Instagram


Pesquisar este blog

Carregando...

12 de junho de 2016

Festival Meio Desligado no Dia da Música


Criado no fim de 2006 e desde então dedicado a publicar conteúdo referente à música independente brasileira, o Meio Desligado promove no sábado, 18 de junho, a primeira edição de seu mini-festival. O evento, que começará às 22h, terá entrada gratuita e será realizado na A Autêntica como parte integrante do Dia da Música, que promove mais de uma centena de shows ao longo do próximo dia 18 em diversas cidades do país. Os ingressos antecipados, gratuitos, devem ser retirados no site sympla.com.br/quente

Desde sua criação, o Meio Desligado chegou a ser selecionado pelo Yahoo! como um dos 100 blogs mais relevantes em língua portuguesa, foi curador em projeto especial do museu ARChive of Contemporary Music, de Nova York, e participou como representante brasileiro na Music Alliance Pact, rede mundial de blogs/sites focados em música que tinha entre seus integrantes, entre outros, o importante jornal inglês The Guardian.

No festival Meio Desligado se apresentarão quatro destaques da música alternativa brasileira da atualidade: o trompetista paulista Guizado, a mineira Sara Não Tem Nome, os paulistas da E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante e a banda amazonense Luneta Mágica. Renomado trompetista que acompanha artistas como Karina Buhr e Céu, em seu trabalho solo Guizado explora a fusão de jazz, rock experimental e eletrônica. Com o auxilio de seqüenciadores, samplers e MPC, pedais de efeito e loops, vai além das fronteiras impostas pela formação mais minimalista com que se apresenta, acompanhado apenas de um baterista no formato intitulado Guizado Duo. Será um dos primeiros shows após o lançamento do novo disco, Guizadorbital.

Aos 23 anos, Sara Braga tem despontado como uma das principais novidades do indie nacional. Seu projeto artístico Sara Não Tem Nome lançou o elogiado disco de estreia Ômega III em 2015, após um período de residência nos estúdios da Red Bull em São Paulo, e foi presença constante nas listas de melhores do ano. Indie lo-fi singelo e sincero que tem circulado por festivais importantes Brasil afora.

Formado na capital paulista em 2013, o quarteto E a Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante vem se destacando no cenário instrumental nacional. De sonoridade desafiadora, cerebral e ao mesmo tempo altamente passional, a banda tem sido um revigorante sopro de ousadia no underground paulistano desde que iniciou suas atividades. Fortemente influenciada pelo pós-rock, abandona os solos e rifes a favor dos timbres e texturas densas em suas músicas.

Nos intervalos entre os shows a pista da Autêntica será comandanda por quatro mulheres atuantes na cena musical alternativa de BH como jornalistas, produtoras culturais e artistas: Mi Simpatia (Camila Cortielha, uma das produtoras do Festival Transborda, com passagem pelo Conexão Vivo e pela festa Alta Fidelidade, entre outras), LULI (Luísa Gontijo, produtora do cantor Nobat, programadora do Idea Espaço Cultural e integrante do site/produtora Retalho Cult), Bruna Vilela (guitarrista e estudante de jornalismo, colaboradora do site Scream and Yell) e Damy Coelho (jornalista, participante dos sites Projeto Ruído e Cifra Club).

Ao longo da noite o palco receberá projeções criadas pelo artista NEEMS, codinome de Viquitor Burgos, animador e músico, integrante do Constantina. Trabalhando com arte e tecnologia através de imagem, luz, som e interatividade, o artista já interviu com mapping e instalações interativas na Virada Cultural de São Paulo e projetou para os festivais Pequenas Sessões, Eletronika e Sonâncias de Belo Horizonte, festival LAB de Maceió, festival Contato de São Carlos e fazendo visuais ao vivo para artistas como Jaloo, Maglore, Franny Glass e outros.

10 de junho de 2016

Maglore, Dingo Bells e Minimalista no Música Quente #4




O Maglore, power trio de Salvador, apresenta o CD e LP "III", eleito um dos melhores álbuns de 2015 pela mídia especializada, e composições dos também elogiados discos "Vamos Pra Rua" (2013) e "Veroz" (2011). O Dingo Bells, de Porto Alegre, faz show de "Maravilhas da Vida Moderna", um dos álbuns de estreia mais aclamados dos últimos anos. O show de abertura da noite será do Minimalista, projeto do mineiro Thales Silva (Bloco Juventude Bronzeada e A Fase Rosa), que está prestes a lançar seu segundo disco e apresentará canções que estarão no novo trabalho.

O Música Quente é um projeto/festa que realiza shows de lançamento de discos e shows inéditos em BH uma vez por mês até agosto, sempre às sextas. Cidadão Instigado (CE), Silva (ES), Baleia (RJ), Dibigode (MG), Leonardo Marques (MG) e Pequeno Céu (MG) são os artistas que já se apresentaram este ano no Música Quente.

Mais sobre o projeto no site musica.quente.org.br

30 de maio de 2016

Novos vídeos do Baleia e Pequeno Céu ao vivo

Atrações do Música Quente de abril, a carioca Baleia fez o primeiro show da turnê de seu segundo disco na ocasião, enquanto o Pequeno Céu mostrou uma prévia do que vem por aí em seu segundo álbum, Praia Vermelha, previsto para o segundo semestre.

Assista às performances de "Motim", do Baleia, e "Paquistã/Urtiga", do Pequeno Céu. Mais informações sobre os shows do Música Quente no musica.quente.org.br.
 

25 de maio de 2016

x vídeos. alice caymmi. ava rocha.

NSFW.

Tudo relacionado, repare. Da lactação da letra de "Homem" à amamentação via canudinho no "Fork face commits", passando pela máscara de garfos e facas.

Alice Caymmi em sua versão de "Homem", do Caetano, junto a duas travestis (lindas) em PB, bem artsy (ui). Rolam até umas piroquinhas piscando num esquema meio Clube da Luta. Lembrou o vídeo de outra versão, a do White Stripes pra "I just don't know what to do with myself", do Burt Bacharach, com a Kate Moss e dirigido pela Sofia Coppola. "Lies", do Is Tropical, tem estética semelhante mas segue por outros caminhos. E falando de artsy, Ava Rocha em clipe dirigido pelo irmão, Pedro Paulo Rocha, ambos filhos de você sabe quem. Contestador (uuui), como sua música. Remete à bizarrice do vídeo de "Crash", da obscura Evil Skull (escrevi sobre esse vídeo em 2009) mas agora só encontrei um trecho, digamos, mindfuck.
 

O último vídeo tem imagens fortes, os interessados podem assistir direto no perfil no Vimeo do diretor Douglas Burgdorff.