Pesquisar este blog

Carregando...

17 de setembro de 2010

Vendendo Peixe

Já que o nome é "Vendendo peixe", publico abaixo o material de apresentação do evento que acontece amanhã em BH e vocês decidem se simpatizam com a proposta ou não.



Vendendo Peixe ocupa terceiro andar do Mercado Novo

Evento aberto a participações no dia 18 de setembro terá artes plásticas, grafite, lambes, cinema, vídeo, instalações e shows
 
Um sábado, uma área quase esquecida no centro de Belo Horizonte e pessoas reunidas pela vontade de agir e criar farão acontecer o Vendendo Peixe, que será realizado no dia 18 de setembro, entre 10h e 18h, no Mercado Novo.

Mais que um espaço de exposição, o Vendendo Peixe é um encontro aberto à participação, gratuita, de pessoas interessadas em criar com liberdade, compartilhando ideias e passeando por um espaço inusitado da cidade.

Estarão presentes artistas plásticos, grafiteiros, músicos, fotógrafos, artistas digitais convidados e quem mais se apresentar espontaneamente. Por ser aberto, o que acontecerá no Vendendo Peixe é imprevisível e sua essência está justamente no acaso desses encontros.

Música, zine e bar
Durante todo o dia haverá shows de gêneros tão variados quanto a viola e o grindcore, passando por jazz, folk, rap, samba, rock setentista e surf music. A Sala de Viola Vicente Machado, formada por músicos que se encontram aos sábados no próprio Mercado Novo para tocar, abrirá a programação musical, que terá ainda apresentações das bandas Apto2qtos e Água de Cachorro, do rimador Casper Roots, do grupo Samba de Terreiro e das bandas Ram, Vostok Deluxe e Grupo Porco de Grindcore Interpretativo, que fechará o evento com chave de lata enferrujada.

No Vendendo Peixe também será lançado o zine “A Zica”, com trabalhos de 4e25, Alessandro Aued, Bárbara Angelo, Desali, Estandelau, João Maciel, Luiza Schiavo, Luiz Navarro, Matuto, Mosh, Paula Bevilacqua, Ricardo Portilho, Thiago Mazza, Toast/Antoine e Xerelll, de Belo Horizonte, além de Mayroca Estranhoca, de Curitiba.

Vários deles participarão do evento, ao lado da arte digital do Graffiti Research Lab Brasil, das intervenções em vídeo do movimento La Boquinha e de outros artistas e galerias.

No Bar do Peixe, será servida cerveja, refrigerante, água e a cachaça artesanal Pratiana. Para comer, além das lanchonetes e restaurantes do próprio Mercado Novo, haverá opções vegetarianas do Vegtuts.

Mercado Novo
O Vendendo Peixe ocupará o terceiro andar do Mercado Novo, que fica na avenida Olegário Maciel, a um quarteirão da praça Raul Soares. O prédio, até hoje inconcluso, data dos anos 1960 e é um projeto modernista dos arquitetos Fernando Graça e Sandoval Azevedo Filho. A maioria das dezenas de lojas do terceiro andar está fechada, deixando o espaço livre para o espetáculo da luz do sol, que entra pelas telhas furadas e pelos cobogós da fachada.


Kréu Krio
O Vendendo Peixe é a reedição do Kréu Krio, que foi realizado no mesmo terceiro andar do Mercado Novo em 2008. Autônoma e temporária, a mostra aconteceu paralelamente à 1ª BIG - Bienal Internacional de Graffiti de Belo Horizonte - também num sábado, em 5 de setembro daquele ano. O nome dadá foi trocado para Vendendo Peixe em referência ao grafite de um invertebrado aquático que se refugia num banheiro do Mercado Novo desde o Kréu Krio. O peixe conquistou a simpatia do síndico do mercado, que novamente cede o espaço para esta segunda edição.

Realização
O Vendendo Peixe é organizado por pessoas unidas pelo interesse em praticar ações autônomas que dialogam com a cidade, um grupo que usa o nome comum Urubois e que inclui os editores do guia on-line Mixsórdia.

Trata-se de uma iniciativa independente, realizada sem financiamento por lei de incentivo ou grande patrocinador. O Vendendo Peixe conta com o apoio financeiro da loja Detono Graffiti, das galerias Desvio, Quina e Mini e do café Arcângelo, além do apoio logístico do Endêmico Soundz, da Oficina de Imagens, do FitaK7 Podcast e do Mercado Novo BH.


Vendendo Peixe
Onde: Mercado Novo – av. Olegário Maciel, 742, Centro.
Quando:  Sábado, dia 18 de setembro, das 10h às 18h.
Entrada gratuita.

Nenhum comentário :