Instagram

25 de fevereiro de 2009

Para pessoas que deixam o carro em casa

Aproveitando o clima, acho que algumas dicas etílicas vêm ao caso. Antes que alguém pense que as postagens bastante pessoais vão tomar conta, lembro que álcool e música independente caminham lado a lado, saltitantes e sorridentes (ao menos por um tempo).

Os perigos de se misturar bebidas

Bebum

Também vale passar algum tempo nos links abaixo, para que sua próxima degustação etílica permeada pelos prazeres mundanos enquanto busca a elevação espiritual (a.k.a bebedeira) seja mais prazerosa e culta.
  • Drink Drinker. Do Daniel Poeira, que além de ter participado de váraias bandas (entre elas a ótima Esquadrão Atari), trabalha com artes visuais, tem vários blogs e é professor
  • Bebidinhas. Apesar do nome meio idiota, tem boas notícias sobre o mundo das "boas coisas líquidas da vida" (slogan perigosíssimo)
  • Modern Drunkard Magazine. Uma abordagem mais cultural da bebida
  • Clube da Vodka e Vodkas. Para aprender sobre a bebida e descobrir alguns drinks novos
  • Cachaças. O mesmo do link acima, porém sobre cachaças
  • Beer Architecture. Tem que ter grana pra aproveitar as dicas desse
  • Pin Up Bar. O mais bonito de todos os links indicados, mas está parado. Meio fútil e é preciso ter paciência nos vídeos, mas ao menos é diferente.

Trilha sonora? "Porre de vodka", do Biônica, é claro.

Ps.: A imagem foi criada pelo blog gringo Sloshpot, traduzida pelo blog brasileiro O de sempre nunca e adaptada por mim.
Outro "Ps.": "averbuckiana" foi sacanagem, hein?

19 de fevereiro de 2009

Planos para os próximos momentos

Em 20 minutos:
- Comer alguma coisa com o Nathan e começar a beber
Em 50 minutos:
- Encontrar com a Nádia e a Clara, beber mais e começar a pensar se eu tomo uma decisão importante
Em 90 minutos:
- Ficar bêbado e comemorar meu aniversário com os caras do Nuda
Em 200 minutos:
- Bastante bêbado, ver o show do 4 e do Nuda na Obra e mais tarde ir embora pra terminar de arrumar minha mala (até parece)

Sexta-feira:
- Reencontrar uma grande amiga
- Ficar puto com o calor
- Pegar estrada

Entre a noite de sexta e a manhã de quarta:
- Sobreviver ao Rio de Janeiro
- Aproveitar
- Ficar bronzeado
- Conhecer no mínimo 16 lugares diferentes
- E testar a atualização do blog via celular (compromisso jornalístico, sempre presente, cof cof)

Depois do carnaval:
- Parar de fazer atualizações estilo "diário virtual" no blog e voltar a falar de música de um jeito pseudo-jornalístico-fodão-vanguardista-do-caralho.

22

Quando me perguntam minha idade normalmente tenho que pensar por um tempo... até lembrá-la. Não sei muito bem por que começar assim. Talvez porque isso ajude a demonstrar a pouca importância que isso tem para mim (principalmente agora).

Em todos os anos anteriores, a cada início de ano, pensava: "bom, tenho os próximos 49 dias para tentar levar a vida de um jeito que eu goste de verdade, tentar fazer o que quero e consertar o que está errado". Invariavelmente, não dava certo. E então o aniversário significava uma espécie de redenção, uma possibilidade de recomeçar (ao menos em meu calendário mental). Uma nova tentativa.

Acontece que esses 49 dias se passaram e eu não precisei fazer planos mirabolantes para esse período, não listei tudo que estava ruim e nem quais eram os objetivos. Não foi preciso esperar para tentar mais uma vez.

Tem sido uma época incrível e que em certos momentos chega a dar medo. São poucos os pontos definidos e que se repetem a cada dia, cercados de uma incerteza atraente e de acontecimentos inesperados que, se não são exatamente sempre incríveis, são (ou tornam tudo) interessantes.

O estranho nisso é não conseguir me imaginar daqui a seis meses. Ou até imaginar, mas ao mesmo tempo ter a noção de que outras indefinidas possibilidades estão abertas. O ápice é não ter a mínima capacidade de imaginar meu futuro e dos meus amigos daqui a 20 anos, por exemplo. É como se esse futuro não fosse uma opção, simplesmente não pudesse existir ou fosse uma imensidão vazia.

Como diria Regina Duarte, "eu tô com medo!".

E, se há algo que eu realmente queira fazer agora, é conseguir expressar as coisas mais sinceras que sinto de um jeito honesto e que deixe claro que nem tudo é piada ou irrelevante pra mim.

É estranho saber (ou simplemente sentir) que algo vai acontecer e você não faz ideia de como será.

15 de fevereiro de 2009

Music Alliance Pact de fevereiro!

Aqui está a nova edição do Music Alliance Pact, uma rede de blogs de 21 países que mensalmente seleciona uma música de cada um dos países de origem dos blogs da rede, republicando essa seleção ao redor do planeta e reunindo bons exemplos da música alternativa global produzida fora do grande circuito comercial.

A MAP é publicada no dia 15 de cada mês, em todos os países representados na rede. No Brasil, a função é orgulhosamente cumprida pelo Meio Desligado, que neste mês enviou uma música do mestre do mashup por estas bandas, o João Brasil.

ALEMANHA – Blogpartei
Bratze - Jean Claude
Bratze é um duo de Hamburgo, formado por Der Tante Renate e ClickClickDecker. Eles fazem uma mistura de electroclash e indie eletrônico simples, porém belos, acompanhados de sofisticadas letras, tudo com uma mentalidade bastante "faça você mesmo". A música escolhida, "Jean Claude" foi o cartão de visitas no início da banda, em 2006.

ARGENTINA – Zonaindie
Pablo Dacal Y La Orquesta De Salón - Ella Ya Está En La Playa
Pablo Dacal é um músico, cantor e compositor de Buenos Aires. Suas primeiras músicas foram divulgadas por volta do ano 2000 e em 2002 ele lançou uma série de EPs que chamou a atenção da mídia. A Orquesta de Salón foi criada para reunir essa coleção avulsa em um álbum propriamente dito, resultando em 13 Grandes Éxitos (2005). Seu lançamento seguinte foi La Era Del Sonido (2008) e "Ella Ya Está En La Playa" é uma de suas melhores canções.

AUSTRÁLIA – Who The Bloody Hell Are They?
The Crooked Fiddle Band - The Rom Rebellion
Mais fúria vindo do The Crooked Fiddle Band, que está com um novo EP chamado Rise, o qual estão atualmente divulgando em turnê. Eu tenho me interessado por bandas como Balkan Beat Box e mesmo que esses caras soem diferentes, gosto dos elementos punks nas músicas. Simplesmente parece ser super divertido de se ver ao vivo.

BRASIL – Meio Desligado
João Brasil - Orgasmadance
Espécie de versão tropical do Girl Talk e suas colagens dançantes, a música de João Brasil é uma mistura de artistas de gêneros completamente distintos. Principal expoente brasileiro da técnica dos mashups, João Brasil demonstra em suas colagens uma forte influência do funk carioca, como pode ser ouvido em seu primeiro álbum de mashups, Big Forbidden Dance, lançado no ano passado. "Orgasmadance" é um dos melhores exemplos de sua música. Começa com trechos do Sepultura tocando "Orgasmatron", em seguida passando ao superhit do Justice, "D.A.N.C.E" e outras músicas de bandas como Nirvana, CSS e gente como Justin Timberlake, Snoop Dogg, Michael Jackson...

CANADÁ – I(Heart)Music
The Rural Alberta Advantage - Four Night Rider
The Rural Alberta Advantage é uma banda de Toronto, um dos segredos mais bem-guardados do Canadá. Eles se especializaram no pop ao estilo do Neutral Milk Hotel que, conforme "Four Night Rider" demonstra, é simples e maravilhoso.

CHILE – Super 45
Congelador - Abrigo
Durante mais de 10 anos Congelador foi um ícone da cena de rock independente chilena. Após quatrolançamentos e dois anos parada, a banda voltou com o EP Abrigo - seis canções que graciosamente circulam entre o pós-rock, noise, pop e música eletrônica.

CINGAPURA – I'm Waking Up To...
Nuance - Fear Strikes Mankind
Nuance é um quarteto que recentemente lançou um EP homônimo. O coração da gravação é o épico de duas partes "Fear Strikes Mankind", uma ambiciosa e intensa jornada que invoca a sensibilidade roqueira do Radiohead nos anos 90 e a experimentação do pós-rock contemporâneo. Na primeira parte da canção (disponível aqui), a narrativa bíblica de Abraão e o sacrifício de seu filho é relatada através das perspectivas tanto do pai como do filho. Trata-se de uma jornada problemática, com a qual a banda lida bem e encara os desafios pela frente, tanto existencialmente como emocionalmente.

CORÉIA DO SUL – Indieful ROK
Seokjune - Dok
Seokjune lançou seu primeiro EP, Dok, no início de 2009. Equipado com um violão e uma voz que lembra Elliott Smith, ele apresenta tons delicados um atrás do outro enquanto canta em coreano ou em inglês.

ESCÓCIA – The Pop Cop
Broken Records - Nearly Home
O septeto de Edimburgo Broken Records acaba de assinar com o renomado selo 4AD, a recompensa pelos dois anos de sacrifício pessoal e pelos apelos para converter novos fãs ao longo da implacável agenda de shows da banda. Seguidores devotos como eu já acumularam cerca de 18 das épicas e orquestradas músicas da banda, o suficiente para prever que seu álbum de estréia, programado para o verão europeu, provavelmente será o melhor lançamento de 2009.

ESPANHA – El Blog De La Nadadora
Nouvelle Cuisine - La Comunicación No Verbal
Nouvelle Cuisine é uma banda com nome francês e origem espanhola. Eles vêm da Galícia e produziram seu novo álbum, De Memoria, cujo som é reminiscente das bandas indie dos anos 90. Eles desenvolveram sua essência em letras pessoais e suaves melodias em suas canções.

ESTADOS UNIDOS – I Guess I'm Floating
Here We Go Magic - Tunnelvision
Direto do Brooklyn, Here We Go Magic é o projeto de folk-pop de Luke Temple, que está lançando seu primeiro trabalho este ano e foi elogiado por Sufjan Stevens e Ben Gibbard pelos seus deslumbrantes vocais e sua meticulosa estética lo-fi. "Tunnelvision" é o primeiro single - metade como um soneto Shakespeariano, metade música circense, agitando em meio à uma bagunça de acrobacias poéticas.

INGLATERRA – The Daily Growl
Let's Wrestle - Let's Wrestle
Eu poderia continuar a lhes trazer músicas da fértil cena folk pop de Londres, porém chegou a hora de algo diferente. Este mês nós temos uma canção para cantarmos juntos, vinda da auto-proclamada "mais miserável e odiosa banda de Londres", Let's Wrestle.

IRLANDA– Nialler9
Tenaka - Alaskan
Tenaka é Ronan Carroll, uma banda de um único membro que cria melódicas e enérgicas músicas de pop eletrônico em seu quarto, sugerindo uma imaginação muito além do mundo físico. "Alaskan" é a trilha sonora para colocar os dedos em um lago antes de pular em suas águas frias antes que sejam banhadas pela luz do sol nascendo. A música está presente no EPonymously Titled, um EP gratuito disponível no MySpace da banda. Não há desculpas, faça o download agora.

ISLÂNDIA – I Love Icelandic Music
Hjaltalín - Goodbye July/Margt Ad Ugga
Hjaltalín é um coletivo de nove membros, quase uma orquestra, que usa uma seleção eclética de instrumentos, do fagote ao baixo, do acordeon ao clarinete. Com esses instrumentos e dois vocalistas, criam uma parede sonora para suas músicas cheias de folk e pegada indie pop. A música escolhida aqui tem a bela voz de Högni Egilsson, um refrão pegajoso, com referência a um hino islandês cantado por Sigga Thorlacius.

ITÁLIA – Polaroid
Wax Anatomical Models - Recollections Of Our Times
Wax Anatomical Models foi formada há pouco tempo mas já demonstra bastante talento. Seu som é uma mistura de pós-punk, hardcore, shoegaze e influências eletrônicas, mas o resultado em sua primeira demo se apresenta em um nível diferente. Emocional e enérgica, esta é uma banda na qual ficar de olho.

MÉXICO – Club Fonograma
Natalia Lafourcade - Azul
A expectativa em torno de Hu Hu Hu, próximo álbum de Natalia Lafourcade, está crescendo rapidamente, baseada no lirismo e na complexidade instrumental de sua música, demonstrando sinais verdadeiros de um potencial grande trabalho. Ela é naturalmente atraente e afetuosa e sua obra anterior já indicava talento, mas sua afinada visão musical finalmente se ampliou. "Azul" é sublime. No Mexico, é raro encontrar uma beleza tão delicada.

NOVA ZELÂNDIA – Counting The Beat
The Enright House - Scattering The Sun Like Gunshot
The Enright House é o projeto musical de Mark Roberts, de Christchurch. Apesar de ser predominantemente um projeto solitário, seu álbum de 2007, A Maze And Amazement, é carregado de canções com um verdadeiro senso de grandeza. Algumas dessas músicas foram relançadas em formato acústico no EP Six Acoustic Renditions e, como é possível perceber em "Scattering The Sun Like Gunshot", elas não perdem nada de suas qualidades épicas nessa transição.

NORUEGA – Eardrums
Richard Holmsen - Great Speed (exclusiva para a MAP)
Richard Holmsen é o cantor da banda Delaware, mas seu foco atual parece ser seu trabalho solo. Sua música é frágil e simples, com poucos elementos além de seu violão e seus suaves vocais. É basicamente o oposto do som do Delaware, indie rock imponente e melancólico. Recentemente Holmsen compôs trilhas para filmes e esteve envolvido com um projeto eletrônico chamado Sea. "Great Speed" é exclusiva para a Music Alliance Pact exclusive, composta e gravada há apenas uma semana.

PERU – Side of the Blog
Catervas - Covida
Depois de 10 anos tocando na cena local, Catervas – formado pelos irmãos Pedro, Raul e Javier Reyes – trocando seu antigo som shoegaze depressivo por um rock mais melódico em 2008, no álbum Hoy Más Que Ayer. Com suas músicas otimistas e convincentes, Hoy Más Que Ayer é pura paixão em formato musical. "Covida" é o segundo single do trabalho e é de longe a melhor música feita pela banda até o momento.

PORTUGAL – Posso Ouvir Um Disco?
PressPlay - Play Hot (Extended Mix)
PressPlay são Playgirl e Lisa (também conhecida como The Party Queen). Playgirl canta e toca guitarra, enquanto Lisa cuida das programações e também canta. Suas influências são PJ Harvey, Peaches, Electrocute, Cobra Killer e Miss Kittin, mas soam melhores que alguns de seus ídolos – e são definitivamente mais atraentes. A versão extendida de "Play Hot", que é o primeiro single do álbum de estréia da banda (que ainda não foi lançado), foi mixado por Woman In Panic, que na verdade é um cara chamado Pedro Lourenço.

ROMÊNIA – Babylon Noise
The Amsterdams - Suffering And Surfing
The Amsterdams é uma banda entre o pós-punk e o indie power-pop formada em Bucareste. Inspirados no famoso Dutch city, o nome simboliza a liberdade de espírito em todos os sentidos. "Suffering And Surfing" estará presente no esperado novo álbum da banda, uma mistura de vocais desleixados, riffs e ritmos voláteis e espotâneos.

SUÉCIA – Swedesplease
Love Lindblom - Till Min Syster
Sou um verdadeiro babaca por pegar uma música como essa, que cresce e cresce até alcançar um clímax frenético. Eu amo quando os sopros começam. Amo quando a natureza "faça você mesmo" do vídeo da música - você simplesmente sabe que ele pediu que todos os amigos ajudassem. Resumindo, acho que eu Love Lindblom.

Para fazer o download das 22 músicas que compõem esta edição da MAP em um único arquivo .rar, use o Zshare (145 MB) ou o Rapidshare.

O que você andou fazendo, Marcelo?





Mais de uma semana sem atualizações significa que:
a) estou ocupado fazendo coisas mais legais
b) estou ocupado fazendo coisas chatas que tomam meu tempo e me deixam cansado
c) morri
d) fui preso (apesar de ser inocente, claro) e ainda não descolei um celular com internet na cadeia
e) voltei a ter que acordar cedo e meu organismo ainda não se recuperou

6 de fevereiro de 2009

MP3 da semana: "My Favorite Way"

O novo single de uma das bandas mais incríveis do país: Black Drawing Chalks. "My favorite way" é um pouco mais lenta do que a maioria das músicas do álbum de estréia da banda, Big Deal, e não é tão grudenta como "Help me", "Big deal" ou "Suicide girl", mas já dá pra imaginar como irá soar ao vivo, durante os destruidores shows deles. Sem dúvida, uma das melhores bandas ao vivo do país.

Tem gente que gosta de chamar de stoner rock, mas eu chamo de rock ´n´ roll pesado, sujo, direto e fodão.






Em março a banda roda pelo Canadá e Estados Unidos, onde fará shows no SXSW 2009.

5 de fevereiro de 2009

Opções para o final de semana

Nesta sexta, em BH, a hypada Dead Lover´s Twisted Heart lança seu primeiro EP, em vinil, com show especial no Studio Bar. Além do show, a noite terá três DJ´s tocando sons exclusivamente em vinil: Gabriel "Rrrrock" Thomaz (vocalista e guitarrista do Autoramas), jjbz e Luiz PF. O EP homônimo, que tem cinco faixas e é o primeiro lançamento do selo mineiro Vinyl Land Records, estará à venda com preço promocional de R$ 10. Entrada: R$ 12.







Em São Paulo, a Dissenso, mistura de estúdio, selo, atelier e loja, realiza no sábado e domingo uma Feira de Arte Independente. Além dos produtos em exposição e à venda (como camisetas, toy arts, gravuras, zines, pôsteres, fotografias e outros), haverá shows das bandas de pós-rock Herod Layne (que em março estará em turnê pelo Canadá) e Hoping to Collide With. A entrada é gratuita em ambos os dias e a programação acontece das 14 às 20h, na própria Dissenso, localizada na Rua dos Pinheiros, 747.

E de volta a BH, na noite de sábado acontece mais uma FF >> Festa à Fórceps na Obra, desse vez com shows do Radiotape e Ruído Jack. Tudo gente safada. Os shows começam às 22h e depois da meia-noite o som é por conta dos DJs B-Flogin, Amplis e Charchar. Gente do mesmo naipe.

Ps.: por motivos de (in)sanidade mental, não cuido mas da arte visual dos eventos do Fórceps. Estou focando minha energia no núcleo de ações fodonas/megalomaníacas, que requer toda a minha energia.

Ps2.: não tem grana para ir nenhum evento? Não sai de casa por falta de bufunfa? Seus problemas acabaram! Chegou o Guia Meio Desligado para picaretas pobretões.

Lição n°1: crie um email desses e finja que você é recém-contratado para um novo projeto do jornal, criado devido ao booom da música independente nacional.

Todas as outras lições, da número 2 à 327, estão na edição completa lançada em papel toalha cor marfim, disponível para compra via internet. Favor entrar em contato via comentário. Observação: o livro levará 92 dias para chegar pois é feito à mão por um grupo religioso do Camboja que só trabalha nos feriados.

3 de fevereiro de 2009

Little Joy & Grande Histeria (não, não é uma nova banda)

2 mil pessoas no show do Little Joy em BH
O que mais me lembrou das antigas performances do Los Hermanos no show do Little Joy em Belo Horizonte no último sábado não estava no palco e também não seguia as belas melodias da banda: a histeria do público. Qualquer movimento, sorriso ou dancinha (sutil) executada por qualquer um dos três principais membros da banda (que se apresenta ao vivo como um sexteto) transformou-se em motivo para gritos coletivos ensurdecedores e mãos ao ar.

Relegada a segunda plano, em favorecimento às figuras dos ídolos, a música, em si, cumpriu bem sua função. Encorpadas e mais animadas, as canções funcionaram bem melhor do que em estúdio.

Elevado ao status de ídolo quase-estrangeiro (o que me faz lembrar desse vídeo), Rodrigo Amarante esteve mais do que à vontade como frontman do Little Joy, enquanto Fabrizio Moretti cumpria seu papel coadjuvante com sorriso largo, contemplava a exaltação de seus conterrâneos abandonados e levava ao delírio meninas e meninos, ao mesmo tempo em que Binki Shappiro parecia ser a personificação da bailarina de caixinha de música versão indie (ou talvez fosse só efeito das 12 latas de cerveja, que além desta possível alucinação também provocaram uma noite engraçada na porta da sauna).

Até mesmo os cambistas saíram alegres, já que o público lotou o Music Hall (capacidade para duas mil pessoas) e a meia-entrada, antes vendida por R$ 35 na bilheteria, estava sendo negociada por até R$ 100. Big business (lembra?).

Foto: Marcelo Santiago (vulgo "EU")

2 de fevereiro de 2009

Ludovic acabou e esqueceram de me avisar

Em uma grande ironia, o início de janeiro marcou o término de uma da mais intensas bandas que este país já teve: Ludovic. Lembro de dois shows históricos da banda em BH (e outros vários casos relatados e registrados em blogs, fotologs e vídeos pelo YouTube), um deles com o vocalista Jair discutindo com o público no 53 HC e outro no Matriz, durante uma tarde, no qual a banda provocou uma das respostas de público mais incríveis que já presenciei.

Não é um som facilmente assimilável e que muitas pessoas somente passavam a gostar após vivenciarem (sim, vivenciar) a "experiência Ludovic" num show. Quem perdeu terá que se contentar em ouvir canções como "Vane, Vane, Vane", "CVV" e "Boas sementes, bons frutos" (que a partir de agora terá um gosto ainda mais especial quando eu tocá-la por aí), boas introduções à obra do Ludovic. E, é claro, o álbum de estréia da banda, Servil (de 2004), continua essencial em termos de rock alternativo brasileiro.

"Boas sementes, bons frutos"





No dia 6 de janeiro, primeira terça-feira de 2009, Jair Naves, agora o ex-vocalista do Ludovic, publicou a mensagem sobre o fim da banda:
"Pois é, o Ludovic. Oito anos, dois discos lançados e uma série de pequenas vitórias que ainda parecem improváveis demais para terem acontecido de verdade. Resumidamente, foi mais ou menos essa a nossa trajetória. Entretanto, depois de uma longa pausa e de muito questionamento a respeito do nosso futuro, chegou a hora de esclarecer que não há planos para novas apresentações, gravações ou qualquer outra atividade envolvendo essa banda.

Em nome de todos os músicos que passaram pelo grupo, agradeço de coração pelo comovente apoio que tivemos ao longo desses anos. Não só daqueles que trabalharam direta ou indiretamente conosco, mas especialmente das pessoas que enxergaram a si mesmas nas nossas músicas e que nos acompanharam de forma leal e dedicada. Sem nenhuma intenção de esbarrar no sentimentalismo, não posso deixar de dizer que toda a exaustiva luta pela qual passamos só valeu a pena por causa de vocês.

Muito obrigado, muito obrigado mesmo."

Foto do Ludovic por Patríci Caggegi.

1 de fevereiro de 2009

Para ficar em dia com os editais na área cultural

Organizando os links interessantes que salvei nos últimos meses me lembrei do blog Rede Super Arte, dedicado a divulgação de editais relacionados à área cultural no Brasil. Uma super ajuda para quem atua no setor e precisa se manter ligado nos diversos editais públicos e privados que acontecem.

O projeto 10100, do Google, foi um dos que conheci através do Rede Super Arte.