Pesquisar este blog

Carregando...

10 de novembro de 2007

Eletronika - Festival de Novas Tendências Musicais (e eu)

Eletronika 2001Continua claro em minha mente. Uma noite amena e cheia de novidades. Um local bonito, pessoas diferentes e uma grande expectativa no ar. Enquanto me deslumbro com as instalações do local, com apresentações simultâneas em diferentes galpões e outro palco montado ao ar livre, em meio à grande área gramada, um mendigo aparentemente bêbado estaciona ao meu lado e fixa o olhar nos painéis reluzentes da MTV. Percebo que mais pessoas ao redor também estão reparando nesta estranha figura, com sua barba enorme e os cabelos desgrenhados, calça de couro e jaqueta surrada. Por um breve momento imagino se esta seria uma versão junkie do Paulinho Moska, justificando a atenção recebida, mas a idéia me parece ridícula e, antes que eu possa elaborar novas teorias para sua origem, ele se esvai cambaleante, até sumir em meio ao público. Meu típico desvio de atenção adolescente me leva novamente a destrinchar o local e a maravilhar-me com uma espécie de trailer-instalação artística (foto acima), partido ao meio e decorado com almofadas modernosas, e também com uma maria-fumaça exposta em uma das laterais do lugar.

Alguns minutos depois era chegada a hora da apresentação principal da noite e, para minha surpresa, lá estava o mendigo no palco. Tratava-se de ninguém menos que Jon Spencer, que, naquela noite de 26 de abril de 2001 na Casa do Conde, ao lado de sua Blues Explosion, permitiu que eu tivesse minha primeira experiência com o rock alternativo internacional ao vivo.
Aos 14 anos, presenciar um show tão explosivo e ensurdecedor como aquele pode mudar vidas ou, no mínino, alterar seus conceitos em relação à música. No meu caso, aconteceram ambas as coisas.

flyer EletronikaA partir dessa história têm-se uma idéia da minha relação com o Eletronika - Festival de Novas Tendências Musicais, realizado em Belo Horizonte desde 1999 com breves hiatos em alguns anos. Através da seleção de importantes nomes da vanguarda musical contemporânea, cada edição do festival sempre se mostrou uma boa surpresa, mesclando diferentes vertentes da música eletrônica mas não se limitando apenas aos sons sintéticos, deixando o merecido espaço para desbravadores das fronteiras sonoras, como os escoceses do Mogwai, que se apresentaram no festival em 2002 e não tiveram piedade em desvirginar tímpanos com suas dissonâncias absurdas e ao mesmo tempo sentimentais. Quem esteve presente àquele show no Teatro Francisco Nunes, em 17 de maio de 2002, não saiu incólume. Mais uma vez, cortesia do Eletronika.

flyer EletronikaNos anos anteriores o festival já havia sido responsável por trazer à Belo Horizonte Stereolab, Asian Dub Foundation, Nação Zumbi e uma variedade de DJ's. Em 2002, 2003 e 2004, realizou debates (com gente como Hermano Vianna, Alexandre Matias, Marcelo D2, Cláudia Assef, etc), workshops e mostras audiovisuais, além de selecionar em sua programação atrações internacionais interessantes como Ellen Alien, Stereo Total, Rubin Steiner, Kruder and Dorfmeister e artistas nacionais como Mombojó, Hurtmold, DJ Marky, Mau Mau, Cidadão Instigado, Anderson Noise, Golden Shower, Wado e Mamelo Sound System. Ao deparar com as programações anteriores, é incrível perceber como a direção artística era afiada, escolhendo ótimas atrações que apenas anos mais tarde teriam destaque na grande mídia. Apparat, por exemplo, que se apresenta no Motomix este mês (dia 25 em São Paulo), tocou na edição de 2004 do Eletronika e eu nem fazia idéia, apesar de estar presente no evento. Na época, não tinha a mínima de quem se tratava e agora sou fã (que falta fazia a banda larga e o MySpace...).

Após uma discreta versão do festival em 2005, transformado em fórum de debates, e sua ausência em 2006, o Eletronika retorna este ano com uma boa e coesa programação, tendo como principais atrações os grupos norte-americanos LCD Soundsystem (electro rock) e Battles (rock experimental com intervenções eletrônicas).

No dia 14 de novembro, quarta-feira véspera de feriado, tocam junto ao LCD Soundsystem o DJ alemão Shir Khan, o novo hype curitibano Bo$$ in Drama, o projeto especial que reúne Turbo Trio (B Negão, Tejo Damasceno e Alexandre Basa), Mixhell (Iggor Cavalera e Laima Leyton) e Chernobyl (produtor do Bonde do Rolê e ex-guitarrista da Comunidade Nin-Jitsu), em sua primeira apresentação, além do inglês Jon Carter e o DJ mineiro Kowalsky. Os shows acontecem no Chevrolet Hall e os ingressos custam R$ 30 (meia entrada).

Na sexta a festa é na Roxy, com ingressos a R$ 35 (homens) e R$ 25 (mulheres). A escalação inclui os já citados Battles, o renomado DJ The Field, o mítico Carlos Eduardo Miranda (Trama Virtual, Ídolos), Dago Donato (editor da Trama Virtual), Gente Bonita, Mau Mau, Fred Mafra, Bittencourt e o trio de DJ's que parece ter saído de uma vitrine de shopping de elite, Killer Shoes.

O ciclo de debates está excelente e acontece de 14 a 16 de novembro no Oi Futuro, com entrada gratuita. As discussões abordam a atual produção independente brasileira, as alterações no jornalismo cultural provocadas pela internet e a ascensão do vídeo na internet como forma de divulgação. Entre os debatedores estão Lúcio Ribeiro, Kid Vinil, Fabrício Nobre (Abrafin, MQN, Monstro Discos) e Thiago Ney (Folha de S. Paulo).


Eletronika 2007Programação:

14 de novembro, quarta-feira, no Chevrolet Hall
22 h - Kowalsky (BH)
23:30 h - Turbo Trio x Mixhell X Chernobyl (SP-POA)
00:30 h - Shir Khan (Berlim)
02:00 h - LCD Soundsystem (NYC)
03:30 h - Jon Carter (Londres)
05:30 h - Bo$$ in Drama (CWB)
Local: Chevrolet Hall
Endereço: Av. Nossa Senhora do Carmo, 230 - Savassi, Belo Horizonte/MG
Fone: (31) 3209-8989
Ingressos: primeiro lote = R$ 60,00 (inteira) e R$ 30,00 (meia)

16 de novembro, sexta-feira, na Roxy
Pista 1
23 h - Dago Donato (SP)
00:30 h - Battles (NYC)
01:30 h - The Field (Estocolmo)
02:30 h - Mau Mau (SP)
04:30 h - Fred Mafra (BH)
Pista 2
00:00 h - Killer Shoes (BH)
01:30 h - Gente Bonita (SP)
03:00 h - Miranda (SP)
Local: Roxy Club
Endereço: Rua Antonio de Albuquerque 729 – Savassi, Belo Horizonte/MG
Fone: (31) 3269-4410
Ingressos: R$ 35,00 (masculino), R$ 25,00 (feminino)
Obs.: Bônus de R$ 10,00 em drinks para quem chegar até 00h.


Ciclo de Debates "Nós e a Rede - O convívio com a internet e a onipresença da música"

Dia 14. "Anota o meu site"
Divulgação e Cobertura em Tempos de Internet
- Thiago Ney (jornalista Folha de S. Paulo e blog Ilustrada no Pop)
- Lúcio Ribeiro (jornalista, blog Popload)
- Kid Vinil (DJ, músico e radialista)
- Paulo Terron (jornalista, blog With Lasers)

- Daniel Barbosa (jornalista, O Tempo)


Dia 15. "Estamos fazendo"
Núcleos de Produção Independente
- André Barcinski (jornalista, Circuito Techno e Clash Club)
- Fabrício Nobre (músico, produtor, Monstro Discos)
- Bruno Maia (produtor Chappa Quente)
- Ana Garcia (produtora festival Coquetel Molotov)
- Cláudio Pilha (produtor Campeonato Mineiro de Surf, A Obra)


Dia 16. Entre o YouTube e a MTV
A Importância do Vídeo como Veículo
- Carlos Eduardo Miranda (jornalista, produtor)
- Renata Simões (jornalista, apresentadora do Multishow)
- Dagoberto Donato (editor do site TramaVirtual)
- Israel do Vale (jornalista, produtor)
- Kiko Ferreira (jornalista, Estado de Minas/Rádio Inconfidência)


Links:
MySpace / mapas de acesso aos locais do evento / Twitter / Fotolog / Site oficial

Mugg

Nenhum comentário :