Pesquisar este blog

Carregando...

19 de maio de 2007

"Vamoz!, um convite à surdez" ou "Como um público cu'ool pode estragar um bom show"

_ Ih, olha lá, os caras do Vamoz! ainda tão dando entrevista aqui fora.
_ Que meeerda, vai demorar pra caralho pro show começar.
_ É.
_ Ha! É a Taís baixinha que tá fazendo a entrevista.
_ Uh! Quase que eu nem vejo.
_ Haha.
_ De quem será a maior audiência? Da PUC TV ou do Meio Desligado?
_ Dããã...
_ É mesmo, pergunta boba. Nem quem trabalha na PUC TV costuma assistir ao canal...
_ Você fala, hein Marcelo?
_ Moi?
_ Sim, sim.
_ É sério. E não é inveja, porque não sou como certos idiotas daquela universidade, que acham que se você consegue algum destaque você: 1. é um filho da puta; 2. tem treta com alguém; 3. merece morrer, por não ser imbecil como eles; 4. fez pacto com Satã.
_ Opa! Tem contradição aí! Você realmente fez pacto com Satã!
_ Abafa o caso...
_ Ocá.
_ Então. Eu tenho certeza de que é mais proveitoso para uma banda sua presença em páginas especializadas no assunto, assim você tem certeza de que as pessoas que se depararem com aquela informação estão ali porque se interessam naquilo tudo. Ainda mais no caso de bandas com um público, tipo, restrito, como Vamoz!. Mas não deixa de ser uma coisa ótima que essas bandas marquem presença na TV. O importante é tentar dar espaço para todas as manifestações culturais, vários estilos e tal. Ditadura cultural é uma puta merda. E em relação à TV, acho fóda. Mesmo. Onde mais você consegue tantas boiadas gratuitas? Ainda mais trabalhando em um lugar em que você pode faltar e dar como desculpa o fato de que você "tirou alguns dias para ficar namorando e resolver seu relacionamento" (intromissão do narrador: é verdade! isso aconteceu! é só puxar saco de alguém depois e, quem sabe, algumas coisitas más)? O problema é a merda do salário, mas eu ainda penso em picaretar um estágio por lá, nem que seja só pelo currículo. Enquanto isso, prefiro continuar escrevendo sobre a bosta do cinema mainstream e juntando a grana que ganho vendendo pó...
_ Mas você não vende pó.
_ Não mesmo?

....

_ Pela primeira vez fico feliz pelo fato d'A Obra ser uma sauna, lá fora tava bem frio.
_ É mesmo. O problema é que tá ficando muito cheio...
_ Aí fica um saco.
_ Ô. Ainda mais quando o lugar fica cheio de indie babão.

....

_ Ah, finalmente o show vai começar.
_ Você falou que o som lembra o que mesmo? Esqueci de ouvir no MySpace...
_ Pra variar, né Juliana? É uma coisa meio The Rakes querendo ser cool misturando um pouco de country/folk, aquela coisa wannabe Wilco, só que mais new rock, entre aspas.
_ O famoso pastiche blasé...
_ Ungh.
_ Uh?
_ Ungh... Urrh
_ O que?
_ Ah, tinha engasgado com aquela azeitona que achei no meu bolso.
_ Seu viado! Aquela azeitona era minha! Eu tava guardando ela desde ontem na hora do almoço!
_ Se fudeu! Aquela hora em que seu prato caiu no chão, a azeitona rolou e parou bem ali do lado da geladeira, no cantinho. Eu esperei você ir ao banheiro, porque você tava com início de diarréia, lembra? Então, aí fui lá e guardei no meu bolso. O pobrema, sabe, é que el'tava no bolso de tráis, de modiqueu assentei decima dela e a ela perdeu um pouco daquele suquinho gostoso, sabe?
_ Falou a bicha caipira.
_ Por falar nisso, quem da banda você acha que é viado?
_ Sei lá, Marcelo. Você conhece algum deles?
_ Não.
_ Então porque falou que algum deles é viado?
_ Olha pra trás e percebe. Mais da metade desse povo que tá quase lotando a Obra veio por causa desse tal de The Dead Lover's Twisted Heart, é todo mundo amigo do pessoal da banda, isso ficou bem claro. Daí fica fácil deduzir: esse povo tem cara de bicha e de afetados, consequentemente, ao menos uma pessoa deve ser bicha.
_ Ou afetados...
_ Até que não. Acho que a expressão correta vinda do Dicionário da Prepotência Irônica é "blasé de bosta". Entendeu? Tipo "glassé de bolo"? Hhahahahaha.
_ Nossa! Essa foi péssima...

....

_ Tenho que concordar, aqui no fundo tá muito mais agradável.
_ Eu tava ficando sufocada e entediada com as músicas.
_ É. Eles têm algumas músicas legaizinhas, mas é mediano. Acho que se tivessem tocado só cinco músicas seria um bom show. Divertido e tal.
_ Concordo. Tá fritando já.
_ Uhum. A pior parte foi quando um dos vocalistas conversou em inglês com o público. Tipo, "Shake it up everybody! C'mon!". Vai tomar no seu cu! Quer uma coisa mais idiota que isso? Cantar em inglês, tudo bem, é uma escolha, definição de estilo e tudo mais. Querer ser gringo e conversar com a platéia, ainda mais de amigos, em inglês, é ridículo.
_ E aquele laptop figurativo?
_ É. Só usaram para tocar três notas e meia na primeira música e acho que devem ter usado de novo agora mais pro fim, naquela cover tosca de Le Tigre, apesar da voz da menina ser irritantemente agradável e tipicamente indie riot grrrl. Acho que eles tocaram a música sem guitarra ou... Ei, tá me ouvindo?
_ Acho que o baixista era o viado...

....

_ O Claudão é filho da puta, não?
_ Por que?
_ O cara só bebe Eisenbahn e dá Skol pros caras das bandas...
_ Se ao menos fosse Skol Beats, já melhorava...
_ É. Vamo lá pra frente balofa. Daqui a pouco deve começar o Vamoz!.
_ Vamo sim, porquinho!
_ Olha só esse dj. O cara coloca música depressiva na pista.
_ Mas também, olha a cara dele.
_ Ah, aquele ali é o tal do Capitão Insano? A gente sempre encontra com esse cara aqui na Obra ou na Mary In Hell. Sempre achei que fosse algum maníaco sem amigos que saísse em busca de alguma fantasia pervertida em bibocas alternativas.
_ O fato dele ser dj não exclui essa possibilidade...
_ E não é que você tá certa? Você não é tão burra quanto eu achava.

....

_ "E vocês que vieram aqui hoje se deram bem! Vocês vão ver agora uma banda do caralho... Vamoz!"
_ Hahaha. O Claudão faz o mesmo discurso toda a quinta.
_ Ele podia ao menos usar uns sinônimos, né?

....

_ Eles definitivamente têm presença de palco.
_ Sim, o melhor é que não parece aquela coisa forçada.
_ Esse monte de ruído é o que eles mais têm de influência dos anos 90, acho. Lembra Dinossaur Jr e aquelas coisas super barulhentas ao vivo.
_ É. No mais, tem uma pegada anos 70...
_ Com certeza. Porra! Essa música, "Target of Rock", é do caralho!

....

_ "Rock satânico!
Rock satânico!"
_ Esse vocalista é engraçado.
_ Acho que ele tá fazendo uma reza demoníaca pra animar o lugar e mexer esse público bundão. Eles dançam e gritam durante o show ruim e ficam parados com cara de cu na hora da coisa pegar fogo.
_ Mas o que você queria? Qualquer pessoa que seja um estereótipo ambulante (no caso, de "indie") é babaca.
_ E o pior é esse povo que vem para a frente do palco, vira as costas para a banda e fica conversando.
_ E quando o show acabar, vai puxar saco do pessoal da banda, falando que foi fóda (nossas suspeitas se confirmaram, isso aconteceu!).

....

_ "Nós estamos vendendo nosso álbum novo, R$ 20 reais. Vem o CD e o DVD junto. Mas não precisam comprar, nós somos muito ricos, não temos problema de dinheiro".
_ Ui! Acho que essa foi uma indireta do vocalista para a banda de abertura.
_ Ha! Também acho. Inclusive, acho que a parada do "rock satânico" também foi ironia, tanto para a banda de abertura como para o público.
_ Tenho que concordar. À nossa frente está um pernambucano irônico, do jeito que gostamos, e sem sotaque, do jeito que a Globo não gosta.

....

_ "Da outra vez que tocamos aqui, acho que em 2004, falaram que a gente era Teenage Fanclub com AC/DC. Então a gente vai tocar uma do Teenage. Essa música se chama 'Everytihng Flows'"
_ Porra! Essa música é do caralho. Mas a versão do Idlewild é ainda melhor que a original.

....

_ Gostei do show, apesar do público.
_ Acho que com um público bom, poderia ser uma nota 8. Com esse bando de idiotas parados e que sequer se manifestam após as músicas, entre 6,5 e 7,5.
_ Entendo. Quantatizar tudo é fóda, mas é mais ou menos por aí.
_ E as fotos, quando a gente vai revelar?
_ Não sei. Um saco eu ter esquecido minha câmera digital. Mas já pensei em uma solução. Vou fazer uns desenhos toscos ilustrando as situações do show. Sem fotos, quem ler o texto vai fazer um pouco mais de esforço e pensar um pouco mais.
_ "Dê-lhes o fio de Ariadne".

....

_ Oi Juliana. Aqui, liguei só pra te perguntar se o seu ouvido ainda tá zumbindo, zunindo, sei lá.
_ Não, parou ontem. O seu ainda tá?
_ Tá. Já faz dois dias desde o show. Tô ficando preocupado.
_ Nossa! Se não parar, você tem que ir ao médico.
_ Sim. Lembro que em 2001, no show do Mogwai, tinha um cara gritando "aumenta, aumenta! Eu quero ficar surdo!". Agora não tem graça. Buá.
_ Se fudeu. Mas por uma boa causa.

3 comentários :