Pesquisar este blog

Carregando...

20 de agosto de 2008

O amor, o pós-punk, a fumaça e Jesus

"EU TE AMO!", ele grita e se agarra às grades da cabine. Lágrimas caem dos meus olhos. Antes que eu possa explicar que isso é resultado da fumaça acumulada por ali, ele sai pulando e cantando, trombando nas pessoas, enquanto canta junto ao Iggy. É incrível o que alguns clássicos pós-punk podem provocar nas pessoas (afloramento homossexual, por exemplo).

Mais tarde, depois de ter tocado Jesus and Mary Chain, Clash, Jam, Dead Kennedys e Radiohead, o nível melhora (para mim): "Marcelo, EU TE AMO!". Dessa vez, partindo de alguém do sexo oposto (aleluia!). "Sim, meu bem. Você e Jesus me amam. Vamos fazer um ménage à trois!".

Essas e outras coisas você perde quando não acredita que uma festa que eu farei será boa. E assim foi a primeira edição do Overmundo Colabora, na sexta-feira passada, no nosso inferninho favorito. 250 pessoas dançando ao som da Pequena Morte, das coisas esquisitas que o Camaco botou na pista (eu não conhecia nada), das indieces nacionais e gringas da Mi, e da minha soberba, estupenda, excelente, gloriosa discotecagem que foi de Caê a Minor Threat (fazendo sentindo!). Um bom DJ trata seu set com uma visão semiótica, buscando uma construção de sentido única e que resulte em experiências extremas e profundas, no meu caso, influenciada pelos pensamentos de Home, Chinaski e Mussum (além de muito mé). Pois é, não é pouca merda.

Quem não foi se fudeu. E também não está convidado para a próxima (a menos que visite o Meio Desligado religiosamente todas as quintas-feiras às 21:21 durante 28 dias).

E tomaê:

É mentira!

Overmundo Colabora nº1

Overmundo Colabora nº1

Overmundo Colabora nº1

Overmundo Colabora nº1

Overmundo Colabora nº1

6 comentários :