Instagram

31 de maio de 2009

A cena independente aposenta a TV


Para novas situações, novas ferramentas. É assim que os envolvidos na cena cultural alternativa e/ou independente (chame como quiser) têm atuado em todas as etapas da produção cultural, seja devido à falta de recursos financeiros ou à escolhas conceituais e práticas.

A realidade atual demonstra que a base de toda a movimentação é a internet e, consequentemente, é na rede virtual que surgem ações distintas dos modelos vigentes até então.

No caso da produção audiovisual, nem mesmo o famoso "uma câmera na mão e uma ideia na cabeça" faz mais tanto sentido. Mesmo sem ter câmeras filmadoras à disposição, muitas pessoas estão produzindo com seus celulares e suas câmeras fotográficas. Meu vídeo-instalação V-idiossincrasia e as coberturas jornalísticas realizadas pelo Fórceps são claros exemplos.

Os equipamentos para filmagem estão mais baratos, em alguns minutos é possível fazer o download (legal ou não) de programas de edição e tutoriais estão disponíveis na internet, permitindo que com algum interesse se possa produzir vídeos mesmo sem possuir grandes conhecimentos técnicos na área.

É um esquema de produção e veiculação totalmente conectado à lógica de produção independente, no qual os custos são baixos, o acesso é democrático e a transmissão é descentralizada (mesmo que a maioria dos vídeos estaja hospedada no YouTube, a possibilidade de utilizar os códigos de incorporação permite a circulação dos mesmos pela internet).

Nesse sistema a TV tradicional faz pouco sentido. O que está sendo feito não são produções para o público em massa e na maioria dos casos não tem fins comerciais. Ao invés de lutar por espaço em uma mídia antiga, marcada por restrições técnicas e comerciais, os agentes da cena cultural alternativa estabelecem um um novo discurso baseado na plataforma digital, criando não só um novo modelo de produção, mas também uma nova estética (uma mistura de escolha conceitual e das restrições técnicas).

Nos próximos meses, a partir das mudanças que estão sendo elaboradas para o Circuito Fora do Eixo, ocorrerá um considerável avanço na organização e divulgação do conteúdo produzido. As chamadas "webtvs" dos coletivos integrantes do Circuito Fora do Eixo serão integradas (seguindo uma linha editorial pré-definida) em um programa, cobrindo as ações nacionais de forma coletiva. O piloto dessa ação segue abaixo:



__________________________

Alguns exemplos:

Documentário sobre o Coletivo Mundo
Que os coletivos de produção independente estão estabelecendo um novo modelo na cena cultural brasileira todo mundo sabe, mas até o momento são poucos os registros audiovisuais desse processo. Neste curta-documentário feito por alunos da Universidade Federal da Paraíba, o Coletivo Mundo, de João Pessoa, é apresentado e, apesar da baixa qualidade da imagem e (principalmente) do áudio, vale pelo registro de uma realidade que se repete por várias cidades do Brasil.



Cobertura do Observa e Toca pelo Lumo Coletivo
"Silvério Pessoa e Jack Rabujo dão sua visão de Musico Empreendedor, Vadu direto de Cabo Verde e Filipe Mukenga de Angola, foram a surpresa da noite, seguidos pelo enérgico show de Mestre Galo Preto e a fusão frevo-ska do Ska Maria Pastora"



Queijo Elétrico
Proa, Ricardo Koctus e Marcha da Maconha na primeira edição da TV Queijo Elétrico.

30 de maio de 2009

Festa no meu quarto (HOJE) para comemorar os 10 anos de NAPSTER!

Iml

Para entrar e participar você precisa trazer:

- uma daquelas coisinhas com lata de cerveja (seis ou doze, dependendo da qualidade da cerveja)

- mp3 player e/ou celular cheio de músicas legais pelas quais você não teve que pagar nada

- cuíca, fagote, ukelelê, banjo, sanfona, rabeca, sininho de vaca ou algum outro instrumento aparentemente ridículo para que possamos rir de você


Se você não é legal ou inteligente o bastante para a Iml, ao menos colabore e indique um endereço/ferramenta virtual para fazermos o download gratuito de mais alguns milhões de músicas.

29 de maio de 2009

A batida do trompetista punk em Copacabana (agenda literária)

Ele sentia como se estivesse em um show pop japonês, cercado por aberrações majestosas, bizarras e fascinantes, mas estava em um clube de Copacabana que, neste exato momento, era o mais próximo do inferno em que ele já tinha estado. Não sabia como tinha voltado da Lapa, só se lembrava da batida que ecoava em sua cabeça e dos corpos suados contra o dele. Sentia um gosto amargo como se algo permanecesse parado em sua garganta, gerando um fluxo contínuo de algo desconhecido.

Os dois dedos de metal da mão direita, o médio e o anelar, os mesmos que o tornaram um fenômeno no trompete ("o maior nome a surgir no jazz experimental contemporâneo desde que Luiz Caldas fez sua primeira incursão pelo gênero", dizia a crítica publicada no dia anterior), estavam soltos à cerca de dois metros à sua direita, longe o bastante para que ele, sentado no chão com as pernas estiradas e o torso curvado para trás, apoiando-se nas mãos, não os alcançasse, restando a ele apenas fitá-los sobre uma fralda geriátrica em que se encontravam, tentando desvendar que substância marrom-avermelhada, de consistência aparentemente gosmenta/plasmática, os cobria quase que por inteiro, deixando um breve espaço de metal à mostra.

Enquanto tenta pensar e descobrir o que lhe acontecera, é interrompido por uma mistura de Xuxa e Elke Maravilha, só que asiática, que lhe diz: "Parece que algum rabinho guloso andou trabalhando por aqui, uh?".

Uma explosão de impulsos elétricos ocorre em sua cabeça e tudo que ele consegue pensar é "onde será que enfiei o meu trompete?".

____________________

Inspirado em:

* Curumin e Guizado e "Japan Punx Show" @ Auditório Ibirapuera - São Paulo/SP
Data: dia 31 de maio de 2009
Horário: domingo, às 19h
Duração: 90 minutos (aproximadamente)
Ingresso: R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia-entrada)
Classificação Indicativa: Livre
Auditório Ibirapuera
Endereço: Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº - Portão 2 do Parque do Ibirapuera.
Capacidade: 800 lugares
Abertura da casa: 19h00
Abertura da platéia: 20h00
Informações: info@iai.org.br
Informações: (11) 3629-1014 - Marina/ 3629-1075

* BATIDA: festa batida, com música batida, música que deveria ser batida e não é, e música que não é nada batida e será daqui a um tempo (ou não).
Lista amiga: emailbatido@gmail.com, até as 18h do dia da festa.
Batedores de música: DJ Romolo e DJ Bruno (residentes) + DJ Millos (ritmosdigitais)
Dançarinos doidões: Johnny Montana + Mari Ana
Batedor de vídeo: VJ Sacanaggio

* Copacabana Club e Monique Maion no Inferno Club
Discotecagem: Marçal Righi (Move That Jukebox!)
Sexta, 29 de maio, a partir das 23h
Rua Augusta, 501 - Consolação - São Paulo, SP
R$ 10 (lista@infernoclub.com.br) e R$ 15 (porta)
Capacidade: 500 lugares
Censura: 18 anos
Estacionamento conveniado
(11) 3120-4140

* Noite Alavanca convida Copacabana Club e Milocovik
Discotecagem: Fabs Grassi (Festa Mágica)
Sábado, 30 de maio, a partir das 23h
Livraria da Esquina: Rua do Bosque, 1.254 - Barra Funda - São Paulo, SP
R$ 10 (aceita todos os cartões)
Censura: 18 anos
Capacidade: 180 lugares
Estacionamento no local
(11) 3392-3089

28 de maio de 2009

MP3 da semana: "Jack Queen"

DominatrixUma grande parte da crítica musical brasileira torce o nariz para a banda e a outra parte a desconhece. Mesmo assim, é inegável afirmar que a Dominatrix foi uma das mais importantes bandas femininas de rock alternativo/hardcore na cena underground brasileira dos últimos 20 anos. Com quase 15 anos de existência (formada em 1995), a Dominatrix foi a principal expoente do movimento riot grrrl no país (feminismo ligado ao punk/rock/hardcore) e esteve em pausa durante os últimos anos, retornando agora em 2009.

Ao longo desse período a banda mudou de formação algumas vezes, tendo a vocalista/guitarrista Elisa Gargiulo como único membro da formação original. Enquanto a banda esteve parada Elisa também tocou no Fantasmina, banda electro-punk com a VJ da MTV Luisa Omelete Micheletti.

"Jack Queen", faixa que selecionei, é do álbum mais recente da banda, Beauville, lançado em 2003. No início deste ano a Dominatrix colocou um novo EP para download na TramaVirtual, intitulado Quem defende pra calar.



Banda: Dominatrix
Música: "Jack Queen"
Ano: 2003
Cidade: São Paulo (SP)
Pra quem gosta de: rock alternativo, hardcore feminista, estética suja dos anos 90

26 de maio de 2009

Seus CDs à venda na Amazon

Do Miguel Caetano, de Portugal, no Remixtures:

"'Quem é que precisa de uma editora discográfica quando qualquer artista pode colocar à venda os seus próprios CDs na Internet?' Eis em poucas palavras a nova proposta da distribuidora digital TuneCore. Mas infelizmente parece que mesmo no novo ecossistema da música os intermediários continuam a ficar com o grosso do dinheiro.

A Amazon aliou-se à TuneCore para disponibilizar aos seus artistas e bandas um serviço de impressão de CDs a pedido através da plataforma CreateSpace lançada em Setembro de 2008 pela empresa de comércio electrónico.

Graças a esta parceria que entrará em vigor a partir de 1 de Junho os clientes da TuneCore terão que pagar apenas 31 dólares (cerca de 22 euros) para colocarem à venda no site da Amazon um CD composto por dez faixas durante um período de um ano.

Este montante engloba o custo de manutenção e alojamento dos CDs físicos (20 dólares), uma tarifa de 99 cêntimos por cada música mais outros 99 cêntimos para alojar o álbum online. O preço já inclui tanto a impressão, como a imagem de capa e os custos de envio postal do disco aos utilizadores.

O negócio parece atraente mas o problema é que apenas 40 por cento das receitas geradas com as vendas dos CDs vão para o bolso dos artistas, como aliás poderão aqui comprovar. Os restantes 60 por cento acabam na mão da Amazon.

A única vantagem é que o artista detém alguma margem de manobra em relação ao preço a cobrar por cada CD aos consumidores que pode ir desde os 8,98 dólares aos 19,98 dólares (6.40 e 14,30 euros, respectivamente). Se por um lado o artista apenas precisa de vender nove CDs ao ano para obter lucro, por outro há que ver que por cada CD vendido pelo menos cerca de 5,59 dólares (quatro euros) vão sempre para a Amazon. Ora, tendo em conta que um CD pode ser impresso por menos de um euro e meio, a margem de lucro da Amazon não será demasiado elevada? Por outro lado, a proposta da TuneCore e da Amazon não é lá muito vantajosa para quem quiser distribuir CDs a estações de rádio ou vendê-los à entrada dos concertos.

De qualquer forma, actualmente qualquer artista que esteja interessado em vender CDs no site da Amazon já pode fazê-lo por conta própria a troco de 4,95 dólares (3,50 euros) A este valor somam-se uma percentagem de 15 por cento das vendas numa loja eStore ou de 45 por cento das vendas no próprio site da Amazon."

(Foto: stonehouse segundo licença CC-BY-NC-SA 2.0)

25 de maio de 2009

Mistureba #7

Cobertura involuntária do Festival Goma de Música Independente
Recebi esse email (sutilmente editado) da Cacau, minha companheira de Fórceps:
"Galera, tô em uberlândia no II Festival Goma.
Vim com a galera do Cães do Cerrado, do Pegada. Eles são gente boa, tao super interessados em entender mais sobre o circuito e trouxeram a banquinha de cds e produtos.
E tá rolando com força o gomacard aqui. Até o restaurante é pago em gomacard.
Tá uma galera reunida aqui ralando junto. Os meninos do macaco bong estão fazendo a sonorização, o rodrigo do massa coletiva de são carlos tá fazendo as transmissoes da rádio, a Letícia, do megalozebu de uberaba tá dando uma força na produção também.
O festival tá sendo transmitido na rádio abrafin: www.abrafin.org, tá massa!"

Cao Guimarães e o Grivo no Oi Futuro (Rio de Janeiro)

24 de maio de 2009

Temporada de inscrições: Prêmio Sérgio Motta, Red Bull Music Academy, Oi Novos Brasis

Música eletrônica, tecnologia, experimentações digitais, ações sociais... os focos são distintos, porém conectados pela cultura.

O Prêmio Sérgio Motta (ao qual o Meio Desligado foi indicado no ano passado) se divide nas categorias Artes Interativas; Arte e Ciência; Artes do Corpo; Artes Sonoras; Imagem Digital e Animação Computacional e Visões de Rede, distribuindo um total de R$ 180 mil entre os premiados.

O Novos Brasis, do Instituto Oi Futuro, é um edital que possibilitará o patrocínio de projetos que trabalhem novas tecnologias sociais ligadas à tecnologia da informação e comunicação visando o desenvolvimento humano e social.

Já o Red Bull Music Academy, que será realizado em Londres entre 7 de fevereiro e 12 de março de 2010, é dedicado a músicos e produtores de música eletrônica em suas mais diversificadas vertentes. Durante esse período será realizada uma série de workshops, palestras, festas e shows, além dos trabalhos realizados nos estúdios montados especificamente para o projeto.

23 de maio de 2009

Publicação programada FAIL

20 de maio de 2009
Inscreva-se para o Savassi Festival 2009

Mais conhecido como "o festival de jazz da Savassi", o Savassi Festival 2009 acontecerá de 30 de julho a 2 de agosto em BH, mas antes disso abre espaço para que novos nomes do jazz e da música instrumental se apresentem no evento. O projeto "Novos Talentos do Jazz" permite que os artistas interessados se inscrevam e até 8 deles serão selecionados pelo júri escolhido pelos organizadores. Confira os detalhes abaixo:

"As inscrições para participar do NOVOS TALENTOS DO JAZZ podem ser feitas no CAFÉ COM LETRAS (Rua Antônio de Albuquerque, 781 - Savassi - Belo Horizonte). Mais informações podem ser obtidas pelos telefones 31.2555-1610 e 31.8492-1167, pelo email bruno@cafecomletras.com.br ou pelo site www.savassifestival.com.br até o dia 23 de maio.

REGULAMENTO
As bandas interessadas em participar do NOVOS TALENTOS DO JAZZ deverão apresentar no ato da inscrição os seguintes materiais: três CDs contendo quatro músicas cada, releituras ou próprias; um CD contendo o release da banda, uma fotografia em formato digital em alta resolução e currículo dos músicos. Os materiais devem estar lacrados em envelope pardo e aos cuidados de Bruno Braz Golgher. O edital completo está disponível em www.cafecomletras.com.br e em www.savassifestival.com.br.

A SELEÇÃO
Serão pré-selecionadas até oito bandas para participarem dos Pocket Shows seletivos, nos dias 30 e 31 de maio, no CAFÉ COM LETRAS. No dia do evento, cada banda se apresentará por 30 minutos para o júri formado pelo estudioso do jazz, Ivan Monteiro, pelo músico e professor de música Giovanni, da Pro-Music e pelo coordenador do Savassi Festival, Bruno Golgher. De zero a oito bandas podem ser escolhidas para participar do Savassi Festival 2009.

O Savassi Festival 2009 integra a programação oficial do "Ano da França no Brasil" e está programado para acontecer nos dias 30 e 31 de julho e 1 de agosto em oito casas noturnas da cidade e no domingo, dia 2, nos quatro quarteirões da Rua Antônio de Albuquerque, entre a rua Sergipe e a Praça da Savassi, e da rua Alagoas, entre a avenida Getúlio Vargas e a avenida Cristovão Colombo.

Inscrições:
Data: até 23 de maio
Horário: de segunda a quinta, das 12h às 0h, sexta e sábado, das 12h a 1h e no domingo, das 17h às 23h.
Local de inscrição: CAFÉ COM LETRAS
Endereço: Rua Antônio de Albuquerque, 781 - Savassi - Belo Horizonte- MG
Outras informações: (31) 2555-1610 e (31) 8461-2352,
Email: bruno@cafecomletras.com.br"

- - - - - - - - - -

21 de maio de 2009
Festival GOMA de Música Independente

Esta semana acontece em Uberlândia a segunda edição do Festival Goma, realizado pelo coletivo de mesmo nome, que reúne algumas das principais bandas alternativas de Minas Gerais atualmente e celebra o lançamento oficial do Goma Card, moeda social/complementar do coletivo.


21/05 quinta
01h00 THE DEAD LOVERS TWISTED HEART (MG)
00h00 MULTIPLEX (SP)
23h00 OPHELIA AND THE TREE (MG)
Discotecagem: YAN (Goma)

22/05 sexta
01h45 VANDALUZ (MG)
01h00 PORCAS BORBOLETAS (MG)
00h15 MONNO (MG)
23h30 LENZI BROTHERS (SC)
22h45 GRANVIZIR (MG)
22h00 KILLER KLOWNS (MG)
Discotecagem: YOUNGMAN (Independência ou Marte!/SP)

23/05 sábado
01h45 "DOM CAPAZ" (MG)
01h00 MAMELO SOUND SYSTEM (SP)
00h15 VENUS VOLTS (SP)
23h30 2 COINS AND A BOMBSHELL (SP)
22h45 AURA... (MG)
22h00 A170 (MG)
Discotecagem: LETH (Megalozebu-Uberlândia)

24/05 domingo
21h00 MACAKONGS 2099 (DF)
20h15 LYCANTHROPY (MG)
19h30 CÃES DO CERRADO (MG)
18h45 KALLIMA (MT)
18h00 ANIMAIS NA PISTA (MG)
Discotecagem: ALÊ ROCK 'N' ROLL!

19 de maio de 2009

Pessoas bonitas, idiotas e feias para sempre

Você chama isso de burrice. Eu chamo de antropologia da burrice.





E por último, já viu o Feios para sempre? Não é idiota e nem é legal (Frank Jorge é uma das coisas mais superestimadas por jornalistas musicais brasileiros), mas o nome do blog encaixou belezinha no título deste post.

Pois é, não tem nada a ver, mas quando eu teria outra chance de fazer piadinha com esse nome?

15 de maio de 2009

A melhor coletânea globalizada que você irá ouvir este mês: Music Alliance Pact de maio!

Até o momento esta é, sem dúvida, a melhor edição do Music Alliance Pact. Incrível como um grande número de ótimas músicas, dos mais diversos países, foram selecionadas este mês. A melhor coisa que você tem a fazer é conferir as descrições das músicas abaixo, baixar todas as músicas reunidas em um arquivo compactado e escolher as que mais gosta (e apagar as que não significarem nada para você).

As minhas favoritas são a excelente banda argentina Les Mentettes Orchestra, a banda alemã de "funk carioca" (ou funk de Munique, rs) Schlachthofbronx, os recifenses da Banda de Joseph Tourton, o sueco Robert Svensson, a sul-coreana Stretching Journey e o canadense Green Go, entre outros. São opções para os mais diversos gostos.

Para quem ainda não sabe o que é o Music Alliance Pact, segue a velha descrição que usei em edições anteriores:
Trata-se de uma rede formada por blogs de 25 países que escrevem sobre a cena musical independente local. No dia 15 de cada mês publicamos nossa seleção com uma música de cada país, republicada por todos os blogs que formam a rede. Dessa forma, pessoas nos mais diversos locais do mundo têm contato com uma produção musical alternativa, descentralizada e de qualidade.

Como sempre, aos poucos, de acordo com minha disponibilidade, traduzo os textos escritos pelos membros estrangeiros da MAP.

ALEMANHA: Blogpartei
SchlachthofbronxGood To Go
Schlachthofbronx criou um novo gênero musical chamado "Munich bass", filho bastardo do Kuduro, baile funk, dub e dancehall, mas que também apresenta elementos do folk bavariano e synthpop. "Good To Go" nunca foi lançada oficialmente mas tem animado o público durante os shows da banda pela Europa central.

ARGENTINA: Zonaindie
Les Mentettes OrchestraHold On
Les Mentettes é uma banda de pop psicodélico que acaba de lançar um EP com cinco músicas cheias de arranjos orquestrados conduzidos por Manuloop, antigo membro da Orquesta de Salón. O EP está disponível para download gratuito, então, se você gostar de "Hold On" você pode baixar as outras faixas legalmente sem se preocupar. Atualmente a banda tem se apresentado junto a uma orquestra completa em diversas casas de Buenos Aires.

AUSTRÁLIA: Who The Bloody Hell Are They?
Jonathan BouletA Community Service Announcement
Apenas recentemente descobri o talentoso Jonathan Boulet, pela internet, e logo depois de ouvir esta música comprei seu álbum no iTunes. É impressionante que o artista de 20 anos tenha gravado e produzido tudo em sua garagem. Ele promete um grande futuro.

BRASIL: Meio Desligado
A Banda de Joseph Tourton#3
A Banda de Joseph Tourton tem apenas algumas poucas músicas disponíveis na internet e um EP lançado no ano passado, com três músicas, mas já se enquadra entre as mais interessantes da nova geração de bandas alternativas brasileiras. Suas músicas instrumentais são uma espécie de próximo passo na história do manguebit, passando pelo pós-rock, jazz e influências regionais, sempre com muita emoção, originalidade e balanço.

CANADÁ: I(Heart)Music
Green GoBrains For Breakfast
Durante cerca de um ou dois anos meus amigos de Toronto constantemente me falavam sobre o Green Go e agora que seu álbum de estreia, Borders, foi lançado, é fácil descobrir o motivo disso. Conforme pode ser conferido em músicas como "Brains For Breakfast", a banda faz um pop pegajoso cheio de vocais gritados em coro e riffs ruidosos que soam como se criados para grandes shows marcados pela diversão e suor.

CINGAPURA: I'm Waking Up To...
The Fire FightFires At Night
The Fire Fight é uma banda de indie rock que colocou fogo na cena local com sua musicalidade incendiária e suas letras sinceras. "Fires At Night" é a primeira faixa da demo da banda, The Green EP. Com uma pegada indie guitar rock que combina a intensidade do Bloc Party e a levada poética do The One AM Radio, "Fires At Night" leva o ouvinte por seu fervor e, como um lento forno ligado, purifica a experiência. Talvez a melhor coisa dessa música seja seu otimismo lírico em um mundo marcado pelo niilismo, enquanto o vocalista Josh Tan invoca que a música é para "a esperança que queima em seus olhos" (the hope that burns in your eyes).

CHILE: Super 45
MutroneBristol
Uma mistura de experimentalismo, psicodelia e improviso são os elementos básicos a partir dos quais Mutrone constroi sólidos muros sonoros compreendendo samples, efeitos e reminiscências da sonoridade mecânica do krautrock. Com dois álbuns lançados, Oscillatore e Centinela, ambos registrados através do Creative Commons, os quatro membros do Mutrone descobriram um excitante modo de trazer os sons reais da cidade para dentro da máquina.

CORÉIA DO SUL: Indieful ROK
Stretching Journey060
Stretching Journey é uma banda de pós-punk cujo primeiro álbum, homônimo, foi lançado no mês passado. A banda não tem medo de misturar diversos estilos em suas músicas e como consequência do modo de produção lo-fi, várias canções apresentam uma ligeira sonoridade psicodélica. "060" é a faixa de abertura do álbum, com uma progressão e batidas influenciadas por Los Bunkers, enquanto o estilo do refrão é inspirado pela banda coreana de dance pop Koyote.

DINAMARCA: All Scandinavian
SinusstøvWho Am I?
A tradução do nome significa "pó de seios", mas não há nada de empoeirado no som feito por Claus Pedersen e Søren Friis Dam. "Who Am I?"é um exuberante electro banhado na melancolia com a qual os escandinavos vivem. Mais uma prova do incrível momento vivido pela cena eletrônica dinamarquesa.

ESCÓCIA: The Pop Cop
BoycottsBeat On The Dancefloor
Boycotts existe há pouco mais de um ano mas não é surpresa alguma a empolgação que geram nas pessoas. O quarteto de guitar-pop de Glasgow aperta todos os botões certos, mas o às na manga é a encantadora vocalista Stina Tweeall e sua exuberância jovial, alida às suas letras sobre corações partidos.

ESPANHA: La Página De La Nadadora
SundaeArte y Ensayo
The Field Mice, My Bloody Valentine, The Radio Dept. e The Cure são quatro boas referências para essa banda que foi selecionada pelo famoso selo Shelflife ao lançar sua segunda demo. "Sundae" é como o melhor do shoegaze pop erdado da Sarah Records, porém feito em Seville.

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA: I Guess I'm Floating
Lands & PeoplesAwake
Baltimore-based Lands & Peoples seem to have a knack for hypnotherapy. With a commanding ethereal ambience and gorgeous catatonic tensions throughout, Awake is an eye-opener from start to finish. You'll ask, "How have I not heard of them?" and "I can't believe they aren't signed!" Well, believe it. There's an album in the works coming out later this year (perhaps self-released), but for now you can listen to more gems at their MySpace page.

FINLÂNDIA: Glue
Delay TreesDesert Island Song
O quarteto de indie-pop Delay Trees acaba de lançar um EP com sete canções chamado Soft Construction. "Desert Island Song" é a faixa de abertura e o início de uma viagem lúdica por tenras melodias pop e um pouco de psicodelia. É um início bastante promissor para a banda.

FRANÇA: ZikNation
WalterLe Dernier Bastion
No início eles eram dois e tocavam em parques, festivais e casas de shows. Seis anos e três músicos depois, Walter continua circulando pelas estradas francesas oferecendo uma saborosa mistura de reggae, blues e folk, espalhando mensagens de amor, respeito e paz. Eles estarão em estúdio novamente no fim do ano e gravarão seu novo álbum.

INGLATERRA: The Daily Growl
Blue RosesDoubtful Comforts
Mais um mês e aqui estou eu novamente com meus pensamentos ligados ao folk, saindo de Londres em destino a Yorkshire, lar de Laura Groves. Recentemente ela alterou seu nome para Blue Roses e alançou um ótimo álbum pela XL. Entre todas as cantoras folk que apresentei aqui e no meu blog, ela provavelmente é a melhor.

ISLÂNDIA: I Love Icelandic Music
Retro StefsonPapa Paulo III (Re-edit version)
Retro Stefson foi criada em 2006 por um grupo de oito adolescentes, amigos de escola em Austurbæjarskóli. Eles fazem músicas pegajosas, semi-pop/semi-rock e ótimos shows. No ano passado lançaram o primeiro álbum da banda, Montaña, pelo selo Icelandic Kimi Records. As músicas da banda são cantadas em inglês, espanhol e islandês.

IRLANDA: Nialler9
Super Extra Bonus PartyRadar
O primeiro single do segundo CD do Super Extra Bonus Party, intitulado Night Horses, parece uma mistura de Cadence Weapon com uma banda de electro-hop. É um bom caso de banda que não gosta de se manter fixa em um estilo por muito tempo. Night Horses também tem pop, folk acústico, rock instrumental e eletrônica, com a participação de vocalistas convidados como Mr. Lif, R.S.A.G., May Kay (do Fight Like Apes), Ann Scott e Heathers.

ITÁLIA: Polaroid
Buzz AldrinSmall Bad Talk With Koala Friends
Ritmos obssessivos, guitarras nervosas, vozes estranhas, sintetizadores sujos e canções que estranhamente são belas, mais do que simplesmente a soma de suas partes. Pense no som feito pelo Liars, Wire, Pere Ubu ou não pense: apenas dance. Este jovem trio mostra muita força ao vivo e está melhorando a cada show.

MÉXICO: Club Fonograma
Mr. RacoonFerry 3
Mr. Racoon é um dos vários projetos de Roberto Polo, além do 60 Tigres and Fuck Her, Or The Terrorists Win e é, de longe, o mais charmoso até o momento. Sua música apresenta o melhor de um prolífico compositor que, ao contrário de como suas canções podem soar, é um maximalista fazendo uso da produção de baixa fidelidade para alçá-la a um novo patamar. "Ferry 3" é do seu terceiro álbum, Katy, lançado no início deste ano pelo site da Delhotel Records.

NOVA ZELÂNDIA: Counting The Beat
The Sing SongsPamphlet Baby
The Sing Songs sing songs, saccharine sweet pop songs. What gives them their staying power are the lyrics. Where you might expect girl loves boy, boy loves girl, instead you get the story of a woman dealing with the death of her baby by walking the streets with a pram, delivering pamphlets. To date the band don't have any releases but this song has been included on a compilation issued by Real Groove magazine to celebrate New Zealand music month.

NORUEGA: Eardrums
MaribelFlesh & Blood
Oslo-based Maribel released their long-awaited and brilliant debut Aesthetics only a few days ago, and the Norwegian critics gave them full scores in the reviews. The band play dreamy, noise-drenched, multi-layered shoegaze with almost psychedelic elements. There are obvious references in their sound to bands like My Bloody Valentine, Slowdive, Spacemen 3, Pale Saints and even The Velvet Underground, but Maribel definitely do their own thing and they do it their own way. Maribel and Aesthetics is highly recommended, and will be this Norwegian blogger's soundtrack to the spring of 2009.

PERU: SoTB
Diablos AzulesPorno Music
It is time for a classic night: trumpets, breaks, ska and contagious melodies that immerse people in the most insane of their intentions. It is perhaps no surprise the band are called Diablos Azules ("Blue Devils"). Porno Music is the best legacy of their existence – an old song which is still fresh and gets revived every time someone goes to a party in Lima.

PORTUGAL: Posso Ouvir Um Disco?
The TiMariaPretty Girls Are Pretty High
Last year, a man was organizing a gig with a three-band bill but had just two booked. When he was creating the poster, he made up the name TiMaria and included this fictitious group as the third act of the night. (Un)fortunately, he didn't erase the name before the posters went to press and ended up with a stock of paper to throw away. However, he persuaded his friends, André Moinho and Nuno Rancho, who live in small villages around the city of Leiria, to form a band in 15 days so that he could use the posters and save the planet. And so, with the addition of Nuno's younger brother, Luis Jerónimo, The TiMaria ("Aunt Maria") was born. Their debut record will be released in September or October.

ROMÊNIA: Babylon Noise
SemiosisRecovery
Semiosis é um projeto de post-rock/ambient/electronic de Seidiu Alexandru e Serban Ilicevici, dois jovens de Craiova. Eles acabam de lançar seu álbum de estreia, Pictural, que tem recebido uma resposta bastante positiva. Pictural é considerado o primeiro álbum romeno de pós-rock e está disponível para download grátis – para quem gostar dessa música, é algo obrigatório.

SUÉCIA: Swedesplease
Robert SvenssonI Was Summer
Eu não posso dizer muitos detalhes biográficos de Robert Svensson – ele é um mistério para mim. Mas posso dizer que neste instante sou fã da força de "I Was Summer". A canção existe para compartilhar esses dois trechos de sua letra: "Eu era o verão e você era novembro" (I was summer and you were November) e "Eu era arquitetura e você era uma bola de demolição" (I was architecture and you were the wrecking ball).

Download das 25 músicas em um único arquivo.

13 de maio de 2009

Uma exposição remixada

No ano passado a exposição Simbio reuniu 4 artistas de diferentes áreas (Grace Passô, artes cênicas; Roberto Bellini, vídeo; Fred Paulino, arte urbana; e Cláudio Santos, design) apresentando instalações audiovisuais fortemente ligadas às ferramentas digitais e experimentações de formatos e linguagens. Agora, os trabalhos serão retrabalhados ao vivo na Simbio Remix, mistura de festa e exposição que acontece amanhã, 14 de maio, em um galpão localizado no hipercentro de Belo Horizonte.

Além das apresentações, haverá a participação do DJ Jeff Santos (ex-Motor Music, idealizador do projeto), do VJ Fernando Rabelo, do designer Lucas Mafra, do músico Fabiano Fonseca e do convidado especial da noite, o artista multimídia Mário Ramiro.

Confira a descrição de cada trabalho que será apresentado amanhã:
A diretora de teatro Grace Passô, que na Casa do Baile apresentou o vídeo instalação: “Cinema de Visibilidades Íntimas”, desta vez intervém com a filmagem e transmissão, ao vivo, de detalhes do público, gestos, pequenos objetos, insetos e outras nuances do espaço.

O artista visual Fred Paulino, que apresentou no SIMBIO a obra “Conto Concreto” – uma narrativa em vídeo, com palavras escritas sobre a cidade através de laser – irá remixar o vídeo original, apagando as inscrições do espaço público e, ao mesmo tempo, escrevendo e desenhando novas formas no espaço do evento, com a ferramenta de projeção Tagtool.

A obra do designer Cláudio Santos na Casa do Baile foi o “Almanaque de perdas, fracassos e transformações”, uma instalação audiovisual interativa, onde o público participou deixando diversas mensagens, desabafos, opiniões e outros textos. No SIMBIO REMIX, o artista apresentará, em áudio e vídeo, o conjunto desses recados, que constituem o Almanaque.

O vídeoartista Roberto Bellini, responsável pela vídeo-instalação “Acéphale”, reapresentará os vídeos originais com novo áudio e ruídos produzidos ao vivo. O trabalho representa um olhar sobre o espaço físico e imaginário dos motéis, enquanto espaço de um erotismo amorfo.

Abrindo e encerrando a live performance, o paulista Mário Ramiro, que no evento recebe a alcunha de “Maestro MC Ramiro”, também utilizará computadores para criar e projetar a sua própria edição dos trabalhos, misturando imagens e sons criados pelos quatro artistas.




SIMBIO REMIX
Data: 14 de Maio, quinta-feira
Horário: A partir das 22h
Local: Espaço Cultural 104 (Praça Rui Barbosa, em frente à Pça da Estação, Centro, BH)
Entrada: Gratuita
Informações: (31) 3227.7331

11 de maio de 2009

Sons do meio do Brasil

Por Augusto Pereira *

Eu achava que nenhum estado do Brasil era menos falado na mídia do que Sergipe. Eu, recifense desde que nasci, morava perto da terra natal de Maguila e Lacertæ e pouco ouvia falar de Sergipe. Mas eu tava enganado. Desde que vim morar na Amazônia de Mato Grosso, vi que Milton Nascimento tava mais do que certo em afirmar que as cidades estão de frente para o mar e de costas pro Brasil. Não quero fazer levantamento histórico da ocupação litorânea, mas os leitores molotovianos pouco sabem que o estado de Mato Grosso que existe agora é uma invenção recente, de trinta anos.

Pera, vou parar essas considerações amplas e conjecturais pra falar de música e cultura pop em Mato Grosso. Se bem que o povo brasileiro precisa voltar pra sala de aula de Geografia pra aprender que Campo Grande é capital de Mato Grosso do Sul. Tem um trolho de motivos pra falar de Cuiabá, Sinop, Barra do garças... cidades com música e público pronto pra sair de casa. Cuiabá vive um momento muito bom de produção e difusão musical.

SIRIRI E CURURU
Pra pernambucanos, isso parece comida, mas são os nomes de uma dança e um ritmo da Baixada Cuiabana. A cultura dessa região é diferente de todo o estado. É o que se pode chamar de cultura matogrossense propriamente dita. Durante duzentos anos, a ocupação do estado se limitava à Baixada. Nos anos militares é que o progresso mandou invadir a Amazônia e o cerrado pra criar boi e plantar soja. Com o progresso das monoculturas, o estilo de vida da Baixada foi desvalorizado e as expressões culturais também. Em outras partes, no Planalto Central, a Folia de Reis e o Boi do Cerrado também andam penando. Mas um movimento de cururueiros tem feito a cuiabania se orgulhar da tradição. Um festival de dois dias de apresentação à beira do rio Cuiabá tem lotado as arquibancadas de aplauso. Como recifense que sou, senti muita falta de eventos de rua em Cuiabá. Claro que é preciso ação da prefeitura pra isso acontecer (até demorou), mas, depois que o povo toma conta, fica difícil tirar.

CIRANDA CUIABANA
Outro espaço interessante é o Projeto Ciranda, que ensina música pra crianças e jovens de Cuiabá. A orquestra de sopro do Ciranda é rica em naipes e percussão. A direção musical do espaço é do maestro da Orquestra de Câmara de Mato Grosso, Leandro Carvalho. O barato do Ciranda é que l á também é um Ponto de Cultura, com seu estúdio montado, pronto pra gravar, disponível pra quem quiser chegar lá com sua música.

CÚBICOS
A esperteza de Pablo Capilé e seus parceiros do Espaço Cubo, em Cuiabá, tem feito diferença não só na produção do grande festival que é o Calango e nas noites da Casa fora do Eixo, mas também na articulação dos Festivais Fora do Eixo. O Calango agora é quase um dragão de Komodo, tem dois palcos, nenhum inter valo, infra montada só pro evento, bandas de todas as regiões do país, debates... um evento pra atrair quem quer conhecer o novo.

Durante o Calango o som comia solto e a Casa Brasil estava lá com um telecentro e várias pessoas usando os computadores com softwares livres instalados. Eduardo Ferreira, do Kashmir (banda performática, rock, erótica, cínica e com muito bom humor), hoje coordena a Casa Brasil de Cuiabá, que atua com políticas públicas e culturais e não parece querer sair do meio tão cedo.

SOFTWARE, AGRICULTURA, MÚSICA E VÍDEOS LIVRES
Falando em software livre, não posso deixar de falar do Ponto de Cultura Norte de Mato Grosso (PC Nortão). A maior parte dos Pontos de Cultura está em áreas urbanas, periféricas, com culturas urbanas. A entidade proponente do PC Nortão é o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Lucas do Rio Verde, que tem como associados gente acampada, assentada e trabalhadores rurais assalariados. Esse público é predominantemente de migrantes do Sul do Brasil; aqui ou ali, gente de São Paulo, Maranhão, Minas Gerais e até alguns mato-grossenses. Como é que vamos falar da cultura dessa região, se a maioria das pessoas é de outras regiões? Falando de todas.

Essas diferenças fazem esse Ponto de Cultura ser muito especial, além disso, entramos de cabeça no software livre. Software livre, reforma agrária, vídeo popular, rádio comunitária e agroecologia: uma mistura de idéias e conceitos que tem dado certo. Podemos dizer que deu certo principalmente pelo resultado da Oficina de Áudio, finalizada dia 20 de outubro. Vários artistas populares vieram ao Sindicato dos Trabalhadores Rurais gravar suas próprias composições.

Agricultoras e agricultores assentados, estudantes e moradores de Lucas do Rio Verde aprenderam sobre elementos da linguagem musical, aspectos físicos do som e técnicas de gravação em estúdio. Durante quatro dias, a sala do presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais foi transformada em estúdio de gravação. Sob a orientação de Renato Cortez, músico e produtor musical que veio de São Paulo para dar a oficina. Os artistas se revezaram à frente do equipamento. Dez faixas foram gravadas em quatro dias, mais duas j á produzidas no PC Nortão
foram adicionadas às novas. O trabalho foi registrado no disco Sons do Brasil Central. As faixas foram liberadas para cópia e distribuição.

CULTURA DIGITAL
Nessa disseminação de cultura por vias zero-e-um, o Cultura Digital entra como um programa governamental ao mesmo tempo que não é governo. Cultura Digital são entidades parceiras, Gesac, Casas Brasil e entidades que nem recebem recurso do MinC como o Espaço Cubo ou o Poraquê, em Santarém. Também há indivíduos não-governamentais colaboradores.

Um dos conceitos do Cultura Digital é a generosidade intelectual. Complicado pra quem anda preocupado com a pirataria, mas é o seguinte: se você registra sua criação em copyright, todos os direitos da obra são seus e quem pegar é ladrão. Se você cria um registro que diz que os outros podem copiar sua obra, desde que não lucrem com isso, você vai divulgar sua criação. Ninguém vai ter medo de baixar da internet. O Radiohead criou um disco que você pode baixar inteiro do site oficial da banda, por exemplo.

É baseada na generosidade intelectual que são desenvolvidos os softwares livres. Por isso aposto na cultura digital como elemento transformador das “cenas musicais” (não usei aspas até agora, mas essa expressão merece) longe das capitais litorâneas. Comecei falando de Bituca e volto a ele: aqui vive um povo que é mar e que é rio e seu destino é um dia se juntar.

* Augusto Pereira é coordenador do Ponto de Cultura Norte de Mato Grosso e coordenador de comunicação do projeto de fortalecimento da participação social no Plano BR 163. Texto publicado na revista Coquetel Molotov n°4. Ilustração de DW Ribatski.

10 de maio de 2009

MP3 da semana: "A Força da Sugestão"


O trabalho de Parteum tem um nível de elaboração e qualidade difícil de ser encontrado no hip hop nacional. Suas bases instrumentais são diversificadas e apresentam vários elementos de estilos como o easy-listening e jazz, aliados, claro, à estética hip hop. Deixando de lado letras fáceis e rimas previsíveis, "A força da sugestão" é extremamente viciante pra quem não tem preconceitos em relação ao estilo (ou uma boa porta de entrada para quem ainda não gosta de nada de hip hop).

Parteum - "A força da sugestão"


Banda: Parteum
Música: "A força da sugestão"
Ano: 2008
Cidade: São Paulo (SP)
Pra quem gosta de: hip hop bem elaborado e com letras inteligentes

7 de maio de 2009

Móveis Coloniais de Acaju: C_mpl_te

Uma das iniciativas mais interessantes e que busca novos formatos de funcionamento na era da música digital no Brasil, o Álbum Virtual da Trama chega à sua quinta edição com o aguardado novo CD do Móveis Coloniais de Acaju, C_mpl_te. O álbum tem lançamento oficial amanhã, dia 8 de maio, mas a assessoria da Trama resolveu entrar em contato com alguns blogs selecionados e liberar o download com antecedência.


O download gratuito do álbum (além dos trabalhos lançados anteriormente no projeto, Donkey, do CSS, Artista Igual Pedreiro, do Macaco Bong, e Chapter 9, de Ed Motta - o álbum de Tom Zé está esgotado) é patrocinado pela Volkswagen e pode ser feito no endereço albumvirtual.trama.com.br.

Produzido por Carlos Eduardo Miranda, C_mpl_te possui 11 faixas inéditas e o single "Sem palavras", lançado originalmente em 2007. O álbum é o sucessor de Idem, de 2004, que vendeu mais de 5 mil cópias e colaborou para que a banda se tornasse uma das maiores do circuito independente brasileiro.

Sobre o Álbum Virtual
"O projeto Álbum Virtual teve início em 2008 com o lançamento de Danç-Êh-Sá ao Vivo, de Tom Zé. Na seqüência, foram lançados: Artista Igual Pedreiro - Macaco Bong; Donkey - Cansei de Ser Sexy e Chapter 9 - Ed Motta. Já foram registrados mais 14 mil downloads.

Pelo Álbum Virtual é possível baixar discos inteiros, incluindo encartes, vídeos e extras, tudo de maneira legal e gratuita. No formato proposto pela Trama, o artista passa a ser remunerado pelos patrocinadores do site que hospeda a obra. Sem, contudo, interferir no trabalho artístico.

O conteúdo disponibilizado pelo Álbum Virtual Trama não possui proteção DRM e o usuário pode deixar o arquivo no computador, colocar em um CD, no pen-drive ou em outras mídias. O pacote para download traz uma série de facilidades para quem quiser, por exemplo, transferir os arquivos direto para o iPod ou iTunes."

5 de maio de 2009

Programação do Bananada 2009

SEXTA FEIRA 22 / MAIO
02:00h Diego de Moraes e o Sindicato (Goiânia - GO)
01:20h Barfly (Goiânia – GO)
00:40h Rubinho Jacobina (Rio de Janeiro – RJ)
00:00h Filomedusa (Rio Branco - AC)
23:30h The Backbiters (Goiânia - GO)
23:00h Viana Moog (Porto Alegre – RS)
22:30h Perito Moreno (Goiânia - GO)
22:00h The Dead Lovers Twisted Hearts (Belo Horizonte - MG)
21:30h Arco Duo (São Paulo – SP)
21:00h Super Stereo Surf (Brasília - DF)
20:30h Shakemakers (Goiânia – GO)
20:00h The Pro (Brasília – DF)
19:40h Aircraft (Goiânia - GO)
19:20h Postfive (Goiânia – GO)

SÁBADO 23 / MAIO
02:00h Black Drawing Chalks (Goiânia - GO)
01:20h Johnny Suxxx & The Fuckin Boys (Goiânia - GO)
00:40h Damo Suzuki (ex - Can) (Alemanha)
00:00h Lenzi Brothers (Balneário Camburiú – SC)
23:30h MQN (Goiânia - GO)
23:00h Multiplex (São Paulo - SP)
22:30h Pop Armada (São Paulo - SP)
22:00h ZeroDoze (Porto Alegre – RS)
21:30h Nancy (Brasília - DF)
21:00h Technicolor (Goiânia – GO)
20:30h Hey Hey Hey (Porto Velho - RO)
20:00h Sangue Seco (Goiânia – GO)
19:40h T.S.A. (Jataí - GO)
19:20h Girlie Hell (Goiânia – GO)

DOMINGO 24 / MAIO
00:40h Mugo (Goiânia - GO)
00:10h Bang Bang Babies (Goiânia - GO)
23:40h The RiverRaid (Recife - PE)
23:00h Venus Volts (Campinas - SP)
22:30h The Brown Vampire Catz (Londrina - PR)
22:00h Mamelo Sound System (São Paulo - SP)
21:30h Spiritual Carnage (Goiânia – GO)
21:00h Projeto Manada (São Paulo - SP)
20:30h Fígado Killer (Goiânia - GO)
20:00h Versus AD (Goiânia – GO)
19:30h Grupo Porco de Grindcore Interpretativo (Belo Horizonte - MG)
19:00h Boddah Diciro (Palmas - TO)
18:40h Sattva (Goiânia – GO)
18:20h MC Dyskreto (Goiânia - GO)

Local: Centro Cultural Martim Cererê, Goiânia (GO)

4 de maio de 2009

A nova era dos festivais

José Flávio Júnior, em matéria para a revista Bravo! deste mês, faz um paralelo entre a atual safra de festivais independentes (organizados, como ressaltado na própria matéria, majoritariamente fora do tradicional eixo Rio-São Paulo) e os festivais de música da década de 1960.

Segue um trecho:
"No essencial, os festivais do século 21 têm a mesma função dos realizados na década de 1960: revelar novos talentos. No restante, e a começar pelo fato de que não são competitivos, são completamente diferentes. Essas diferenças estão ligadas às mudanças que o mundo da música experimentou nos últimos anos. A década de 60 do século passado foi o período em que a televisão se consolidou como principal meio de divulgação de música popular, superando o rádio. Os festivais eram promovidos por emissoras como a Tupi e a Excelsior. Quando apareciam na televisão, artistas como Caetano Veloso e Chico Buarque passavam a fazer parte de uma espécie de mainstream da música e, assim, conseguiam contratos com grandes gravadoras. Hoje o conceito de mainstream não existe mais. A internet vem substituindo o rádio e a televisão como principal meio de divulgação de música. As gravadoras enfrentam dificuldades financeiras, e os artistas, novos ou não, sobrevivem sobretudo de shows. É justamente esta uma das principais funções dos novos festivais: ver quem se sai bem no teste do palco."

Outro ponto da matéria vale para estimular as bandas que, ao se debaterem com os custos para se apresentar nos festivais independentes (uma vez que a maioria deles não dispõe de verba para custear as passagens dos artistas), acabam desistindo de viajar:
"Para uma banda iniciante, os festivais podem ser estratégicos, uma vez que reúnem tribos distintas na plateia. O grupo de rock Móveis Coloniais de Acaju, de Brasília, resolveu em 2005 que investiria tudo nesse circuito, com os nove integrantes custeando o alto preço das viagens. A banda começou tocando, nos piores horários, em festivais como o extinto Curitiba Rock Festival. Graças a performances interativas e arrebatadoras, o Móveis foi conquistando fãs e hoje é chamado para ser a atração principal em vários eventos. Os produtos com o logotipo do grupo disponíveis nas barraquinhas vão de abridores de garrafas até espelhinhos femininos. Tanto destaque nessa cena rendeu um contrato com a gravadora Trama, que lança o segundo álbum dos brasilienses neste mês."

3 de maio de 2009

O mercado musical brasileiro em 2008

Se tivéssemos estilos de vida um pouco mais Amélie Poulain, valorizando as pequenas coisas da vida, todos os dias, ao acordar, agradeceríamos pela existência da internet, banda larga e programas de compartilhamento de arquivos. Afinal, sem eles a trilha sonora de nossas vidas seria extremamente mais chata, menos diversificada e nos custaria pequenas fortunas. Lendo o relatório anual da ABPD - Associação Brasileira de Produtores de Discos, "Mercado Brasileiro de Música 2008", esse é o primeiro pensamento que me vem à mente enquanto observo a lista de CDs e DVDs mais vendidos no ano passado, com nomes como Padre Fábio de Mello (responsável pelo CD mais vendido no Brasil em 2008, Vida), Padre Marcelo Rossi (com os dois volumes de Paz Sim, Violência Não entre os 10 CDs mais vendidos e também na lista de DVDs campeões de venda) e outros grandes nomes da música brasileira que nos dão orgulho de ser brasileiro: Claudia Leitte, Xuxa, Victor e Leo, Sandy e Júnior, NX Zero...

Além desses dados superempolgantes, o balanço da ABPD traz algumas informações interessantes, como a do crescimento de 6,5% no valor movimentado pelo mercado fonográfico brasileiro em 2008 (R$ 359,9 milhões) e o aumento na venda de CDs e DVDs na ordem de 4,5% em relação a 2007. O mercado de música digital, grande esperança para boa parte do mercado, apresentou o maior crescimento: 79,1% em relação a 2007 - bem à frente da média mundial no setor, de 25% no mesmo período.

Gráfico da venda de música digitalAtualmente o mercado digital representa 12% do faturamento da indústria fonográfica brasileira, seguido pela venda de DVDs, 27%, e CDs, que correspondem a 61% dos R$ 43,5 milhões faturados por esta indústria em 2008. Desse total, R$ 9,68 milhões (ou 22%) tiveram origem em vendas na internet e R$ 33,82 milhões (78%) através de telefonia móvel.

Foram vendidos 25,5 milhões de CDs e 5,8 milhões de DVDs musicais no Brasil em 2008, gerando, respectivamente, R$ 220,2 milhões e R$ 96,2 milhões. A música brasileira representa 74,5% desse total. É importante lembrar que os números de unidades de CDs e DVDs refere-se à venda ao varejo, o que não significa que todos esses produtos realmente chegaram ao consumidor final.

O documento completo está disponível para download no site da ABPD e é bem enxuto, podendo ser lido em poucos minutos. Vendo esses números imagino qual seria o verdadeiro número de álbuns que circularam durante esse período, não somente os que foram vendidos. Por exemplo, há seis anos não compro um CD e nunca paguei por um download, então nenhum dos 263 álbuns que ouvi em 2008 são incluídos em relatórios como esse, que é focado apenas na venda de produtos. Segundo a própria ABPD, cerca de 3 milhões de pessoas fizeram downloads de música no Brasil em 2005. Passados quase quatro anos, não seria exagero imaginar que esse número aumentou próximo de 50%, com a proliferação de lan houses e o crescimento dos pontos de acesso a internet com banda larga.

Lista dos 20 CDs mais vendidos no Brasil em 2008
1. Padre Fábio de Mello - Vida
2. Padre Marcelo Rossi - Paz Sim,Violência Não (Volume 1)
3. Victor & Leo - Borboletas
4. Victor & Leo - AoVivo Em Uberlândia
5. Ivete Sangalo - Multishow AoVivo No Maracanã
6. Padre Marcelo Rossi - Paz Sim,Violência Não (Volume 2)
7. Zezé Di Camargo & Luciano - Zezé Di Camargo & Luciano (2008)
8. Roberto Carlos - Roberto Carlos e Caetano Veloso e A Música de Tom Jobim
9. Ana Carolina - Multishow AoVivo “Dois Quartos”
10. Leonardo - Coração Bandido
11. Amy Winehouse - Back To Black
12. Ivete Sangalo - Perfil
13. Vários - A Favorita Sertanejo
14. Vários - High School Musical 3 (Regular)
15. Rihanna - Good Girl Gone Bad
16. Diversos - O Melhor Do Pantanal
17. Michael Jackson - Thriller (25th Anniversary Edition)
18. Diversos - Sambas De Enredo 2009
19. Daniel - Difícil Não Falar De Amor
20. Sandy & Júnior - Acústico MTV

Ps.: o link das "pequenas coisas da vida" foi uma piada, caso você não tenha percebido.