Pesquisar este blog

Carregando...

6 de novembro de 2010

Meio Desligado e a construção de conhecimento (acadêmico)

Ultimamente tem crescido o número de pessoas que entra em contato comigo, Marcelo Santiago, para colaborar com pesquisas acadêmicas relacionadas à internet e cultura. São projetos focados em disseminação de informação cultural em blogs, divulgação de bandas em mídias independentes, etc. É extremamente gratificante saber que este humilde blog (com ocasionais ataques de prepotência irônica) pode contribuir para que pesquisadores de diferentes regiões do país, ou até mesmo do exterior, desenvolvam seus trabalhos de forma a registrar e refletir sobre o momento que vivemos.

O Marcelo De Franceschi, do Rio Grande do Sul, é um desses pesquisadores. Sua pesquisa envolve blogs jornalísticos que estejam sob licenças Creative Commons e desde junho deste ano trocamos emails e dados (apesar de eu constantemente não conseguir atender à demanda dele nos prazos ideais).

Publico aqui uma das últimas (e maiores) entrevistas que ele fez comigo e que talvez interesse também a outras pessoas. E que venham mais!

Blog e seus derivados

Por que criou o blog? Por que escolheu o sistema Blogger?
Resumindo muito: queria fazer algo relevante na internet em vez de ter mais um blog sobre cultura pop e bobagens para entreter as pessoas. Percebi que havia uma movimentação crescente na cena musical independente e não existia nenhum blog dedicado totalmente a essa cena. Além disso, quando outros blogs e jornalistas citavam bandas indie nacionais, na maioria dos casos exaltavam bandas que eu considerava (e ainda considero) ridículas ou falavam das bandas dos amigos, coisas do tipo. Eu pensei: "é por causa desses idiotas que o público em geral acha que não existe bandas independentes boas". Por isso criei o Meio Desligado, para fazer uma análise mais crítica dessa cena, sem ter rabo preso com ninguém, sem medo de experimentar.

Fiz no Blogger porque já conhecia a plataforma e porque achava o Wordpress muito limitado para quem não tivesse uma hospedagem própria. Como minha intenção era (e continua sendo) usar serviços gratuitos na internet, o Blogger me pareceu a melhor opção.

Por que não usa um Twitter específico para o blog e outro pessoal?
Durante muito tempo tentei não relacionar o blog à minha pessoa, mas como todos os outros integrantes participavam pouco e não encontrava pessoas interessantes e interessadas na proposta, o Meio Desligado foi ficando cada vez mais ligado a mim. Como muita gente já me conhecia como "o Meio Desligado", resolvi assumir de vez a alcunha.
Acho mais interessante desse jeito, creio que aproxima o público de quem está por trás das informações que estão lendo. Sem contar que muita coisa da minha vida particular se mistura com o tema do blog e seria bastante confuso separar o que publicar em cada perfil (pessoal e "institucional").

Por que decidiu utilizar Tumblr?
Comecei a usar o Tumblr por achar interessante a integração que ele proporciona da agilidade e conectividade do Twitter com uma plataforma "tradicional" de publicação de blogs, como Blogger e Wordpress. Com o passar do tempo o Tumblr tem se mostrado uma das ferramentas mais versáteis e em constante transformação que conheço, mas o utilizo somente em projetos paralelos ou em trabalhos específicos que realizo, porque a indexação do conteúdo publicado nele é ruim nas ferramentas de pesquisa como Google e Yahoo!.

Recebe acesso de outros perfis teus em outras redes?
Sim. Muitos acessos do Meio Desligado têm origem no meu Twitter e no Facebook. Atualmente são as únicas redes que uso com frequência.

Quantos assinantes tem a newsletter?
Cara, não consigo acessar minha conta no Feedburner desde que ele foi comprado pelo Google há alguns anos. Na época, o blog tinha 179 assinantes, a maioria recebendo as atualizações diretamente em seus emails.

Tu utilizas de estratégias como comentar em outros blogs, divulgar em comunidades virtuais, listas de e-mails, ou usar de títulos que sejam mais fáceis de serem achados pelos buscadores?
De todas essas ações a única que pratico é relacionado aos títulos das publicações, mas principalmente às urls. Mesmo que um post tenha um título mais literário e menos factual, procuro criar urls que facilitem a indexação em ferramentas de busca. O post "Festival Goiânia Noise 2010: bandas confirmadas até o momento", por exemplo, tem a url meiodesligado.com/2010/10/festival-goiania-noise-2010-programacao.html
 
Acho intrusivo e chato comentar em outros blogs para se divulgar, odeio essa prática. Só acho válido quando a pessoa deixa o link para algo que publicou em seu blog e que esteja relacionado ao assunto do post em que está comentando, sabe? Se não for assim é só mais spam. Ninguém precisa de mais spam.
Antigamente enviava uma espécie de newsletters do blog, com resumos do que de mais interessante foi publicado no mês, mas parei por falta de tempo.
Como funcionam as festas do blog? Desde quando ocorrem, como surgiram?
Comecei a fazer as festas para trazer a BH artistas que considero interessantes e nenhum outro produtor trazia. A primeira festa aconteceu com a banda recifense Júlia Says em maio de 2008, se não me engano. A maioria das festas Meio Desligado aconteceu n´A Obra, reduto indie em BH. Como o público era bom, até me perguntaram se queria fazer com maior frequência, mas preferi fazendo poucas por ano, cerca de duas ou três. Assim consigo me dedicar mais a elas.

Entre as bandas que já tocaram nessas festas estão Black Drawing Chalks, Camarones Orquestra Guitarrística, Jair Naves e Fusile. Uma coisa engraçada é que no fim de 2009 eu tinha uma festa marcada com duas bandas legais e poucos dias antes de iniciar a divulgação as duas tiveram que cancelar por motivos diversos. Em vez de convidar outra banda, montei a minha própria, rs. Aí teve origem a Fanfarra dos Funcionários da Embaixada Colombiana, um aglomerado (meio no sentido "favela" do termo) de músicos locais (gente de bandas como UDR, Fusile, Grupo Porco de Grindcore Interpretativo, FadaRobocopTubarão, Esquadrão Relâmpago Monster Surf, entre outras) tocando punk rock com alguns toques latinos. Acabou sendo uma das melhores noites que já vi na cidade, mais de 10 pessoas  na banda (incluindo aí gente que eu nem conhecia) com microfone na mão, subindo no palquinho da Obra e tal. E no final ainda rolou um karaokê punk que também foi super divertido. Agora a ideia é juntar a Fanfarra pra fazer apenas 1 show por ano em cada cidade, sempre com uma formação diferente.


Desde quanto tem instalado o Google Analytics? Por que? Costuma monitorar com frequencia os acessos?
Alguns dias após criar o Meio Desligado instalei o Analytics. Desde então, somente por alguns dias os acessos ao blog não foram contados porque fiz alterações no código do blog e acabei esquecendo de voltar com o código de rastreamento do Analytics. 
Ter uma ferramenta que analise seus acessos é crucial para o desenvolvimento de uma ação desse tipo na internet. É através dela que posso ter noção de quem são as pessoas que acompanham o blog, onde elas estão, o que tem chamado mais atenção, como elas conhecem o Meio Desligado, etc. A internet é o único meio que permite esse controle, esse conhecimento sobre sua audiência.

Depois de alguns anos parei de ler os dados de acesso do blog pois eles acabavam me influenciando para escrever sobre os assuntos que geravam mais acessos. Agir dessa forma seria repetir uma estratégia que repudio que é focar seu conteúdo no que gera mais acessos, não naquilo que considero mais interessante. Veículos comerciais podem agir dessa forma, mas não há sentido que a mídia independente se guie pelos mesmos parâmetros.

Nota alguma participação do público na divulgação dos posts? Não só no Twitter mas em algum outro site  (Facebook, Orkut)?
Principalmente no Twitter e Facebook. Praticamente não uso Orkut e muitos acessos têm origem lá, então as pessoas estão divulgando o blog por lá.


Conteúdo


Como tu seleciona o que vai ser publicado? Costuma consultar fontes por e-mail ou telefone? 
Acho que nunca liguei pra uma fonte! Isso é muito anos 90, rs. Falando sério, é tudo pela internet: email, redes sociais, serviços de mensagem instantânea. E muita coisa acontece presencialmente também, claro.

Pra selecionar o que vou publicar, acho que as coisas básicas em que penso são:
- está na linha temática do blog?
- centenas de blogs vão escrever sobre esse mesmo assunto específico? E, se forem, posso abordar de forma mais interessante, mais relevante, mais profunda?
- quem acompanha o blog precisa saber disso em detrimento de outras coisas que deixarei de publicar para me dedicar a esse assunto?

Considera teus posts mais opinativos ou mais informativos?
Opinativo informativo. Posts diferentes tendem para lados diferentes. Essa é a vantagem de ter um blog: liberdade.

Como funcionava a versão em inglês? Ainda recebem acessos da versão em inglês? 
Ela está sendo reformulada e volta em formato diferente em 2011, se tudo der certo. Antigamente ela deveria funcionar como um resumo do que foi publicado na versão em português, mas a falta de tempo para traduzir tudo sempre foi um grande empecilho. Não confiro seus acessos, mas continuava a ter público vindo de ferramentas de busca.

Publica os textos em outros espaços na internet?
Já escrevi muita coisa no Overmundo e colaborei em outros blogs e sites, mas atualmente o que escrevo sobre música independente brasileira é direto para o Meio Desligado.

Recebe muitos comentários?
Eu usava uma ferramenta pra contar o número de comentários, mas parou de funcionar. Sei que desde o começo do blog são mais de 2 mil, mas considero o número de comentário baixo. Percebo a mesma coisa em outros blogs. Na maioria dos blogs que usam o Wordpress, por exemplo, se você olhar nos comentários a maioria deles se refere às vezes que aquele post foi citado no Twitter (tem um plugin pra isso). Se eu usasse um plugin como esse no Meio Desligado o número de comentários saltaria pra uns 5 mil, mas acho que isso mais polui do que agrega informação relevante ao blog.

Uma coisa que percebo é que alguns anos atrás, até mesmo em outros blogs que tive, muita gente deixava comentários como "massa!", "legal", coisas do tipo. Agora isso diminuiu, mas é pequeno o número de pessoas que realmente participam da construção de conhecimento através dessa ferramenta. É claro que muita coisa boa vem dos comentários no Meio Desligado, correções, sugestões, dicas e tal. Até mesmo elogios e críticas são super bem-vindos. Mas, se analisarmos de forma mais geral, é uma pequena parcela dos "leitores" que perceberam que as informações que publicam ali podem resultar em transformações no conteúdo final.

Já recebeu propostas de patrocínio, como espaço publicitário ou anúncios no blog?
Já recebi grana e produtos para comentar ações específicas, como ganhar alguns tênis para falar de uma revista, ganhar uma grana pra falar de uma ação promocional de uma empresa e tal, mas pouca coisa. Mas sempre que isso rola tento deixar bem claro que se trata de uma ação promocional e não publico as informações do jeito que me enviam. Posso escrever sobre o produto deles, mas será através do meu ponto de vista.


Creative Commons

Por que colocaram o conteúdo sob licença Creative Commons?
Desde 2005 estudo o Creative Commons e diferentes aspectos da cultura digital. Acredito que o Creative Commons é uma importante ferramenta para a democratização do acesso à informação.

Por que aquela licença e com aquelas condições?
A licença usada no Meio Desligado é a de Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença, porque é uma forma de garantir que o conteúdo que produzo continuará livre e mantém o respaldo de que sua exploração comercial permanecerá sendo minha (ou de seu respectivo autor).

Que tipo de duvidas já receberam sobre o sistema de licenças?
No início muita gente não entendia o que era o Creative Commons, me perguntava até na rua o que era isso. Agora há tanta informação sobre isso, inclusive no MD, que já faz um tempão que ninguém me pergunta nada sobre isso.

O que mais acontecia era gente entrando em contato pra saber se podia republicar algum texto do MD no seu blog particular. Aí eu explicava o funcionamento do Creative Commons e passava o link pra licença usada no blog.

Já teve o conteúdo copiado e linkado? E não linkado? 
Já, vários posts foram republicados e linkados por aí., o que é muito legal. Somente uma vez descobri um moleque do interior do Rio de Janeiro republicando os textos do Meio Desligado como se fossem dele, mas o blog dele foi tirado do ar.

Nenhum comentário :