Pesquisar este blog

Carregando...

22 de julho de 2010

Software para DJs amadores

Não tenho nenhuma pretensão em atuar como DJ profissionalmente, construindo remixes e coisas do tipo. Como já escrevi anteriormente no Meio Desligado, ser DJ, no meu caso, é uma extensão da minha atuação como jornalista. É uma forma de tentar criar situações agradáveis através da música e construir sentidos ao apresentar músicas que considero interessantes ao público.

Com essa proposta em mente, normalmente toco com meu próprio celular, mas em algumas ocasiões opto pelo computador. Nesse caso, até mesmo um tocador de arquivos multimídia como o Winamp pode ser uma opção (no Bordel do Fogo Encantado, por exemplo, usei o Winamp, já que precisava sair várias vezes da mesa para verificar se estava tudo certo na festa e conversar com as pessoas). 

No caso de precisar de um pouco mais de dinâmica na pista, com maior cuidado nas transições e na seleção do repertório, um software bastante usado (e simples) é o Virtual DJ. Facilmente encontrado em versões demo gratuitas ou completo (com cracks), é um programa bastante intuitivo e que praticamente todos que tenham utilizado CDJs e um mixer na vida saberão manusear. São várias as opções de configuração, de acordo com a placa de som utilizada, e de visualização (como a da imagem que ilustra esse texto, nocaso, da interface do VirtualDJ 6 Pro: widescreen), de acordo com seu conhecimento, uso e hardware.


Como dá para ver pela imagem, o software fornece opções semelhantes aos dos equipamentos físicos e vai além, como o gráfico para visualização de ondas das músicas, integração com a biblioteca de mídia do computador, criação de playlists, aplicação de efeitos, etc. 

Uma das coisas que mais gosto é a possibilidade de usar controladores midi com o Virtual DJ. Dessa forma você não precisa executar todas as funções através do mouse, podendo relacionar funções e parâmetros do software para serem utilizados através do controlador. Quando uso o Virtual DJ, por exemplo, costumo programar os botões de play e stop das “pick-ups virtuais” para serem acionadas pelo controlador e controlo as transições entre elas para serem reguladas na roda de modulação (dependendo do seu controlador, usar um fader - aqueles botões que sobem e descem, aumentando ou diminuindo algum sinal - pode ser muito útil). 

Existem várias outras opções no mercado, mas para quem quer algo mais simples o Virtual DJ é altamente indicável. Para quem quer fazer produções mais complexas e precisa de mais recursos, um software muito comentado é o Traktor, da Native Instruments, usado por artistas renomados no meio eletrônico.

* Originalmente publicado no dj.meiodesligado.com

2 comentários :