download no site da Editora do Bispo.

Neste outro vídeo (que você vê abaixo) Wainer explica pra gringolândia o que é "pixo". Pode parecer estranho para nós que estamos acostumados, mas grande parte das pessoas em outros países não sabe do que se trata, já que estão acostumados com o graffit e outras formas da chamada street art.

Mesmo para quem é brasileiro são várias as informações interessantes. Por exemplo, você sabia que algumas das primeiras pichações feitas em São Paulo no início da década de 1980 foram feitas por fãs de heavy metal inspirados nas logos das bandas de metal? Wainer explica que as logos de bandas como Iron Maiden e Slayer foram inspiradas em um tipo de alfabeto viking e faz a relação: algo que surgiu a partir dos bárbaros do passado (o alfabeto viking) se transforma no meio de comunicação de um grupo tipo como bárbaro na atualidade (os pichadores).


11 de janeiro de 2010

Riskos Urbanos: documentário sobre o graffiti em BH

Realizado em 2008 com direção de Leonardo Moreira, o documentário Riskos Urbanos aborda a cena do graffiti e hip hop em Belo Horizonte. Produção de média-metragem (20 minutos) realizada de forma independente, o documentário agora está inteiro no YouTube, em duas partes, que você confere abaixo.





Como bônus, a equipe do documentário ainda fez o curta "BH Nos toca-discos - A história do Duelo de MC´s", sobre as apresentações que acontecem semanalmente debaixo do viaduto Santa Tereza, no centro da cidade, e que reúnem grande parte dos envolvidos na cena hip hop belorizontina.


9 de janeiro de 2010

Os melhores de 2009, segundo a Rolling Stone Brasil

Black Drawing Chalks, Móveis Coloniais de Acaju, Cidadão Instigado, Wado, Lucas Santtana e Emicida são os representantes da música independente na lista dos melhores de 2009 da Rolling Stone Brasil.

Abaixo, o que a revista publicou e meus brevíssimos comentários, em laranja.




1 "My Favorite Way" Black Drawing Chalks
A melhor canção do rock brasileiro em 2009 é... cantada em inglês. O empolgante hit do quarteto goiano é uma pérola certeira em todos os quesitos: a batida é irresistível. Os riffs esbanjam personalidade. O vocal, agressivo na medida, canta uma letra no limite do nonsense. Com energia e maturidade adquiridas na estrada, o Black Drawing Chalks criou um cartão de visitas digno da mais grata surpresa do ano.
Eu avisei (clica aí do lado).

2 "Cangote" Céu
A voz delicada de Céu fica em segundo plano neste reggae psicodélico cantado em marcha lenta. Entre os versos sussurrados de maneira preguiçosa, se sobressaem as texturas sonoras geradas por teclados, sopros e um baixo sempre marcante.


3 "Cover" Erasmo Carlos
No ritmo do country rock e sem se preocupar em soar presunçoso, o eterno Tremendão faz uma ode divertida e louvatória à sua própria originalidade. Talvez agora surjam os tais covers de Erasmo, que, segundo ele, inexistem no país.


4 "O Tempo" Móveis Coloniais de Acaju
Melhor faixa de C_mpl_te, segundo disco do grupo brasiliense, que revela de uma só vez todo o potencial musical do octeto: os metais suntuosos, a voz equilibrada e afável de André Gonzales, as pausas precisas e um refrão inesquecível.
O CD é realmente muito bom, mas nunca que colocaria essa faixa como a melhor.

5 "Me Adora" Pitty
Em uma carta-resposta endereçada a seus detratores na imprensa, a cantora evoca a jovem guarda e os grupos vocaiscriados pelo produtor Phil Spector para cometer o refrão mais lembrado do rock nacional em 2009.

6 "Invejoso" Arnaldo Antunes
Com uma letra recheada de boas rimas e melodia puxada sem pudor para o brega clássico, Arnaldo Antunes descomplica sua música, abraça o pop com carinho e se descobre mais acessível do que jamais foi antes em sua carreira.


7 "O Nada"
Cidadão Instigado
Em uma espécie de ode singela ao desprendimento, Fernando Catatau pontua esta marchinha psicodélica com distorções de guitarra e súplicas desafinadas e desesperadas.
"Doido" é muito mais doida.

8 "Só Isso" Emicida
Enquanto descreve suas tortuosas peregrinações pelos extremos diversos de São Paulo, Leandro Roque de Oliveira, o Emicida, revela sutilmente as origens do combustível que resultam em suas rimas exterminadoras.
Hype paulista, o Holger do hip hop, só que sem a qualidade da banda indie.

9 "Assinado Eu" Tiê
A combinação básica de violão e a voz intimista e convidativa da cantora paulistana ganha profundidade e delicadeza em uma balada sincera que expõe as agruras dos relacionamentos platônicos sob a ótica de uma mulher.

10 "Bee on the Grass" Mallu Magalhães
Não são poucos os artistas que tentam - em vão - fazer referências aos Beatles, à psicodelia ou ao tropicalismo. Mallu, porém, explora os clichês com criatividade, ousadia e graça ao narrar o passeio despreocupado de uma abelha.


(Comentários dos próprios artistas e download no Todos somos DJs)

1 - Céu - Vagarosa: "Esse álbum é mais ousado. Não tinha muitos planos de reconhecimento de larga escala. Foi [um trabalho] extremamente sincero. Fiz sem pensar no peso de ser o segundo álbum. Outra ousadia é a ausência de instrumentação. É aquela temática de 'Cangote': o ócio, o vagar, o vagaroso. Um pouco de leseira não é pecado. A Jamaica é uma influência que sempre tive. Quis trazer essa ideologia para a música, sua estrutura. Queria que soasse mais tocado de banda, não de produtora."


2 - Cidadão Instigado - Uhuuu!: "Esse é nosso terceiro album e fiquei muito feliz com o resultado. Deu muito trabalho pra ser finalizado, mas ficou do nosso gosto. Vejo o Uhuuu! como uma continuação do nosso trabalho, nem pior e nem melhor que os outros. São todos registros da nossa história."

3 - Erasmo Carlos - Rock 'n' Roll: "Olha, é um disco sincero. Eu vi o nascer do rock 'n' roll. Não sei por informação, como a geração de agora que recorre ao passado para ouvir o que foi o rock. Ouve friamente. Não viveu a magia do nascer da coisa, como eu. Toda a aura de grandiosidade, o ineditismo. O disco é muito sincero de minha parte. Gravei em nove meses. Um parto mesmo. Fiz umas 25 músicas - eu, meu violão e minha bateria eletrônica. Quando convidei o Liminha para produzir, ele fez uma coisa que desde o início eu não fazia: conservou o que eu fiz. Os músicos no estúdio, sabe, começam a mudar harmonias. Minha música é simples e direta, sem frescura. Pelos modismos, os músicos mudam a música toda. O Liminha disse: 'Vamos conservar tudo o que você fez'. Entendeu a raiz, o sentimento do trabalho."

5 - Móveis Coloniais de Acaju - C_mpl_te: "O C_mpl_te é, antes de tudo, um álbum que preza pelo coletivo. É o trabalho do grupo, das dez pessoas que fazem parte do Móveis. A ajuda do [Eduardo] Miranda foi muito bacana também, trazendo uma unidade ao álbum. Depois dessa gravação pudemos lançar esse disco inteiro de graça para as pessoas baixarem no projeto Álbum Virtual, da Trama. Foi um projeto muito bom e prazeroso de trabalhar." (Bejo Mejia, flautista da banda)

6 - Black Drawing Chalks - Life is a Big Holiday for Us: "Desde o início, esse segundo disco foi feito com a intenção de passar a experiência que ganhamos na estrada desde o Big Deal. Conhecemos outros lugares, tocamos com outras bandas, trocando ideias e ouvindo coisas novas, incluindo bandas gringas, e isso contribuiu pro resultado final do Life is a Big Holiday for Us. No fim das contas, o disco surgiu naturalmente, nada planejado ou com algum deadline marcando em cima. As músicas surgiram espontaneamente, sendo que algumas foram compostas antes mesmo de sair o primeiro disco; outras só ficaram prontas um dia antes da gravação. Ao todo, a produção durou cerca de um ano, sendo que a gravação foi feita em duas semanas. O material foi todo produzido no estúdio Rocklab, de Gustavo Vazquez, onde já havíamos gravado o Big Deal e onde também nos sentimos à vontade, totalmente entre amigos. Fabrício Nobre sempre nos acompanhou e, dessa vez, participou de perto da produção do CD. Nas 11 faixas, nós procuramos tirar e trabalhar com timbres mais crus e gravar ritmos mais dançantes e menos 'caretas' [risos]. Bom, estamos muito felizes com a repercussão. Não esperávamos nada além da repercussão do Big Deal e acabamos nos surpreendendo muito." (Victor Rocha, guitarrista e vocalista da banda)

8 - Lucas Santtana - Sem Nostalgia: "O disco é uma brincadeira em cima do formato voz e violão. Usamos várias técnicas de gravação e equipamentos diferentes(além do violão e da voz) para que ao final o disco não soasse como um disco tradicional de voz e violão, e sim, as vezes eletrônico, parecendo uma banda, folk, etc. Os ambientes que usei no disco foram um diferencial importante para a sonoridade dele. Há muito tempo tinha essa "patologia" de querer fazer um disco de voz e violão que saisse do formato tradicional dos últimos 50 anos e fiquei muito satisfeito com o resultado."

9 - Wado - Atlântico Negro: " O disco dá continuidade à minha aproximação com a música de periferia. A ideia veio do conceito do sociólogo inglês Paul Gilroy e mergulha no universo histórico, mítico e rítmico do entrelaçamento entre África e Américas: um movimento iniciado nos navios negreiros e que segue até hoje, através do samba, do afoxé, do funk e do reggaeton. Atlântico Negro tem uma sonoridade bem orgânica (o que me deixou bem feliz), muitas ambiências e salas nos sons das baterias e percussões. Além disso, voltei a tocar violão de nylon e guitarra, acho que nunca toquei tanto nos discos, antes me concentrava mais em cantar. O disco é manifesto, afeto, festa, melancolia, bravura, fragilidade, poesia, afoxé, funk e samba."

10 - Mallu Magalhães - Mallu Magalhães: "Em mim, esse novo álbum cai como uma luz de um próximo passo. Sinto ele como uma segunda etapa de minha vida e carreira que, por tanta sinceridade e transparência, se misturam. Depositei ali o que pude arrancar de meu peito em forma de canção, e agora sinto completar mais uma pequena parcela de mim como ser humano existente nesse mundo estranho." 

A história das revistas de skate no Brasil

Leonardo Brandão e Marcelo Viegas (vocalista do destruidor Ästerdon) fizeram uma interessante matéria sobre as revistas sobre skate publicadas no Brasil. Ao ler sobre a trajetória dessas publicações no país é inevitável estabelecer uma relação com as revistas dedicadas à cultura pop e música que também viveram (ou vivem?) momentos conturbados no Brasil.

A matéria completa está no Overmundo, mas abaixo você confere um trecho.


O início da prática do skate no Brasil ocorreu durante a década de 1960, época bastante conflituosa de nossa história, pois compreende um período marcado pelos anos iniciais da Ditadura Militar no país (1964-1985). Segundo o pesquisador Tony Honorato, “há rumores do surgimento do skate no Rio de Janeiro em 1964, mas como nada foi documentado torna-se difícil apontar o ano de forma precisa”.

A década de 1960 foi um período agitado tanto política quanto culturalmente, pois registra uma das ascensões mais interessantes dos últimos tempos: a de uma cultura ou contracultura jovem. Embora existissem skatistas na década de 1960 (Cesinha Chaves relata que começou a andar de skate em 1968), foi somente na década de 1970 que o skate começou a aparecer em revistas especializadas.

Antes de surgirem revistas específicas sobre skate, a editora Abril já apostava na existência de uma cultura jovem no país. Assim, em 1972 surgiu a primeira revista voltada para a juventude brasileira, notoriamente tendo o rock como assunto principal. A Revista POP teve 82 edições em seus quase sete anos de existência, entre novembro de 1972 e agosto de 1979.
Os links e foto são por minha conta. O crédito da foto (feita em BH) é para Fernando Biagioni.

8 de janeiro de 2010

MP3 da semana: Barulhista - "Valsa para Psilosamples"


"Como descrever um artista mineiro chamado Barulhista?", é a questão que nos apresenta o próprio G.A, o homem por trás do projeto musical Barulhista. "Experimental" seria a melhor e mais abrangente definição para suas músicas marcadas pela eletrônica não-convencional e registros sonoros "do planeta".

Inspirado em nomes como John Cage e trilhas sonoras, sua produção é marcada pela música concreta. Em "Valsa para Psilosamples", no entanto, encontramos um de seus momentos mais próximos da concepção habitual de música e da eletrônica convencional. O resultado é uma canção excelente e que, ao mesmo tempo em que soa experimental, também é assimilável pela maior parte do público.

Artista: Barulhista
Música: Valsa para Psilosamples
Ano: 2009
Cidade: Contagem (MG)
Pra quem gosta de: eletrônica experimental, Air, DJ Shadow, Beastie Boys instrumental

7 de janeiro de 2010

Sobre degustar fluidos da genitália feminina

Lembram de quando rolou isso aqui?

Então, nos emails que trocamos em decorrência desses comentários ela disse que "se fosse o xico sá ninguém ia chamar ele de lambedor de buceta ou de degustador de fluidos da genitália feminina".

Para provar a que nível levei esse comentário, eis uma foto bem fofucha.



Agora faz um joia aí se você também é da turma.

Ps.: só para não haver dúvidas, o Xico Sá é o da esquerda na foto, tá?

6 de janeiro de 2010

Cidadão Instigado e Rodrigo Amarante

Em março de 2009, no projeto Rumos Convida, do Itaú Cultural, em São Paulo.





Esses e outros vídeos, cortesia do Urbanaque (que também fez uma retrospectiva dos vídeos que fizeram em 2009).

5 de janeiro de 2010

Toque no Brasil: alternativa inovadora para a circulação de bandas

A cena musical brasileira vive um promissor momento em 2010 e o lançamento do projeto Toque no Brasil é uma das provas. Lançado hoje, dia 5 de janeiro, o Toque no Brasil é uma plataforma colaborativa que aproximará bandas e produtores de eventos musicais de forma gratuita através da internet.

O projeto é importante por mediar a troca de informações entre os principais agentes da cena (músicos e produtores), viabilizando a circulação de um maior número de artistas pelo país de forma mais organizada e em busca de sustentabilidade financeira, uma vez que reduz custos em ambos os lados e potencializa resultados (já que os eventos/festivais terão oportunidade de selecionar uma maior gama de artistas das mais diversas cidades e regiões).

Resultado do trabalho coletivo do Circuito Fora do Eixo, Abrafin, Casas Associadas e BMA, o Toque no Brasil é mais uma ação concreta resultante da movimentação ocorrida, principalmente, na segunda metade da década passada na música independente nacional e que tem como base a internet, permitindo a comunicação e troca de conteúdo entre os envolvidos no meio cultural.


O funcionamento é relativamente simples: por um lado, os produtores de festivais/shows divulgam informações sobre o evento que irá realizar (como data, local, estrutura disponível para as bandas - exemplo na imagem ao lado) e disponibilizam vagas neste evento para bandas que se inscreverem pelo site do Toque no Brasil; do outro lado, qualquer banda pode se cadastrar no site, apresentando músicas, fotos, release e demais informações de produção (necessidades técnicas, número de integrantes, etc) e informar em quais dos eventos cadastrados no projeto está interessada em se apresentar.

Já em sua estreia o Toque no Brasil disponibiliza cerca de 500 vagas para bandas no Grito Rock América do Sul 2010, festival que acontece em mais de 50 cidades sulamericanas nos meses de Janeiro e Fevereiro. As inscrições para o Grito Rock podem ser realizadas entre 5 e 15 de Janeiro, exclusivamente pelo TNB.




A primeira versão do site, que estreia hoje, é baseada no georreferenciamento  (ou geotagging) dos realizadores do Grito Rock e está somente em português, tendo previsão de lançamento de sua versão trilíngue (adicionados o inglês e espanhol) para Maio deste ano.

Para mais informações, acesse o site e/ou leia o release oficial de lançamento do Toque no Brasil.

4 de janeiro de 2010

Cães Aid: punk rock autobeneficente

Fiquei incoformado por não ter usado o slogan "A maior festa autobeneficente da galáxia" antes deles, mas ao menos estou envolvido com o Cães Aid (tipo Live Aid, sacou?) de alguma forma. A festa é um ato de caridade feito pelo/para a Cães do Cerrado, banda punk belorizontina das mais interessantes da cena local.


O dinheiro arrecadado na festa seria utilizado para cobrir parte dos custos com operações plásticas nos integrantes da banda, mas eles preferiram continuar feios e sujos e utilizar toda a grana da festa para pagar as gravações do próximo CD. Fazer o que, né?

Além dos Cães, outras almas caridosas farão desta a primeira manifestação pró-autodestruição-hedonista da cena alternativa de Belo Horizonte: a The Hell´s Kitchen Project (que se prepara para gravar seu primeiro álbum em 2010, com apoio da Lei de Incentivo Estadual) o Fadarobocoptubarão, o DJ Amplis (meu parceiro de Fórceps e de projeto Ménage) e eu, como DJ Meio Desligado. "E como se isso já não fosse suficiente lutadores mascarados farão uma apresentação de Luta Livre, haverá uma barraca de beijos com o Malibu além de uma liquidação de camisetas dos Cães do Cerrado", tá na divulgação oficial, não inventei isso.

Nada como uma boa ação ao som de punk rock para ter esperanças de que este será um ano glorioso para nós.

Quanto? R$ 10,00
Onde? A Obra (Rua Rio Grande do Norte nº 1168, Savassi, BH)
Quando? Dia 07 de Janeiro, quinta-feira, a partir das 22 horas

Por que? A vida não tem sentido, então porque não doar dinheiro para os punks?

3 de janeiro de 2010

Melhores CDs de 2009 no Pílula Pop

Participei da seleção dos melhores CDs de 2009 realizada pelo Pílula Pop e a lista que enviei para eles está aqui. O resultado final passa longe da minha visão do que foi mais interessante na música mundial em 2009, mas vale a pena conferir.

2 de janeiro de 2010

Estereotipando as pessoas através do que elas escutam

Alguns dias atrás o blog americano Flavorwire fez uma lista classificando os fãs de indie rock de acordo com suas bandas favoritas. O resultado foi definições como "caras que tentam pegar mulheres conversando sobre desenhos antigos do Nickelodeon" (fãs de Vampire Weekend) e "caras que continuam a chorar toda vez que assistem Bambi" (para os fãs de Antony and the Johnsons).

Por falta de interesse, ânimo e tempo, não fiz uma lista semelhante adaptada para a cena indie brasileira, mas felizmente outra pessoa o fez e publicou no blog A tangerina. Abaixo, selecionei os estereótipos que achei mais engraçados e incluí uma classificação minha.

  • Cidadão Instigado: pessoas que acham a ópera-rock de Odair José melhor do que Tommy.
  • Romulo Fróes: pessoas que são legais, não estão te dando mole.
  • Wander Wildner: pessoas que não são legais, estão te dando mole.
  • Mallu Magalhães: fãs que achavam Juno legal até os fãs de Marcelo Camelo decidirem que não é.
  • Los Hermanos: alunos da PUC que gastam 500 reais para parecer alunos do IFCS que gastam 50 reais para parecer alunos da PUC.
  • Black Drawing Chalks: pessoas que desenhavam assassinatos em massa nas aulinhas de arte do jardim de infância.
  • Móveis Coloniais de Acaju: rapazes que em algum ponto da vida tentam crescer bigode.
  • Ana Carolina: moças que em algum ponto da vida tentam crescer bigode.
  • Copacabana Club: garotas que aprenderam a se vestir com os editoriais da Capricho.
  • Holger: funcionários (ou ex) da Tramavirtual e seus wannabes