Instagram

29 de julho de 2014

Como foi o festival Vozes do Brasil

Entre os dias 8 e 12 de julho aconteceu a primeira edição do festival Vozes do Brasil, desdobramento do programa de mesmo nome realizado pela Patrícia Palumbo há 15 anos. Fiz a coordenação de produção e gestão do festival e, por causa dessas funções, não assisti nenhum show completo. De qualquer forma, os relatos de quem assistiu os shows completos foram os melhores possíveis. Foram cinco noites de teatro lotado e a certeza de que novas edições virão. Como não posso comentar especificamente sobre como foram os shows, deixo aqui ao menos parte do registro fotográfico, feito pelo Diogo Martins.

Nos próximos meses estou envolvido na Virada Cultural de BH e em mais uma edição do festival Natura Musical. Pra saber mais sobre esses dois eventos é só continuar acessando o Meio Desligado.


Ana Cañas



Flávio Renegado e Ana Cañas



Marina Lima



Karina Buhr



Marina Machado



Marcelo Jeneci



Pedro Morais



Pedro Morais e Paulinho Moska



Zélia Duncan



Anelis Assumpção


27 de julho de 2014

Funk ostentação

Nunca me interessei muito pelo funk ostentação. Além de musicalmente limitado, um gênero construído sobre letras que se resumem ao poder de compra e ao controle exercido pelo dinheiro não seria digno de muita atenção. Além disso, seria mais um instrumento de manutenção do sistema, uma vez que os adeptos da ostentação oriundos das classes mais baixas gastam (o pouco) dinheiro que têm para comprar produtos caros de marcas famosas e assim se diferenciar entre seus próximos (o que praticamente se resume à obtenção de status social e pretensão de obter respeito e sexo através desse mesmo status).

Com isso em mente, foi interessante assistir ao documentário Funk Ostentação - O Filme, pois ele apresenta uma nova perspectiva (sem, no entanto, desfazer as impressões anteriores). Um ponto relevante destacado pelo documentário é que o funk ostentação possui, sim, um aspecto ativista que até então eu desconsiderava. Ele mantém a tradição do funk proibidão, mas no sentido de falar de algo que parecia negado à população de baixa renda: a proibição do desejo de consumir e possuir os símbolos materiais de status e ascenção social.

Independente de julgar as escolhas e os desejos dos adeptos (até porque, julgar o desejo de alguém é extremamente complicado), o funk ostentação se mostra diretamente ligado ao contexto político-social em que surge e se constitui como uma ferramenta de inclusão (à força).  Mesmo com maior poder econômico do que antigamente, os pertencentes às classes mais baixas atualmente em ascenção não se sentiriam "aceitos" socialmente em seu novo papel de cidadãos com poder de compra e capazes de fazer suas próprias escolhas em vez de apenas subexistir e ter que aceitar suas limitações. Assim, para deixar clara a transformação, a ostentação passa a ser o instrumento através do qual todos os outros reconhecem o seu crescimento. Mesmo que o crescimento da renda de alguém ocorra independente do conhecimento de tal situação por parte do outro (ou seja, mesmo que ninguém saiba que meu salário aumentou, eu continuarei ganhando mais agora), é através da "aprovação" externa que o ciclo de status se completa (de que adiantaria ter mais dinheiro se continuo sendo discriminado?).

Pensando assim, o funk ostentação é necessário. Por enquanto.

24 de julho de 2014

La Blogoteque em São Paulo

O famoso blog francês La Blogoteque, famoso por sua série de vídeos "Take away shows", registrou performances de alguns artistas brasileiros na cidade de São Paulo entre os anos de 2011 e 2012, mas que estão sendo lançados somente agora em 2014. Ainda faltam os vídeos da A Barca, mas todos os outros já lançados você pode assistir abaixo, começando pelo curta-metragem que fizeram com esses mesmos artistas, intitulado "Arua Amusica", no qual falam sobre suas relações com a capital paulista.



Tulipa Ruiz _ "Brocal dourado"


Lucas Santtana _ "Nighttime in the backyard"


Criolo (com Kiko Dinucci, Rodrigo Campos e Luísa Maita) _ "Linha de frente" e "Mariô"


Luísa Maita (com Rodrigo Campos) _ ""


Thiago Pethit (com Dom La Nena) _ "Mapa mundi"


Metá Metá _ "Engasga gato" e "Oranian"


Emicida e Rael _ "A cada vento"


Rodrigo Campos (com Kiko Dinucci) _ "Samuel"


Mallu Magalhães _ "Sambinha bom"


Dom La Nena _ "O vento"


Rafael Castro _ "Fazenda"


Tulipa Ruiz _ "Às vezes"


Thiago Pethit (com Dom La Nena) _ "White hat"


Mallu Magalhães _ "Higly sensitive"


Mallu Magalhães _ "Lonely"

21 de julho de 2014

Comprei um iPad, quais aplicativos você me indica?

Trip e TPM
Quem tem iPad pode ler as edições das revistas Trip e TPM de graça, na íntegra. A única diferença é que os ensaios da Trip são censurados, porque a Apple não permite nudez nos aplicativos.

Flipboard
É como uma revista digital criada a partir dos seus próprios interesses. Também resume os principais links compartilhados entre os seus feeds do Facebook e Twitter, além de escolhas dos editores do Flipboard.

Spotify, Deezer, Rdio
Porque baixas música é muito anos 2000, né?

Wunderlist
Gerenciador de tarefas que pode ser sincronizado no celular e no computador, além de compartilhar tarefas com outros usuários.

Pocket
Salve links para ler depois. Você pode salvá-los e lê-los em diferentes dispositivos (computador, celular ou tablet).

Werdsmith
Semelhante ao "Notas", nativo do iOS, mas com uma interface mais agradável.

Skype
Precisa explicar?

Cleartune
Afinador bastante versátil e fácil de usar.

Duolingo
Aplicativo para aprendizado de línguas. É gratuito e fácil de usar. Ajuda bastante na melhora do vocabulário em línguas estrangeiras.

Gmail, Google MapsDrive, documentos e planilhas Google
Para gerenciar contas do Gmail o aplicativo próprio do Google é muito melhor do que o nativo Mail, da Apple. Para navegação em mapas, o mesmo vale em relação ao Google Maps, em comparação ao Mapas, da Apple. Já documentos e planilhas são para acessar e editar os arquivos criados na plataforma online do Google.

MindNode
App para criação de mapas mentais (mind mapping).

Traktor DJ
Surpreende pela quantidade de recursos. Bom para brincar em casa ou mesmo para tocar em festas.

HBO Go, Netflix, GlobosatPlay, Vimeo, Youtube
Vídeo online e em qualquer lugar. Fique ligado na tag "vídeos" aqui no blog que em breve tem um texto especial sobre isso.

30 de junho de 2014

Festival Vozes do Brasil

Estou fazendo a produção da primeira edição do Festival Vozes do Brasil, que acontece em BH, no Teatro Oi Futuro Klauss Vianna, entre 8 e 12 de julho. Toda a programação é gratuita. Segue abaixo o release que fiz para o evento. Mais informações na página do festival no Facebook.

Criado pela jornalista Patrícia Palumbo, o programa Vozes do Brasil está no ar em diversas rádios país afora e também na internet, sendo testemunha das transformações ocorridas nos últimos 15 anos da música brasileira. Após uma bem-sucedida festa de celebração de seus 15 anos (que reuniu no mesmo palco Ed Motta, Bixiga 70, Flávio Renegado e Anelis Assumpção), o Festival Vozes do Brasil estreia no palco do Teatro Oi Futuro Klauss Vianna com cinco noites de shows entre 8 e 12 de julho, com uma programação de peso: Karina Buhr, Marina Lima, Anelis Assumpção, Zélia Duncan, Ana Cañas, Flávio Renegado, Marina Machado, Marcelo Jeneci, Pedro Morais e Paulinho Moska.

Idealizado pela produtora cultural Danusa Carvalho em parceria com Patrícia Palumbo, esta é a primeira edição de um projeto que pretende rodar o Brasil apresentando uma seleção criteriosa de parte do que há de mais interessante e original na música brasileira contemporânea.

As apresentações acontecerão às 21h e terão entrada gratuita. Os ingressos serão distribuídos na bilheteria do Oi Futuro, uma hora antes de cada show. A produção é da Casulo Cultura, que realiza o projeto através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura, com patrocínio da Oi e apoio do Oi Futuro.

Mais do que um festival, trata-se de uma celebração desse momento histórico da nossa música através de uma série de cinco encontros musicais, reunindo artistas tão diversos quanto similares.


Sobre o Oi Futuro
O Oi Futuro é o instituto de responsabilidade social da Oi, que desenvolve e apoia programas e projetos nas áreas de educação, cultura e sustentabilidade. O Oi Futuro tem um compromisso com a transformação e com a inclusão social, tendo como missão promover o desenvolvimento humano por meio das tecnologias da informação e da comunicação. Desde 2001, suas ações visam democratizar o acesso ao conhecimento e reduzir distâncias geográficas e sociais, com especial atenção à população jovem.

Na educação, os programas NAVE e Oi Kabum! usam as tecnologias da informação e da comunicação, capacitando jovens para profissões na área digital e criativa, fornecendo conteúdo pedagógico para a formação de educadores da rede pública e fomentando o desenvolvimento de modelos inovadores. Já na área cultural, o Oi Futuro mantém dois espaços culturais no Rio de Janeiro (RJ) e um em Belo Horizonte (MG), com programação nacional e internacional de qualidade reconhecida e a preços acessíveis, e o Museu das Telecomunicações nas duas cidades, além de apoiar festivais e projetos em todas as regiões Brasil por meio do Programa Oi de Patrocínios Culturais Incentivados.

O programa Oi Novos Brasis reafirma o compromisso do Instituto no campo da sustentabilidade, com o apoio e o desenvolvimento de parcerias com organizações sem fins lucrativos para a viabilização de ideias inovadoras que utilizem a tecnologia da informação e comunicação para acelerar o desenvolvimento humano. O esporte completa o seu escopo de atuação apoiando projetos aprovados pelas Leis de Incentivo ao Esporte, tendo sido a Oi a primeira companhia de telecomunicações a apostar nos projetos socioeducativos inseridos na Lei Federal.




PROGRAMAÇÃO

dia 8, terça-feira
Pedro Morais convida Paulinho Moska
Dois “cantautores”, como chamamos os artistas que cantam seu repertório autoral, dois cancionistas com muito em comum e com seus acentos muito próprios. Pedro é herdeiro da tradição melódica de Minas e Moska carrega em si um pouco da mágica do Rio.

dia 9, quarta-feira
Marina Machado convida Marcelo Jeneci
Os dois têm em comum uma certa doçura nos seus temas e canções. Ambos também apresentam novos trabalhos: Marina acaba de lançar o Quieto Um Pouco e Jeneci, De Graça.

dia 10, quinta-feira
Ana Cañas convida Flávio Renegado
Muito ligados à expressão negra da nossa música. Ana compõe inspirada nas cantoras de jazz e blues e Renegado é um rapper ligado no samba e na canção brasileira. Juntos e misturados, lembram Jards Macalé.

dia 11, sexta-feira
Anelis Assumpção convida Zélia Duncan
As duas cantoras têm em comum o repertório de Itamar Assumpção. Anelis, sua herdeira direta, com trabalho autoral cheio de suíngue, dub e reggae. Zélia reverencia Itamar desde seus primeiros discos e acaba de lançar um trabalho inteiro sobre a obra do compositor.

dia 12, sábado
Karina Buhr e Marina Lima
Parceiras em "Desencantados", música que faz parte do Climax (trabalho mais recente de Marina), Marina e Karina encerram a última noite do Vozes no Oi Futuro com um encontro especial. Duas artistas com presença de palco únicas, inimitáveis. Marina Lima é referência para toda essa geração. Um show de rock e de canção.


SERVIÇO
Festival Vozes do Brasil
8 a 12 de julho no Teatro Oi Futuro Klauss Vianna
Av. Afonso Pena nº 4.001, Mangabeiras, BH
Entrada gratuita (ingressos distribuídos uma hora antes de cada show)
facebook.com/festivalvozesdobrasil
Info: (31) 3222.3242